>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Ange
Administradora
Ange
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] O Quarto Retorno (pt. 2) HKIv36V

[Filler] O Quarto Retorno (pt. 2) - 13/7/2019, 22:37


Angell Hyuuga
[ HP: 975/975 | CH: 975/975 | ST: 00/05 ]
[ Byakugou no In: 500/500 ]


Mas a azulada também chorava. Tinha medo de estar tomando uma decisão errada, de ter, ainda antes, entendido errado as coisas, fosse lá na Folha, onde – sim, ela também sabia que – estava sendo apagada aos poucos, fosse agora na igreja, onde cada mínima pecinha do enorme quebra-cabeças que era o mundo ninja parecia cair perfeitamente em seu devido lugar. Enquanto isso, Anatole, que a encarava desde que ela decidiu dar sua resposta, sorriu, de repente parecendo menos irritado e mais compassivo. ...como se estivesse em um pequeno redemoinho de sentimentos e o comparasse ao oceano tempestuoso em que a aluna sempre demonstrava estar.

– Angell-chan, suas mãos são mãos que curam, – ele disse de repente, aproximando-se dela ao se sentar em sua mesa, de modo que os olhos de ambos se encontrassem. – diferentemente das minhas, que só causam desolação, desgraça e caos. Eu não quero destruir Konoha; meu intuito é apenas queimar as raízes podres e destruir os maus frutos dessa árvore. Vou tomar as rédeas dessa situação do meu jeito, mas também vou precisar das suas mãos curandeiras se as minhas acabarem causando desordem demais... assim como aconteceu com o coitado do Kaguya que os meus esqueletos levaram à ala médica.

Angell apenas assentiu com um aceno de cabeça, enquanto voltava a se levantar, e se virou para deixar a biblioteca. Ouviu a voz de Ryoma voltando a cortar o silêncio, mas já não conseguia mais prestar atenção em nada daquilo; tinha caraminholas demais na cabeça agora. É que, às vezes, os meios de Anatole pareciam tão puros, enquanto seus fins pareciam tão errados... e, às vezes, eram os fins que pareciam puros, enquanto os meios pareciam errados. Mas quem saberia o que realmente era certo? Se perseguir e matar por desencontro de ideais era tão comum, por que tentar ser diferente poderia ser tão ruim? A única certeza era a da fuga, que leva sempre a uma desarmonia ainda maior em relação a tudo em volta. Ou seja... não, não seria uma opção.

Cambaleando, a azulada cruzou boa parte da igreja, indo para onde Anatole disse que o garoto desconhecido estaria. Porém, estacou antes de chegar, e recostou suas costas na parede que segura a porta, do lado direito da mesma, curvando um tanto seu corpo para frente e elevando a destra até o rosto também, cobrindo-o inteiro. Não pretendia ficar desnorteada a ponto de não conseguir chegar à ala médica sem nenhuma pausa, mas ficou. O que diabos ela tinha falado? O que diabos ela tinha feito?!

– Angell. – ela ouviu a voz de Ryoma mais uma vez. – Você tomará a decisão certa. Esta igreja continuará sendo sua casa, independente do que aconteça.

Com cuidado, ele afastou as mãos que cobriam o rosto da azulada, para que seus olhos encontrassem os dela. Queria lhe passar confiança, e talvez força também. Queria lhe dizer que entendia seus sentimentos, que lhe apoiaria... apesar de não fazer a mínima ideia de como reconfortá-la realmente.

Mas nem para isso o rapazinho tinha tempo; os esqueletos, vendo Angell ali na porta, correram ao seu encontro para puxarem-na para o Kaguya desacordado. Sabiam tanto de suas habilidades quanto da tarefa que Anatole lhe tinha acabado de passar. Sabiam que era hora de testemunharem a mágica da cura debaixo de seu próprio teto. E, bem, não podiam negar que, acima de tudo, estavam curiosos – talvez tanto quanto Ryoma. Mas se eles todos soubessem quão simples a coisa toda era... quão rápida Angell seria para ativar seu Byakugan, examinar o menino com cuidado, escolher a melhor técnica médica para aquela tarefa, posicionar sua destra na nuca dele e sua canhota na palma direita dele e enfim começar a recuperá-lo... Mas se, ao mesmíssimo tempo, eles todos soubessem do estranhamento dela quanto à mão queimada, ao ferimento disforme na nuca, à escassez de chakra e à energia arroxeada anormal espalhada por todo o corpo dele, infestando suas redes sanguínea e de chakra e alguns órgãos e músculos...

– LAAAAAAAAAW!!! – o Kaguya gritou depois de alguns instantes, abrindo seus olhos e erguendo a metade de cima de seu corpo, e agarrando o pulso esquerdo da azulada. – Quem é você?! Onde eu estou?!

– Que tal tratar melhor a pessoa responsável pela sua melhora? – Ryoma foi o primeiro a reagir, cruzando seu olhar com o do outro, de repente parecendo ameaçador.

– N-não se alarme tanto, Ryoma... – mas a azulada murmura ao companheiro. – ele só está meio perdido. Acho que... estava tendo um pesadelo. – e se voltou para o Kaguya de novo. – Tinha a ver com... d-digo... você conhece Lawliet? Sou Angell, e vim cuidar de você. Está um tanto machucado...

– Conheço. – o desconhecido tornou. – Quero dizer, conhecia. Ele fazia parte da minha equipe... Fazia parte da minha família. – E enfim voltou a se deitar. – Não me lembro muito bem do que aconteceu... Houve uma invasão... e eu estava defendendo o portão junto de Nowaki... que está morto. Todos estão mortos.

A azulada só não afastou as mãos do corpo dele porque, por bem ou por mal, já tinha aprendido a lidar com cenas e discursos mais “traumatizantes” enquanto trabalhava a favor da recuperação alheia. Porém, sabia que seu rosto estava empalidecendo, ainda mais porque Ryoma já não tirava mais seus olhos de cima dela, mesmo que o possível perigo daquela sala não fosse ela. O problema era que... como shinobis tão bondosos e gentis como Nowaki e Lawliet podiam simplesmente terem sido deixados para morrer? Não que Anatole não devesse ter tido suas razões... mas... ninguém tinha nem mesmo tentado protegê-los?

– Essa queimadura na sua mão... – ela murmurou. – não me parece recente.

– Porque não é. – e ele respondeu de prontidão. – Assim como essa não foi a primeira invasão a Konoha que eu tentei impedir. Mas, como na outra vez... eu vi o hokage fugir e não vi qualquer sinal das forças especiais dele. Eu só vi a vila ser dominada ao gosto invasores... Lawliet queimando junto do Distrito Uchiha, Nowaki sendo amassado junto do portão... só isso...

Agora Angell estava confusa externamente também. Da única destruição – e sim, com direito a incêndio e tudo – do Distrito Uchiha que ela sabia foi na que ela mesma teve de trabalhar para reverter. Só que, ainda assim, ela nunca foi informada sobre nada do que tinha acontecido ali, e, se não fosse pela sua própria visão privilegiada, graças ao Byakugan ativo justamente naquele momento, ela também sequer saberia que, antes, chamas haviam queimado parte do lugar. Mas por que aquilo deveria ser um segredo? Dizemos, poucos ninjas tinham sido escalados para aquela missão – só Sam e ela, que ela se lembre; um aluno e uma agregada da Ryuketsu, equipe liderada por um Uchiha –, as próprias chamas estavam sendo apagadas – e seladas, não? – longe de quaisquer olhos normais, e nada do “antes” nem nada do “depois” tinha caído na boca do povo – como seria o mais normal a acontecer. ...e o que aquilo tudo deveria querer dizer?

A azulada aos poucos foi conseguindo dar conta dos ferimentos do Kaguya. Tinha tanta coisa para perguntar a ele... mas só conseguiu – sim, para não incomodá-lo ainda mais com as memórias dolorosas que poderia fazê-lo remexer para respondê-la – descobrir o nome dele. Koichi.


“But it’s the only thing that I have.”


Informações:

Considerações:
Filler (em 1.195 palavras) para aquisição de 100 de status (dobrados pelo mês do up).
Segundo filler da semana (o item Filler Extra foi ativado aqui).
Habilidades usadas:
Bolsa:
Equipamentos e itens:

_______________________

[Filler] O Quarto Retorno (pt. 2) Scre1755
[Filler] O Quarto Retorno (pt. 2) D5NZRF4Olá, eu sou a Angell.
Vim te trazer alguns conselhos que facilitarão o seu jogo aqui no Naruto RPG Akatsuki:

Admineiros Leia o nosso Sistema de Conduta e mantenha a paz tanto no seu ON quanto no seu OFF.
Admineiros Conheça o Akatsuki Shop!
Admineiros Fique atento às Notícias do nosso fórum!
Admineiros Em caso de dúvidas, visite a área de Dúvidas ou o tópico de Dúvidas Rápidas.
Admineiros Acesse a área de Sugestões para expor as suas ideias e incrementar o jogo de todo mundo!
Admineiros Entre no nosso servidor do Discord e socialize!
-
Redhood'
Tokubetsu Jonin
Redhood'
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] O Quarto Retorno (pt. 2) Tumblr_ot2ifclOid1rjqt15o2_400

https://www.narutorpgakatsuki.net/t68971-f-alphonsen-schatten#515080

Re: [Filler] O Quarto Retorno (pt. 2) - 14/7/2019, 02:09

@

_______________________

[Filler] O Quarto Retorno (pt. 2) Tumblr_p2mus4AmIF1r1j2boo1_500
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.