:: Mundo Ninja :: Mapa Mundi :: Sunagakure no Sato :: Arredores
Eclipse
Arco 05
Ano 17 DG
Shion
Fundador do RPG Akatsuki, Shion é responsável por manter o bom funcionamento de todas as áreas do fórum há mais de 10 anos. Completamente apaixonado por RPG e escrever, hoje é o principal responsável pelo desenvolvimento de toda a trama desse universo baseado na arte de Kishimoto.
Shion#7417
Angell
Angell é jogadora de RPG narrativo desde 2011. Conheceu e se juntou à comunidade do Akatsuki em fevereiro de 2019, e se tornou parte da administração em outubro do mesmo ano. Hoje, é responsável por desenvolver, balancear, adequar e revisar as regras do sistema, equilibrando-as entre a série e o fórum, além de auxiliar na manutenção das demais áreas deste. Fora do Akatsuki, apaixonada por leitura e escrita, apesar de amante da música, é bacharela e licenciada em Letras.
Angell#3815
Indra
Oblivion é jogador do NRPGA desde 2019, mas é jogador de RPG a mais de dez anos. Começou como narrador em 2019, passando um período fora e voltando em 2020, onde subiu para Moderador, cargo que permaneceu por mais de um ano, ficando responsável principalmente pela Modificação de Inventários, até se tornar Administrador. Fora do RPG, gosta de futebol, escrever histórias e atualmente busca terminar sua faculdade de Contabilidade.
Indra#6662
Mako
Mako é membro do Naruto RPG Akatsuki desde meados de 2012. Entre idas e vindas, contribuiu com a criação do sistema do RPG em atual vigor, participando ativamente durante os anos seguintes na manutenção dele. Após um breve período fora, está de volta trabalhando diretamente no sistema de regras, criando novas, reconstruindo velhas e readaptando-as a uma nova realidade. Fora daqui, é escritor com obras publicadas de forma independente e tradicionais.
gogunnn#6051
Wolf
Wolf é jogador do NRPGA desde fevereiro de 2020, tendo encontrado o fórum por meio de amigos, afastando-se em dezembro do mesmo ano, mas retornando em janeiro de 2022. É jogador de RPG desde 2012, embora seu primeiro fórum tenha sido o Akatsuki. Atua como moderador desde a passagem anterior, se dedicando as funções até se tornar administrador em outubro de 2022. Fora do RPG cursa a faculdade de Direito, quase em sua conclusão, bem como tem grande interesse por futebol, sendo um flamenguista doente.
Wolf#9564

[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde Xoj9u7k

Senko'
Godaime Mizukage
Senko'
Vilarejo Atual
[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde Xoj9u7k

[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde - Publicado Sab 26 Set 2020 - 3:40

O amadurecer de um covarde
HP: 1100 | 1100CH: 1000 | 1000ST: 0 | 5

As últimas duas semanas da vida do jovem genin tinham sido extremamente exaustivas emocionalmente. O desaparecimento do irmão que deixou a sua família desesperada; a descoberta do paradeiro do mesmo; o reencontro fraternal onde Ichiro tentou matar o caçula; a revelação, naquela mesma noite, de que Ichiro era um bastardo e que nas veias de Senko corria o sangue duma linhagem amaldiçoada pelo ódio; na madrugada seguinte, o teste duma arma colossal criada por Takura e, por fim, a invasão na vila. A maldita invasão.

Senko viu inúmeros ninjas mortos. Mortes vãs, lutando para proteger uma vila liderada por um traidor. Um kazekage fruto de uma experiência. Viu Takura morrer pelas mãos daquele desgraçado. Topazu, Aelin... Seu Sharingan foi desperto. Lutou inutilmente contra aquele ser e não foi capaz de suportar o Sakki da criatura que ele invocou, deixando a pobre Ayumu no campo de batalha sem ajuda. Sentia-se um covarde.

"Corre, Senko, corre". A voz que ecovava na sua mente era como se fosse uma mensagem do subconsciente lembrando a todo instante de que ele não poderia fraquejar mais nenhuma vez e que deveria se distanciar o máximo possível daquela vil criatura. A angústia no seu peito por deixar seus companheiros era tamanha, mas era uma luta pela sua própria vida, seu corpo respondia involuntariamente à pressão enorme desde que o cerco começou.

As palavras da falecida Aelin ainda eram muito vívidas em sua memória. O garoto não foi capaz de protegê-la. Ela se foi. Era óbvio para todos que era muito mais fácil Aelin defender aquela criança do que Senko defender a Kaguya. Contudo, para ele, era uma promessa que não foi capaz de cumprir. A todo momento, o genin tentava forçar um sorriso e dizer palavras de encorajamento. Ele dizia que podiam contar com ele. Podiam mesmo? Pelo jeito não. O pobre Senko não conseguia nem se ajudar, quem dirá ajudar o próximo.

Enquanto o caçula dava o melhor de si entre os escombros de Suna, um calafrio curto e poderoso atravessou sua espinha, fazendo com que ele arregalasse os olhos. "Mãe!" Desde que saiu, não pensou em sua mãe. Será que ela ainda estava viva? Mudou a direção dos passos e começou a ir de volta para casa.

Quando chegou, de longe avistou a sua humilde residência toda empoeirada. Parte da parede estava caída, um cenário de guerra. Talvez ela ainda estivesse bem, era a hora de descobrir.

Considerações:
(c)
[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde Xoj9u7k

Senko'
Godaime Mizukage
Senko'
Vilarejo Atual
[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde Xoj9u7k

Re: [Cena - Solo] O amadurecer de um covarde - Publicado Ter 29 Set 2020 - 0:45

O amadurecer de um covarde
HP: 1095 | 1100CH: 1000 | 1000ST: 0 | 5

O garoto foi se aproximando cautelosamente da casa. Sunagakure nunca esteve tão empoeirada nesses últimos dois anos e aquele casebre que já não era grande coisa estava em ruínas. Senko foi pulando sobre os escombros, sem tomar muito cuidado e de maneira muito afobada: estava com muito medo, medo de encontrar a última pessoa que o amava... sem vida. Sua falta de cuidado fez com que cortasse a mão num caco de vidro. Tomou um susto, mas a dor que sentia pelo pequeno corte era muito inferior a angústia naquele momento.

Correu em todos os cômodos gritando por Harumi. — Mãe! MÃMAE! CADÊ VOCÊ?! — berrou. Estava desesperado, todos os cômodos estavam vazios. Uma lágrima rolou pelo seu rosto sem nenhuma resistência até que ouviu um gemido vindo dos fundos do piso inferior. "O porão!" correu sem nem mesmo pensar mais do que uma vez.

Ele abriu a porta do porão, encarou as escadas e desceu. Quase tropeçava em si mesmo, olhando para o fundo do recinto. No canto da parede, lá estava ela: sua mãe, sua querida mãe jogada e tremendo. Quando Harumi viu Senko, abriu um sorriso de orelha a orelha, mas já não conseguia nem se comunicar direito, estava muito fraca. — Que bom que você tá bem, mamãe! — o caçula correu para abraça-la com todo o amor que existia no mundo, trazendo mais lágrimas, mas, dessa vez, de alegria. — Vem! Rápido, a gente precisa sair daqui, tem uma tartaruga gigante destruindo a vila! — envolveu o braço esquerdo da mãe sobre os ombros e começou a arrastá-la como pôde.  O garoto era com certeza mais forte que a mãe, entretanto também era bem mais baixo, o que dificultou bastante o seu trabalho. Ao chegar na sala, sentiu que aquilo não ia dar certo de jeito nenhum.

Olhou para a cozinha e viu umas peras caídas no chão. — Calma aí, mãe. — Deitou a mãe no chão com cuidado e foi buscar a fruta. Apanhou-as, deu umas assopradas para tirar o pó e ofereceu para a mãe comer. — Ontem a senhora não comeu o dia todo... deve estar faminta. — Ela mordeu a pera com gosto, comendo-a com pressa e se lambuzando toda. — Vem, vai comendo no caminho, precisamos ser rápidos!

Considerações:
(c)
[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde Xoj9u7k

Senko'
Godaime Mizukage
Senko'
Vilarejo Atual
[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde Xoj9u7k

Re: [Cena - Solo] O amadurecer de um covarde - Publicado Ter 29 Set 2020 - 2:02

O amadurecer de um covarde
HP: 1100 | 1100CH: 1000 | 1000ST: 1 | 5

Mãe e filho seguiram caminhando pelas ruas de Sunagakure no Sato. Mesmo de longe, Senko e Harumi estremeciam toda vez que ouviam os rugidos daquela tartaruga com um nome esquisito. "Sanbi... Sanbi", as ordens que saíram da boca do kazekage foram as últimas coisas que ouviu antes de sair correndo, apavorado pela absurda intenção assassina que aquela tartaruga emanava. O garoto nunca tinha visto nenhuma invocação daquele tipo.

Cambaleando grudado a mãe, o ninja já começava a se esforçar para levá-la, mas aos poucos também ela se recuperava, ajudando-o no percurso. — Filho... o que aconteceu com a vila? Onde está o kazekage? — disse Harumi, com a voz trêmula e ainda muito fraca. Os dois pararam de andar por um instante.

— Mãe, é difícil explicar, mas... Hattori Shion não é bem o Hattori Shion, ele é um clone do mal! Ele traiu a gente, mamãe! E a Takura... — ele olhou para baixo com um pesar, mesmo sabendo que a cientista também tinha culpa e não era uma boa pessoa. — ela morreu.

Os olhos de Harumi se arregalaram e ela quase engasgou ao saber da notícia. Puxou ar desesperadamente, como se estivesse sufocada ou tendo um ataque de pânico e... desatou a chorar. Naquele momento, Senko lembrou de horas atrás quando começou a chorar e foi repreendido pelos seus companheiros. Companheiros que, provavelmente, estavam todos mortos.

— Para com isso, mãe, engole o choro! A gente precisa salvar a nossa própria vida. Seja forte e não demonstre a sua fraqueza! Eu sei que dói, mas a gente precisa seguir em frente! — fitou o olhar da mãe com determinação, tentando transmitir coragem, ternura e força para honrar as mortes dos sunenses naquela madrugada.

Harumi olhou para o rapaz e forçou um sorriso. Um dia ela fora uma shinobi, ela entendia o que o filho estava falando, até porque já tinha ouvido palavras muito semelhantes no passado. — Muito bem, meu filho... você fala como o meu antigo sensei. — secou as lágrimas do rosto, pousou o braço sobre o ombro do filho e continuou caminhando.

Mas o barulho de choro não cessou. Agora, os gemidos de dor vinham de um edifício parcialmente destruído.

Considerações:
(c)
[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde Xoj9u7k

Senko'
Godaime Mizukage
Senko'
Vilarejo Atual
[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde Xoj9u7k

Re: [Cena - Solo] O amadurecer de um covarde - Publicado Sex 2 Out 2020 - 0:57

O amadurecer de um covarde
HP: 1100 | 1100CH: 475 | 475* -- CH: 475 | 475*ST: 2 | 5

— Filho, ouviu isso? — Harumi olhava na direção do ruído. Senko conseguia ouvir claramente, mas preferiu ignorar e continuar andando. Deram mais alguns passos e a mãe do pequeno Matsuda forçou a parada. — Senko... diga-me, eu sei que você também está ouvindo isso. A gente precisa ajudar.

Senko simplesmente ignorou e tentou continuar andando, mas sua mãe o travava.

— Eu não vou te deixar continuar sem antes ajudar quem está ali.

— Mãe! Quem precisa de ajuda somos nós, esquece isso! Eu quero que quem esteja lá que se dane! — protestou, com a testa toda franzida e com um olhar determinado e sombrio. Harumi se afastou ligeiramente, sem nem reconhecer o filho. Até o próprio garoto se assustou com o que disse. Desde que despertou aqueles olhos tudo mudou. Só desgraça, só um sentimento de querer que tudo se exploda, uma raiva incontrolável, um medo de perder mais uma pessoa que amava.

Ele suspirou e fechou os olhos, tentando entender o que a mãe queria dele. Harumi passou as mãos no cabelo do genin fazendo um cafuné do jeito que só uma mãe sabia fazer. — Eu tô melhor agora... vai lá, filho, por favor.

O garoto acenou com a cabeça, aceitando o pedido da mãe. Se estivesse num dia normal, certamente teria ido ajudar nem hesitar. Contudo, mesmo não conseguindo explicar, relutava. Era como se nada mais importasse. Com certeza, se sua mãe não estivesse pedido, teria deixado quem estava ali pra morrer.

À medida que se aproximava, o choro ficava mais audível, mas parecia mais fraco ao mesmo tempo. — Tem alguém aí? — pergunta quase que retórica, obviamente tinha alguém ali.

— Me ajuda, por favor... — uma voz feminina repetia as palavras, quase sem força. Senko andou entre os escombros, desta vez com um pouco mais de cuidado, avistando uma menina. Um enorme bloco da parede do prédio havia caído sobre ela, que grunhia de dor.

— Calma, eu vou te tirar daí, não se preocupe! — o genin alcançou o pesado bloco e tentou levantá-lo. Usou toda a usa força, mas  sozinho não ia conseguir levantar aquilo.

Pensou em chamar a mãe, mas ainda estava muito fraca por mais que dissesse que estava bem. Então resolveu criar um clone para suportar o peso. Formou um único selo com as mãos, cruzando os dedos indicador e médio e dividiu seu chakra. Kage Bunshin no Jutsu! a fumaça se dissipou e logo começaram a tirar o bloco de cima da menina, agora com mais facilidade.

A menina também o ajudou a empurrar. Parecia que não estava ali por muito tempo, mas também não iria conseguir sair se não fosse pela ajuda de Senko. Assim que teve uma folga, ela se arrastou e conseguiu se soltar, suspirando de alívio. — Qual é o seu nome, garota? — O sol já raiava na madrugada de Suna. Alguns raios solares iam de encontro as duas crianças.

— Yumi... meu nome é Yumi. — respondeu a kunoichi de cabelos cor-de-mel e olhos claros.

O genin logo lhe estendeu a mão, um pouco envergonhado Meu nome é Senko Uc... Matsuda. — Mas antes que pudesse reagir a menina avançou com um caloroso abraço, quase chorando. — Obrigado, você me salvou!

Senko sentia um 'enjoo' estranho. Desde aquela noite, onde descobriu a verdade sobre si mesmo, tem tido um conflito interno muito grande. Uma raiva contra a maldade humana, um desejo de proteger somente o que é seu. E, naquele breve momento em que Yumi o abraçou, pode sentir algo que não sentia desde então: aquela felicidade quando ajudava alguém. Aquele abraço trouxe leveza para aquela densa e cansativa madrugada.

Considerações:
(c)
[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde Xoj9u7k

Senko'
Godaime Mizukage
Senko'
Vilarejo Atual
[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde Xoj9u7k

Re: [Cena - Solo] O amadurecer de um covarde - Publicado Sex 2 Out 2020 - 1:59

O amadurecer de um covarde
HP: 1100 | 1100CH: 940 | 1000ST: 3 | 5

Os dois ninjas se afastaram um pouco, desfazendo o abraço. Senko estava um pouco corado, mas logo voltou com o seu semblante preocupado. — Yumi, você consegue andar sem ajuda? — perguntou — Consigo sim. — respondeu a menina.

Ambos foram na direção de Harumi, que se encontrava exatamente no mesmo lugar em que havia sido deixada. Não foi preciso chegar muito perto para ouvir uma tosse bem forte, pela sua intensidade era algo bem preocupante. — Mãe, o que aconteceu, tá tudo bem?! — o garoto adorava fazer esse tipo de perguntas onde a resposta era mais do que óbvia, impressionante...  

Ao mesmo tempo, um outro prédio ao lado começava a ceder. Os três perceberam isso e a preocupação aumentou. Senko avançou prontamente e colocou a mãe nos ombros com auxílio do clone, mas bastou movê-la com cuidado para fazer com que Harumi vomitasse sangue. Era como se fosse feita de uma casquinha de creme brûlée, iria se desmanchar a qualquer momento.

— Meu querido... me deixe, eu não vou conseguir.  — pediu, sem forças e já aceitando o fim que ia ter. Mesmo se conseguisse desviar do prédio que iria cair em instantes, não seria capaz de suportar o que viria a seguir. Era o fim para Harumi.

Mas Senko nunca iria aceitar isso. Perdeu o pai para Okina, o irmão para a negligência da gestão da vila, mas não iria perder a mãe naquela madrugada.

— Não. Vamos todos sair vivos daqui, confiem em mim, vai dar certo. — disse o genin, mesmo sem ter nenhum plano em mente. Ativou o Sharingan instintivamente.  

— Eu... eu sei um jutsu médico que pode ajudar! — Yumi se aproximou rapidamente da mãe do garoto, pousando a mão sobre sua barriga. Ela fechou os olhos e concentrou um chakra esmeralda por alguns instantes. Senko tinha um olho nas duas e o outro olho naquela construção. A cada estrondo que vinha do foco da batalha, ele se mexia alguns centímetros, fazendo barulho de concreto partindo. — Só mais um pouco e vai dar certo! — o garoto contraiu os músculos, prevendo o que ia acontecer em seguida.

O prédio desabou. Uma grande nuvem de poeira se levantou naquela rua. Um impacto daquele mataria não só Harumi, como também as duas crianças que ali estavam. Felizmente, a uns cinco metros do edifício tombado, lá estavam eles três. No último instante, Senko arrastou as duas com auxílio do clone e do Shunshin no Jutsu, livrando-as daquela catástrofe. Harumi, graças aos esforços de Yumi, estava um pouco melhor. — Obrigado por salvar minha mãe, Yumi. — Agradeceu e desfez o clone.

— Não, obrigado por salvar a gente, Senko — disseram as duas, quase em coro. Ele sorriu. Um sorriso cansado, mas sincero.

— Até essa tartaruga gigante ser contida e o kazekage ser derrotado - quer dizer, se ele for derrotado - vamos ficar fora da vila... Suna é o lugar mais perigoso do mundo, por enquanto.

E os três caminharam para os portões da vila, sem saber se iriam voltar tão cedo ou se iriam voltar de fato.

Considerações:
(c)
[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde 9cf60763dc0395bb6231cfada13244c8

Takane
Jōnin
Takane
Vilarejo Atual
[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde 9cf60763dc0395bb6231cfada13244c8

Re: [Cena - Solo] O amadurecer de um covarde - Publicado Sex 2 Out 2020 - 11:05

ok

_______________________

[Cena - Solo] O amadurecer de um covarde Untitled-2
Que se inicie o caos pois a rocha continuara firme!
Template
Conteúdo patrocinado
Vilarejo Atual

Re: [Cena - Solo] O amadurecer de um covarde - Publicado