>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

[Filler de Troca de Vilarejo] No alto daquele Kumo - 24/10/2020, 23:45


Senju Keiji
HP: 2000 | 2000 • CH: 2350 | 2350 • ST: 00 | 07
Departamento de Investigações, 20:00.

A lua dominava os céus sobre Uzushiogakure no Sato, apesar de não ser possível vê-la em virtude do denso nevoeiro ao lado de fora da sala de Kozume Alice. A jovem, naquele momento, encontrava-se em pé, virada para sua escrivaninha. Com um bule em mãos, derramava o chá dentro de belas xícaras de porcelana brancas com detalhes em azul. Assim que terminou, pegou ambas as xícaras e levou-as à Keiji, que fazia carinho na formosa coruja branca, enquanto olhava pela janela.

— Valeu! — Agradeceu pegando o objeto das mãos da garota.

— Hoje foi um dia bem cansativo. — Ela comentou.

— Sim! — Apesar de já fazer um tempo desde que se conheceram, Keiji ainda se mantinha como uma pessoa de poucas palavras.

— Keiji, poderia me contar os motivos de seu pai ter desistido da carreira de shinobi? — Ainda curiosa, voltou a questionar o jovem sobre esse assunto.

— Não acho que ele desistiu.

— Como assim?

— Ele ficou assim desde que minha mãe sumiu, mas nem eu consigo entender muito bem os motivos. Não sei se é por medo de aceitar que ela se foi e que precisa continuar a vida sem ela ou se não se sente no direito de continuar com tudo que construíram juntos apenas para ele. Eu, sinceramente, não sei. Ele quer encontra-la, porém, parece que ele tá jogando essa responsabilidade nas minhas costas. Talvez, ele só esteja julgando a si mesmo muito mais do que deveria.  

— Família... é complicado. — Alice respondeu em um tom tão triste quando o do garoto.

O silêncio tomou conta do local e o clima tornou-se desfavorável para dar prosseguimento à conversa. Keiji sabia disso. Então, deixou a xícara de chá sobre a mesa da investigadora e se despediu.

***

Ao chegar em sua casa, o Senju pode ouvir duas vozes diferentes. A primeira, de seu pai. A segunda, um pouco estranha, mas parecia que já havia a escutado antes. Aproximou-se, então, cautelosamente, para tentar ouvir a conversa e olhou pela pequena fresta na janela. Definitivamente, conhecia o dono daquela voz, era o homem estranho que recentemente o auxiliou com alguns treinamentos: Masuda Kenta.

— Jirou, até quando? Já está na hora do garoto saber.

— Você disse a palavra correta, Kenta. Garoto, ele ainda é um garoto. Se ele souber, vai querer ir atrás dela. — Cedo ou tarde ele vai descobrir mesmo, talvez fosse melhor ele ouvir da sua boca isso.

— O que você está planejando? Não era nem para alguém como você estar aqui. Enfim, é melhor se retirar antes que arrume problemas. Aliás, deixe Keiji em paz. Não quero que o envolva em suas loucuras.

Kenta retirou-se da residência. Intrigado pela conversa dos dois, o chunin decidiu segui-lo e intercepta-lo, não muito longe dali.

— Ora, ora... que surpresa, Keiji.
— Disse o homem, com um sorriso no rosto.

— Eu nunca lhe disse meu nome e é a segunda vez que me chama por ele. Como sabe quem sou e, mais importante, o que foi aquela conversa com meu pai? Vocês parecem se conhecer e não só a ele. Estavam falando sobre minha mãe?

— Parece que você ouviu algumas coisas que seu pai não gostaria que ouvisse.

— Sim e você irá me contar tudo que sabe sobre Akane... de um jeito ou de outro. — O Senju, então, começou a desatar a bandana vermelha de seu pulso. Estava disposto a usar toda sua força para retirar qualquer informação daquele homem.

— Calma, calma. Você não vai precisar fazer isso, estou disposto a te contar. Mas, primeiro, vamos sair daqui.

Aproximaram-se da costa à oeste do vilarejo. O local estava com um movimento baixo devido ao horário, apenas um ou outro pescador atracava seu humilde barco após o longo dia de pesca. Essa, aliás, era o sustento de muitos civis do vilarejo. Sentaram-se à beira do cais com os pés virados para o vasto mar.

— Então, jovem. O que você sabe sobre Akane?

— As únicas coisas que sei sobre ela é que ela pertence ao clã Senju e não é originalmente de Uzushiogakure no Sato.

— Era exatamente sobre isso que estava conversando com seu pai. Sua mãe é natural de Kumogakure no Sato. Presumo que já deve ter ouvido esse nome, certo? Ela veio para Uzushio ainda jovem e aqui ficou, com seu pai. Mas, apesar de não ter uma boa relação com sua família, ela tinha bens e raízes ligadas a Kumo; afinal, foram 13 ou 15 anos que ela viveu por lá. O fato é que, caso ainda queira encontra-la, você, primeiro, precisa conhece-la. Qual a melhor forma de conhece-la se não investigando do início? Estando no lugar em que ela nasceu e cresceu?

— O que você quer?

— Não se preocupe com os detalhes, você irá me ajudar indiretamente. — O homem se levantou. — Boa sorte! — Lentamente, sumiu em meio o nevoeiro e as trevas da noite. Keiji permaneceu no local, olhando para o nada. Minutos depois, o jovem segurou uma moeda em suas mãos, após retirá-la do bolso de sua calça. Equilibrou-a entre os dedos e arremessou para cima, pegando-a habilmente, logo na sequência. Então, abriu as mãos e a encarou.

Loucura? Imaturidade? Indecisão? Bem, aquele gesto poderia significar qualquer coisa, nunca se sabe. O que importa é que aquela moeda dourada era a responsável por decidir o futuro do Senju. Levantou-se.

***

De volta a casa, o chunin deparou-se com Jirou aos prantos sobre sofá. O homem de cabelos longos chorava descontroladamente.

— Até quando você vai ficar assim? — Disse em tom de desaprovação.

— É... difícil.

— Porque você quer. Sabe muito bem que é melhor que eu para isso. Enfim, engole esse choro, pois precisamos conversar. — Keiji estava sério. — Akane é de Kumo, não é?

— Aquele filho de uma puta... Eu deveria ter o matado quando tive a oportunidade. Ele foi atrás de você? — O Sarutobi começava a demonstrar sinais de preocupação.

— Não! Eu ouvi a conversa de vocês e o segui assim que ele saiu daqui.

— Você não deveria dar ouvidos a esse homem. Ele não é uma boa pessoa.

— Não tenho interesse nele, eu quero encontrar a minha mãe. Você deveria se portar da mesma forma para com sua esposa, ao invés de ficar jogado ai, feito uma lata de lixo. — Ergueu o tom de voz. — Só quero que me confirme se o que ele me disse é verdade.

— Sim, é. Sua mãe nasceu em Kumogakure. Mas o que você pretende fazer com isso?

— Não é óbvio?

— Lembre-se do que eu te disse da última vez. Seus avós estão mortos, a família de sua mãe se desmembrou. Não tem nada mais naquela vila que a faria voltar.


— Você pode ter razão, porém, eu sequer sei quem minha mãe é. Na verdade, eu não conheço nem você, pai. Eu preciso entender os pensamentos dela, caso queira encontrá-la. Então tenho que começar por algum lugar. Ficar aqui em Uzushio brincando de prender criminoso, não vai me levar a nada. Amanhã estarei partindo, você vem?

— Não sei, preciso de um tempo para pensar.

— Covarde! — Após sua última palavra, o Senju se retirou para a cozinha, em busca de algo para comer e, depois, para foi para o quanto onde permaneceu o restante da noite. Ansioso, sequer conseguiu fechar os olhos para dormir.

***

O sol sequer havia nascido e Keiji já estava pronto para viagem: todas suas vestes, armas, pergaminhos e livros foram amontoados em uma enorme mochila de pano verde. Vestiu-se com as mesmas roupas de sempre; afinal, jamais se sabe o que pode encontrar pela estrada.

Enquanto tomava um reforçado café da manhã, as lembranças daquela casa começaram a vir a sua mente, tanto alegres quanto tristes. Ainda assim, foram elas que transformaram o garoto em quem ele era hoje. Esboçou derramar algumas lágrimas, porém se conteve ao ouvir os passos de Jirou. “Então ele também vira?”, animou-se. Mas, não. Seu pai estava de pijama e com os olhos inchados.

— Então você irá mesmo? Tem certeza? — Questionou.

— Sim! Você também deveria.

— Eu sei, mas ainda não é a hora. Na posição em que estou, não posso simplesmente deixar tudo aqui e ir embora. Preciso de um pouco mais de tempo. Pensei muito sobre nossa discussão de ontem e você está totalmente certo. Então, vai na frente. Logo eu irei lhe alcançar. — O jovem se levantou, caminhou em direção ao homem e o abraçou (por muito tempo). Não sabiam quando iriam se ver outra vez. Talvez, esse abraço seria o último.

Então, Keiji seguiu sua viagem. Antes, porém, passou pelo Departamento de Investigações para encerrar seus trabalhos e deixou uma carta sobre a mesa de Alice que ainda não havia chegado ao local.

Alguns dias depois, devido as várias pausas pelo caminho, o jovem chegaria a Kumogakure no Sato. Ali daria inicio a uma nova etapa em sua vida. Glória ou fracasso? Isso era algo que ele só saberia dali a alguns anos. Antes disso, precisava encontrar um lugar para morar. Não precisava ser grande, nem luxuoso. A única condição imposta era que lembrasse seu antigo lar.

“Sinto que estou cada vez mais perto, Akane.”, pensou, olhando para os portões da Vila Oculta da Nuvem.

-
OPEN:
+ Palavras: 1511.
+ Filler de troca de Vilarejo (De Uzu para Kumo). Primeira troca de vilarejo da conta e do personagem, portanto, apenas 1500 como mínimo. (Mod AG)

Jutsus/Técnicas:

Databook:
+ 06 Ninjutsu (+200 pontos a mais de força em ninjutsus)
+ 00 Taijutsu
+ 00 Genjutsu
+ 04  Inteligência (armadilhas colocadas/percebidas: 2 a cada 3 turnos)
+ 02 Força (precisão & alcance: 12m & 12m/s; danos adicionais/reduzidos: +20HP/-10HP)
+ 03 Velocidade (14 m/s)
+ 05 Stamina (7 posts)
+ 03 Selos de mãos (6 selos/s)

Qualidades & Defeitos:
Qualidades
+ Habilidade em Ninjutsu (Acréscimo de 1 Ponto em Ninjutsu & redução de dez pontos de chakra em qualquer ninjutsu que utilize chakra puro)
+ Grande Controle de Chakra (Redução de todos os consumos de Chakra em 25%; arredonda-se em números quebrados para o maior valor)
+ Grande Vitalidade
+ Grandes Reservas de Chakra
+ Perito Elemental: Mokuton (Reduz os custos do elemento escolhido em 50%)

Defeitos
- Código de Honra: Guerreiro (nunca recusa uma luta)
- Jogador (tornam tudo um jogo infantil, ou seja, se possuírem dois caminhos, eles jogam dados para decidir; se tiver dois alvos, eles jogam moedas para decidir; nunca levam nada a sério e isso pode irritar os outros.)

Bolsa de Armas
+ Kunai (10)
+ Kibaku Fuuda (12 un)
+ Fios de Aço (10 m)
+ Kemuridama (5)


"Pensamentos" | Falas
Aparência



-
Lollipoppy
Chūnin
Lollipoppy
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler de Troca de Vilarejo] No alto daquele Kumo URkFDZ9

https://www.narutorpgakatsuki.net/t73424-ficha-yuki-kana https://www.narutorpgakatsuki.net/t72312-gf-oshiro-ayumu

Re: [Filler de Troca de Vilarejo] No alto daquele Kumo - 25/10/2020, 01:29

@Gabz Filler Aprovado, troca aceita!
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.