:: Mundo Ninja :: Mapa Mundi :: Sunagakure no Sato :: Arredores
12 Anos Online
A Noite Mais Escura
Arco 03
Ano 14 DG
Outono
Diante da queda de Moira O'Deorain e a morte de Chisaki Overhaul, todos os olhos dos ninjas presentes em Kiri se voltaram para o Capuz Vermelho, que se revelou uma cópia exata do lendário Sarutobi Shion. Graças a Hyuuga Angell, o mercenário foi capturado, levando a prisão junto com Moira. Tudo aquilo favoreceu um entendimento entre as vilas que lutaram entre si em Oto, fazendo com que eles voltassem a neutralidade. Enquanto Iwa e Suna elegem novos Kages, em Konoha, Sarutobi Kaden se prepara para passar o seu cargo para um ninja mais jovem, ao mesmo tempo em que um novo Senhor Feudal assume em Kumo e o Daimyou de Kiri tenta impedir os ataques dos opositores de Jyu. Com a revelação de Chisaki Overhaul sobre a HYDRA, as ações da empresa acabam sofrendo uma grande queda, gerando indícios de uma enorme crise nas grandes nações. Diante do caos, diversos vilarejos pequenos são varridos do mapa quando uma onda de assassinatos em massa se inicia, ao mesmo tempo em que um grupo de fieis ao Jashinismo começa a se erguer, trazendo uma mensagem de esperança para os corações afligidos pelo sofrimento.
... clique aqui para saber mais informações
Shion
Fundador do RPG Akatsuki, Shion é responsável por manter o bom funcionamento de todas as áreas do fórum há mais de 10 anos. Completamente apaixonado por RPG e escrever, hoje é o principal responsável pelo desenvolvimento de toda a trama desse universo baseado na arte de Kishimoto.
Shion#7417
Angell
Angell é jogadora de RPG narrativo desde 2011. Conheceu e se juntou à comunidade do Akatsuki em fevereiro de 2019, e se tornou parte da administração em outubro do mesmo ano. Hoje, é responsável por desenvolver, balancear, adequar e revisar as regras do sistema, equilibrando-as entre a série e o fórum, além de auxiliar na manutenção das demais áreas deste. Fora do Akatsuki, apaixonada por leitura e escrita, apesar de amante da música, é bacharela e licenciada em Letras.
Angell#3815
Oblivion
Oblivion é jogador do NRPGA desde 2019, mas é jogador de RPG a mais de dez anos. Começou como narrador em 2019, passando um período fora e voltando em 2020, onde subiu para Moderador, cargo que permaneceu por mais de um ano, ficando responsável principalmente pela Modificação de Inventários, até se tornar Administrador. Fora do RPG, gosta de futebol, escrever histórias e atualmente busca terminar sua faculdade de Contabilidade.
Indra#6662
XXXXX
Futuramente teremos.
Discord#1234
XXXXX
XXXXX
Discord#1234

[59 DG] - ORIGEM DE UM SÍMBOLO HONROSO Images10

Julian Kyor
Tokubetsu Jonin
Julian Kyor
Vilarejo Atual
[59 DG] - ORIGEM DE UM SÍMBOLO HONROSO Images10

[59 DG] - ORIGEM DE UM SÍMBOLO HONROSO - Publicado 8/2/2020, 00:01


HP: ❲ 225 • 225 ❳CH: ❲ 650 • 650 ❳ST: ❲ 03 • 03 ❳

Miyamoto Musashi II - song':


Raios de sol feriam a penumbra das ralas nuvens residentes em terrenos à oeste da devastada aldeia do vento, Sunagakure no Sato. Lá, moradores, encontram um menino ruivo de pele morena e cabelos ruivos, tamanho encontrou rendeu primorosas memórias, cuja nostalgia atinge até os dias atuais nosso querido e determinado garoto genin da reformada vila da areia. Espantados ao ver, roupas maltrapilhas coladas ao corpo, provavelmente, pela sujeira e costumeiro tempo sem tomar banho, aliado ao inconfundível cheiro de podridão. Viver ali não era fácil, o garoto de olhos azuis mendigara junto a seus colegas das mais seletas idades por anos ali. Terras arrasadas pelas guerras constantes, obrigaram a órfãos e desconhecidos a habitar o inanimável perigo das ruas enlamaçentas e sujas, das cidades, restante apenas casas ricas na região, onde guardas pessoais e costumeiramente ninjas estabeleciam a ordem perante seus portões.

Ali, em tamanho desprezo e dor, seja por conta da fome, ou sede ou cansaço, sofriam todos os dias na procura de apenas um pedaço de pão, ou migalhas disputadas a tapa juntamente aos ratos. Era desesperador a quem visse, no entanto, não desistiam da vida, e fortemente resistentes, iam em busca de sobreviver um dia de cada vez. Nessa lista, fazia parte o raquítico e alto ainda na sua idade pouca, onde volte e meia, se aventurava em becos e florestas raras em suna, por se aproximar da fronteira, contudo igualmente perigosas até mesmo a ninjas. E por linhas do destino, durante uma de suas aventuras a catar o tanto de alimento que fosse, ou água límpida, se chocou a pessoas, em misto de bem vestidas e cafonas. Essa foi a primeira impressão.

Espantados ao se deparar com o garotinho, há dias sem comer, revelando ossos quase nunca vistos por serem do fundo do corpo, ainda vivo, contudo, sua morte dava indícios de estar tão perto. Apavorados a tamanha determinação em viver, o garotinho ruivo, finge não ser ninguém, pois seu objetivo se dará em encontrar algum alimento, não importando a fama da floresta, mas apenas o tamanho da sua fome e determinação em viver. Ainda impactados, se viram para falar com a criança, já de costas a eles, e perguntam… — Menino, tu tem família ? — Aquilo, o corrói por dentro, mesmo sendo meras palavras de estranhos, o faria voltar a tona e se lembrar do quanto clamava por uma família, e quanto zombam deste por não ter pais e ser um sobrevivente de guerra. — Nããããooooo! Sou um sobrevivente de guerra, tá ?!— Se virou esboçando um rugido quase como um leão, esgotado das piadas dos filhos dos lordes da região, magoado porém sempre na ofensiva, seu ódio cresceu em segundos, ardendo o sangue guerreiro.

Retornou emburrado ao seu caminho, ignorando completamente qualquer outra réplica nesse diálogo, e de nariz empinado, aventurou-se nas matas escuras e perigosas. Não bastou três segundos para surgir uma fera do tamanho de três pessoas uma em cima da outra. Explodiu em rugido, diferentemente do ruivo, esse foi realmente aterrorizante, e repleto de ameaça de morte. Agilmente, o garoto correu, se esgueirou na mata, e quando imaginou ter escapado a tempo hábil, sentiu o vento sugar seu corpo, já revelando a impressionante garra do urso, vinda em sua direção. Chances zero de fuga. Apenas se virou e aceitou sua morte, ciente do perigo desde o início de sua jornada. Curiosamente, o mesmo sugar, de instantes atrás, foi sentido em suas costas. Aliás, até mesmo maior. O futuro trazia uma nova chance ao garoto. Foi-se o tempo de uma inspiração assustada, cujo próprio vento indicou um vulto a cintilar no brilho do sol assumindo forma bestial no mover. Um novo olhar à frente, e veria-se dois ursos, um banda se despedaçando da outra, uma pata longe da outra, e por fim metade de uma cabeça longe da outra. Configurava-se uma cena de filme, o homem barbudo e de antes vestes bregas, agora trajava, uma armadura por debaixo e em simples balançar dos dedos, embainhou sua longa espada escarlate. Animais me mordam, quer dizer, esquece. Aquilo foi espetacular demais, tanto foi que o ruivo, não conseguia esboçar reação, nem falar uma só palavra, restou derramar lágrimas de alegria ou sentir a calorosa mão do homem esplêndido tocar sua cabeça e puxá-lo a seu corpo, recitando leves e seguras palavras… — O que quer que o destino reservou a ti, meu querido, eu não deixarei acontecer, a partir de hoje, tu será meu novo filho, venha comigo e lhe darei a paz, a alegria e a sabedoria que mereces. — Seguiu em unissom — Como se chama meu guerreirinho ?— E memórias lhe vieram à mente….

Presenciou nas fétidas regiões pobres daquele povoado, em raro momento, a passagem de um mensageiro, repleto de contos e histórias, tamanha figura se hospedou perto de onde dormia o jovem garoto, a diferença se dava por um se deitar do lado de fora e o outro do lado de dentro da hospedaria. Às vezes, reunia alguns trocados naquela região, e por isso se mantinha ali na maior parte do tempo, na proporção de ser também a parte periférica em estado menos caótico e perigoso na comparação a outras. Em determinada noite, especificamente nessa noite, escutou barulhos e gargalhadas eufóricas ali dentro, atiçando imediatamente a curiosidade sempre forte. Obrigou-se a ir até, lá, na hospedaria entender o que se passava, passinhos de malandro, e a infiltração foi bem sucedida. Arrastou-se por entre dois barris, felizmente, o único capaz a realizar tal proeza por ser tão magro. Ali, angariou posição de camarote de todo o bar, abaixo logo a hospedaria, onde o mensageiro contava as melhores piadas, as melhores histórias e entusiasmava a qualquer um que passasse, incluindo crianças e velhos ranzinzas. Típico de um bom orador, o mensageiro, sabia tecer os pontos fortes dos acontecimentos, retirar os pontos fracos e igualmente inserir pitadas de humor e brincadeira, o que tornara simplesmente incrível escutar cada palavra vinda de sua boca.

No meio desse turbilhão de risadas e entusiasmo desenvolvida ao mudar de história, em uma delas a temática se construiu diferente das outras. Ele deu a introdução: - Nasceu há 100 anos atrás um guerreiro, mas não um simples guerreiro, essa é verdadeira, eu juro, meus amigos - Dedicou boa ênfase e convenceu. - Sua determinação era incomparável e inatingível, a espada era seu terceiro braço, quase encarnada em sua pele…. Muitas vezes às noites, só se via o barulho das madeiras a serem quebradas, rochas e tudo quanto se era sólido...Uma vez até mesmo a água o viram dividir em duas, em um vulto de sua lâmina… Mas isso é só o começo, sua vida estaria determinar a seguir caminhos totalmente impensáveis a um morador de vila simples, cuja atividade principal não passava de vender madeira e artesanatos... Era uma vida rasa demais a esse homem impetuoso, mas ele era bastante calmo, e aguardara seu momento chegar, apenas um bastaria pensou ele. E continuou calmamente explicando detalhe por detalhe…. [ porém o resto da história só no próximo filler ]


 


Considerações:





Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [59 DG] - ORIGEM DE UM SÍMBOLO HONROSO - Publicado 8/2/2020, 03:56

Aprovado.