>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Database
Chūnin
Database
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] Companhia F84635dc3b652bb9e64de17cffcb8f48ba4a3ef3

https://www.narutorpgakatsuki.net/t69813-f-hakai-kyoki#524597 https://www.narutorpgakatsuki.net/t69841-gestao-de-ficha-eilish#524990

[Filler] Companhia - Qui 1 Fev - 17:28

Agora eu vou contar uma história sobre um jutsu especial que eu criei em homenagem à alguém muito especial. Isto aconteceu faz alguns meses atrás, eu já era uma chunin. Já havia passado por tudo que o detentor dos meu olho direito havia planejado, tramar uma guerra entre Kumogakure e Iwagakure. Sim, eu já tinha o Sharingan e foi por causa dele que os fatos que relatarei a seguir aconteceram.

Era um dia de folga minha, não havia muita coisa a se fazer na vila, Kuroko já havia voltado de viagem e o seu presente fora um olho vermelho de poder imensurável. Posso dizer que eu sempre procuro algo a fazer quando estou a toa pela vila, muito bem, assim o fiz quando já havia tomado meu café da manhã com meus pais, eles já estavam preparados para irem para seus devidos trabalhos formais. Um ia para sua loja de souvenir e outra ia para sua loja de roupas. A casa ficaria comigo até a volta deles, mas eu me juntava a eles e saí de casa para dar uma volta pela vila. A aldeia era gigantesca, tinha muitas coisas a me oferecer para me entreter nesse dia livre de trabalho, porém poucas coisas me agradariam naquele momento, somente ver algumas roupas e pensar em novos visuais me fizeram passar um pouco do tempo. Uma volta pensando em qualquer coisa era mais proveitoso para mim. As ruas de Kumo eram cheias, a vida aflorava pelas calçadas da vila acima das nuvens, e isso me deixava alegre de verdade. Na defesa da vila, eu não fui o fator decisivo na batalha, mas eu de certa forma ajudei Kuroko e o outro ninja a defenderem nosso lar. As marcas da batalha podem ter desaparecido para os moradores que pouco viram, mas para mim ainda podia ver as kunais marcadas pelos tetos das casas próximas ao portão, e não, não era um trauma. Se Sousuke aparecesse na minha frente naquele momento, estaria um pouco feliz, ele era nosso aliado e eu gostava dele. Bem... Esse gostar ainda não sei em que sentido claro. O homem simplesmente ataca a minha vila e eu começo a me apaixonar por ele? Talvez... Esqueçamos isso.

Nos devaneios de minha caminhada acabo por me deparar no portão, não queria estar ali mas como eu mesma andei até lá, decido por ir conversar com alguns ninjas que ali.

- Olá pessoal, como vão as coisas? Tudo tranquilo por aqui? - perguntei.

Um jounin que estava lendo um livro prestou atenção em mim e respondeu a minha pergunta, seu nome era Yinoko.

- Tudo as mil maravilhas, Chrome. Nada de estranho acontecendo. - respondeu gentilmente o homem.

- Que bom que está tudo ok. Talvez eu precise sair da vila para resolver alguns assuntos nos arredores, tem algum problema? - novamente perguntei.

- Sem nenhum problema, pode ir. - falou Yinoko.

Depois da resposta positiva do jounin eu me aproximei do portão da vila e olhava para o caminho em que ela levava e refletia sobre o que eu estava vendo. As poucas florestas que haviam ali me fizeram curiosa sobre um barulho que vinham das árvores, parecia um piado. Não era um canto como qualquer pequeno pássaro faz, mas parecia um choro de um. Saí dos portões e fui na direção daquele piado, adentrando a floresta. O vento batia em minha pele, diminuindo minha temperatura brevemente e me fazendo passar frio. O barulho aumentava enquanto eu ia em direção do mesmo. Alguns metros a diante eu via um cachorro do mato, não aqueles domésticos, mas sim aquele silvestre. A raiva era clara em seu rosto, rosnando para algo que ainda não tinha visto, mas que estava piando. Corri em direção ao cachorro e com a visão mais ampla consegui ver o que era, uma águia no chão sem poder voar, enfrentando aquele animal veroz. Sua asa esquerda parecia estar machucada, a impossibilitando de voar. O canino percebeu minha chegada e olhou para mim com a mesma raiva na qual estava para a rapina. Não demonstrei medo ao vê-lo daquele jeito, poderia ser uma experiência nova. Tirei o tapa-olho que eu tinha, revelando o olho escarlate. O cachorro também não se amedrontou e partira para cima de mim, era isso que eu queria. Estávamos a, mais ou menos, trinta metros. A corrida do cachorro em minha direção foi veloz mas o olho me possibilitava ver os movimentos posteriores do animal. Ele queria atacar a minha mão direita. Os vultos de sua imagem antecipada me davam a certeza da vitória. Em seu ataque a minha destra, simplesmente tirei a minha mão do caminho do ataque, o cachorro se surpreendeu com o movimento que tinha feito, e no meio de seu pulo, coloquei a minha mão esquerda carregada com chakra Raiton e o empurrei para longe, querendo incapacitá-lo de se mover por um bom período de tempo. Fui até a pobre águia que estava claramente cansada e ferida e tentei ajudá-la, dessa vez ambas as mãos ganharam uma cobertura de chakra verde, o chakra que cura. Aproximei as mãos da asa ferida da rapina para curá-la, mas com uma bicada ela não queria que eu mexesse ali.

- Não precisa ser assim, estou te ajudando - respondi para a ave.

Tentei aproximar de novo da ferida e outra bicada aconteceu seguido de um forte piado. Não podia deixar que o machucado continuasse daquele jeito, tinha que enfrentá-la de qualquer maneira para ajuda-la. Em uma nova tentativa, fui com velocidade máxima até a asa ferida, aguentei as constantes picadas que ela dava até conseguir chegar ao ponto que eu queria. Quando a ave percebeu que eu estava ajudando ao invés de querer machucá-la, ela parou de ser arisca. Deixou meu chakra envolver sua asa e a recuperar por completo. Por fim, ela pareceu estar mais mansa. Dei meu antebraço para ela subir e ela obedeceu, andamos juntas até chegarmos na estrada onde não tinha obstáculos no céu. Olhei para mesma com carinho e estiquei meu braço para ela voar. Fui acompanhando seu caminho em direção a uma montanha que, olhando bem, tinha mais algumas aves ali rodeando, parecia ser seu lar. A visão de aves é algo admirável de sua raça. As batidas de suas asas me fez ter uma ideia de jutsu novo. Concentrei chakra Raiton na minha mão, moldando na imagem idêntica da rapina que eu via a voar para sua casa, e a soltei no ar. Uma ave de raios. Essa ave seria minha companhia para as minhas aventuras. Seu nome? Senu.

Considerações:
- Foram 1586 palavras
- Só quero os status, não tem treino de qualidade no meio, nem posso treinar qualidade agora.
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Companhia - Qui 1 Fev - 17:31

@ 1092 palavras +100 status
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.