>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Verão

levitico10
Genin
levitico10
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler - Status] Um monumento ao que se foi Khun_r12

https://www.narutorpgakatsuki.net/t75065-ficha-senju-ran https://www.narutorpgakatsuki.net/t75068-gf-senju-ran

[Filler - Status] Um monumento ao que se foi - 13/5/2021, 23:44


Um monumento ao que se foi
F I L L E R

Ran andava pelo acampamento erguido no meio de Iwa. Em alguns momentos parecia surrealmente familiar. Os lugares por onde passava lhe lembravam sua vizinhança, lhe lembravam o que via quando corria no inicio da manhã. Parecia que ali as pessoas apenas estavam começando seu dia, logo sairiam e seguiriam suas vidas. Essa ilusão nunca durava muito. Fossem escombros na rua, plantas mortas pelo abandono ou mesmo a visão da barreira, que bloqueava o avanço inimigo e a literal chuva de sangue.

Andava sem rumo pra esfriar a cabeça, mas andava. Não corria como estava acostumado a fazer, dolorosamente ciente de que o espaço que tinha era pouco. Havia um véu que separava o silêncio e os gritos, que separava o alívio e o sangue, e tomava um esforço consciente pra não se aproximar dele. A natureza do lugar onde estava dominava seus pensamentos. Era uma bolha no meio de um campo de batalha. Um campo de batalha no que um dia fora uma vila, um centro urbano desenvolvido, cheio de pessoas, cheio de vida. Vidas tão reais e tão complexas quanto a sua, mas que agora haviam se apagado. Sonhos, ambições, relacionamentos, tudo se fora num mar de sangue e agora ele era parte do esforço para derrotar o inimigo que tinha feito de tudo isso pó.

Mais uma vez se questionava se havia realmente um lugar pra ele ali. Se não era um erro que estivesse onde estava. Não mais ocupava sua mente o que a guerra poderia fazer com ele. Ainda se preocupava, mas o que mais lhe passava pela cabeça era o quão inadequado era que estivesse ali no lugar de outra pessoa. Havia tantos mais qualificados que nasceram e morreram em Iwa. Tantos cujas vidas foram perdidas, e cujas capacidades fariam um bem maior à humanidade sendo preservadas que a sua.

O peso de estar vivo naquele lugar era maior que na primeira fronte. Ante a destruição desmedida tudo que via era a morte, o fim. Via o horror do que seus inimigos estavam dispostos a fazer e além do pesar surgia a determinação de impedi-los. Aqui, rodeado de muitos prédios quase intocados ele via pela primeira vez a vida perdida. Andava por ruas vazias, as vezes adentrava prédios desabitados, e lá sentia mover-se ao seu redor o silêncio da falta. A ausência de algo se fazia presente naquele vazio. Podia apenas imaginar como eram as pessoas que ali viviam, como era a sua rotina, o que desejavam da vida... e tentava a todo custo se privar de imaginar como estariam quando o fim chegara, quando demônios destruíam tudo ao seu redor até enfim clamarem a própria vida. Teria sido uma última perda, não estar mais neste mundo, ou um alívio, não ter que conviver com que havia sido perdido, não ter que viver uma vida sem os que se foram? Esperava nunca ter que descobrir.

Chorou. Chorou pela primeira vez desde que entrara naquela situação. Ali, no meio de uma casa cujos ocupantes provavelmente nunca mais veriam o sol, Ran se deixou finalmente sentir o que estava em seu peito a tanto tempo. A perda ao redor dele não era sua, mas era grande o suficiente pra que se fizesse presente mesmo que nunca tivesse conhecido em vida ninguém ali. O vento soprava por uma janela quebrada na sala. Uma fina camada de pó se estabeleceu sobre tudo e ele pôde ver o lugar que suas lágrimas caiam pelas marcas que deixavam no chão. Ainda sentindo as lágrimas escorrerem sobre o rosto, ele se dirigiu a janela. Tentou fechá-la, mas estava quebrada. Uma de suas dobradiças havia sido danificada e não poderia mais se sustentar no lugar. Virou-se para contemplar o lugar e viu numa pequena mesa de centro um porta-retratos, que jazia caído sobre a mesma. Aproximou-se e levantou-o com cuidado, temendo que um toque descuidado a reduzisse a nada. Observou a foto nele, uma família, aparentemente jovem. Um rapaz provavelmente nos seus vinte e poucos anos, uma moça de idade similar e uma garota de cabelos castanhos que parecia ter não mais que quatro anos. Eles sorriam na foto, que por ter caído virada para baixo estava livre do pó que cobria todo o resto. Ali chorou ainda mais, sentindo a perda que sentia tomar uma forma mais definida.

Quando parou e suas lágrimas secaram mais uma vez viu a casa ao seu redor. Esquecida e abandonada, em nada condizia com o lar da família cuja perda ele lamentava. Seu estado de abandono, marcado pelo pó que tudo cobria, lhe parecia quase um insulto aos que partiram.

“Kage Bunshin no Jutsu”

Colocou o retrato de volta no lugar. Encontrou uma vassoura encostada atrás da porta e tirou o pó da sala. Juntamente com seus clones Ran deu seu máximo para retornar a casa ao seu estado natural, limpando, organizando e tentando desfazer o dano que havia sido feito. A janela quebrada estava além da sua capacidade de consertar, mas ainda podia fechar as cortinas e, enquanto o vento não as levantava, o lugar parecia quase habitado. Não sabia o que tinha acontecido ali, se alguém no mundo sentiria falta deles, não sabia sequer se havia uma lápide para algum deles. Esse era o seu monumento. Uma casa que havia visto suas vidas passarem, onde haviam sido felizes, onde haviam chorado, e para a qual nunca retornariam. Essa era sua oferta aos que se foram. Prometera silenciosamente que seu gesto não seria em vão. Não cabia a ele prometer que o que aconteceu com eles nunca mais aconteceria com ninguém, não tinha nenhum poder pra prometer isso, mas jurara ali que enquanto vivesse eles não seriam esquecidos. Sem saber nada sobre eles, exceto conhecer seu sorriso num dia alegre, Ran se retirou, levando-os na memória.

Ao sair os sons do acampamento improvisado o despertaram daquela cena mórbida. Poderia andar por aí e encontrar mais casas, mais pessoas esquecidas, talvez pudesse tentar consertar elas, mas sabia que isso não traria nenhum deles de volta. Decidiu ali que a sua melhor maneira de honrar os mortos nesse momento era servir os vivos. Ele e seus clones se dirigiram ao acampamento, onde se dividiram e dedicaram as próximas horas a se fazerem tão úteis quanto possível. Carregaram mantimentos, auxiliaram os médicos, levaram mensagens e ajudaram a limpar e cozinhar. Ignoraram o cansaço, levados pelo propósito comum de servir, e ajudaram por horas onde quer que pudessem. Ao fim de seu esforço encontraram novamente diante da fogueira no centro. Cada um deles parecia mais feliz e mais cansado que quando haviam começado. Ran desfez a técnica e absorveu para si o que tinham aprendido. Tinham ajudado, aliviado a carga de muitos pelo acampamento. Tinham visto a dor, o sofrimento da guerra, o pesar dos que se perderam, mas também havia visto os sorrisos sinceros dos reencontros. Amigos, irmãos, pessoas que arriscaram nunca mais se encontrarem viam seus medos se provarem infundados no seu reencontro, e Ran se viu aliviado com eles. Sabia que ainda havia muito por vir, que muitos daqueles sorrisos se converteriam em lágrimas antes que tudo acabasse, mas por hora se deleitaria neles enquanto a fadiga múltipla se instaurava. Sentou-se a beira da fogueira com um prato quente, olhando para o arroz que havia ajudado a preparar e só soubera a pouco, e ali se permitiu um pouco mais de esperança do que antes.




HP: 925/925 | CH: 887/925 | ST: 01/05

CONSIDERAÇÕES:


*1229 palavras
*Objetivo: Aumento de Status

Cálculos:


* CH = 925-38 (Kage Bunshin) = 887


JUTSUS UTILIZADOS:


Kage Bunshin no Jutsu (8 clones) [1/2 jutsu passivo]
Rank: B
Custo: 38 (50-25% GCC) + divisão
Requerimentos:
Descrição: Este jutsu permite ao usuário criar uma ou mais cópias de si mesmo. O chakra do usuário é dividido entre si e seus clones: criar um clone dará metade do chakra do usuário, criar dois clones dará a cada um um terço do chakra do usuário e assim por diante. Dependendo de quanto chakra o usuário possui e quantos clones ele faz, esse rápido esgotamento de suas reservas pode ser perigoso. Por causa disso, geralmente apenas aqueles de pelo menos nível jōnin podem usar com segurança a técnica padrão Kage Bunshin. Tajū Kage Bunshin no Jutsu - que cria centenas de clones para as dezenas da versão padrão - é insegura a ponto de ser proibida. Naruto Uzumaki é uma exceção a essa regra; porque ele tem acesso ao chakra do Nove-Caudas, ele pode criar centenas de clones sem se preocupar. Ao contrário do Bunshin no Jutsu, os clones das sombras são fisicamente reais. Eles possuem as mesmas roupas, danos e transformações que o usuário no momento de sua criação. A maioria das ferramentas e armas são copiadas quando os clones de sombra são criados, mas a tecnologia complicada não será duplicada. Por serem visualmente idênticos e possuírem o mesmo chakra que o usuário, os clones das sombras são indistinguíveis de seu original, nem mesmo por dōjutsu; Madara Uchiha pode identificar clones das sombras usando seu Rinnegan.

ITENS UTILIZADOS:



BOLSA DE ARMAS:

+ 10 x Shuriken [10]
+ 3 x Kunai [03]
+ 10 m x Fios de aço [2]
+ 8 x Kibaku Fuda [2]
+ 5 x Makibishi [1]
+ 1 x Kemuridama [1]
+ 1 x Hikaridama [1]

DATABOOK:
♦ [04] Ninjutsu
♦ [00] Taijutsu
♦ [00] Genjutsu
♦ [03] Inteligência
♦ [01] Força
♦ [05] Velocidade
♦ [03] Stamina
♦ [02] Selos

♦ [00] Regeneração
♦ [03] Recuperação
♦ [00] Sensoriamento
♦ [00] Shurikenjutsu
♦ [00] Cura
♦ [00] Absorção
♦ [00] Ninshu
♦ [00] Combate
♦ [00] Ilusão
♦ [00] Rastreamento
♦ [00] Encobrimento

QUALIDADE / DEFEITOS:


Qualidades:
Grande Vitalidade (0) Inata
Tipo: Inato.
Descrição: Alguns personagens apresentam uma capacidade física maior do que outros, podendo sofrer grandes tipos de ferimentos e danos e manterem-se em pé, lutando ou ao menos escapando da morte definitiva. Estes personagens possuem uma vitalidade maior, seus corpos podem perder quantias significativas de sangue, mas ainda têm forças para continuar.
Bonificações: Acréscimo de 250HP diretamente ao Status inicial.

Grandes Reservas de Chakra (0) Inata
Tipo: Inato.
Descrição: Muitos personagens apresentam uma espécie de segunda reserva de chakra em seus corpos. Como dito por Hatake Kakashi, isto é ligeiramente raro entre os shinobis comuns e, com certeza, influenciará diretamente no futuro como um poderoso ninja, uma vez que desde as patentes mais baixas, pessoas com esse tipo de poder conseguem usar técnicas em grandes escalas sem grandes problemas de consumo.
Bonificações: Acréscimo de 250CH diretamente ao Status inicial.

Agilidade Aguçada (2) Inata
Tipo: Inato.
Descrição: Muitos personagens nascem ou adquirem ao longo de suas vidas uma agilidade anormal perante outros, eles conseguem se esquivar com mais facilidade, bem como criar ataques e movimentações mais ligeiras em contraparte aos demais shinobis.
Bonificações: Acréscimo de 1 Ponto em Velocidade & capacidade de desviar por reflexo de movimentos com até dois pontos superiores, porém não é capaz de enxerga-los.

Grande Controle de Chakra (2) Inata
Tipo: Inato.
Descrição: Alguns personagens demonstram uma capacidade inata de gerar o chakra sem gastá-lo exageradamente, eles apresentam isto desde a academia e muitos associam isto a inteligência de uma pessoa, mas não tem, necessariamente, uma ligação.
Bonificações: Redução de todos os consumos de Chakra em 25%; arredonda-se em números quebrados para o maior valor.
Nota: Sempre que existir o requerimento dessa qualidade, não poderá ser usufruída as bonificações mencionadas acima.


Defeitos:


Inabilidade em Genjutsu(3)
Tipo: Ajustável.
Descrição: Alguns personagens, geralmente do clã Lee, são incapazes de utilizar qualquer tipo de Genjutsu, assim como anulá-los com seu próprio chakra e sem nenhum "poder oculto". No entanto, eles podem buscar diminuir essa dificuldade
Influências: Personagens incapazes de utilizar qualquer tipo de Genjutsu. Quando ajustado, o Defeito permite ao usuário distribuir até 2 pontos em Genjutsu e, assim, usar técnicas até rank-C. O Genjutsu: Kai fica acessível a partir do momento desse ajuste

Cumpridor de Regras Superado
Tipo: Superável.
Descrição: São personagens considerados chatos para muita gente, pois sempre seguem todas as regras, sem flexibilidade. Normalmente eles consideram sentimentos coisas fúteis, seguem diretrizes shinobis mesmo fora de missões e acabam falhando naturalmente com as pessoas.
Influências: Nunca fogem de regras impostas, inclusive as shinobis básicas.
-
Revouv
Chūnin
Revouv
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler - Status] Um monumento ao que se foi Fukuwa.full.923643

https://www.narutorpgakatsuki.net/t74385-fp-yukikitsune-kaonashi https://www.narutorpgakatsuki.net/t72868-gf-kaonashi-yukikitsune

Re: [Filler - Status] Um monumento ao que se foi - 14/5/2021, 23:04

Aprovado @levitico10.

_______________________


Yukikitsune Kaonashi


FICHA  |  GF  |  BANCO
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.