>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

sabazin
Juuyondaime Tsuchikage
sabazin
Vilarejo Atual
https://www.narutorpgakatsuki.net/t66773-ficha-de-personagem-akihiro-gakka#490646 https://www.narutorpgakatsuki.net/t69432-gestao-de-ficha-akihiro-gakka-sabazin#520215

[Filler - Troca de Clã] Falando com o canto da sala. - 27/1/2021, 17:32

-
[Filler - Troca de Clã] Falando com o canto da sala. JZ0pyT0

Após a perigosa e bizarra reunião com os Kages onde conheceu todos os outros responsáveis pelas Vilas, Akihiro tinha resolvido rumar sua vida em direção aos jutsus de cura. Com a ajuda de um exímio Doutor no Hospital de Iwagakure, o garoto aprendeu esta útil arte que iria impulsionar todas as suas pesquisas.

Seus pais acompanhando esse desenvolvimento de longe pois nunca foram de interferir na vida do garoto, resolveram que era hora de resolver um problema e enviaram uma invocação ao gabinete.

Um grande falcão pairava voando do lado de fora da janela. Imediatamente Akihiro reconhecia que era um chamado de seus pais.


"Vamos Baldur, pai está chamando, algo aconteceu."

Baldur sem falar nada, subia no falcão se fundindo ao corpo do irmão. O silêncio era estranho nele, não tinha dito nada desde que saíra da reunião de Kages.

"Espero que não tenha acontecido nada."

Voar nas costas daquela grande criatura era uma experiência nova e curiosa para Akihiro, durante o percurso o mesmo olhava para Baldur e sua cabeça pairava ao lado da cabeça de Akihiro porém sem nenhuma expressão, o garoto até suspeitava que Baldur estava evitando olhar para o mesmo.

- Baldur, o que foi?
[Baldur] -- Não tenho nada pra falar, já imagino o que nossos pais desejam.
- Então me conta, é algo sério?
[Baldur] - Fica tranquilo, nossos pais estão bem. Não é nada com você também. Só querem conversar.

Baldur fechava a cara e ficava em silêncio novamente, deixando Akihiro mais curioso ainda sobre o motivo da convocação já que estava tudo bem com todos eles. O pássaro voava em direção a uma cadeia de montanhas e de longe os irmãos avistaram um grande local de entrada no meio da montanha.

"Chegamos. Deve ser outro laboratório perdido do pai ou mãe."

Enquanto a ave descia, era possível ver seus pais saírem do túnel cravado na montanha para receber as crianças. Instantaneamente ficava claro que seu pai estava desconfortável com algo e provavelmente mãe o fez ficar quieto sobre isso, deixando o mesmo com uma aparência mais brava ainda.

- Quando tempo não vejo vocês. Akihiro abraçava cada um.

Sua mãe o abraçava apertadamente e seu pai só acariciava de leve sua cabeça antes de virar as costas e entrar para dentro. Akihiro ficava mais desconcertado ainda por nenhum deles abraçar Baldur e nem mesmo o irmão fazer questão de demonstrar carinho para com seus pais. Antes que pudesse dizer algo sua mãe o puxava pala mão e o chamava.

[Mãe]: - Vamos para dentro rapidamente, temos algo a discutir.

Seu pai a frente, sua mãe no meio puxando Akihiro pelo braço e Baldur caminhando mais atrás do grupo, todos eles se dirigiam até uma sala que parecia um laboratório comum deles.

[Mãe]: - Sente-se meu pequeno, respire fundo e vamos conversar calmamente.

Akihiro percebia que só tinha uma cadeira naquela sala e era para o mesmo se sentar. Seus pais ficariam em pé de frente para o mesmo e Baldur encostava no canto da sala a esquerda às costas de seus pais.

"Porque Baldur não fala nada? Será que só eu não percebi que tem alguma coisa de errada comigo? Por isso Baldur está quieto? Ele parece apreensivo..."

O garoto se sentava olhando para o canto da sala já ansioso por qualquer coisa que pudesse ser dita.

[Mãe]: - Meu querido filho, vou ser o mais direta possível e a partir da sua reação iremos conversar mais. Não podíamos falar antes pois você estava usando isso como um escudo de algo de um modo inconsciente. Talvez não se achasse forte o suficiente ou precisava desenvolver um lado diferente e direto para sobreviver...  Akihiro... VOCÊ É FILHO ÚNICO...

O silêncio daquela última frase demorou alguns segundos para ser processado. Aquilo se encravava lentamente na mente do garoto enquanto ele lutava para entender o significado daquilo.

"Filho único? único? Baldur vem de dentro de mim, não tem como ele ser adotado..."

"... Baldur vem de dentro de mim..."

"... de dentro de mim..."

-- O QUEEEEEEEEEEEEEE?

Akihiro entendia o significado da frase de sua mãe, mas ela não fazia nenhum sentido para ele. Naquele momento o mesmo se lembrava do que Baldur disse quando voavam no pássaro.

[Baldur] -...nossos pais estão bem. Não é nada com você também...

"Quer dizer que o problema era com ele. Quer dizer que o Baldur não existe?"

Em sua cabeça se iniciavam diversas teorias de porque sua mãe diria aquilo e por alguns segundos esqueceu que estava em uma sala com ela, seu pai e Baldur.

"As possibilidades que consigo imaginar são: Mãe e Pai não consegue ver Baldur, Baldur morreu por algum motivo e eu ainda consigo ver ele devido a algum trauma, Baldur nunca existiu e eu criei ele diretamente da minha mente. Qualquer uma das possibilidades é assustadora."

Apesar de ser pego de surpresa, seu intelecto afiado se firmava na lógica para pautar todas as bizarras possibilidades. Qualquer uma das opções alterava toda a estrutura de sua vida e o fazia pensar em quantos erros cometeu baseado nestas certezas.

"Impossível...  impossível... IMPOSSÍVELLLL..."

Percebia a mão de sua mãe acariciando sua testa, o mesmo estava ajoelhado no chão com as mãos no rosto perdido em pensamentos de um jeito que nem percebeu que deslizara da cadeira até o chão.

[Mãe]: - Acalme-se e vamos conversar. Eu não sei quando isso começou pois quando algo desse tipo surge, quem está sofrendo por essa enfermidade acaba que imaginando comportamentos condizentes com aquilo que você está acreditando. Aposto que você sempre viu eu e seu pai interagindo com o seu suposto irmão correto? Deixe avisar você que nós nunca vimos esse Baldur de que você fala e nunca interagimos com ele. E ainda por cima todas as vezes que tentamos conversar com você sobre isso, você nos ignorava e aparentava nem escutar esse assunto.

"Enfermidade? Eu sou um doente?"

- Como assim nunca interagiram com Baldur, vocês sempre conversam, se abraçam e se amam. FALA PRA ELES BALDUR...

[Pai]: - Finalmente, essa é a primeira vez que você contesta a sua própria fantasia. Alguma coisa aconteceu nessa reunião de Kages que fez você se tornar mais forte a ponto de não precisar mais criar essa persona super forte, rápida e que resolve tudo com os punhos através de violência... igual ao seu pai...

- QUE MERDA É ESSA?!?!?! BALDUR... FALA ALGO, SE DEFENDE.

Akihiro ficava discutindo com Baldur que estava no canto da sala porém pelo ponto de visão de seus pais, o garoto estava gritando com um canto vazio. Seus pais sentiam um misto de pena e também alívio pois era a primeira vez que essa conversa estava tomando um rumo de resolução e não negação.

[Pai]: - Filho, nós vamos sair e aguardar fora dessa sala. Você e Baldur tem muito o que conversar e talvez não consigam se comunicar se estivermos aqui.

Após sair da sala Akihiro caminhava até Baldur e voltava a gritar com o mesmo esperando alguma reação e ainda incrédulo daquilo tudo.

- FALA ALGO SEU MALDITO. Isso é alguma brincadeira de mal gosto? Por que eles dizem que você não existe se já passamos por tanta coisa juntos?

[Baldur] - Eu não sei o que dizer irmão. Você foi sempre fraco quando pequeno... e muito ingenuo... Você precisava de alguém que fosse aquilo tudo que você também é más deixou morrer em você por preguiça, medo ou conformismo. Eu sou o avatar da garra e violência em sua mente. Sempre achei que duraria para sempre, que você estaria aqui para mim como eu estou sempre aqui para você... irmãos inseparáveis. Más parece que agora tudo vai mudar. Fico contente que você se tornou mais forte e seu corpo e mente estão evoluindo, porém isso quer dizer que minha existência não vai passar de hoje.

- Como assim você não existe? Nós estamos conversando agora, nesse momento, eu estou te ouvindo.

Akihiro tentava pegar Baldur pelo braço, más por um piscar de olhos, sua mão atravessou o braço de Baldur como se ele fosse um fantasma pairando dentro da sala. O ato de atravessar o irmão enquanto tentava segurar seu braço foi o que faltava para não restar dúvidas.

"BALDUR NÃO EXISTE!!!"

O garoto caia no chão perplexo por não conseguir tocar em Baldur, mesmo sabendo da sensação que era tocar o irmão. Ficou olhando para sua mão por alguns segundos antes de Baldur continuar a explicar as coisas.

[Baldur] - Como você mesmo confirmou ao tentar me tocar, eu não estou aqui. Sou somente uma invenção da sua mente. Algo que está desaparecendo conforme você atingiu esse ponto de amadurecimento, me tornando inútil. O que tivemos foi uma ótima aventura, você tentando vislumbrar o mundo a partir do ponto de vista científico e eu tentando vislumbrar o mundo a partir do pódio de primeiro lugar em tudo que envolva combate. Foi uma luta boa e eu tinha minhas dúvidas se em algum momento você migraria para meu lado e lutaríamos contra o mundo todo... más isso já não acontecerá... Agora preciso que você tome o último passo para sair daqui e conversar com nosso pais.

- O que? Akihiro estava absorto daquilo tudo devido as falas de Baldur.

[Baldur] - Preciso que você me mate, eu só aceito morrer pelas suas mãos...

Baldur retirava de suas vestes uma Kunai e a jogava para Akihiro que de reflexo a pegava, o deixando mais confuso ainda.

"Como não posso tocar Baldur más consigo segurar essa Kunai?!!!"

- Você está louco Baldur, como eu poderia lhe matar? Você é meu irmão.
[Baldur] - Eu sou somente uma criação da sua mente que não pode mais cuidar de você.... ME MATE... ME MATE AGORA... AGORAAAAAA.

Baldur se aproximava gritando e indo para frente de braços abertos para que Akihiro o apunhalasse e por um breve momento quase que o mesmo o fez, porém largou a Kunai no chão e finalmente falou algo com clareza.

- EU ENTENDI. Eu te criei e talvez eu mesmo ache que tenha que te destruir, más eu não quero isso. Se você é parte de mim, se você é algo que eu sou más deixo de lado, não posso te destruir. Você e eu somos um e por isso eu já me decidi.

Akihiro então aproveita a guarda baixa de Baldur que estava de braços abertos tentando ser esfaqueado e então abre os braços também e abraça Baldur...

- Você e eu somos um. Não vou me esquecer de nada sobre você, pois tudo que você é eu também sou. Volte para casa irmão. Ta na hora da gente ter uma mente só.

Akihiro então ativa uma ultima vez sua habilidade imaginária de fundir corpos dos super irmãos parasitas. Baldur sorri maliciosamente antes de ser absorvido para dentro do corpo e os dois se tornarem um só.

[Baldur] - Você ganhou... nós ganhamos... Agora seremos um.

Com o choque mental daquilo tudo Akihiro cai no chão sentado de pernas abertas, com a kunai em destaque entre seus joelhos. Ele nunca sentiu em sua vida uma clareza tão grande. Talvez ele usasse Baldur como uma muleta para o mundo, más nunca tinha sentido o quando aquele esforço usava de sua mente para sustentar aquele mundo ilusório.

Seus pais percebendo que aquilo tudo finalmente acabou adentravam na sala e sua mãe indagava preocupada apontando para o objeto entre suas pernas.

[Mãe]: - O que raios você ia fazer com esse selo explosivo?

Akihiro olhava para baixo e onde estava a kunai que iria matar Baldur, agora pairava um selo explosivo capaz de nivelar a sala a nada. Ele finalmente entendia o sorriso malicioso de Baldur antes de admitir derrota.

- FILHO DA PUTA...

Seus pais o ajudavam a levantar, colocavam-no na cadeira e ele passaria um bom tempo explicando aos pais tudo aquilo que ele e Baldur tinham passado e como foi o ultimo episódio antes de Baldur voltar para dentro de Akihiro e suas mentes se tornarem uma só.




Considerações:
- Fala | "Pensamento" | Narração |

Filler - Troca de clã. (Kugutsu/Soma no Ko) -> (Kugutsu)


[Filler - Troca de Clã] Falando com o canto da sala. I64opiz
-
-
Bahko
Jōnin
Bahko
Vilarejo Atual
Ícone : -x-

https://www.narutorpgakatsuki.net/t73785-ficha-uzumaki-naomi https://www.narutorpgakatsuki.net/t73787-gf-naomi-uzumaki#568866

Re: [Filler - Troca de Clã] Falando com o canto da sala. - 27/1/2021, 18:12

Ok

_______________________

-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.