>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

LoneWolf
Jōnin
LoneWolf
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler de Troca de Clã] Nuvens e Relâmpagos.  EBafrCq

https://www.narutorpgakatsuki.net/t73262-f-zoldyck-yonji#562969 https://www.narutorpgakatsuki.net/t71050p60-gf-zoldyck-yonji

[Filler de Troca de Clã] Nuvens e Relâmpagos. - 28/9/2020, 03:40


[Filler de Troca de Clã] Nuvens e Relâmpagos.  Tumblr_ox4ewnhZi21rqe0rbo2_500
Único

"Nós não semeamos."

As aves lançaram seu grito metálico, que ascendeu ao tranquilo céu azul do pôr-do-sol. Raiden Kurozawa se pôs em pé em um salto, correndo em direção ao seu alaúde. O instrumento musical, de cordas douradas, foi alvo de uma sequência de movimentos suaves, o que o garoto – pouco mais jovem do que o moreno – definia como uma "melodia espiral".

Era uma criança esperta, e possuía bons sentidos.

Quando os pássaros desse lugar cantarem com tanta vividez é porque uma noite incomum está chegando. — disse-lhe Yone. — Mas não se preocupe, não é ninguém importante. Provavelmente é apenas o Silvers chegando para o seu turno. — brincou, estendendo os olhos por cima da xícara de chá. O líquido amarronzado borbulhava, porquanto o rapaz batucava os dedos contra a mesa.

Havia sido convocado à Vegapunk mais uma vez. O bar de Kumogakure era inacessível por meios normais, ocultando-se entre névoa e picos montanhosos, afinal, o local era muito mais do que somente um estabelecimento para a reunião do submundo. A própria estrutura acusava tal percepção, dado que as paredes locais eram tingidas com o mesclar de coloração cítrica e chamativa. O roxo e o laranja abraçavam-se, causando uma visão desagradável aos seus orbes.

Levou as mãos à xícara, captando-a para bebericar o líquido até que ela estivesse completamente vazia. Em seguida, se levantou em passos calmos, ajustando os trajes civis na busca de seu protetor de testa, até então desaparecido; estando provavelmente perdido por algum lugar do qual não se recordava.

Yonji! — rugiu o velho trajado com uma camisa de cor branca abotoada, acariciando a própria – e grandiosa – barriga, enquanto terminava um último copo de um líquido excêntrico. Sua barba era encrespada, com fios desconexos de cores brancas e vermelhas, enquanto sua pele era protegida pelo excesso de tatuagens extremamente comuns para os membros do local. — Tão fraco e agora todo civilizado, deixou até o cabelo crescer!

Meu nome é Yone. — resmungou, quedando os ombros com certo desânimo. Afinal, o que ele queria dizer com "fraco"? Não sabia, mas não teria sua resposta se não questionasse. — E você? Perdeu a navalha com que fazia a barba para um grupo de bandidos? — perguntou em tom sarcástico, suspirando enfim. O mais velho caiu em uma excêntrica gargalhada que poderia ser escutada mesmo por quem estava fora do local.

Você tem as palavras tão afiadas quanto às de sua mãe. Mas... Acredito que não está aqui para isso, está? — não emitiu nada de seus lábios, porém movimentava a cabeça positivamente para assentir. O homem compreendeu, então deu prosseguimento em suas palavras. — O chamei aqui porque seu pai me pediu para lhe dizer algo. Sei que faz tempo que não se vêem, mas ele se importa com você, Yone. — afirmou, e antes que pudesse concluir, um sorriso nervoso surgiu nos lábios do garoto.

Ah, claro... Vocês de Vegapunk sempre adoram dizer isso. Oh, o seu pai está preocupado, oh, você tem que voltar para casa, oh... — ele repetia mudando o tom de voz para imitar os presentes. — Não há essa chance! — esbravejou o rapaz.

O soneto de Kurosawa foi interrompido, os poucos trabalhadores do local trocaram olhares ruidosos, mas conscientes de suas posições, decidiram retornar às suas atividades, mesmo sem a melodia de fundo. Vegapunk pertencia à família Zoldyck, portanto, estavam acostumados com os problemas envolvendo o provável futuro herdeiro da família. Este que, em passos velozes, ausentava-se sem sequer olhar para trás.

A consciência de Yone dizia que seu ato era impulsivo. Sentia-se um adolescente extremamente mimado, resguardado por seus temores particulares, mas os traumas permaneciam em seu corpo e psicológico. Era incapaz de se esquecer dos dias tenebrosos de sua infância, em que ações atípicas lhe eram condicionadas em prol da Kekkei Genkai que possuía. Contudo, embora se ausentasse do local, Silvers o seguia vagarosamente; cada passo era tão cuidadoso quanto uma das aves que peregrinava pelo lugar.

Espere, precisamos terminar essa conversa. — tocou o ombro do rapaz. O moreno ponderou, sem realizar qualquer movimento, apenas para escutar o homem que chamava de tio. — Há algo sobre você que precisa ser esclarecido, porém, é necessário que esteja de mente aberta para que as coisas façam sentido ao final.

Eu não sei se quero isso... É a primeira vez que as coisas em minha vida estão dando certo, desde que fugi de casa. Não quero voltar a esse ciclo. — quedou a cabeça, entristecido. Algumas gotas de chuva se formavam entre nuvens tempestuosas, como se o País do Relâmpago abraçasse as palavras do rapaz.

Yone, isso jamais lhe pertenceu. O Hyoton não é sua habilidade sanguínea, mas uma responsabilidade ao qual necessitou arcar. As suas falhas constantes derivam de que, todas as suas manifestações de tal habilidade são intensificadas por selos de transcrições manipulados por sua mãe. — as palavras de Silvers soavam como lâminas aos seus ouvidos.

A culpa que carregava em seu coração parecia intensificar-se, com o rapaz mordiscando os lábios em um claro sinal de nervosismo. A indiferença para com sua família e a fobia profunda sobre o gelo eram resultados de um passado conturbado, e um acaso onde feriu sua própria mãe sob o estado absoluto de desespero.

Por favor, encontre o seu pai. Ele estará no Vale. — o homem repetiu, deixando que o silêncio fosse instaurado entre ambos. Yone moveu-se.

Mais uma vez, os passos voltaram a ser direcionados para se afastar do lugar. O papel que antes era um convite, agora não passava de um documento encharcado e atirado ao solo. O longo cabelo que antes se encontrava preso era vagarosamente solto, com o semblante do rapaz sendo ocultado pelo clima obscuro, ao mesmo tempo em que se sentava. Os pés se moviam ansiosamente, ponderando o pouco que fora escutado e mesmo a reação atípica para sua personalidade. A falta de habilidade social e o extremo temor mediante ao gelo pareciam conduzir os seus sentidos e ações.

"O que ele quis dizer com aquilo? Eu... Nunca possuí aquele poder? Como?"

Com a ponderação profundamente fincada em seus pensamentos, o rapaz em um movimento de agressividade buscou concentrar o seu chakra na tentativa de que o clima caísse; e nada havia lhe ocorrido. Quando tentou efetuar a materialização de agulhas de gelo, o resultado fora o mesmo. E, por mais que estranhasse a situação, um grande alívio o acometia, sendo o mesmo responsável para que o temor fosse alternado pela curiosidade, como se uma maldição houvesse ruído.

(...)

A locomoção até o local não fora demorada, por mais que a chuva e as nuvens atrapalhassem em seus sentidos. O coração ansioso de Yone, antes frustrado e agora repleto de dúvidas, trazia-lhe uma sensação desconfortável, mas igualmente mesclada à motivação. Se aquela habilidade inexistisse, talvez finalmente pudesse alcançar o seu sonho de se tornar um herói.

Sob tais pensamentos, aproximou-se da localização informada por Silvers. Seu pai, apenas chamado de "Barba molhada", mantinha a postura de alguém concentrado em seus devaneios. As pernas estavam cruzadas, utilizava uma cota de malha, e tanto o cabelo quanto os espessos pelos faciais pareciam maiores e mais agressivos do que Yone se recordava.

O que está morto não pode morrer. — ele emitiu, sem abrir os olhos. Os orbes de Yone fitaram ao indivíduo, que mantinha a posição de completa calmaria. Ele, então, levantou-se, revelando a gigantesca estatura de quase dois metros de altura. — Não há muito que ser discutido entre nós, afinal, herdou não somente a minha aparência, como tudo mais o que lhe podia oferecer. — as palavras ressoavam tão frias quanto a habilidade sanguínea, e nenhum sentimento prevalecia sobre a arrogância do líder da família Zoldyck.

Eu... Apenas preciso saber quem sou; o que sou. A minha vida inteira foi sobre ser treinado para herdar o seu império, sobre... Carregar a culpa de ter ferido a minha mãe, e também essa habilidade. O que eu sou, pai? — ele emitiu, com toda a sinceridade de suas palavras. Embora mantendo a postura, expunha uma fragilidade ante jamais vista.

O que é você? Você é o meu filho. Não me arrependo de nada o que fiz para você, e acredito que devia ter sido mais rígido, pois cresceu como uma criança mimada que é incapaz de lidar com as suas responsabilidades. Nós carregamos o sangue dos Zoldyck, e em nossos punhos existe a escritura. — o mancebo fitou as mãos estendidas de seu pai, e a palavra "D.E.A.T.H" entre a divisória dos dedos deste. Aquele era o símbolo de um membro de sua família, por mais que ainda não fosse digno de possuí-lo. — Sim, essa habilidade não o pertence. — ele se aproximou vagarosamente, tocando o corpo do garoto, para que o último fuinjutsu presente em seu corpo – outrora invisível, agora se desfizesse. — O poder sanguíneo que acreditou ter foi apenas uma base para fortalecê-lo até que seu corpo fosse forte o suficiente para que compreendesse a nossa origem. Nós somos herdeiros do clã espiral; tribais, como bem sabe, criaturas do sangue mais selvagem. O nosso estandarte é o redemoinho, e você, um Uzumaki.

Uzumaki? — questionou, mas não se focando apenas naquele ponto. — O que me torna diferente do Ichiji ou do Niji? Por que eu carreguei essa responsabilidade por tanto tempo?

Você é o mais próximo de mim. Diferentemente de seus irmãos que possuem afinidade natural com os estudos de sua mãe, você foi o único a possuir essa semelhança; tanto fisicamente, quanto em seu interior. As suas reservas de chakra são superiores, e talvez seja o único capaz de manifestar algo que... Descobrirá com o tempo.  

(...)

As aves novamente cantavam entre os ventos do dia, permitindo que a melodia vagasse com suavidade. Semanas haviam se passado desde a última conversa com seu pai, necessitando de tempo para que processasse as informações obtidas. Compreender que parte de sua infância fora uma farsa, e igualmente os seus temores, era uma sensação frustrante, mas também lhe trazia paz.

Com a sua habitual pena em mãos, o rapaz efetuava a escritura em um pergaminho. As palavras eram direcionadas à sua mãe; um pedido de desculpas direto. Quando concluiu o ato, movimentou-se delicadamente, deixando a "carta" para que Silvers um dia entregasse a ela, retirando-se em seguida. O velho, tocando a sua barba e não podendo conter a curiosidade, criou uma pequena brecha para abrir o pergaminho, lendo-o vagarosamente.

"Mãe, há muitas coisas pelas quais preciso me desculpar, e a minha ação é a primeira delas. Não voltarei para casa, muito menos posso perdoá-los, mas aos poucos as coisas parecem fazer sentido para mim. Sou apenas uma criança leiga nesse grande mundo, o que me anima a seguir em frente. Um dia eu serei um herói, e espero poder carregar o nosso emblema pelo mundo.

Os homens temerão quando os espirais surgirem em seu campo de vista. Eu sou um Uzumaki, afinal. Um Zoldyck. E... O que está morto não pode morrer, mas volta a erguer-se; mais duro e mais forte.

Att,
Yone.

PS – Eu sei que lerá isso, Silvers. Entregarei a original pessoalmente."


Com um sorriso no canto dos lábios e um ânimo ante inexiste, o rapaz prosseguia com sua jornada heroica em busca de um sonho, e, agora, defendendo um novo brasão em suas costas.

HP: 1725/1725 CH: 2675/2675 — ST: 00/07
Filler de Troca de Clã: Nuvens e Relâmpagos (Único) × Palavras: 1855


------

Considerações:

Condições: Trajado como um civil.  
Observações: Filler para efetuar a troca do clã Yuki para o clã Uzumaki.

Jutsus usados:
Jutsus ativos:

Bolsa de Armas (20):
5x Kunai (05)
5x Shuriken (05)
4x Hikaridama (04)
4x Kibaku Fuuda (01)
3x Kemuridama (03)
10m de fios de aço (02)
-
Lollipoppy
Chūnin
Lollipoppy
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler de Troca de Clã] Nuvens e Relâmpagos.  URkFDZ9

https://www.narutorpgakatsuki.net/t73424-ficha-yuki-kana https://www.narutorpgakatsuki.net/t72312-gf-oshiro-ayumu

Re: [Filler de Troca de Clã] Nuvens e Relâmpagos. - 28/9/2020, 04:00

@LoneWolf Filler Aprovado! Troca de Clã aceita!

Gostei da narrativa, fora bem escrita e lógica!
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.