>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

YatagarasuTakeda
Genin
YatagarasuTakeda
Vilarejo Atual
https://www.narutorpgakatsuki.net/t73151-ficha-takeda-yatagarasu#561842

[Fillers] - Takeda Yatagarasu - 28/9/2020, 01:46



[Fillers] - Takeda Yatagarasu 9437a737bb19238a0d914778d8166bf6

SOB A CHUVA
Template feito por @doroy


O nascer do belo Sol espreitava-se entre as cinzentas nuvens de Amegakure. Um pequeno feixe de luz adentra sobre a veneziana do meu quarto, o vento refrescante movimenta meus cabelos. Gotas da chuva despejadas pelas nuvens caiam pela vila, umidecendo o ar e molhando as ruas, igual a todos os dias nesta aldeia. Os cidadões caminham pelas ruas com guarda chuvas, afinal, era tradicional a chuva na vila.

Desperto de um pesadelo relacionado ao meu falecido pai com o som da constante chuva batendo no vidro da minha janela, um pouco da água entra por uma brecha no meu quarto, me levanto de minha cama e fecho a abertura. Neste dia, possuia diversos papéis em minha mesa, tinha acabado de entrar na academia ninja de Amegakure, organizei tudo em pilhas e ajeitei o meu quarto. Desci as escadas e comprimentei a minha mãe, uma mulher de compridos cabelos pretos, os olhos negros e um avental de cozinha, ela estava sorridente com minha graduação, mas sorrir era algo que ela sempre fazia, afinal, é assim que pode esconder quaisquer outros sentimentos. Preparava o café da manhã, alguns Omosubis, arroz branco, legumes e um peixe grelhado, o meu café da manhã favorito. Após comermos, minha mãe sugeriu de sairmos para as ruas da Aldeia Oculta da Chuva, comprar um presente para mim, tinha adorado a idéia, até porque tinha alguma coisa em mente. Nós andavamos pelas ruas da vila com capaz de chuva, estava segurando a mão de minha mãe o tempo inteiro. Passavamos por vitrines de lojas, quando sugeri a minha mãe a ir em um alfaiate comprarmos um manto parecido com o do meu pai, ela sorriu e me levou até a loja. A sala era bela, altamente decorada com algumas roupas em manequins e em diversas mesas, no fim, ela acabou comprando o manto que utilizo até hoje.

Após isso, retornamos para nossa residência, minha mãe me disse que meu pai, no dia da minha graduação, iria me entregar presentes, ela me levou até o quarto deles e retirou de um baú, uma placa de ferro e uma bolsa de armas ninjas. Ao ter isso em minhas mãos, a única coisa que conseguia pensar era em meu pai, e como ele fazia falta para a família, a mesma cena dele morrendo passou pela a minha cabeça várias e várias vezes, a espada cravada em seu coração com seu sangue espirrando em meus olhos, seu corpo estático na minha frente, mas diferente de outras vezes que ele me culpava por seu óbito, ele apenas sorriu. Quando percebi que a mesma placa de ferro e bolsa de armas que minha mãe me entregava, era a que ele usava durante suas missões, que estava com ele em sua graduação até a sua morte. Não conseguia me mexer, apenas chorar nos braços de minha mãe por alguns minutos, foi a primeira vez que passou vagamente pela minha cabeça de que não foi culpa minha, não era culpado por não ter forças para proteger meu pai, não era culpado de não ser rápido o suficiente. Abraçado com minha mãe, ela me disse que eu deveria sempre proteger quem eu amo, proteger a vila e todas as pessoas que moram nela, assim como meu pai. Também me disse que não tinha problema lutar em áreas povoadas, que isso era desnecessário porque no final, lutar ali defenderia a vida de pessoas impedindo que mais crianças perdessem suas famílias, exclamei que eu poderia destruir objetos importantes para a vida de alguém, mas olhou no fundo dos meus olhos avermelhados de tanto chorar, com um sorriso acompanhado de uma lágrima escorrendo em sua bochecha. Me disse: - Filho.. Nada vale mais que a vida de alguém que você ama, trivialidades resultam em mortes e é você quem deve impedir isso, assim como o seu pai impediu a sua morte, a vida se trata do quanto você consegue apanhar e seguir em frente, um objeto poderia ser recuperado, mas uma vida de alguém amado não, se você não de arriscar para salvar as pessoas nas vilas, não poderá salvar a todos a tempo... - Logo em seguida com um forte abraço caloroso. Continuei chorando em seus braços por muito tempo, quando só me afastei um pouco e coloquei a placa de ferro em meu braço, no começo ficou um pouco larga mas com o tempo foi servindo. A bolsa de armas coloquei em minha perna, assim como o meu pai, dentro dela havia algumas Kunais, shurikens, kemuridamas e hikaridamas e quatro papéis bombas.

Minha mãe me disse que iria descer para a cozinha preparar o almoço, faria um Ramen, o favorito do meu pai. Retirei a placa do meu braço e a bolsa de armas da minha perna e coloquei em cima da mesa do meu quarto, desci as escadas e ela estava preparando a comida, sentei no sofá e comecei a ler um livro clássico dos contos infantis japonêses, trata-se da história de um lenhador que, certo dia, saiu para trabalhar na floresta. Na hora de comer seus omusubis no almoço, percebeu que seus bolinhos haviam rolado para um dentro de um buraco, eu gosto muito daquele livro, acho que por causa de seu final que até ele receber algo que lhe faria muito bem que era um saco de arroz infinito, teve que passar por uma situação delicada de perder seus omosubis. Acabando de ler o conto, minha mãe avisou que tinha acabado de preparar a comida e fomos comer.

Por algum motivo me veio esta lembrança de um mês atrás a minha cabeça, me pergunto porque me recordar disso agora. Eu estou sentado sobre a grama sob uma árvore em um dos campos perto de Amegakure, desenhando a Vila Oculta da Chuva, o dia estava ensolarado, o que é bem raro aqui, os feixes da luz do Sol iluminavam o caderno e toda a vila. Sentando embaixo do comprido tronco de madeira acompanhado de suas folhas, descubro que desenhar assim como ler é um passatempo bem divertido. Terminando o desenho da paisagem, guardo o livro em que estava desenhando em meu manto, ao tocá-lo, devido a essa memória, lembro do meu pai, que agora me acompanha em minha jornada de um lugar distante, apenas olho para o céu, que estava começando a escurecer, algumas estrelas já eram possíveis serem vistas, olhei para elas com um breve sorriso e começo a caminhar em direção a aldeia. Perto do centro, caminho passando por algumas vitrines de diversas lojas, variando entre armas, comidas e a grande biblioteca de Amegakure, e enfim chegando em frente do mesmo alfaiate em que a um mês atrás comprei meu manto acompanhado de minha mãe, olho pelo seu vidro, lembrando do sorriso da minha mãe vendo a minha felicidade lá dentro. Fico ali parado por um breve tempo, olhando a janela da loja, e volto a minha rota.

Finalmente chego em casa, o Sol já está se pondo, e as contantes nuvens já começam a surgir, olhar para o céu alaranjado sem ver as gotas da chuva é até um pouco estranho, normalmente é o seu barulho e o seu vento em minha janela que me acorda todas as manhãs, fazendo me lembrar de onde eu vivo, os serenos olhares das pessoas da vila caminhando sob a chuva pelas ruas de Amegakure, eu abro a porta e comprimento minha mãe dizendo: - Cheguei mãe, desculpe a demora, estava caminhando por volta da vila. - Ela apenas sorri e fala: - Sem problema filho, acabei de terminar de preparar a comida, quando estiver com fome me avise que eu coloco no prato - Disse olhando para mim, após isso, eu me sento um pouco no sofá, que em um dos braços do sofá tinha o meu livro favorito, a tv estava no meu canal favorito, passava alguns animes antigos nele, me sentei para assistir e com o tempo acabei desenhando um dos personagens do anime em meu livro, minha mãe sentou do meu lado e disse: - Que legal filho, parece com ele mesmo! - exclamou com um olhar contente. Terminei o desenho e deixei o livro que utilizei em cima da mesa, minha mãe ficou ao meu lado assistindo comigo, provavelmente fez isso para eu não ficar sozinho na sala. Perguntei o que ela tinha feito para a janta e me respondeu dizendo que fez alguns hossomakis de salmão com arroz branco, acabamos jantando assistindo o anime que estava passando na televisão. Depois de uma hora, o sono começou a se propagar por minha cabeça, acabei o episódio e dei boa noite a minha mãe, retornando ao meu quarto. Alguns pequenos pingos da chuva que caia das nuvens estavam em minha janela, a Lua já havia se instalado aos céus, em uma bela noite estrelada, dava para ver algumas pessoas ainda andando pelas ruas da cidade, com os postes de luz iluminando a vila, deitado sobre minha cama, olhei um pouco a janela e fui dormir.




HP: 225 • 225

CH: 225 • 225

Cansaço: 00 • 03


Informações:


Objetivos:
Filler para +100 em CH e superação do defeito Código de Honra: Arena

Databook:


||PONTOS PRIMÁRIOS||

[01] - Ninjutsu

[00] - Genjutsu

[01] - Taijutsu

[01] - Inteligência

[00] - Força

[06*] - Velocidade

[01] - Stamina

[00] - Selos

||PONTOS SECUNDÁRIOS||

[00] - Regeneração

[00] - Recuperação

[00] - Sensoriamento

[00] - Shurikenjutsu

[00] - Cura

[00] - Absorção

[00] - Ninshu

[00] - Combate

[00] - Ilusão

||PONTOS TOTAIS||

[10]TOTAL

[03*]EXTRAS

[00]ADQUIRIDOS

Qualidades & Defeitos:


     

||QUALIDADES||

Prodígio (3)

Tipo: Inato.

Bonificações: Há uma redução de pontos para Qualidades treinadas em um, exceto para as de um único ponto, estas permanecem com o mesmo valor.

Habilidade em Shurikenjutsu (1)

Tipo: Treinável.

Bonificações: Pode-se lançar armas com 5 metros adicionais, criar manobras, e a velocidade das armas básicas aumentam em +2 m/s.

        

||DEFEITOS||

Estresse Pós-Traumático (3)

Tipo:Ajustável

Influências: A cada três turnos o personagem fica paralisado tendo lembranças traumáticas.

Código de Honra: Arena (1)

Tipo: Superável.

Influências: Nunca lutar em áreas povoadas.


-
Lollipoppy
Chūnin
Lollipoppy
Vilarejo Atual
Ícone : [Fillers] - Takeda Yatagarasu URkFDZ9

https://www.narutorpgakatsuki.net/t73424-ficha-yuki-kana https://www.narutorpgakatsuki.net/t72312-gf-oshiro-ayumu

Re: [Fillers] - Takeda Yatagarasu - 28/9/2020, 03:54

@YATAGARASUTAKEDA Filler Aprovado, +100 Chakra e Superação do Defeito Código de Honra: Arena

Bom, só dando aquela sugestão de colocar um contador de palavras.
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.