>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Aru
Chūnin
Aru
Vilarejo Atual
Ícone : [ Filler ] Morte. VEV2y1p

https://www.narutorpgakatsuki.net/t73238-fp-hoki-aru https://www.narutorpgakatsuki.net/t73263-gf-aru-hoki

[ Filler ] Morte. - 25/9/2020, 18:24

MortePASSO POR PASSO: EU MORRO ONTEM.


Do toque singelo a massa fermentada de trigo, água e sal era envolta, sua velocidade gradativamente amplificada decorrendo em uma agressividade necessária para tornar aquele respectivo alimento brando e acetinado. Os dedos agarravam, apertavam e acariciavam seu interior por consequência a pasta tendia a fixação por entre o membro citado inicialmente.

Não era, de fato, muito habilidoso na cozinha. Uma fina camada de suor concentrava-se rente a testa do garoto, estava impondo, verdadeiramente, trabalho naquela iguaria. A princípio o formato adquirido pelo pão não era dos mais agradáveis, contudo, julgara que o sabor poderia tornar a aparência horrenda entregue como um detalhe irrelevante frente o deleite. Suspirou alto. Pôs-se o sustento no fogo visando abrasa-lo.

A vida na vila tendia aos seus encantos, embora, simplória em excesso. Suas manhãs eram destinadas a busca por conhecimentos ninjas, trabalhava em serviços paralelos durante a tarde para se manter, descansava a noite, tinha uma casa, pequena, mas era um teto e sentia-se agraciado por isso. Ainda assim, algo no correspondente âmago o convidava para além daquele ambiente, a procura por uma aventura, uma coisa por muito descrita pelos colegas, mas que de fato nunca vivenciara. Inclinava-se ao desconhecido, o imprevisto e o arriscado, eles tornavam o sangue quente momentaneamente; como se tivesse vindo a vida para isso, como se fosse seu destino.

Uma grande explosão ecoara.

Hõki adiantou-se para com à saída curioso e instigado. O vislumbre que obtivera se mostrou caótico. Abandonou a própria residência levando-se de encontro as ruas outrora silenciosas. Era inverno, uma brisa fria e cortante irrompia por todo o ambiente e apesar disso estava quente. Fuligem rodopiava ao seu redor. O calor apoderava-se da estrutura diminuta. Gritos histéricos e comentários perturbadores ressoavam por todo o pequeno vilarejo. Parte dos vizinhos seguiam em direção aos portões do povoamento. Vultos assombrados e nitidamente espavoridos corriam a frente, trás e lados do menino. Não conseguira identifica-los, não tinha a capacidade de enxergar através dos borrões de desespero que eram seus rostos. A fumaça morbidamente cinza e ligeiramente encantadora tomava sua forma pela extensão do burgo. Gemidos agoniantes e tosses asmáticas agora estavam presentes.

Tomando para si uma visão panorâmica obtivera sucesso em localizar o que acometia em agressão a localidade em que vivia; ninjas patifes, uma série de shinobis que por alguma série de motivos acometera atos ilegais e criminosos, previamente estranhara piamente a presença dos citados sobre o território rente as quantidade significativa de operários a serviço do mizukage e do próprio superior no que se diz respeito ao país da água, todavia, os inimigos estavam lá saqueando matéria prima e se apropriando de objetos valorosos. Aru tinha a opção de lutar contra os malfeitores, de fato, porém, eram muitos e seu chacra se esgotaria antes de finalizar o terceiro, sendo assim incumbiu-se de evacuar os contíguos e garantir segurança.

[...]

Brados solenes deixavam seus lábios rosados: orientava os semelhantes em relação a evasão da cidade, seria necessário abriga-los, ao menos por essa noite. Visualizava cada rosto conhecido realizando uma contagem mental, tinha consciência de que alguns não resistiram e pereceram devido as investidas, no entanto, o rapaz desejava que todos aqueles que estivessem minimamente saudáveis saíssem vivos.

A ausência de uma das mais antigas habitantes da localidade se fez presente, Daisy, como era batizada remontava desde os primórdios daquela civilização auxiliando-os sempre que imprescindível e a medida do possível, fora ela a responsável por grande parte dos ensinamentos no que concerne habilidade do pseudo aprendiz de iryõ e também aquela que o lecionara na arte do ninjutsu.

Levou sua face de encontro com um companheiro. – Onde está Daisy? – Questionou franzindo as sobrancelhas. – Eu creio que ela ainda esteja em casa. – Respondeu prontamente o conhecido. O platinado assentiu. Seus pés passaram a movimentar-se e rapidamente decolara em uma velocidade considerável para que não convocasse a atenção dos inimigos.

Seguia na direção oposta à dos indivíduos. Ouvia murmúrios perguntando: Aonde está indo Aru? Volte, eles ainda estão atacando! Temos que ir para a saída. Ninguém que realmente se importasse, nenhum que parasse e o forçasse a seguir a direção a qual sabiam que ele sobreviveria, e mesmo se o fizessem ele não desistiria de tentar ajudar a professora.

Adentrou a casa da anciã – Ou o que sobrara dela – haviam chamas saltando do teto, dos móveis e do piso, um alaranjado divino que brilhava e se expunha incontrolável. Se forçou a inalar parte da fumaça presente. Uma visível e fina camada de suor estava exposta ao redor de todo o corpo. Cerrou os dentes. À medida que penetrava a moradia apercebia uma nítida dificuldade para com a respiração. Seus olhos exploravam cada recanto a procura daquela a que intitulava amiga.

No íntimo da cozinha e sob um pilar de madeira a arcaica localizava-se. Trazia feições abatidas e rosto e pele que incluíam queimaduras graves. Dirigiu-se a estrutura. O garoto transportava uma evidente preocupação. Agarrou a mão alheia acariciando-a e permitindo uma troca de apreço, em corolário a mulher abrira os olhos passando a encara-lo. – Droga, Daisy! Você está bem? Eu vou conseguir te tirar daqui preciso só de um tempinho. – Comentou deixando escapar algumas lágrimas, de fato, não queria entregar-lhe o fúnebre, mas o evento assemelhava-se a uma despedida, dificilmente conseguiria salva-la. – Não querido, não gaste suas forças. É chegado meu destino. A morte vem para todos e é algo natural, eu como médica sei bem disso. – Articulou a mais velha. O menino debandou em um choro profundo e incessante, ela era sábia em suas palavras e conhecia como ninguém como trazer à tona os sentimentos, o pensamento de ter que abandonar uma das camaradas com laços mais fortes tornavam o coração apertado e a sensação única de isolamento e tristeza.

– Ora, não fique assim, como bem sabes na natureza nada se perde, irei apenas me transmutar em mais matéria e quem sabe renascer como algo diferente. – Voltou a proferir passando a tocar-lhe a bochecha e posteriormente limpar parte do aguaceiro que derramava. – Eu sei que ainda irá conseguir grandes aventuras fora desta vila, viva-as por nós dois. – Sussurrou a morena abrindo um sorriso. Seu corpo assumira um estado de desvanecimento e o toque antes presente aos poucos sumira, frente ao oculto Aru sentira uma quantidade exacerbada de chacra percorrer por entre seu sistema, uma nunca antes experienciada; os olhos adquiriram um brilho vermelho intenso e seguido de um grito liberou uma rajada de chacra esverdeada que brilhou com clareza em parte dos cômodos atraindo olhares e preocupações. Com auxílio da recente somatória de chacra que rasgava sua estrutura ergueu as vigas que encobriam o corpo da conhecida, mas já era tarde demais, lágrimas ainda desciam-lhe a face, não conseguia se mexer, estava verdadeiramente soturno em excesso para exercer o feito.


Considerações:

☼ O post possui 1119 palavras.
☼ Filler para mais 100 pontos em chacra.
Ficha.

Vida: 200
Chacra: 200
Stamina: 00/02
Roupas

-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [ Filler ] Morte. - 25/9/2020, 20:29

Devo dizer que adorei a narração, meus parabéns. De qualquer forma tudo certinho, aprovado
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.