:: Área de Mudanças :: Centro de Melhorias :: Treinamentos de Fillers
Alvorecer
Arco 04
Ano 17 DG
Verão
A queda do pastor cobrou um preço altíssimo do mundo ninja: o golpe final trouxe ao mundo um tempo de dor e sofrimento; fome e pobreza retornaram às ruas, a violência triplicou, os antigos heróis caíram ou ficaram desacreditados. Mas, um pouco perto do amanhecer, a Hydra, que até então se mantivera em silêncio, mostrou-se das sombras, trazendo oportunidades de emprego e uma esperança para salvar o mundo dessa mais nova calamidade. Líderes ninja não tiveram escolha senão se arriscarem em tratados suspeitos para conseguir manter firmes seus lares e seus soldados. No entanto, os reais planos da Hydra ainda continuam sendo um grande mistério.
... clique aqui para saber mais informações
Shion
Fundador do RPG Akatsuki, Shion é responsável por manter o bom funcionamento de todas as áreas do fórum há mais de 10 anos. Completamente apaixonado por RPG e escrever, hoje é o principal responsável pelo desenvolvimento de toda a trama desse universo baseado na arte de Kishimoto.
Shion#7417
Angell
Angell é jogadora de RPG narrativo desde 2011. Conheceu e se juntou à comunidade do Akatsuki em fevereiro de 2019, e se tornou parte da administração em outubro do mesmo ano. Hoje, é responsável por desenvolver, balancear, adequar e revisar as regras do sistema, equilibrando-as entre a série e o fórum, além de auxiliar na manutenção das demais áreas deste. Fora do Akatsuki, apaixonada por leitura e escrita, apesar de amante da música, é bacharela e licenciada em Letras.
Angell#3815
Indra
Oblivion é jogador do NRPGA desde 2019, mas é jogador de RPG a mais de dez anos. Começou como narrador em 2019, passando um período fora e voltando em 2020, onde subiu para Moderador, cargo que permaneceu por mais de um ano, ficando responsável principalmente pela Modificação de Inventários, até se tornar Administrador. Fora do RPG, gosta de futebol, escrever histórias e atualmente busca terminar sua faculdade de Contabilidade.
Indra#6662
Biskath
BisKath é jogador do NRPGA desde julho de 2020, tendo encontrado o RPG por meio de pesquisas e começado a jogar nele, sem pausas desde então. É jogador de RPG desde 2013, mas o Akatsuki foi o primeiro de Naruto em que se aventurou. Apenas começou como moderador em abril de 2022, se dedicando as funções da moderação até se tornar administrador em julho do mesmo ano, auxiliando também na avaliação da área de criações. Fora do fórum cursa desenho, pois tem interesse em artes de forma geral..
BisKath#0666
XXXXX
XXXXX
Discord#1234

[Fillers] Amaterasu  100x100

Blackfeather'
Genin
Blackfeather'
Vilarejo Atual
[Fillers] Amaterasu  100x100

[Fillers] Amaterasu - Publicado 22/8/2020, 23:13

A chuva descia torrencialmente naquele final de semana, o clima frio e o ambiente acinzentado incentivava a todas as pessoas, ninjas ou civis, a permanecer em suas camas. Nada de importante estava programado para acontecer, muitos shinobis retornavam de missões e aquele poderia ser facilmente decretado como o dia do ócio. Todos se sentiam assim, com algumas raras exceções, que incluía uma criança e seu melhor amigo, uma senhora, uma sabia senhora, médica de Iwa e shinobi magistral, que tinha pela criança um incomum carinho. Talvez ela conhecesse a tragédia que foi a vida daquele pequeno, porém, mesmo isso se restringia ao campo da suposição.

— Então hoje é o dia deu visitar a médica — disse — talvez eu devesse levar flores, uma vez meu pai disse que devemos dar flores a pessoas que gostamos, eu gosto dela e ela é uma pessoa, então se meu pai tiver certo acho que ela vai adorar — palpeou o criado mudo ao lado de sua cama sentindo algumas moedas, pelo que conseguia sentir o máximo que conseguiria comprar com aquele dinheiro seria uma única unidade de flor. Suas economias estavam próximas do fim, por isso precisava de um serviço extra —, talvez a Kanna-sama possa me ajudar com isso — concluiu.

Levantou de sua cama sentindo o ar frio e seco congelar suas pernas. Não se abateu por causa do clima ameno. Retirou de seu guarda roupa um antigo e puído casaco pertencente a sua falecida mãe. O casaco era confortável, confeccionado com a pele de um animal que o pequeno não conseguia sequer supor, apesar de ter certeza que o bicho era bastante felpudo. — Muito quente, mamãe tem um gosto e tanto — riu, o sorriso desapareceu imediatamente sendo substituído por uma visível careta de sofrimento — tinha... Tinha.

Partiu em direção a clínica. O casaco era tão grande e maior que ele que durante o percurso foi motivo de muita risadaria. Não se incomodou com o comportamento tóxico de seus companheiros de aldeia, inclusive, achava aquela futilidade engraçada pois, enquanto riam e a chuva torrencial caía, se sentia mais confortável do que qualquer um daqueles engraçadinhos. Chegou a porta do hospital.

O hospital em que foi era, a bem da verdade, um consultório particular de uma ninja aposentada que atendia gratuitamente, bancava do próprio bolso absolutamente todos os custos, setores da população civil, em especial os mais vuneraveis. O prédio era simples, pequeno, poucos andares e aspecto envelhecido, apesar disso, possuía um ar aristocrático, quase como se pertencesse a um lorde solitário e em decadência. Apesar de antigo e ligeiramente compacto, o prédio era limpo e bem arado, a iluminação entrava por diversas fontes e todas as partes recebiam bastante ventilação, em especial a entrada do prédio, que recebia uma leve brisa quente vindo do sul no verão e que tornava o clima interno bastante agradável.

— Então você veio meu pequeno. — disse uma senhora baixinha, cabelos grisalhos, rosto marcado pela idade e típicas vestes médicas. Seu falar era arrastado, quase monótono, e os óculos em sua face lhe dava o aspecto de cientista maluca. Carregava atrás de si um prancheta já preenchida com letras e números — Vamos entre. — Apontou a direção para qual o menino deveria caminhar.

— Com licença. — respondeu Amaterasu realizando uma pequena mesura.

— Como seria o mundo se todos tivessem essa educação que você tem pequeno! — disse a senhora. Um sorriso tênue começou a ser esboçado em sua boca manchada e com algumas leves, e quase que imperceptíveis, cicatrizes.

— Seria um lugar muito chato — disse com uma sinceridade despretensiosamente inocente.

A velha soltou uma gargalhada surpresa. Ao entrarem na sala, o menino despiu a camisa revelando sua pele branca e delicada. O frio fez com que apoiasse os braços o mais preto possível do restante do corpo. Sentado numa cadeira tão gélida quanto desconfortável, começou a sentir uma leve irritação. Balançava o corpo de um lado para o outro tentando se aquecer. — Pode vestir sua blusa — disse a velha — Hoje iremos realizar a etapa três de seu treinamento, vamos ver se meus dados estão certos e se o desenvolvimento intelectual é realmente um fatos chave para o controle dessa sua... Digamos, particularidade.

O menino acenou com a cabeça, se levantou e se dirigiu ao corredor a caminho de uma sala localizada no subsolo daquela construção. Ali entrou numa sala com diversas imagens do corpo humano, coração, cérebro, rins, estômago, olhos e crânios, além de outros inúmeros itens não catalogados que estavam dispostos em provetas de todos os tamanhos preenchidos por líquidos cor de mel, azul e verde. A cena parecia típica de filmes de terror convencional, com exceção do fato do lugar estar muito bem iluminado e o vilão na realidade ser uma cientista de idade que pouca mobilidade tinha.

— Bem, vamos a primeira parte, te explicarei todo o procedimento que realizaremos, ok? — pousou as mãos sobre a cintura, sua voz estava levemente ofegante devido ao lance de escadas que levava até o lugar que estavam.

— Ok. — acenou o menino tranquilamente. Conhecia o protocolo muito bem.

— Irei dispor diversas imagens do corpo humano e quero que você tente decorar o máximo que puder sobre elas. — tomou um pouco de fôlego e prosseguiu — você poderá usar a tática que quiser, mas devo dizer que algumas técnicas eficazes de como aprender mais rápido as funções das partes do corpo humano na imagem posterior, assim, treinaremos sua capacidade de compreender o corpo humano, e também iremos constatar o que eu suponho, que a inteligência é fundamental para se controlar o poder interior.

O menino arregalou os olhos surpreso, afinal, fazia sentido, lembrava de como o pai era um idiota por completo, pouco qualificado e com visíveis dificuldade de aprendizado. Se o pai dele sucumbiu a burrice, isso seria um ponto trágico que forçaria o menino a mudar totalmente sua rotina de estudos. Sentiu seu coração bater mais intensamente enquanto a senhorinha distribuía elétrodos em partes bem especificar de seu corpo.

— Concomitante as imagens esses elétrodos iram enviar ondas de choque para seu corpo, o intuito é provocar esse sentimento de fúria que você diz sentir. — O menino tinha o olhar aflito, temia pelo que poderia acontecer, talvez acabasse até mesmo ferindo a senhora que, ao contrário dele, sorria. — Não se preocupe comigo Nozomu-chan, você estará com o movimento bem restringido, e o choque que você irá receber testará sua persistência ao nível mais alto, dito isso, podemos começar?

Assentiu preocupado, os olhos pareciam perto a encher de lágrimas quando a primeira imagem apareceu seguida de uma intensa onde choque. Sentiu como se seu corpo estivesse espatifando, não conseguia gritar e muito menos respirar, as imagens que apareciam eram confusas e, diante do desespero, na quarta onda de choque começará a identificar e catalogar com mais facilidade os membros do corpo humano. — Você foi muito rápido pequeno, monitorando o osciloscópio percebi que você teve uma variação de chakra, como se o seu poder lhe concedesse mais, além disso sua força apareceu ter aumentado também, contudo, após você conseguir identificar com facilidade as partes do corpo humano, o chakra diminuiu e os batimentos cardíacos também, mesmo em comparação aos momentos em que você recebia as ondas de choque.

Amaterasu não esboçou nenhuma reação, por dentro estava muito contente ao mesmo tempo um pouco irritado. — Então a inteligência pode ser a chave de controle? — pensou, frustrado que a resposta, que estava cada vez mais próxima, poderia ser algo tão simplório. — Meu pai morreu pois a vila o abandonou — disse tão baixo, que mais pareceu um pensamento projetado.

O dia prosseguiu com as diversas baterias de exame, treinamento a respeito do corpo humano permitindo que o ninja experimentasse com cada vez menos intensidade as ondas de choque.

— E então qual o veredito? — o olhar do menino era ao mesmo tempo curioso e apreensivo.

— Teremos o resultado em uma semana — disse a senhora.

Alguns dias depois, quando o sol ressurgiu os pássaros cantavam felizes odes a natureza. Ao chegar no local não encontrou se não uma porta trancada, tudo estava fechado e apenas um bilhete repousava sobre uma plantinha que crescia tristonha.

O bilhete dizia:

"Estimado Nozomu-chan,

Tive que partir devido a força maiores, a pesquisa infelizmente terá que ser abandonada e os resultados foram inconclusivo. Entretanto, recomendo que seja inteligente e viva uma vida fiz, não ve,nha atrás da mim

Atenciosamente,
Nome riscado"

Algo adormecido voltou a crescer dentro do menino, mas ele engoliu e o fez adormecer. Tão próximo do resultado e a pesquisa foi, possivelmente, sabotada. Voltou pra casa cansado e desiludido, havia perdido um importante norte mas, agora, tinha uma base, uma nova bússola e iria usá-la pra responder todas as perguntas que quisesse fazer e com isso, quem sabe, descobrir sobre a dor e o sofrimento de existir com algo monstruoso dentro da si.

Considerações:

_______________________

Live 'til the day that you die ...
-x-

Bahko
Chūnin
Bahko
Vilarejo Atual
-x-

Re: [Fillers] Amaterasu - Publicado 22/8/2020, 23:25

Reprovado. Não colocou o status. Tudo que conta para o on é preciso colocar o status. Apenas reposte com os status no final.

_______________________

[Fillers] Amaterasu  Dcaa73310219fb06ecbf84af7785edc2e56f56af49f5b80f1431685fc6c8a7d8_1
[Fillers] Amaterasu  100x100

Blackfeather'
Genin
Blackfeather'
Vilarejo Atual
[Fillers] Amaterasu  100x100

Re: [Fillers] Amaterasu - Publicado 22/8/2020, 23:29

A chuva descia torrencialmente naquele final de semana, o clima frio e o ambiente acinzentado incentivava a todas as pessoas, ninjas ou civis, a permanecer em suas camas. Nada de importante estava programado para acontecer, muitos shinobis retornavam de missões e aquele poderia ser facilmente decretado como o dia do ócio. Todos se sentiam assim, com algumas raras exceções, que incluía uma criança e seu melhor amigo, uma senhora, uma sabia senhora, médica de Iwa e shinobi magistral, que tinha pela criança um incomum carinho. Talvez ela conhecesse a tragédia que foi a vida daquele pequeno, porém, mesmo isso se restringia ao campo da suposição.

— Então hoje é o dia deu visitar a médica — disse — talvez eu devesse levar flores, uma vez meu pai disse que devemos dar flores a pessoas que gostamos, eu gosto dela e ela é uma pessoa, então se meu pai tiver certo acho que ela vai adorar — palpeou o criado mudo ao lado de sua cama sentindo algumas moedas, pelo que conseguia sentir o máximo que conseguiria comprar com aquele dinheiro seria uma única unidade de flor. Suas economias estavam próximas do fim, por isso precisava de um serviço extra —, talvez a Kanna-sama possa me ajudar com isso — concluiu.

Levantou de sua cama sentindo o ar frio e seco congelar suas pernas. Não se abateu por causa do clima ameno. Retirou de seu guarda roupa um antigo e puído casaco pertencente a sua falecida mãe. O casaco era confortável, confeccionado com a pele de um animal que o pequeno não conseguia sequer supor, apesar de ter certeza que o bicho era bastante felpudo. — Muito quente, mamãe tem um gosto e tanto — riu, o sorriso desapareceu imediatamente sendo substituído por uma visível careta de sofrimento — tinha... Tinha.

Partiu em direção a clínica. O casaco era tão grande e maior que ele que durante o percurso foi motivo de muita risadaria. Não se incomodou com o comportamento tóxico de seus companheiros de aldeia, inclusive, achava aquela futilidade engraçada pois, enquanto riam e a chuva torrencial caía, se sentia mais confortável do que qualquer um daqueles engraçadinhos. Chegou a porta do hospital.

O hospital em que foi era, a bem da verdade, um consultório particular de uma ninja aposentada que atendia gratuitamente, bancava do próprio bolso absolutamente todos os custos, setores da população civil, em especial os mais vuneraveis. O prédio era simples, pequeno, poucos andares e aspecto envelhecido, apesar disso, possuía um ar aristocrático, quase como se pertencesse a um lorde solitário e em decadência. Apesar de antigo e ligeiramente compacto, o prédio era limpo e bem arado, a iluminação entrava por diversas fontes e todas as partes recebiam bastante ventilação, em especial a entrada do prédio, que recebia uma leve brisa quente vindo do sul no verão e que tornava o clima interno bastante agradável.

— Então você veio meu pequeno. — disse uma senhora baixinha, cabelos grisalhos, rosto marcado pela idade e típicas vestes médicas. Seu falar era arrastado, quase monótono, e os óculos em sua face lhe dava o aspecto de cientista maluca. Carregava atrás de si um prancheta já preenchida com letras e números — Vamos entre. — Apontou a direção para qual o menino deveria caminhar.

— Com licença. — respondeu Amaterasu realizando uma pequena mesura.

— Como seria o mundo se todos tivessem essa educação que você tem pequeno! — disse a senhora. Um sorriso tênue começou a ser esboçado em sua boca manchada e com algumas leves, e quase que imperceptíveis, cicatrizes.

— Seria um lugar muito chato — disse com uma sinceridade despretensiosamente inocente.

A velha soltou uma gargalhada surpresa. Ao entrarem na sala, o menino despiu a camisa revelando sua pele branca e delicada. O frio fez com que apoiasse os braços o mais preto possível do restante do corpo. Sentado numa cadeira tão gélida quanto desconfortável, começou a sentir uma leve irritação. Balançava o corpo de um lado para o outro tentando se aquecer. — Pode vestir sua blusa — disse a velha — Hoje iremos realizar a etapa três de seu treinamento, vamos ver se meus dados estão certos e se o desenvolvimento intelectual é realmente um fatos chave para o controle dessa sua... Digamos, particularidade.

O menino acenou com a cabeça, se levantou e se dirigiu ao corredor a caminho de uma sala localizada no subsolo daquela construção. Ali entrou numa sala com diversas imagens do corpo humano, coração, cérebro, rins, estômago, olhos e crânios, além de outros inúmeros itens não catalogados que estavam dispostos em provetas de todos os tamanhos preenchidos por líquidos cor de mel, azul e verde. A cena parecia típica de filmes de terror convencional, com exceção do fato do lugar estar muito bem iluminado e o vilão na realidade ser uma cientista de idade que pouca mobilidade tinha.

— Bem, vamos a primeira parte, te explicarei todo o procedimento que realizaremos, ok? — pousou as mãos sobre a cintura, sua voz estava levemente ofegante devido ao lance de escadas que levava até o lugar que estavam.

— Ok. — acenou o menino tranquilamente. Conhecia o protocolo muito bem.

— Irei dispor diversas imagens do corpo humano e quero que você tente decorar o máximo que puder sobre elas. — tomou um pouco de fôlego e prosseguiu — você poderá usar a tática que quiser, mas devo dizer que algumas técnicas eficazes de como aprender mais rápido as funções das partes do corpo humano na imagem posterior, assim, treinaremos sua capacidade de compreender o corpo humano, e também iremos constatar o que eu suponho, que a inteligência é fundamental para se controlar o poder interior.

O menino arregalou os olhos surpreso, afinal, fazia sentido, lembrava de como o pai era um idiota por completo, pouco qualificado e com visíveis dificuldade de aprendizado. Se o pai dele sucumbiu a burrice, isso seria um ponto trágico que forçaria o menino a mudar totalmente sua rotina de estudos. Sentiu seu coração bater mais intensamente enquanto a senhorinha distribuía elétrodos em partes bem especificar de seu corpo.

— Concomitante as imagens esses elétrodos iram enviar ondas de choque para seu corpo, o intuito é provocar esse sentimento de fúria que você diz sentir. — O menino tinha o olhar aflito, temia pelo que poderia acontecer, talvez acabasse até mesmo ferindo a senhora que, ao contrário dele, sorria. — Não se preocupe comigo Nozomu-chan, você estará com o movimento bem restringido, e o choque que você irá receber testará sua persistência ao nível mais alto, dito isso, podemos começar?

Assentiu preocupado, os olhos pareciam perto a encher de lágrimas quando a primeira imagem apareceu seguida de uma intensa onde choque. Sentiu como se seu corpo estivesse espatifando, não conseguia gritar e muito menos respirar, as imagens que apareciam eram confusas e, diante do desespero, na quarta onda de choque começará a identificar e catalogar com mais facilidade os membros do corpo humano. — Você foi muito rápido pequeno, monitorando o osciloscópio percebi que você teve uma variação de chakra, como se o seu poder lhe concedesse mais, além disso sua força apareceu ter aumentado também, contudo, após você conseguir identificar com facilidade as partes do corpo humano, o chakra diminuiu e os batimentos cardíacos também, mesmo em comparação aos momentos em que você recebia as ondas de choque.

Amaterasu não esboçou nenhuma reação, por dentro estava muito contente ao mesmo tempo um pouco irritado. — Então a inteligência pode ser a chave de controle? — pensou, frustrado que a resposta, que estava cada vez mais próxima, poderia ser algo tão simplório. — Meu pai morreu pois a vila o abandonou — disse tão baixo, que mais pareceu um pensamento projetado.

O dia prosseguiu com as diversas baterias de exame, treinamento a respeito do corpo humano permitindo que o ninja experimentasse com cada vez menos intensidade as ondas de choque.

— E então qual o veredito? — o olhar do menino era ao mesmo tempo curioso e apreensivo.

— Teremos o resultado em uma semana — disse a senhora.

Alguns dias depois, quando o sol ressurgiu os pássaros cantavam felizes odes a natureza. Ao chegar no local não encontrou se não uma porta trancada, tudo estava fechado e apenas um bilhete repousava sobre uma plantinha que crescia tristonha.

O bilhete dizia:

"Estimado Nozomu-chan,

Tive que partir devido a força maiores, a pesquisa infelizmente terá que ser abandonada e os resultados foram inconclusivo. Entretanto, recomendo que seja inteligente e viva uma vida fiz, não ve,nha atrás da mim

Atenciosamente,
Nome riscado"

Algo adormecido voltou a crescer dentro do menino, mas ele engoliu e o fez adormecer. Tão próximo do resultado e a pesquisa foi, possivelmente, sabotada. Voltou pra casa cansado e desiludido, havia perdido um importante norte mas, agora, tinha uma base, uma nova bússola e iria usá-la pra responder todas as perguntas que quisesse fazer e com isso, quem sabe, descobrir sobre a dor e o sofrimento de existir com algo monstruoso dentro da si.

Considerações:

Bolsa de Armas:
HP: 225/225; CK: 225/225; ST: 0/3

_______________________

Live 'til the day that you die ...
-x-

Bahko
Chūnin
Bahko
Vilarejo Atual
-x-

Re: [Fillers] Amaterasu - Publicado 22/8/2020, 23:42

Aprovado.

_______________________

[Fillers] Amaterasu  Dcaa73310219fb06ecbf84af7785edc2e56f56af49f5b80f1431685fc6c8a7d8_1
Conteúdo patrocinado
Vilarejo Atual

Re: [Fillers] Amaterasu - Publicado