>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno
Últimos assuntos

eilfep
Chūnin
eilfep
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler//Time Skip] Prelúdio da vingança 100x100

https://www.narutorpgakatsuki.net/t71122-fp-sokudo-ren?nid=6#539903

[Filler//Time Skip] Prelúdio da vingança - 21/4/2020, 18:55

Ano 1: Planejamento


Ren então já planejava os primeiros passos de sua vingança. Sabia que não seria fácil, mas nada abalaria seu objetivo. Ele tinha o nome da empresa que havia executado seu pai, Hitachi Corp., seria apenas uma questão de tempo para que todo seu plano fosse executado perfeitamente. Sua primeira missão seria se infiltrar naquela empresa e reconhecer suas normas de segurança, mas antes de tudo, teria que achar sua localização. Conforme o filho de um dos sócios havia falado, o centro da empresa ficava em Uzushiogakure, ali ele teria informações de plantas da empresa onde seu pai havia sido sacrificado.

Dito isso, ele partiu durante a noite, em uma leve tempestade de fim de verão, trajava uma roupa escura coberta por uma capa negra, o único resquício de pele que havia nele era a parte onde seus olhos eram vistos. Misturado nas trevas, ele percorreu os caminhos de Uzushiogakure até encontrar a tal Hitachi Corp., um prédio modesto, não muito grande de apenas três andares, mas certamente rico, que utilizava o dinheiro para dominar pequenas vilas e causar escravidão. Ren pulou a grade que havia ali, pousando suavemente no chão quando ouviu alguém se aproximando.

Não era um ninja de Uzushiogakure, talvez era alguém que apenas fazia a ronda local, ele olhou para os lados e não conseguiu ver Ren coberto nas sombras do prédio, voltando para a esquina de onde ele havia chegado. Procurou uma janela que estava aberta, encontrando uma que dava para o banheiro dos funcionários do andar mais baixo. O local estava pouco movimentado pelo turno da madrugada, a maioria ali deveria trabalhar durante o dia, mas o objetivo de Ren naquele momento não era atacar ninguém.

Saindo do banheiro, ele olhou para os longínquos corredores brancos, que se estendiam tanto para a esquerda quanto para a direita, com um movimento rápido, Ren esgueirou-se pelos corredores, prestando atenção no som dos sapatos que caminhavam pelas estradas sem fim daquele prédio. Até o cheiro esterilizado do local o enojava, era como se ele conseguisse sentir o cheiro de um cadáver apodrecido por dias. Assim que chegou em uma escada, pôde ouvir uma conversa se desenrolar entre dois funcionários. Utilizou seu conhecimento em chakra para ficar preso a uma das paredes sem ser visto, observando os dois homens que conversavam animados entre si.

- Essa reunião foi um sucesso! – Disse o rapaz visivelmente mais velho, com cabelos brancos e rugas na testa, o rapaz ao seu lado parecia seu assistente, trajando um jaleco branco e carregando diversas fichas. – Finalmente vamos abrir mais uma empresa nesses vilarejos que quase ninguém sabe o nome, já estávamos quase no vermelho, algumas vilas já estão quase sem recurso para sobreviver.
- Senhor, me pediram para acompanha-lo, mas eu tenho que buscar algumas plantas no último andar para entregar aos construtores. Se o senhor não se importa...
- Quê isso menino, pode vir comigo, amanhã eu invento uma desculpa para te cobrir, não se preocupe.


Ele não ficou para ouvir o resto da conversa, sabia que as plantas ficavam no último andar. Deixou os dois funcionários virarem no próximo corredor, subindo as escadas assim que eles saíram de vista. Ren subiu as escadas rapidamente, passando pelo segundo andar sem vasculha-lo, indo até o terceiro. As luzes do local estavam apagadas, diferente dos outros andares onde as luzes brancas eram quase cegantes. Ouviu o assobio de alguém se aproximando e num piscar de olhos ele já se encontrava em um dos cantos do cômodo, onde o homem não poderia vê-lo.

Na penumbra da tempestade, conseguiu reconhecer a bandana de Uzushiogakure nele, então certamente era um ninja, não sabia sua patente, mas provavelmente tinha sido contratado para vigiar aquele lugar durante a madrugada. Ren esperou ele partir para outro cômodo para que ele pudesse se mover livremente.
As salas daquele andar eram diferentes, ao invés de longos corredores sem fim, era possível ver salas de reunião enormes que ocupavam bom espaço do local. Ren só precisava encontrar a sala de plantas, o único jeito era observar entre as salas. As portas fechadas indicavam que quase todas estavam com as luzes apagadas, com exceção de duas. Em uma ele ouvia uma reunião se desenrolando enquanto a outra estava vazia.

- A vila dos peixeiros já está quase sem recurso natural nenhum, a maioria dos moradores estão fracos, vamos eliminar todos antes que possam reclamar para a alguma vila maior.
- Calma rapaz, ainda temos tempo naquele local, é um vilarejo tão afastado que quase ninguém sabe da existência dele, não se preocupe. –
Disse o rapaz, rindo. Ren sentiu uma enorme raiva subir pelo seu corpo, sua intenção era abrir a porta com todas as forças e assassinar quem estivesse naquela sala, mas respirou fundo e se acalmou, indo para a outra porta.

Ela teve certa resistência para abrir, mas não estava trancada. Era uma sala com diversos documentos, com prateleiras etiquetadas que revelavam o conteúdo de cada um, mas uma etiqueta em específico chamou a atenção de Ren, a que estava escrito “plantas”. Os trovões do lado de fora continuavam incessantes, mas isso apenas era uma ajuda para o gennin, que conseguia cumprir sua missão sem dificuldades até então.

Ren buscou o nome de seu vilarejo em cada planta, até que finalmente encontrou a que correspondia ao seu lar. Uma data limite estava escrita no canto superior esquerdo, indicando que a fábrica seria demolida após uma “varredura”. Era no ano seguinte, Ren não tinha tempo a perder, ele tinha que salvar as pessoas daquele lugar antes que algo pior acontecesse.
Voltando para sua casa, com a planta da estrutura na mão, ele traçou uma estratégia de invasão em que seria executada no ano seguinte, durante esse meio tempo, ele iria se fortalecer para que nenhum mercenário meia boca pudesse pará-lo, Ren teria enfim sua vingança.

Seu avô dormia tranquilamente naquela noite chuvosa, enquanto a mente do jovem shinnobi pensava em mil maneiras diferentes para conseguir realizar seus atos.
Ano 2: A primeira libertação.


Ren estava relaxado em relação a sua vila, mal cumpria missões ou prestava qualquer exame chunnin, ele estava obcecado com seu plano que ele havia montado no ano anterior, seu aspecto já estava mais velho e mais sombrio, com seus cabelos mais longos e a pele pálida, os seus olhos eram fundos e vazios, como se tivessem perdido o brilho da juventude. Porém o resultado de seu treino era também visível em seu corpo, ele estava mais forte e mais ágil, e isso era refletido em mais do que seu corpo, suas habilidades regenerativas estavam melhores, como nunca antes.

Seu avô tinha partido naquele mesmo ano, uma doença ceifou sua frágil vida, Ren estava por fim sozinho naquele mundo, ninguém o conectava com seu antigo vilarejo além do elo da vingança que ele buscava. Sua obsessão era tão forte que mal conseguiu sentir o luto pelo rapaz que havia cuidado dele durante seus anos como ninja, em seu coração só havia espaço para a vingança.

Naquela madrugada, ele havia feito um trato com um mercador que viajava entre os vilarejos para deixa-lo próximo do local, assim ele sairia protegido e em segurança por um tempo, a viagem havia sido longa, durando alguns dias e algumas noites, com pausas para descanso entre os vilarejos, por fim, Sokudo Ren podia ver como estava seu vilarejo natal após dois anos.

Era como ver uma verdadeira imagem do inferno. As casas, antes feitas de palha, agora eram apenas pequenas cabanas para as pessoas dormirem. As crianças sujas de graxa e pó andavam com medo pelas ruas, todos daquele lugar estavam extremamente magros, em seus olhos havia apenas desespero e dor, eram como almas penadas vagando em uma interminável escuridão, buscando apenas o dia em que seu sofrimento teria fim.

Ren andou por entre essas pessoas, ninguém o reconheceu, todos estavam famintos demais para qualquer coisa, apenas murmuravam palavras tristes e sofridas entre eles. Os rios, antes límpidos e cheios de peixe, agora eram líquidos negros e viscosos, como um mar de óleo. As pessoas só tinham daquela água para beber, não era à toa que quase todos estavam doentes, comida escassa e água contaminada era a receita perfeita para um desastre iminente. No horizonte, Ren pôde ver uma grande estrutura metálica, com grandes canos que despejavam mais e mais líquidos viscosos e pegajosos. A estrutura do local era a mesma desde que ele saiu. Andou até essa estrutura, até que viu a árvore onde seu pai havia sido enforcado, e a cena assolaria a mente do jovem Ren para todo sempre.

Pilhas e mais pilhas de ossos se encontravam naquela árvore, que agora era só um amontoado de galhos secos e pútridos. O cheiro ali era insuportável, ninguém que foi sacrificado ali teve a dignidade de ter um enterro decente, eles eram apenas objetos descartados daqueles empresários gananciosos. Desviando seu olhar, Ren partiu para seu objetivo final. Ele se infiltrou em um dos grandes canos que despejavam a substância negra, percorrendo a escuridão sentindo o líquido quente em seus pés, assim que viu uma luz para que ele pudesse se encaminhar, subiu na escada que indicava que sairia no primeiro andar.

Ele saiu pelo lixão, onde eles despejavam restos de comida dos funcionários. Naquela hora não havia ninguém, apenas uma sala vazia. Ren tinha concluído a primeira parte de sua infiltração, aquele lugar era cheio de mercenários que atacariam Ren na primeira oportunidade para proteger que estivesse pagando.

Moveu-se por entre os finos corredores, seu objetivo ali era evitar conflito a todo custo, ele apenas deveria eliminar o chefe e por fim sua vingança estaria concluída. No primeiro andar ele não encontrou ninguém que pudesse fazer com que ele fosse descoberto, então seguiu para o segundo andar. Naquele andar, de acordo com a planta que ele havia estudado, estaria a sala dos “presos”. De acordo com sua pesquisa do ano anterior, os presos eram pessoas que trabalhavam forçadamente para que sua família pudesse ter algum tipo de recurso, mesmo que mínimo, para sobreviver. Porém nenhuma família recebia nada, já que eles não tinham contato com as pessoas do lado de fora.

Adentrando na sala, era uma verdadeira prisão. As grades enumeradas com ferramentas de cada ofício indicavam que teriam cerca de 20 pessoas presas ali, dois mercenários guardavam o lugar, caminhando pelos corredores. Ren subiu no teto e andou silenciosamente até que os dois mercenários estivessem juntos. Num movimento rápido, bateu a cabeça de um contra o outro, fazendo-os desmaiar na mesma hora. Ren virou-se para a cela de número 10, reconheceu o rapaz que fabricava o pão para o vilarejo.

- Ren? – Disse o padeiro.
- Sim, sou eu. – Ren pegava as chaves do mercenário e abria a cela do homem. – O vilarejo está em condições péssimas, ninguém está recebendo recursos do que vocês produzem aqui.... Você está aqui há quanto tempo?
- Desde que você partiu, eles pegaram todos os homens que estavam aptos a trabalhar e prenderam aqui, alguns vieram voluntariamente depois por causa da escassez da vila, mas a maioria veio forçadamente.

Ren entregou as chaves para o padeiro, olhando em seus olhos.
- Tire todos daqui, saiam pela primeira saída que encontrarem, o primeiro andar é mais tranquilo, vire no primeiro corredor, desça as escadas e saiam pela grade da frente. – Instruiu Ren, virando-se.
- E para onde você vai?
- Vou acabar com isso de uma vez por todas.


Ren saiu da área de prisões, enquanto ouvia o padeiro abrindo cada cela atrás de si enquanto os homens choravam e riam, felizes com a liberdade. O shinnobi subiu mais um andar, aquele seria o último, cercado de mercenários, que estariam dispostos a matar qualquer um que fosse afim de receber seu pagamento no fim do mês.

O corredor em que ele se encontrava era impossível de evitar um conflito. Um grande portão vermelho indicava que o chefe do lugar ficava ali. Três mercenários armados estavam a postos naquele lugar, e assim que viram Ren, assumiram posição de ataque.
Ren retirou sua kunai, sabia que teria que os enfrentar mais cedo ou mais tarde. Identificou cada um dos inimigos, haviam dois brutamontes, um carregando um grande machado e outro carregando um grande martelo, pareciam gêmeos. O outro, mais esguio, tinha consigo um tridente.

Os dois brutamontes partiram juntos para cima de Ren, que desviou do ataque de machado do primeiro curvando sua coluna para trás, o outro brutamontes então tentou desestabilizar dirigindo seu martelo para as pernas de Ren, retirou suas pernas do chão e naqueles míseros segundos Ren apenas flutuava no ar antes da gravidade finalmente agir. Com uma kunai em sua mão esquerda e com seu pé direito, Ren atingiu os dois ao mesmo tempo, cravando a lâmina na costela do brutamontes de machado. Ele gritou de dor enquanto o sangue jorrava pelo dano causado. O outro rapaz se desequilibrou e caiu por uma janela que havia ali, quebrando seu pescoço na queda e morrendo no mesmo instante. O brutamontes do machado havia ficado irado pela perda do irmão, sem pensar em seu movimento, tentou acertar o ninja com mais um ataque lento, visando atingir a barriga do shinnobi. Ren desviou saltando por cima da lâmina, pousou por trás do mercenário e subiu em suas costas, com um movimento limpo, passou a kunai pelo pescoço do homem, que se afogou em seu próprio sangue e por fim estava falecido no chão, com seu corpo tendo espasmos da morte enquanto o líquido avermelhado se espalhava pelo corredor.

O outro mercenário estava receoso, mas não se conteve, o primeiro ataque veio do rapaz do tridente, que arremessou a arma na direção de Ren, o ataque inesperado fez com que o tridente raspasse em seu braço, arrancando um pouco de sua carne presente ali, o corte fez o sangue escorrer pelo seu braço.

O homem do tridente, agora desarmado, tinha apenas uma opção para buscar sua arma, passar pelo ninja que agora tinha sangue em seu corpo e em suas mãos. Ele tentou desviar de
Ren, mas sua velocidade não era o suficiente, o jovem cravou sua kunai em seu estômago e subiu com a lâmina até seu peito, retirando assim que o mercenário já estava morto, jogou o corpo do rapaz para o lado, sua sede de sangue era maior do que qualquer coisa naquele momento.

O grande escritório do chefe era sediado por uma figura desconhecida. Um homem, de aproximadamente 24 anos estava sentado na grande cadeira, olhando assustado para a figura ensanguentada de Ren.

- Mas o quê? – Ren estava tão confuso quanto ele, o homem que havia matado seu pai deveria ter em torno de uns 50 anos de idade, Ren foi na direção do rapaz, que estava trêmulo.
- Cadê o homem que mandava na empresa?
- Sou eu!

- Não! – Ren confrontou sério, observando o homem trêmulo. – Um cara de uns 50 anos, sediava essa empresa dois anos atrás, cadê ele?
- É...É o meu pai, ele foi transferido para outra unidade no fim do ano passado. – A raiva subiu pelo corpo de Ren.
- Onde é essa outra unidade?!
- Eu não sei... – Ren conseguia sentir as lágrimas vindo, todo aquele esforço para concluir sua vingança não seria resolvido naquele instante. Ren então assassinou o rapaz, cravando a sua kunai ensanguentada na testa dele.
Ren agora saía apenas com a cabeça do jovem empresário em suas mãos, ele chegou ao ponto mais alto do vilarejo, onde todos podiam vê-lo, ele pôde ver o padeiro conversando com sua família, todos chorando de felicidade de reencontrar aqueles que tinham partido para um estado de escravidão.
- Atenção! – No momento em que Ren gritou, todos olharam para ele. Ele se equilibrava sobre a árvore em que seu pai foi assassinado. – Meu nome é Sokudo Ren e eu eliminei o atual dono da empresa que controla essa vila! Vocês estão livres para partir!

Todos estavam desconfiados das palavras de Ren, o padeiro então passou a gritar eufórico, seguido por outros homens, e em seguida toda a pequena população gritava em conjunto. Apesar dos gritos alegres, Ren não sentia um pingo de felicidade em seu coração, sua vingança agora deveria apenas ser adiada, e por fim, deveria achar o vilarejo no qual o assassino de seu pai estava.

Ren voltou para Uzushiogakure na mesma noite, não tinha mais o que tratar com as pessoas naquele local. Alguns moradores disseram que iriam para a vila, enquanto outros disseram que iriam tentar reconstruir a vida deles ali, mas a realidade é que Ren não se importava muito. A sensação em seu peito era de um vazio extremo, ele caminhou por um bom tempo até um comerciante oferecer carona para ele até a vila, após reconhecer a bandana em seu braço. Ren dormiu durante todo o trajeto, com as lágrimas saindo de seus olhos contra sua vontade, sentindo que todo seu esforço daquela fatídica noite havia sido totalmente em vão.
Considerações:

>HP: 350/350 | CK: 300/300 | ST: 00/04
>Palavras: 2819, as palavras extras foram só para a conclusão coerente da trama.
>Tudo tentativa
>1 ponto de atributo secundário Regeneração (500 palavras) + 200 de status (1000 palavras) + Qualidade de 2 pontos Calmaria (1000 palavras)

Bolsa de armas:

> 10 Kunai
> 10 Shuriken
-
Takane
Jōnin
Takane
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler//Time Skip] Prelúdio da vingança 9cf60763dc0395bb6231cfada13244c8

https://www.narutorpgakatsuki.net/t68749-ficha-takane-guang?highlight=Takane+Guang#513285 https://www.narutorpgakatsuki.net/t68767-m-f-takane-guang

Re: [Filler//Time Skip] Prelúdio da vingança - 22/4/2020, 00:28

@

_______________________

[Filler//Time Skip] Prelúdio da vingança Untitled-2
Que se inicie o caos pois a rocha continuara firme!
Template
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.