>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

TK
Jōnin
TK
Vilarejo Atual
Ícone : [ Timeskip - Filler Especial ] O Poder dos Hattori RZlFJ4c

https://www.narutorpgakatsuki.net/t70607-f-yuki-ayako https://www.narutorpgakatsuki.net/t69070-m-f-tk

[ Timeskip - Filler Especial ] O Poder dos Hattori - Ter 21 Abr - 22:31

O Poder dos Hattori...

(I)

Tudo o que tinha descoberto ainda não soava real. Havia acabado de retornar de Uzushiogakure e seus pensamentos não o deixavam em paz. Sentado em uma pedra, no campo de treinamento mais afastado da cidade, o jovem Ayako, que nunca sonhara em possuir uma responsabilidade sanguínea tão grande, observava o horizonte onde o sol desmanchava-se como o fim de sua jornada de genin.

— Ōji-sama… — uma voz soou atrás dele num timbre muito formal.

Ayako olhou para trás e abriu um sorriso debochado ao sentir o vento assoprando o manto que ainda estava vestindo. Era o assistente de Shion, o mesmo que havia informado a nova promoção de Angell.

— Oh, é mesmo, eu sou um nobre agora, né? — disse-lhe cheio de ironia.
— Sim, meu príncipe, e eu sou Hattori Hitsugi, o braço direito de seu pai e vim em nome dele… em nome de uma missão que ele me deu antes de partir. — Hitsugi continuava ajoelhado sobre uma das pernas com a cabeça baixa. Ayako suspirou pesadamente e ele o encarou.
— Que missão é essa?
— Ele me incumbiu de ensiná-lo como usar toda o poder dos Hattori.


Por detrás dos óculos pretos, o garoto fechou os olhos e sorriu maliciosamente. Poder era uma palavra interessante, ainda mais unida ao nome Hattori. Curioso sobre todos esses poderes, ele não teve outra resposta que não virar-se e acompanhá-lo em uma jornada.

(II)

As folhas caíam da árvore porque o outono havia chegado. Os treinamentos não iam exatamente como ele imaginava que seriam. Hitsugi lhe ensinara muito durante aqueles meses, explicando modos teóricos de usar e melhorar a ação de seu chakra, colocando-o em treinamentos físicos e de concentração a fim de aprimorar tanto sua mente quanto seu corpo. Ainda assim, não sentia que estava realmente evoluindo em descobrir mais de sua linhagem. Muitos detalhes ainda estavam em falta.

— Você está conseguindo ficar mais tempo — Hitsugi comentou, olhando o garoto pendurado no galho de uma árvore, concentrando o chakra nas solas dos pés com apenas uma mão concentrada em um selo de mão. — O príncipe está evoluindo depressa.

Ayako abriu os olhos e o chakra dissipou-se em seus pés, derrubando-o. Caiu virando o corpo e pousou flexionando os joelhos, absorvendo o impacto da queda, sentindo seus músculos gritarem. Tinha perdido a conta das vezes que aquilo acontecera. Endireitou-se, olhou para cima e endireitou os óculos no rosto, colocando também seu manto no lugar.

— Ainda não é o suficiente. Nunca tive dificuldades com controle de chakra, porém, usando apenas uma das mãos no selo fica realmente desafiador. — O adolescente reclamou.
— Não se preocupe, seu pai era capaz de fazer isso, então você também conseguirá.
— Oh, claro, pois sou um príncipe…, escute, eu não convivi com Hattori Shion sendo meu pai, então não fale dessa maneira. Eu ainda não me acostumei. — ele comentou e realizou um selo com uma única mão, fechando os olhos e concentrando-se até o chakra voltar às solas de seus pés.
— Como desejar, príncipe.

Com um suspiro ele deu impulso para o alto usando o chakra acumulado e colocou-se direto no galho da árvore, concentrando o chakra para ficar grudado à madeira sem usar as mãos ou outros apetrechos. Era um treinamento muito convencional, mas já sentia a diferença. Já estava começando a conseguir usar o controle de chakra com apenas uma das mãos, ficando mais hábil na construção dos selos manuais necessários na criação das mais variadas técnicas.

(III)

Uma kunai rasgou os céus e acertou um coelho no meio da neve. Atravessou seu pequeno corpo e o deixou preso ao chão com o sangue esvaindo e manchando a imensidão branca. De uma árvore, Ayako desceu com seu manto branco, os cabelos maiores e mais azulados, e os óculos um pouco mais riscados nas lentes. Hitsugi apareceu atrás dele em seguida, usando um manto diferente, com o símbolo do lobo Hattori nas costas. Os dois voltaram para a casa onde estavam desde que saíram do vilarejo e assaram o coelho. Ayako já tinha se acostumado depois de passar uma estação inteira na aldeia, mas o inverno era muito mais rigoroso naquela altura do País do Fogo.

Quando ele questionava Hitsugi sobre os motivos de não terem ficado em Konoha, ele sempre desviava o assunto, como se escondesse alguma coisa. Com o passar dos dias ele foi desistindo de perguntar e se focou única e exclusivamente em aprender as lições passadas pelo antigo assistente do Hokage. Naquele período, já conseguia controlar seu chakra usando apenas uma mão na construção de selos, mas ainda não tinha aprendido nada de novo sobre seus poderes.

Os dois treinavam muito combate físico, mesmo naquele inverno de geadas fortes. Trocavam socos e chutes até cansarem e então iam às fontes termais da região descansar. Hitsugi continuava falando que precisava deixá-lo nas melhores capacidades físicas e mentais possíveis antes de ensinar-lhe alguns segredos e truques, mas o garoto já começava a desconfiar das intenções do homem. Da mesma forma como desconfiava cada vez mais das pessoas como um todo.

Estarem escondidos no meio do País, afastados de muita coisa, o fez refletir a importância de manterem-se anônimos. Quando ia dormir, seus olhos não o deixavam cair num sono tranquilo, pois lembrava-se tanto de Hinka quanto de Shaka. Os dois ameaçaram e prometeram destruir o mundo. Se alguma coisa fosse acontecer, ele poderia estar no meio do sono; e esse tipo de conclusão o deixava acordado muitas vezes. Só conseguia dormir quando, no dia seguinte, treinava até desmaiar.

— Esse coelho não é o melhor jantar do mundo? — Ayako debochou.
— Não está à altura do banquete de uma realeza, mas é suficiente, senhor.
— Pelo amor…, pare com isso. Eu não sou nenhum príncipe, eu sou apenas um bostinha qualquer!


Hitsugi parou de comer sua carne e o olhou incrédulo. Ayako sentiu ter feito alguma coisa errada, mas não conseguia mais aturar ser chamado daquela maneira. Crescera como um qualquer, cercado de preconceitos e medos, tendo quase morrido ainda pequeno num incêndio criminoso para acabar com a vida de sua família só por possuir uma habilidade incomum. Ele não se sentia um nobre, apenas outro ninja ferrado. Por isso sempre quis se tornar um Sanin, alcançar um nível tão alto que os olhos de todos estariam voltados para ele, mas não com pena, como quando se viu refugiado no País do Fogo, mas com glórias transbordando-o.

— Você ouviu isso? — Hitsugi falou e olhou para o lado.

Ayako franziu as sobrancelhas, não percebendo nada e, no instante seguinte, uma enorme explosão rompeu as paredes de madeira de onde estavam vivendo. A fumaça cobriu o local e Ayako viu-se debaixo do manto de Hitsugi que havia se colocado, heroicamente, à sua frente. Quando seu mentor se levantou e sacudiu a fuligem deixada nas roupas, ele conseguiu se levantar também, encontrando duas silhuetas no meio das chamas que abraçavam as paredes da casa.

Hitsugi realizou um selo de mãos com apenas a mão direita e esticou-a para o lado formando uma espada de gelo. As silhuetas avançaram e Ayako ajeitou os óculos no rosto para vê-los melhor. Não os reconhecia, mas seus sorrisos eram sinistros, não tanto quanto as marcas de cortes por todo o corpo.

Uma brasa ardente derrubou um pilar de madeira perto de um dos homens e ele encarou o garoto como se estivesse satisfeito.

— Lembra da gente, pirralho? Pois eu consigo me lembrar perfeitamente de quando botei sua casa abaixo com esse fogo — ele comentou e abriu a palma da mão revelando uma chama bruxuleante.
— Eu não lembro de vermes.
— Há! Seu maldito!


O homem avançou com as chamas em mãos, mas Hitsugi o bloqueou usando um corte de sua espada de gelo. O outro homem se aproximou pelo flanco esquerdo surpreendendo Ayako com a velocidade deles, porém, seu mentor não pareceu nada preocupado. Quando o soco do homem ficou perto de seu rosto, um escudo de gelo nasceu frente a ele, repelindo o ataque. Ayako olhou as mãos de Hitsugi e não viu nenhuma forma de selo realizada. As duas mãos seguravam a espada de gelo, segurando o golpe do primeiro inimigo, então como?

Hitsugi fechou os olhos e suspirou e diversas estacas de gelo brotaram a partir dele, avançando e perfurando os inimigos. Depois, ele assoprou uma onda de ventos gelados que impediram as chamas de continuarem se alastrando. Mas nenhum selo manual foi realizado durante todo o processo. Os homens caíram sem vida no chão e Ayako continuou sem palavras por alguns segundos.

— Como… como você fez isso?
— Usando os poderes dos Hattori —
Hitsugi respondeu e a espada se desfez.
— Por favor, me ensine!
— É meu trabalho, príncipe.


(IV)

As flores desabrocharam com o chegar da primavera, brilharam no calor do verão e voltaram a cair com a chegada do novo outono. Ayako já não se sentia mais a mesma pessoa. Tinha aprendido muitas coisas sobre seu sangue; estudado muito a respeito de sua família através de Hitsugi. Agora entendia o que significava ser um bastardo naquela cultura, assim como entendia que os Hattori eram donos de uma capacidade física diferente, por isso Hitsugi insistira tanto em treinamentos do gênero; conseguiu entender o motivo de sempre ter apresentado uma aptidão inata para o controle de chakra e principalmente o motivo de seu chakra ser azul, uma cor muito presente nos membros da linhagem.

Conhecera um pouco da história de Hattori Shion e dos combates em que ele vencera centenas de inimigos mesmo sozinho. Também soube mais de seu irmão, Hattori Shaka, embora apenas o que era conveniente saber de um shinobi, não de alguém com poderes divinos; sobre isso ele não sabia nada. Hitsugi lhe ensinou que, hierarquicamente falando, ele não tinha os mesmos direitos de Angell ou Shaka, mas que Shion mudou essa lei e o incluiu como príncipe antes da Grande Guerra que os transformara em heróis do tempo.

Aos poucos, mesmo nunca tendo se aproximado do homem, Ayako se sentiu como um filho amado e cuidado. De fato, nunca seria como Angell, que conseguiu encontrá-lo muito antes. Ele só descobrira sua linhagem quando seu pai já estava falecido. As coisas eram mais difíceis de lidar. Mas, mesmo assim, ouvir as histórias de como Shion lutava pelos filhos o fez entender que aqueles poderes deviam ser usados para acabar com a tirania do irmão mais velho. Mesmo que lhe custasse a vida e a sanidade.

Durante o passar das estações, ele também foi ensinado mais sobre a natureza do gelo que tanto usava. Aprendeu mais de suas propriedades, seus efeitos, seus verdadeiros poderes, limites e capacidades. Hitsugi lhe apresentou as melhores formas de usar aquele poder e o ensinou a controlá-lo o mais livremente possível. Porém, faltava ainda um último ato antes de considerá-lo um mestre.

O treinamento de Agari. Um treinamento único onde o Hattori mergulhava dentro de si mesmo e encontrava seus poderes aprisionados e os libertava. Hitsugi vinha o preparando para aquilo há meses, ensinando-o que qualquer deslize poderia acabar matando-o ou o enlouquecendo. Ayako, porém, não temia. O poder era importante se quisesse continuar lutando e vencendo.

Poder é sempre o foco dos Hattori.

Sentado em postura de lótus, Ayako respirava fundo e soltava o ar. Os flocos de neve caíam sobre seus cabelos azulados e derretiam molhando-os. Seu manto com o símbolo do lobo estava mais branco ainda. As árvores ao seu redor eram altas e completamente dominadas do mais puro branco nevado. Aos poucos ele foi se aprofundando na meditação, sentindo o corpo se desprendendo daquele mundo, viajando dentro de um túnel escuro e caindo em uma sala feita totalmente em cristais de gelo com uma enorme parede marcada por um símbolo representando o selo de poder.

Ayako caminhou pela caverna sentindo um frio horrível tomar conta dele. Sentia como se mil olhos o observassem na escuridão, mas ao virar-se, eles nunca estavam lá. Hitsugi havia lhe explicado que aquilo podia acontecer e quis continuar. Chegou à enorme parede e tocou a palma da mão sobre ela, emitindo seu chakra que ressonou e desmanchou lentamente a parede de gelo, liberando uma luz brilhante que foi envolvendo seu corpo como no dia em que derrotara Hinka, há mais de um ano.

As chamas azuis dos Hattori o envolveram mais uma vez e ele abriu os olhos do lado de fora fazendo a neve ao seu redor levitar como se fosse normal para ele manipular o gelo; como se fosse tão simples quanto respirar.

(V)

A neve derreteu com a chegada da primavera e as flores que desabrocharam eram coloridas de vermelho e rosa em toda a aldeia. Os meses se tornaram quase dois anos e Ayako sabia que não era mais o mesmo. Conseguia usar seu chakra de maneira melhorada e dominava a natureza do gelo como se fosse parte integral de sua existência, manipulando-o ao bel prazer. Não era mais como se aquilo fosse uma habilidade do chakra, mas sim de seu ser.

Viajaram de volta à Konoha da maneira mais lenta e calma. Pararam em um restaurante certa vez e ouviram as novidades. Angell ainda era a líder da vila, considerada por muitos como uma heroína. Chamavam-na de Princesa Hattori e não mais de Sobrevivente. Ayako sorriu ao ouvi-los na mesa vizinha.

— Qual o motivo do sorriso, príncipe?
— Minha irmã. Ela é ainda mais incrível agora do que era há dois anos.
— Entendo… — ele lembrou-se da carta deixada para a moça e tomou o caldo de seu ramen. — Por que não a viu antes de viajar comigo? Não que eu esteja questionando o príncipe, mas…
— Tudo bem, Sensei. Eu não a vi porquê… eu não tive coragem. Ela era realmente apegada ao nosso pai e estava recebendo um cargo importante, tive muito medo de acabar atrapalhando sua vida naquele momento. Colocando uma preocupação a mais em sua cabeça.
— Por que acha que iria preocupá-la? — Hitsugi questionou antes de solicitar mais um pouco de comida.
— Do jeito que eu estava quando você chegou até mim… eu era apenas uma criança fraca. Fraca e confusa. Se Shaka tivesse tentado novamente era possível que eu fosse com ele, Sensei. Pensando em poder acima de qualquer coisa e com a dor inteira dentro do coração por ter sigo enganado de certa forma. Eu não estava à altura de chegar perto dela.
— Mas ela é sua irmã.
— Não, Hitsugi. Ela é a verdadeira rainha dessa família.

O homem o olhou admirado em como ele havia crescido nos últimos dois anos. Não era mais o garoto cheio de sarcasmos e ironia e tão inseguro. Era um shinobi de grande valor na batalha contra Shaka. Ele recebeu sua nova tigela e começou a comer refletindo consigo mesmo sobre aquela missão e como ele havia completado exatamente como Shion queria.

Ayako estava pronto para continuar sua jornada e aprender muitas coisas novas.

(VI)

Quando o verão chegou novamente também chegaram os dois viajantes. Ayako estava com saudades de casa então logo subiu em um prédio e olhou toda Konoha lá de cima, com a brisa de verão contra o rosto, balançando seus cabelos e seus novos brincos de ouro, presentes de Hitsugi. O rosto de Angell já estava esculpido e àquilo ele abriu um enorme sorriso.

Finalmente poderia ver sua irmã.

Considerações:
Deu um pouco mais de 2500 (2567) palavras ao cortar os subtítulos (os números), pois só os usei para organização da história, mas o treino todo está dentro dessas 2500. Dentro do treino eu deixei subentendido algumas coisas, mas em ordem o personagem desenvolveu: Hábil em Selos [1] com 500 palavras; Mestre em Hyoton [3] com 1500 palavras e superou o defeito Ironia [1] com as outras 500 palavras.

Faniahh/Lala/Cyalana



_______________________

[ Timeskip - Filler Especial ] O Poder dos Hattori Q9DYRBI
-
Luishturella999
Jōnin
Luishturella999
Vilarejo Atual
Ícone : [ Timeskip - Filler Especial ] O Poder dos Hattori 100x100

https://www.narutorpgakatsuki.net/t70499-f-p-squall-sarutobi#532365 https://www.narutorpgakatsuki.net/t69839p30-gestao-de-ficha-squall-saruhatake

Re: [ Timeskip - Filler Especial ] O Poder dos Hattori - Ter 21 Abr - 22:50

Aprovado
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.