>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Luishturella999
Jōnin
Luishturella999
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler - Time Skip] Uma lembrança e uma investigação  100x100

https://www.narutorpgakatsuki.net/t70499-f-p-squall-sarutobi#532365 https://www.narutorpgakatsuki.net/t69839p30-gestao-de-ficha-squall-saruhatake

[Filler - Time Skip] Uma lembrança e uma investigação - 21/4/2020, 17:39


ANOS DISTANTE


Era tarde da noite, e o rapaz, caminhava solitariamente pelas ruas da vila, aproveitando a solitude providenciada pela madrugada. Era sempre inacreditável o quanto aquelas ruas podiam ficar silenciosas e solitárias à noite, visto que durante o dia era difícil até de encontrar espaço para caminhar ali. Uns passos atrás do garoto lhe chamaram a atenção, e parando, sem se virar, o ninja demandou..

 - Posso ajudar?   - Falara, com as mãos nos bolsos, sem se virar.

– Desculpe a intromissão, e pelo horário também, garoto Sarutobi - Disse uma voz, aparentemente velha, mas que claramente o conhecia – Sou do conselho da vila. Temos um assunto para tratar com você - As palavras foram suficientes para  Squall se virar

O homem, de aparência velha, o guiou por um caminho familiar. Em silêncio, levou Squall até o topo do monumento dos Kages.

– Primeiramente, parabéns pelo seu desempenho no CS. Soubemos, pelos documentos oficiais, que no seu lado do campo de batalha, você se destacou. É isso que esperamos dessa nova geração. Mas…   - O homem pausou por um instante, baixando a cabeça - – Há algo que nos preocupa.. A mulher que lhe atacou e fez este ferimento no seu pulso… Simplesmente sumiu depois da batalha, correto? - O rapaz acenou consentindo – No outro campo de batalha, enquanto vocês lutavam, outra mulher invadiu a ilha durante a prova também. Eventos drásticos aconteceram… mas o que nos preocupa é que ambas saíram vivas da batalha. Certamente você já ouviu o nome Shaka, correto? - O nome, saindo da boca do conselheiro da aldeia, despertava uma frustração interior em Squall automaticamente. Revivendo internamente as cenas do CS, novamente consentiu silenciosamente – Pois bem… ele foi mesmo o responsável pela morte de nosso hokage interino. E ele está À solta por ai. Essas duas mulheres, sem dúvidas, trabalham para ele. Como você foi promovido à Chunin, e mais do que isso, se destacou durante a luta, vou lhe conferir uma missão secreta. Nós decidimos que será  uma missão à longo prazo, e assim terá liberdade para tomar o tempo que for necessário. Também terá livre passe para permanecer fora da aldeia durante o tempo desta missão. Será uma missão de rank S, apesar de sua patente. Tenha em mente que deverá manter sigilo ABSOLUTO sobre isso, e ninguém, dentro ou fora da aldeia, pode saber sobre isso. Está de acordo?

Em silêncio, o rapaz ponderava sobre a situação. Em sua mente, um flahsback da luta contra a monstruosidade canibal se passava.. Fechou seus olhos, levantando o rosto, enquanto a suave brisa de verão balançava seus cabelos. Alguns instantes de silêncio se seguiam, enquanto o rosto da mulher ficara gravado em sua mente.

 - Sim. Mas tenho uma condição. Tem uma pessoa pela qual eu gostaria de procurar também, enquanto realizo esta missão. É possível? - Falou, abrindo seus olhos e baixando seu rosto.

– Pois bem, pode partir imediatamente então. E sim, pode realizar esta busca, desde que não interfira com a missão principal. Apenas lembre do sigilo de identidade.. Deixe sua bandana guardada durante esta missão. Tenha em mente que toda informação sobre a mulher ou Shaka adquirida terá um enorme peso e valiosidade para a Folha. Alguma pergunta?   - Disse o velho, em um tom de voz sério, enquanto mantinha seu olhar fixo na vista que o local proporcionava da vila.

 - Não senhor. Devo partir logo.. Se precisarem me contatar, em minha casa deixarei uma pequena cobra. Ela saberá me achar. - Disse, pouco antes de sumir em uma fumaça branca.

Já havia preparado tudo em sua casa, e inclusive avisado sua parceira de residência que ficaria fora por um tempo. Não imaginava que podia ser TANTO tempo assim quando o mencionou, mas agora era tarde para se preocupar com isso. Fechou a capa que estava usando na parte da frente, e rumou para fora da vila, pelos portões. Poucos metros à frente, parou e deu uma ultima olhada na direção da vila.

 “Angell-sama… Tatsuo… Yukito… Takane… Me desculpem, não nos veremos por um tempo”

Aquelas palavras, correndo na mente do rapaz, foram a breve despedida, por hora, da sua aldeia.



[...]

6 MESES  DEPOIS

A brisa suave corria pelo bosque vazio. Sentado embaixo de uma árvore, com sua capa fechada, o rapaz comia um pequeno bolinho de arroz que havia ganho em sua última “missão” feita para ajudar um pequeno vilarejo, por onde passou. Os últimos seis meses foram bastante solitários, visto que o rapaz não firmou moradia em lugar nenhum, desde que deixou a aldeia. Ao que tudo indicava, ainda tinha muito, MUITO trabalho pela frente - Havia encontrado uma ou outra pista sobre a mulher, mas nada concreto ainda. Por um momento, de algum modo, uma leve saudade de sua terra cruzou pelo coração do rapaz. As lembranças de alguns momentos se fizeram nostálgicas. Squall levantou seu rosto, de olhos fechados, deixando a brisa balançar seus cabelos e quase que o levar junto dela, enquanto desfrutava do silêncio para recobrar algumas memórias. O dia em que teve um conversa com o Hokage, em seu escritório, onde relembrou o nome e o rosto de sua amiga de infância.

 “Rinoa… onde você está?” - Se perguntava, lembrando do objetivo adicional daquela missão. Uma pista, qualquer coisa que pudesse dar informações sobre o paradeiro dela seria útil.

Sentiu uma pequena cobra subir por sua perna, cochichando em seu ouvido. Era uma mensagem de sua colega de residência, Takane. Infelizmente, não podia se dar ao luxo sequer de respondê-la, vide a obrigação que tinha com o sigilo daquela missão. Preparou um relatório do que havia descoberto e ouvido, e enviou de volta para a aldeia pela cobra, deixando sua amiga sem resposta.

"Sinto muito Takane, mas não posso falar sobre isso"

Mas… não havia como NÃO pensar no objetivo principal. Encontrar aquela atrocidade de mulher. A canibal que invadiu a prova Chunin, no meio de uma das cinco grande vilas, matou um genin e um ninja local, embora este última tenha se matado para tentar levar a mulher junto, atacou todos os genins, suportava os ataques em seu corpo com ose não fossem nada, literalmente, e depois de tudo, sumiu em pleno ar. A mulher que rasgou o pulso de Squall. A mesma que veio anunciando aos berros a morte de Hattori Shion, exalando um alegria sádica imperdoável. O sangue do rapaz fervia, buscando por uma nova luta com ela, o que era incomum para Squall, que normalmente não levava para o pessoal. Mas a forma como aquilo tudo se desenrolou, a maneira desumana como ela descrevia seus prazeres com aquilo e as ameaças que proferia, claramente se sentindo bem com tudo isso, incomodavam Squall de uma maneira surpreendente.

 “Se os servos dele são assim… imagine como não é o mestre delas. Shaka… e pensar que estivemos cara a cara, tão próximos, e não pude fazer nada...”

Seguindo pelo caminho em que estava, o Chunin deixou seu pensamentos para trás, coisa incomum. Tinha uma pista para seguir, e precisava ir o mais breve possível. Os locais falaram à ele sobre uma lenda urbana que corria por ali; um antigo prédio abandonado, no meio da floresta ali, próxima à fronteira do País do Fogo, guardava um demônio que mata todos os homens que se aproximam. Rezam as lendas que este demônio acha uma aneira de seduzir os homens até lá, e então os come vivos. A descrição batia com ela. E...

 “Bate bem demais. Mais um pouco e devo chegar ao local que indicaram.”

Caminhando por entre as árvores e arbustos, logo mais à frente, Squall avistou uma edificação grande e antiga, feita de pedras, com colunas aparentemente de cerâmica, ou alvenaria. Deu alguns passos em direção à ela, mas subitamente uma forte dor tomou sua cabeça, e um zunido agudo encheu seus ouvidos, fazendo-o ter de apoiar o joelho direito no chão, com uma das mãos sob a cabeça. Uma distorção de luz em sua visão deixou tudo com um clarão que o cegou por uns instantes, mas logo passou. Ele ergueu sua cabeça, e se espantou. O local ainda era o mesmo, porém parecia ser novo, e pelos barulhos, ocupado. Ao seu redor já não existia uma mata fechada, mas uma estrada construída e bem cuidada. No prédio, viu diversas crianças correndo de um lado para outro, e para trás delas ficou uma figura de um criança familiar. Até tentou se aproximar, mas o mesmo zunido e a mesma dor de antes o impediram. Assim que a figura da criança saiu correndo na direção oposta das demais, sumindo em meio à floresta atrás, a dor foi gradativamente sumindo, ao passo que Squall conseguiu caminhar na direção que intentou antes, adentrando o local. Um clarão mais uma vez surgiu, e ao recobrar a visão, Squall estava no local abandonado mais uma vez. Olhou a sua volta, enquanto uma estranha familiaridade com o local começou a incomodá-lo. Adentrou o prédio abandonado, tomado pela vegetação do local, destruído por dentro. Seus corredores lhe causaram alguns flahsbacks, como se já estivesse ali antes. Conforme caminhou por dentro, começou a ver rastros de sangue, e alguns corpos mutilados jogados em cantos do local. Foi somente quando chegou ao hall principal do local, seguindo a trilha de sangue, que seguia uma linha reta. Na sala, viu a trilha findar em uma das paredes, onde um recado fora deixado na parede do local.

“KORRA LIVES!”

Se o palpite estivesse certo, esse era o nome da mulher. Todos os traços no local indicavam que era ela de fato, então não era muita surpresa. Mas porque deixar esse recado? E para QUEM seria? Caminhando pelos quartos do local, chegou até os fundos. Havia uma relva alta e densa, mas que se estendia por uma distância enorme sem árvores. A mesma dor de antes lhe tomou de assalto, lhe deixando com um dos joelhos no chão, se apoiando em uma das paredes ao seu lado. Aquele lugar… de alguma forma, ele conhecia aquele lugar. E então, mais uma vez, o clarão branco tomou sua visão, e ao abrir os olhos, viu o mesmo local, mas bem cuidado. Era um campo florida gigantesco, que ficava bem ao lado da edificação. O vento balançava as flores, que soltavam pétalas, voando ao vento em sincronia. Uma voz chamou a atenção de Squall para o lado deste. Na entrada do campo florido, dois adolescentes estavam juntos. A visão borrada deles aos poucos foi se tornando clara, o que Squall viu o tomou de uma grande surpresa.

 “Este… sou… eu?.” - pensou, paralisado.
– Hoje… vou ser mandada para outro lugar.   - Disse a menina, ao lado de Squall. Ela vestia um casaco longo azul claro, e um top por baixo. Seus cabelos longos pretos balançavam ao vento enquanto ela permanecia parada ao lado do rapaz. – Eu… sinto muito, Squall  

 - Não se preocupe. - Disse sua versão mais nova  - Nós dois ficaremos bem.

– Mas… eu nunca mais vou… poder te ver?   - Disse a jovem, com um olhar triste e baixo.

 - Não. Eu vou te encontrar, um dia. Eu prometo, Rinoa.

 “Rinoa? Então… é daqui que nos conhecemos...” - Pensou, ainda observando as duas figuras.

– Mas... como? Como vou saber se você realmente vai conseguir? Eu… tive um sonho… Sonhei que íamos ver estrelas cadentes no céu. Me arrumei e sai, mas então não conseguia lembrar onde íamos nos encontrar… comecei a correr e correr te procurando, mas nada. Então eu gritei seu nome, várias e várias vezes, até ficar sem voz… e nada. Eu acordei chorando… Desculpe… você não precisa dizer nada, é só que… -

 - Confie em mim. Vai ficar tudo bem. É porque ainda não fizemos a promessa. Então, que tal isso? Eu estarei aqui…  

– … aqui? Porquê? -

 - Eu estarei esperando por você. Se você vier aqui, vai me encontrar. Eu prometo  

As palavras finais arrancaram um sorriso gigante da menina, juntamente com lágrimas, e esta correu para abraçar Squall. Em um piscar de olhos, ambos haviam sumido, e Squall estava no mesmo lugar, mas no “presente”. Voltou para dentro do local, onde achou as escritas na parede. Quando piscou, o lugar havia mudado. Era o mesmo lugar, mas novamente, uma vislumbre do passado. Um garoto, vestindo um sobretudo branco e de voz rouca, com cabelos ruivos claros, estava dando uma gargalhada alta, enquanto Squall se via no canto da sala, ajoelhado, chorando.

 “Esse dia… eu… lembro… foi quando ela partiu do… Orfanato? Isso, esse lugar era um orfanato para órfãos do país do fogo… e esse garoto é o Seifer… ”

Depois de alguns instantes rindo, o garoto mais velho largou algumas piadas com Squall, debochando do momento de tristeza do rapaz. Por trás do corpo verdadeiro de Squall, algumas crianças passaram correndo, brincando. E então, tudo voltou. As lembranças daquele tempo, de Rinoa, do orfanato, Seifer… tudo que havia se passado ali naquele lugar. Mas… porque Korra tinha aparecido JUSTO ali? Se de fato havia sido ela, claro. Mas a referência ao nome, os flashbacks, a memória voltando… tudo aquilo era estranho demais para ser coincidência. Squall cuidou de averiguar o local inteiro, procurando por quaisquer detalhes que pudessem dar alguma pista do paradeiro daquela mulher, ou até mesmo algo envolvendo seu passado, mas não havia nada para ser encontrado, aparentemente. Se dirigiu até os corpos, para tentar os identificar. Pelas roupas que usavam, pareciam pertencer ao vilarejo de onde Squall recebera as informações sobre os boatos dali.

[...]

1 ANO E 5 MESES DEPOIS

Os últimos tempos haviam sido muito diferentes da vida pacata que Squall levara na aldeia. Viajava de um lugar para outro constantemente, sempre procurando informações de acordo com a missão que recebera. Cruzara diversas vezes as fronteiras dos países por onde passava, tomando conhecimento da geografia dos locais. Nos últimos 2 meses, parou e se estabeleceu em uma pequena aldeia , na fronteira do País do Vento e País da Terra, em algumas montanhas. Conheceu um velho mestre em Raiton que se propôs a treinar e ensinar o rapaz. Durante os dois meses, Squall se dedicou ao treinamento, enquanto mantinha as investigações em sigilo. Dominou uma maestria do elemento inexplicável, sendo capaz de coordenar todos os seus movimentos com as técnicas do elemento sem necessidade de fazer selos de mão, sendo capaz de liberar manipulações sem esforço. Agradecendo a ajuda do homem, partiu dali para seu último objetivo antes de retornar à aldeia; o País do Vento. Os desertos daquele lugar eram imensuráveis, mas talvez lá alguma informação poderia ser obtida.

[...]

2 MESES DEPOIS

Durante suas viagens aos países vizinhos imediatos, Squall encontrou diversos locais onde passou a tal mulher. Parecia ter prazer em deixar seus rastros vulgares por ai. Por algum motivo, ela parecia deixar as pessoas saberem por onde ela passava de propósito. Mas, por hora, não havia mais o que ser feito. Enviado o último relatório, partiu de volta para sua aldeia.

O dia raiava forte com o sol da manhã chegando próximo ao meio dia. Caminhando pela estrada principal, Squall avistou Konoha logo mais à frente. Passou, silenciosamente pelos portões, e se dirigiu ao QG da vila, onde iria reportar sua chegada, visto que os relatórios das descobertas eram mandados periodicamente por cobras para o conselho da aldeia.

Findado os assuntos com o conselho, Squall se dirigiu pelas turbulentas ruas da aldeia de volta para sua casa, com uma saudade em seu peito daquelas ruas movimentadas.

 “Rinoa… não pude te encontrar lá… mas um dia, em algum lugar, vou te encontrar. E vamos voltar para aquele lugar, juntos.”



Informações:

Status:

Hp = 1.000 / 1.000  
Chakra = 1.650 / 1.650    
Stamina 0/6

Qualidades e Buffs:


Perito Elemental  RAITON - - 50% de custos para jutsus Raiton
GCC - - 25% de consumo de chakra
Audição Aguçada - Dobra-se o alcance da audição natural do personagem e a intensidade com que os sons chegam aos ouvidos.
Habilidade em Ninjutsu - redução de dez pontos de chakra em qualquer ninjutsu que utilize chakra puro
Perícia em Shurikenjutsu - + 5m de alcance e 2 m/s
10 pontos em ninshu - + 200 de dano e + 6 de vel em ninjutsus
5 pontos em Shuriken jutsu = + 10 metros de alcance e + 2 m/s
2 pontos em recuperação = + 24 pontos de chakra por turno

Ten no Juin (Selo do Céu)
Nível 1: +300CH, +2FOR, +1VEL.
Nível 2: +400CH, +3FOR, +2VEL.
Transformação Total: Quando o usuário ativa o segundo nível do selo, sua pele torna-se escura e seu cabelo cresce e fica azul escuro. Os olhos também ficam cinza escuro. Além disso, crescem asas em forma de garra em suas costas que podem ser usadas para se defender (resistência de rank-B), planar e voar até vinte metros do solo; além uma marca escura em forma de estrela aparece sobre o nariz.
Transformação Parcial: Quando o usuário ativa o primeiro nível do selo, ele poderá projetar uma asa com consumo de rank-B por post, ela desaparece ao fim do turno.

Bolsa de armas 40:


2 bolsa de armas (+40 espaços)
16 Kibaku Fuda
10 kunais
10  shurikens
2 senbom
25 m de fio de aço  

Jutsu usado:




Jutsu preparado:




Considerações:

- Estou vestido com o trajamento completo normal, camisa branca com gola em V, casaco de couro preto com pelo na parte do pescoço, aberto, 3 cintos na cintura, vestindo as luvas pretas, com o símbolo do leão no anel da mão direita  e no colar, conforme imagem: Vestimentas , com a tatuagem do pacto de cobras no braço esquerdo, subindo do pulso.

OBJETIVOS: - Missão Rank B 500 palavras
- Superação de defeito de 1 ponto (Aminésia dissociativa)  - 500 pontos
- Qualidade de 3 pontos (Mestre elemental Raiton) - 1.500 palavras

- Conhecimentos sobre a geografia do País do Fogo, Vento e Terra, além do conhecimento do nome de Korra, a NPC de Shaka que me atacou no CS.

2560 palavras.






HP [1.000|1.000]; CK [1.650|1.650]; ST [00|06]

-
Takane
Jōnin
Takane
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler - Time Skip] Uma lembrança e uma investigação  9cf60763dc0395bb6231cfada13244c8

https://www.narutorpgakatsuki.net/t68749-ficha-takane-guang?highlight=Takane+Guang#513285 https://www.narutorpgakatsuki.net/t68767-m-f-takane-guang

Re: [Filler - Time Skip] Uma lembrança e uma investigação - 21/4/2020, 17:52

Aprovado

_______________________

[Filler - Time Skip] Uma lembrança e uma investigação  Untitled-2
Que se inicie o caos pois a rocha continuara firme!
Template
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.