>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, mas simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 70DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Primavera

Kaido
Raikage
Kaido
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] Kaido To2whn10

https://www.narutorpgakatsuki.net/t70736-f-kaido

[Filler] Kaido - em Sex 06 Mar 2020, 17:35

Naquela noite Kaido havia sido convidado para um jantar na casa de seus pais, um ritual que costumava acontecer a cada um ou dois meses devido a agenda anormalmente lotada de todos os membros do clã. Não havia nada para ser comemorado, aquele era apenas um encontro típico de Kaido com seus pais para que todos se mantivessem em contato.
O jovem chegou a residência de seus pais um pouco mais cedo do que havia sido combinado, algo que parecia ter sido antecipado por Kalled, o velho curandeiro e pai de Kaido. Kalled se encontrava sentado na soleira de sua casa, observando os arredores e fumando um velho cachimbo. A fumaça do tabaco formava belas imagens, que pairavam sobre a cabeça do homem – Algumas coisas nunca mudam – Kaido se divertia assistindo ao seu pai fazer uso de sua famosa técnica de manipulação de fumaça. O velho riu e então pousou o cachimbo sobre o braço da cadeira de balanço – E nem nunca vão mudar. Venha, sua mãe já deve estar quase terminando de preparar o jantar -. Com certa dificuldade Kalled se levantou de sua cadeira e fez sinal para que seu filho lhe acompanhasse para dentro da residência.
Reunidos ao redor de uma velha mesa de madeira e um grande banquete a família deu inicio a ceia. Durante horas Kalled, Kaido e Sakura, esposa de Kalled e mãe de Kaido, conversaram sobre as aventuras pelas quais eles haviam passado naqueles últimos meses. Os pais de Kaido podiam já não ser muito novos, mas eles ainda exerciam suas profissões com afinco, viajando pelo mundo hora ou outra em busca de conhecimento, novas técnicas de cura, novos medicamentos, etc.
Os pratos já haviam a muito tempo sido esvaziados, apenas as migalhas sobravam, mas a conversa ainda se mantinha com a mesma carga de interesse e emoção. Kaido comentava sobre seu trabalho no departamento de inteligência quando sua mãe se levantou e começou a recolher a louça suja da mesa – Venha, vamos continuar a conversa no escritório, assim sua mãe consegue limpar tudo com calma e sem nós dois no caminho -. Kaido seguiu seu pai até a sala ao lado, um ambiente acolhedor, dominado por livros e pergaminhos, com uma mesa de madeira no centro e também diversas poltronas – Eu preciso ir ao toalete, fique a vontade -.
Kaido, que sempre fora muito curioso e interessado em adquirir novos conhecimentos, passou a andar de um lado para o outro no escritório, apanhando livros, folhando algumas paginas, procurando coisas que lhe arrebatassem. Uma caixa no canto da sala despertou a atenção do jovem, que ao abri-la se deparou com uma grande quantidade de papeis e pergaminhos velhos.
Durante a “investigação” o jovem descobriu algo que não deveria, um papel de adoção com a assinatura de seus pais. Kaido não precisou pensar muito para entender o que era aquilo. Desconfortavel, surpreso e abalado, Kaido voltou a guardar os papeis e selar a caixa. Assim que Kalled retornou a sala o jovem inventou uma desculpa para encerrar o encontro, se despedir e ir embora da casa de seus pais.
Durante aquela noite Kaled não conseguiu dormir direito, passou horas se revirando na cama, se questionando sobre quem de fato seriam seus pais, quais os motivos que fizera com que eles o abandonassem, etc. O garoto só dormiu quando decidiu que no dia seguinte ele faria uso de suas habilidades e influência como membro da inteligência para conseguir informações a respeito de sua adoção e de seus pais biológicos.

Na tarde do dia seguinte Kaido foi ao hospital da vila trajando seu habitual terno, uma roupa pouco comum para um shinobi, mas que lhe agradava e não lhe trazia tantos prejuízos para as acoes táticas. O jovem adentrou ao edifício e foi em direção a recpcao, onde pediu informações a respeito dos registros de adoção. A atendente relutou em dar a informação para Kaido, mas ao ver que o mesmo era não só um shinobi da elite, mas também membro da inteligência como interrogador, ela logo instruiu o shinobi a como chegar até a sala onde os registros eram mantidos.
A sala de registors parecia quase um galpão, ela era uma enorme sala branca com inúmeras prateleiras com caixas de papelão onde todos os registros de nascimento e também de adoção eram mantidos. Kaido respirou fundo e então iniciou sua jornada por meio do labirinto de caixas para encontrar as informações de que necessitava.
Após horas revirando as caixas do ano em que nasceu Kaido finalmente encontrou o que precisava, o papel que continha não só as informações sobre sua adoção, mas também sobre seu nascimento – Yamanaka Sayuri -. O papel não continha informações a respeito do pai de Kaido, apenas sobre sua mãe, que ao que tudo indicava havia falecido durante o parto devido a ferimentos não relascionados a sua gravidez. O simbulo da folha naquele relatório indicava que a mulher não era shinobi de Kumogakure, ela era membro da elite de Konoha e por motivos que não haviam sido explicados naquele papel, teria chego até kumohakure para ser tratada.
Kaido voltou a guardar os papeis e então deixou o hospital. O garoto andou sem rumo pela vila, procurando ordenar suas ideias, encaixar todas as peças soltas daquele quebra-cabeça que sua investigação havia se tornado. Kaido sabia que dificilmente encontraria as respostas que procurava em Kumogakure, afinal, Sayuri havia sido uma shinobi de konoha – É pra lá que eu preciso ir, preciso ir para Konoha e encontrar as informações sobre minha família lá... E afinal, quem são os Yamanka? -.
Naquele mesmo dia Kaido pediu autorização para viajar até konoha. Devido ao reconhecimento pelos trabalhos prestados os superiores do jovem o autorizaram a deixar a vila e a realizar a viagem que havia solicitado.
Com a autorização em mãos Kaido foi até os portões e sem dificuldades conseguiu cruzar os mesmos, dando início então a sua jornada pela verdade, pela história de sua verdadeira família e clã.

Foram necessários alguns dias para que Kaido conseguisse enfim chegar diante dos enormes e imponentes portões de Konoha. O trajeto se deu de forma tranquila, nenhum bandoleiro ou mercenário tentou emboscar o garoto, que se demorou apenas devido a sua necessidade de descansar e realizar suas refeições em meio a viagem.
Kaido foi até os shinobis que cuidavam da alfandega da vila e se apresentou. Os homens acharam os motivos da visita de Kaido relativamente estranhos e pediram para que um dos ali presentes fosse até os registros da vila para verificar se toda aquela história a respeito de Sayuri era realmente verídico. Enquanto aguardava o jovem se sentou em um canto do portão e ficou a observar os mercadores que iam e vinham.
Dentro de meia hora o shinobi da alfandega retornou para os potoes confirmando a hist’roia do forasteiro, que então recebeu permissão para adentrar na vila aliada. Kaido pediu algumas informações antes de adentrar na vila e foi de acordo com elas que se norteou em Konoha.
Kaido foi até uma região um pouco afastada do centro, região onde o clã Yamanaka mantinha sua residência. Ainda meio acanhado, Kaido bateu na porta da mansão. Não demorou para que um velho senhor, trajando quimono e um sobretudo branco, abrisse a porta. Os olhos do idoso se estreitaram enquanto esses observavam o forasteiro – Boa tarde senhor, meu nome é Kaido, vim de Kumogakure em busca de informações sobre Yamanka Sayuri... Você a conheceu? -.
O homem fez sinal para Kaido lhe acompanhar. A porta da casa se fechou e o garoto foi levado até a elegante e confortável sala do clã Yamanaka – Sayuri era minha neta, uma shinobi da folha, um prodígio, se tornou jonin muito jovem, era responsável por atuar como agente da inteligência em territórios hostis... Alguns meses antes de morrer ela desapareceu da vila, se infiltrou em uma organização de mercenários que tinha como base uma pequena vila na fronteira do Trovão. Soubemos pelos emissários de Kumogakure que ela havia morrido... A organização que Sayuri investigava sumiu do mapa... Enfim, não sabemos muito sobre o incidente -.
Kaido revelou ao homem tudo que sabia sobre Sayuri e sobre sua passagem por Kumogakure, encerrou comentando sobre sua ligação com a mulher, que havia lhe dado a luz antes de morrer no hospital de Kumogakure – Meu Deus!! Como nos nunca soubemos? Por... Porque ninguém nunca nos falou nada? -. A indignação do homem era notável e justificada uma vez que Kumogakure não havia dado noticias sobre o nascimento do Kaido, apenas da morte da shinobi da folha que havia sido resgatada pelos caçadores da vila.
Kaido permaneceu o resto da tarde conversando com seu bisavô, que lhe contou histórias sobre sua mãe, histórias sobre o clã Yamanaka, que Kaido descobriu ser um dos mais tradicionais e antigos de Konoha e que possuía um forte vinculo com outros dos clãs da região, o clã Nara e o clã Akimichi – Espero um dia poder conhecer membros desses clãs e conhecer mais sobre as histórias dessa incrível relação que os três possuem... Mas infelizmente eu preciso partir. Prometi aos meus superiores que eu seria breve em minha investigação... Agradeco pela recepção, pelas informações e pela conversa -. Antes de partir Kaido recebeu um apanhado de pergaminhos que pertenciam ao clã Yamanaka, naqueles pergaminhos técnicas secretas de seu clã eram descritas – Estude-os, eles são seus por direito e você deve ser capaz de fazer uso das mesmas técnicas que sua mãe e seus antepassados um dia dominaram -. O jovem agradeceu, se despediu e então tomou o rumo de volta a sua vila.



HP: ❲ 6.450 • 6.450 ❳  CH: ❲ 3.225 • 6.450 ❳  BK: ❲ 500 • 500 ❳  
ST: ❲ 00 • 07 ❳

Considerações”:

Filler Troca de Clã.
Ativarei o item em conjunto dessa postagem.

[1594/1500]
Equipamentos”:

Jutsus Utilizados:
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Kaido - em Sex 06 Mar 2020, 18:21

Ok
-


Edição de Natal por Loola e Senko.