:: Mundo Ninja :: Mapa Mundi :: Kumogakure no Sato :: Centro da vila
12 Anos Online
Atividades Recentes
Principais Novidades
Alvorecer
Arco 04
Ano 16 DG
Inverno
A queda do pastor cobrou um preço altíssimo do mundo ninja: o golpe final trouxe ao mundo um tempo de dor e sofrimento; fome e pobreza retornaram às ruas, a violência triplicou, os antigos heróis caíram ou ficaram desacreditados. Mas, um pouco perto do amanhecer, a Hydra, que até então se mantivera em silêncio, mostrou-se das sombras, trazendo oportunidades de emprego e uma esperança para salvar o mundo dessa mais nova calamidade. Líderes ninja não tiveram escolha senão se arriscarem em tratados suspeitos para conseguir manter firmes seus lares e seus soldados. No entanto, os reais planos da Hydra ainda continuam sendo um grande mistério.
... clique aqui para saber mais informações
Shion
Fundador do RPG Akatsuki, Shion é responsável por manter o bom funcionamento de todas as áreas do fórum há mais de 10 anos. Completamente apaixonado por RPG e escrever, hoje é o principal responsável pelo desenvolvimento de toda a trama desse universo baseado na arte de Kishimoto.
Shion#7417
Angell
Angell é jogadora de RPG narrativo desde 2011. Conheceu e se juntou à comunidade do Akatsuki em fevereiro de 2019, e se tornou parte da administração em outubro do mesmo ano. Hoje, é responsável por desenvolver, balancear, adequar e revisar as regras do sistema, equilibrando-as entre a série e o fórum, além de auxiliar na manutenção das demais áreas deste. Fora do Akatsuki, apaixonada por leitura e escrita, apesar de amante da música, é bacharela e licenciada em Letras.
Angell#3815
Indra
Oblivion é jogador do NRPGA desde 2019, mas é jogador de RPG a mais de dez anos. Começou como narrador em 2019, passando um período fora e voltando em 2020, onde subiu para Moderador, cargo que permaneceu por mais de um ano, ficando responsável principalmente pela Modificação de Inventários, até se tornar Administrador. Fora do RPG, gosta de futebol, escrever histórias e atualmente busca terminar sua faculdade de Contabilidade.
Indra#6662
Biskath
BisKath é jogador do NRPGA desde julho de 2020, tendo encontrado o RPG por meio de pesquisas e começado a jogar nele, sem pausas desde então. É jogador de RPG desde 2013, mas o Akatsuki foi o primeiro de Naruto em que se aventurou. Apenas começou como moderador em abril de 2022, se dedicando as funções da moderação até se tornar administrador em julho do mesmo ano, auxiliando também na avaliação da área de criações. Fora do fórum cursa desenho, pois tem interesse em artes de forma geral..
BisKath#0666
XXXXX
XXXXX
Discord#1234

[Treinamento] A arte e a existencia The-nuclear-weapon

Netero
Tokubetsu Jonin
Netero
Vilarejo Atual
[Treinamento] A arte e a existencia The-nuclear-weapon

[Treinamento] A arte e a existencia - Publicado Seg 2 Mar - 18:05

De fato, o tempo havia tomado minhas esperanças da justa apostasia do destino. Recolhido em paginas e mais paginas de uma intrigante vida pacata. Talvez, por consequência de uma criação simples, eu tenha me tornado ainda mais recluso em meu cotidiano. Sem desejar nada muito grande, diga-se de passagem. Fama; dinheiro; status. Coisas tão vagas quanto o próprio conceito de existência social e física. Pode se dizer que algo em mim almejava uma paz maior, com certeza. Entretanto, não era algo como a maioria. Provavelmente, eu não seria o alicerce pra tal revolução e, mesmo se fosse, não era algo que esperava de mim mesmo. A paz era algo a se sonhar, já que ela mesma me afagaria as condições propicias pra uma vida livre de impedimentos sociais, políticos, econômicos ou seja lá o que fosse. Provável que a guerra não fosse a única causa de todo aquele caos mas, nada sabia das verdadeiras guerras além daquilo que lia em livros.

Até mesmo minha casa cercava-me com uma escuridão incandescente. Algo que cintilava como se estivesse vivo. Provável que, se minha mente estivesse mais imersa naquelas paginas daquele livro, eu nem sequer notaria que já era dia. Não era algo comum errar na escolha de bons livros mas, infelizmente, fora o caso que me encontrava. Tecnicamente, não tinha qualquer ideia do motivo. Talvez, minha mente estivesse desconcertada por algum motivo qualquer, seja lá qual fosse. Ou mesmo, o fato de um livro contar algo tão distante da realidade me fazia perder qualquer interesse nele. Ainda que eu tivesse determinação de termina-lo, não vi qualquer vantagem nisso. Respirei tão fundo que por um breve instante o ar ficou preso nos pulmões, propositalmente. Afastei a cadeira da mesa, afinal, já não tinha intenções de terminar aquela leitura. Fechei o livro lentamente. No fundo, sentia certo remorso de não terminar de ler, ainda que não fosse uma leitura agradável. Carreguei-o na mão esquerda até a porta, coçando a nuca antes de sair; estava esquecendo mais alguma coisa?

As ruas estavam cheias naquele dia. Bom, na realidade, a maior parte do dia elas se encontram daquele modo. Por um momento, me senti um pouco deslocado. Minhas roupas, provavelmente, eram o motivo. Não era propriamente o fato de ser verão mas o sentimento de vestir coisas confortáveis me deixava mais tranquilo. Ainda que, só vestisse uma calça de cetim fino e uma camisa do mesmo material, os pés desnudos eram algo que eu dificilmente me lembrava. No mosteiro era um costume, pelo menos pra mim, andar descalço. As vezes, usava a desculpa de estar em contato direto com a natureza mas, na realidade, era o simples fato de eu gostar de sentir a temperatura do chão na sola de meus pés.

Era até engraçado perceber que toda vez que chegava à frente da biblioteca, meus olhos brilhavam. Acredito que não é algo próprio dos livros ou algo do tipo, apesar disso também ser algo relevante. A estrutura daquele lugar era bela, uma espécie de arte parecida com os artesãos, escultores. A entrada era grande o suficiente para uma manada de elefantes passar. A beleza dos corredores me lembrava o mosteiro, mesmo que houvesse uma grande diferença entre eles. Algo ali me fazia andar devagar. O chão gelado. A temperatura amena. O cheiro de papel antigo. Tudo me trazia boas lembranças de tempos que já não voltariam mais.

Toda vez que ia até aquele lugar, eu tinha intenções claras de ser o mais direto em meus assuntos. Naquele dia, devolver o livro e pegar um novo, simples. A maioria das vezes nada saia como o planejado. Pelo menos, o livro fora entregue logo quando cheguei à mesa da bibliotecária. Um mulher de idade que, apesar do tempo de vida, tinha uma memória apuradíssima. Ela recordou-se de mim imediatamente, como de costume. Os cumprimentos foram rápidos, entreguei-a o livro e agradeci. Por incrível que parecesse, ela não perguntou sobre minha leitura naquele dia; provável que sentisse que aquele livro não era pra mim. A avisei que pegaria outro livro e me afastei após um aceno com a cabeça. Não era muito bom em manter contato forçado com as pessoas, sentia que aquele sorriso que esboçava era forçado demais.

Finalmente, frente aos livros, as coisas pareciam se desembolar melhor. A variedade era grande, logicamente, entretanto eu sempre acreditei que um bom livro podia ser reconhecido pelo titulo que ele continha. As vezes, isso me levava a situações desconfortáveis, como àquela daquele dia em especifico. Folheei o extenso corredor com suas galerias até me deparar com um livro um tanto quanto comum por àquelas bandas. "A arte do ninjutsu". De inicio, confesso que não me interessei propriamente pela ideia mas a palavra arte me fez pegar o livro e traze-lo próximo ao peito, abrindo-o ali mesmo. O livro tinha algumas figuras históricas que, de fato, eram bonitas mas, na realidade, demorou algum tempo até que eu realmente me interessasse pelo conteúdo. Nunca fui um bom desenhista. Alguns rabiscos ali e acolá, eu até arriscava mas não era nada além daquilo. Entretanto, a ideia daquele estilo de luta me parecia deveras interessante.

Andei até uma extensa mesa do salão e me sentei, um pouco afastado da maioria das pessoas. Li e reli o conceito da habilidade algumas vezes até ter certeza que poderia tentar executa-la. Pergaminho, pincel e tinta estavam sobre a mesa que escolhi propositalmente. Abri o longo pedaço de papel e molhei o pincel de tinta, evitando o desperdício da mesma. Havia alguns desenhos pré-conceituados pelo escritor do livro, então decidi seguir algum deles. O primeiro era o rato. Não pareceu difícil faze-lo. Dali, restava a parte mais importante da coisa toda. Dar vida àquele desenho. De acordo com as instruções, a tinta em si deveria conter a energia, interligando o potencial do usuário ao do papel. Havia feito isso durante a criação do desenho e, em seguida, fintei um selo de mão apenas com a destra, sussurrando o nome da habilidade. —— Ninpou: Chōjū Giga! —— O que se precedeu me impressionou, apesar de eu não demonstrar qualquer sinal disso. Os ratos desvincularam-se do pergaminho e começaram a caminhar de um lado para o outro. Pelo jeito, a habilidade não era ficção.

...

Fiquei um bom tempo na biblioteca. Mais uma vez, diferente do planejado. Posso dizer que valeu a pena todo aquele tempo. Quando sai já estava anoitecendo. O chão das ruas também estava frio e os céu tempestuoso mais uma vez dava as caras por Kumogakure. Nunca fui muito fã do clima do país, apesar disso, havia me acostumado. Olhei pro céu enquanto caminhava devagar, coçando a nuca brevemente. Talvez, não fosse de todo ruim aquela chuva. Diziam os monges que todo acontecimento da natureza era uma expressão da benção pela vida. Acredito que aquela história me trazia algo bom no peito, como se me desse um pouco mais de esperança. Não demorei muito pra chegar em casa. Morava perto da biblioteca, logicamente que era pura conveniência. Estava com um pouco de sono, devo admitir, mas por pura e espontânea vontade decidi ler mais um pouco. Aquele livro, eu havia deixado na biblioteca e comigo trazido outro. A arte da guerra. Realmente, alguém fissurado em qualquer arte. Aquele livro me parecia mais fictício. Talvez, por aquele fato de anteriormente; nunca ter vivido uma verdadeira guerra, além daquela que pairava a cabeça de toda existência.

500 HP
500 CH

ST: 00/05

Considerações:

OUTROS:

Bolsa de armas 20/70:
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Treinamento] A arte e a existencia - Publicado Seg 2 Mar - 18:29

Okay, mas tente dar mais destaque ao treinamento e menos na narração. Não curti muito essa leitura e o fato de ter feito e conseguido na primeira tentativa.