>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

[Filler de Retorno] ─ (!) - 4/2/2020, 13:55



É algo comum para aqueles que estudam a Força adaptarem uma visão isolacionista do mundo de vez em quando; alguns migram para cavernas, outros para picos de montanhas cujos cumes arranham os céus, enquanto alguns meramente se trancam em suas casas ou vão para algum templo. Na verdade, em nossa ordem, a meditação é uma das poucas atividades fora de nosso serviço que é incentivada. Além de melhorar seu entendimento acerca de sua fé e das coisas que te rodeiam, pode abrandar sentimentos negativos, dilemas morais e qualquer coisa que te aflija como um ser humano que serve a vontade dos céus. Mesmo que seja uma atividade no mínimo impopular para aqueles da minha idade – mesmo dentro da ordem –, eu sempre fui um idealista. É fácil para pessoas que pensam como eu olhar para os céus por minutos ou horas a fio, pois, querendo ou não, sinto que sempre existe algo importante a se pensar. Mesmo antes de aprender as técnicas meditativas provenientes do templo, contemplar com o meu pensamento era uma atividade que me trazia um pouco de felicidade. Talvez porque eu gostasse de aprender, e, sempre que me submergia em fortes torrentes de pensamentos, eu aprendia uma coisa nova sobre mim mesmo, sobre as pessoas próximas de mim ou sobre algo que eu julgasse interessante. E, com tantos pensamentos e dubiedades correndo por entre meu espírito, eu sabia que tudo que eu precisava era um tempo fora de tudo. Afinal de contas, a arbitrariedade era algo infelizmente comum no mundo em que vivíamos; um de meus escritores preferidos escreveu uma vez: “Eu amo todos os meus personagens. Especialmente aqueles que morreram de formas injustas”.

[...]

O meu primeiro instinto foi correr para as florestas, pois sempre gostei de árvores e da maneira que os raios brilhantes de sol atravessavam-nas em um dia fulvo. Eu não precisava saber para onde estava indo, pois a Força guiava cada um de meus passos. E corri, corri e corri. Quando senti que era o momento certo, sentei-me, com as pernas entrelaçadas, e permiti que os pensamentos de Deus limpassem a minha mente. Senti-me leve o suficiente para que levitasse, como se estivesse sendo abraçado pela natureza. De repente, tudo estava bem de novo.

[...]

Não sabia ao certo quanto tempo fiquei fora. Na verdade, esta é a beleza da meditação; quando você pratica por tempo suficiente, percebe com mais facilidade as coisas que importam e as que não importam. Conversar com pessoas más intencionadas era desnecessário, e alimentar-me de suas energias negativas seria até mesmo vil com o conhecimento sagrado que eu tinha. Adquiri, também, mais discernimento daquilo que era bom e mau; muitas pessoas estavam em minha vida e se intitulavam como meus amigos, mas, na verdade, poucas delas realmente estavam presentes quando eu precisava. Provavelmente não me ofereceriam sequer um abraço ou palavras calorosas. Entretanto, agradeci aos céus por ter alguns verdadeiros amigos, e por estes eu seria eternamente grato e leal. Eu tinha muito o que pensar ainda, e ainda ponderava sobre algumas coisas durante meu trajeto de volta. Mas, ao mesmo tempo, muitas coisas estavam agora claras em minha mente. Eu sabia exatamente quem eu era, o que eu tinha de fazer e como eu poderia melhor servir à Força, a fonte de minhas energias e que merecia minha total dedicação, embora eu sentisse que estivesse pecando neste aspecto ultimamente. Meu mestre provavelmente estaria preocupado, mas o que se fazer? Ele mesmo me ensinou várias técnicas de meditação, e não utilizá-las seria um pecado. Inspirei o ar de Kumogakure pela primeira vez, permitindo que meus olhos se deleitassem com a paisagem familiar enquanto eu permitia que o ar evadisse meus pulmões. Vi, através da Força, várias coisas acontecendo – boas e más –, e dei um sorriso desgostoso ao entender que nada tinha mudado. Mas eu estava de volta. Mais determinado, mais tenaz, mais forte e, acima de tudo, mais sábio.


HP [450/450] | CH [450/450] | ST [0/5]

Considerações:
Filler de retorno, como diz o título; seiscentas e cinquenta e três palavras.
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler de Retorno] ─ (!) - 4/2/2020, 17:22

Certo.
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.