:: Área de Mudanças :: Centro de Melhorias :: Treinamentos de Fillers
Alvorecer
Arco 04
Ano 17 DG
Verão
A queda do pastor cobrou um preço altíssimo do mundo ninja: o golpe final trouxe ao mundo um tempo de dor e sofrimento; fome e pobreza retornaram às ruas, a violência triplicou, os antigos heróis caíram ou ficaram desacreditados. Mas, um pouco perto do amanhecer, a Hydra, que até então se mantivera em silêncio, mostrou-se das sombras, trazendo oportunidades de emprego e uma esperança para salvar o mundo dessa mais nova calamidade. Líderes ninja não tiveram escolha senão se arriscarem em tratados suspeitos para conseguir manter firmes seus lares e seus soldados. No entanto, os reais planos da Hydra ainda continuam sendo um grande mistério.
... clique aqui para saber mais informações
Shion
Fundador do RPG Akatsuki, Shion é responsável por manter o bom funcionamento de todas as áreas do fórum há mais de 10 anos. Completamente apaixonado por RPG e escrever, hoje é o principal responsável pelo desenvolvimento de toda a trama desse universo baseado na arte de Kishimoto.
Shion#7417
Angell
Angell é jogadora de RPG narrativo desde 2011. Conheceu e se juntou à comunidade do Akatsuki em fevereiro de 2019, e se tornou parte da administração em outubro do mesmo ano. Hoje, é responsável por desenvolver, balancear, adequar e revisar as regras do sistema, equilibrando-as entre a série e o fórum, além de auxiliar na manutenção das demais áreas deste. Fora do Akatsuki, apaixonada por leitura e escrita, apesar de amante da música, é bacharela e licenciada em Letras.
Angell#3815
Indra
Oblivion é jogador do NRPGA desde 2019, mas é jogador de RPG a mais de dez anos. Começou como narrador em 2019, passando um período fora e voltando em 2020, onde subiu para Moderador, cargo que permaneceu por mais de um ano, ficando responsável principalmente pela Modificação de Inventários, até se tornar Administrador. Fora do RPG, gosta de futebol, escrever histórias e atualmente busca terminar sua faculdade de Contabilidade.
Indra#6662
Biskath
BisKath é jogador do NRPGA desde julho de 2020, tendo encontrado o RPG por meio de pesquisas e começado a jogar nele, sem pausas desde então. É jogador de RPG desde 2013, mas o Akatsuki foi o primeiro de Naruto em que se aventurou. Apenas começou como moderador em abril de 2022, se dedicando as funções da moderação até se tornar administrador em julho do mesmo ano, auxiliando também na avaliação da área de criações. Fora do fórum cursa desenho, pois tem interesse em artes de forma geral..
BisKath#0666
XXXXX
XXXXX
Discord#1234

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

[Timeskip] Guardião. - Publicado 25/1/2020, 19:26

“Pode me emprestar o isqueiro?”

“Aham. O tempo voa, não é?” Disse o homem corpulento, dando o isqueiro. “O que você tem feito nessas andanças? Só visitando? Hein? Alô, tá dormindo?”

“Estou escutando, mas pensava em outra coisa.” Pegou o isqueiro e acendeu um cigarro. Colocou na boca, tragou um pouco de fumaça e deixou repousar nos dedos o cigarro. “Fiquei vagando. Atribuições, na verdade.” Ao terminar de falar, começou a tossir. Primeiro, tosses entrecortadas, fortes, depois fracas, porém seguidas, sem parecer aproximarem-se de um fim.

“Vai morrer desse jeito. Tosse direito, para de segurar. Tosse essa merda. Ê, não. Caralho. Tu tá tossindo sangue. Deixa eu te ajudar.” O homem corpulento se aproximou, coçando a barba, inseguro a se devia tentar fazer algo para ajudar.

“Passou. Me sinto melhor agora, às vezes acontece.” Limpou o sangue da boca com a manga da camisa, maculando o branco. O homem corpulento encarou com olhos bem abertos a mancha vermelha, mas foi tranquilizado. “Estou acostumado com o sangue, acontece.” E deu um sorriso simpático. Foi assustador.

O crepúsculo se aproximava, o céu roxo, as sombras espichadas das construções que ladeavam a rua. A ameaça, a proposta — o fluxo constante de pessoas, pensou Shizuke, tornava tudo mais perigoso, imprevisível. A mudança não lhe parecia boa, nada senão o surgimento de uma nova força, em outras palavras, uma incógnita. Expulsou fumaça de seus pulmões, vendo o movimento da rua. O homem ao seu lado fumava também. Tinha uma barriga protuberante, barba cinza com algum volume, escondendo debaixo de seu sobrepeso uma força esmagadora e uma inteligência bruta, vulgar. Shizuke não se aprazia de sua companhia, mas por ora era necessário. O homem era influente em certos círculos e sempre estava de ouvido em tudo — quando não estava, tinha alguém por ele.

“Desculpe por antes. Sei que assusta.” Dobrou a manga da camisa até os cotovelos, escondendo em dobras e redobras a mancha vermelha.

“Percebi que tudo com você seria complicado no momento em que bati os olhos.” A voz agora ficava mais grave, soturna. Sua verdadeira voz, a camada que jazia abaixo daquele disfarce quase pueril, ingênuo, de caipira. “Ele não corre perigo real, tenho quase certeza.”

“Preciso que a certeza seja absoluta. É meu trabalho.”

“São informações sólidas. Você paga bem por elas, sei o valor disso. Confie em mim. Além do mais, estamos um pouco longe dele para que você se preocupe com qualquer coisa, real ou não.”

“Preciso da certeza. Mas obrigado por seus serviços, por ora é tudo. Assumo daqui.” As palavras finais vieram carregadas de um peso descomunal. Talvez fosse chakra ou algum truque diferente, ilusório. O homem grisalho e corpulento — conhecido somente pelo seu codinome, o tipo de nome que se diz aos sussurros em algum canto escuro com medo de invocá-lo, olhando para os lados e para trás inúmeras vezes, só pra confirmar — sentiu subir pela espinha o calafrio, a paralisia temporária e, claro, o medo genuíno de quem sabia com quem tratava, aquele ninja de gestos polidos e sorriso gentil. Mas sua verdadeira personalidade, ou simplesmente o que poderia fazer numa luta, não poderia se comparar com suas maneiras, não para um homem que havia chegado àquele posto e que cumpria as suas tarefas com tamanha dedicação. Naturalmente, não era senão a culpa dos erros passados. O homem grisalho apenas não sabia disso.

Shizuke piscou, o rosto ainda tensionado ligeiramente nos cantos da boca, sorrindo amigavelmente e depois desapareceu numa torrente de corvos. Além do homem, que agora afagava sua barba sob o queixo, ninguém notou o desaparecimento. A bem da verdade, os transeuntes ao redor não sabiam sequer da sua existência e nunca saberiam, contanto que ele continuasse a dispor de suas ilusões.

[...]

“Você fuma?”

“Não. Quer dizer, sim. Passa um pra cá.” Shizuke passou o cigarro à ele, depois o isqueiro.

“Vai com calma. Prende a fumaça na boca, depois puxa pro pulmão. É mais letal que qualquer jutsu.”

“Então porque você fuma?”

“É justamente por isso.”

[...]

“Shizuke-senpai.” Disse um homem pequeno, com rosto de fuinha, as mãos juntas a frente do tronco, como um monge ou coisa do gênero. “Ficamos preocupados. Não nos respondeu em nenhum canal de comunicação, não passou por nossos informantes nem enviou corvos. Achei que algo pudesse ter acontecido. O Lorde… não gostou. Foi irresponsável.”

“Não vou me desculpar por cumprir minha missão. Estou pronto para apresentar o relatório.”

“Temos somente um membro atualmente. Você. Tem ideia do peso de seu cargo? A responsabilidade já é gigante com as doze vagas preenchidas. Não faça mais isso. Por favor.”

“Onde encontro ele?”

“Está no Templo de Asuma, para as orações. Interrompê-lo agora o deixaria ainda mais furioso.”

“Ele que espere até amanhã pelo meu relatório, então. Preciso dormir.”

“Confesso que não o entendo, senhor. Como pode ser tão leal e ao mesmo tempo tão insubordinado?”

“Fui convocado, contra minha vontade. Nunca quis isso. Só aceitei como forma de me redimir com ele. Não gosto do que faço, mas faço.”

“E vai arriscar sua vida todos os dias, até o fim dela, fazendo algo que não gosta? Para alguém de quem não gosta?”

“Sim. Que opções tenho?”

“Infinitas, senhor.”

“Já faço isso a tempo demais, a sensação é familiar. O ódio é quase reconfortante.” Dito isso, Shizuke contornou o pequeno servo, se dirigindo para suas acomodações, uma confortável casa de madeira acomodada numa ampla propriedade no coração do País do Fogo, fortemente vigiada por mercenários, oficiais de Konoha e exércitos pessoais. Todo aquele cuidado, pensava, era demais. Só ele bastaria, mas nem se importava mais com a movimentação constante e até mesmo exacerbada de pessoas, o cuidado excessivo e a tensão sempre nas entrelinhas, onde uma tosse ou espirro poderia desencadear pânico generalizado. Mas fazia aquilo já há alguns meses, de modo que seu corpo, que de início ficava sempre rígido, como os outros, agora relaxava em toda e qualquer ocasião e o faria facilmente mesmo que o tão temido dia, o dia de um ataque sequestro ou coisa similar, chegasse.

Um corvo veio pousar na janela. Desceu ao peitoril e ficou bicando o vidro até Shizuke abrir e deixá-lo entrar.

“Está frio lá fora, meu amigo. Trouxe o que pedi?” O bico do pássaro se abriu e um pequeno pergaminho rolou para fora. A mensagem era clara: alguém tentaria matar o Senhor Feudal, esta noite.

Leia:
[Timeskip] Guardião. 100x100

Luishturella999
Jōnin
Luishturella999
Vilarejo Atual
[Timeskip] Guardião. 100x100

Re: [Timeskip] Guardião. - Publicado 26/1/2020, 10:46