>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

[Filler em Dupla] ─ Laços // Chap. 03 - 8/12/2019, 23:36



Engoli em seco no momento em que sua pergunta aturdiu os meus ouvidos. Olhei para baixo, para o pequeno pedaço de carne que pedi para mim; a verdade é que, ao longo do tempo em que estive longe do País, meus hábitos alimentares mudaram bastante. Qualquer tipo de comida pesada ou oleosa não me era tão agradável assim, e, por isso, eu buscava ser contido ao escolher o que comer. Levei um pequeno pedaço à minha boca, saboreando a carne enquanto limpava, com um guardanapo, a gordura de minhas mãos. Nenhuma destas ações realmente importava, é claro, mas todas elas apenas serviam para que eu pudesse comprar tempo o suficiente para pensar numa resposta apropriada. Eu já havia previsto que esse momento chegaria, e meu mestre também. “A Vontade dos Céus é um direito de todo aquele que nasce dentro do país do Relâmpago, En. Apenas seja cuidadoso.” Foram as palavras de meu mestre quando conversamos sobre isto. Abstrato como sempre, eu ainda não era capaz de discernir as verdadeiras limitações acerca daquilo que ele me impôs. Contudo, mesmo que eu não soubesse de todos os pormenores acerca da Força, eu conhecia o Go muito bem. Eu tinha certeza de que ele era alguém que poderia ser confiado.

Após uma longa pausa evitando contato visual com meu amigo, voltei meus olhos para os dele, com um sorriso amigável, com minha boca e meus olhos fechados enquanto eu fraseava cuidadosamente minhas próximas palavras. Abri a minha boca, pronto para respondê-lo, quando me lembrei de um dos ensinamentos de Haseo; “um homem de discernimento pode puxar para fora aquilo que há no íntimo de outro”. Pensei novamente em minhas palavras.

– Sim, Go. Algo despertou dentro de mim. – Mantive o sorriso até este ponto. Depois, este sorriso se mudou apenas para o canto de minha boca, enquanto eu, anelando os seus olhos, continuava: – Eu vou te dizer o que é. Mas, antes, você tem que me dizer: O que é a Vontade do Relâmpago? – Inquiri. Na academia ninja, todos aqueles – ao menos os que prestam atenção – são ensinados, na grade filosófica ou teórica de ensino, a respeito da Vontade do Relâmpago. Eu não queria saber da teoria, é claro. Eu era um especialista nesta parte, e poucas eram as informações que eu não tinha a respeito disto. Mas, como eu nunca fui alguém particularmente dado a estudos, a resposta que me interessaria não viria de sua mente, mas de seu coração; talvez, meu mestre estivesse certo de que cada pessoa teria uma diferente interpretação a respeito da Força, mesmo que ela, de verdade, tivesse apenas um significado verdadeiro. O que eu queria saber era o quão próximo meu amigo estava dela, já que, no momento em que o vi pela primeira vez desde que retornei, senti como se a Força estivesse tentando me dizer algo a respeito dele. Mas o que era?


HP [450/450] | CH [450/450] | ST [0/5]
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler em Dupla] ─ Laços // Chap. 03 - 10/12/2019, 14:03


HP:200CK:200ST:00/04



Minha atenção total era depositada em Enmei, mesmo que o garoto estivesse me enrolando para responder minha pergunta, deveria admitir que estava muito ansioso para descobrir sobre o verdadeiro motivo do sumiço de En e também sobre o significado daquele enigma que ele tentava me fazer entender, porém um fato fez com que eu parasse um pouco de remoer sobre isso, pois minha refeição havia chego e eu não suportava ficar sem olhar aquele suculento prato de picanha. Apreciava aquela refeição como se fosse a última de minha vida, colocava porções enormes dentro da boca e talvez estivesse fazendo até certo barulho na hora de mastigar, mas tudo bem, pois Enmei já estava acostumado ao me ver comendo daquele jeito.

Enmei seguia usando as mesmas palavras do que na primeira explicação e isso me deixava com certa irritação, pois para mim por momento aquilo não queria dizer muita coisa - Desenbucha logo, En - então finalmente uma pergunta de verdade fora feita pelo garoto e antes de responde-la, minha memória voltou para as épocas de academia ninja que toda teoria da vontade do Relâmpago fora nos ensinada, pelo menos na teoria, pois para mim todos nós poderíamos ter uma ideia diferente sobre essa frase, então após um leve sorriso, comentei fitando En - Sabe, En... Conhecendo bem você como eu conheço, sei que você não está atrás da resposta mais fácil, então vou lhe dizer o quê eu considero a Vontade do Relâmpago - uma pausa foi feita para que eu pudesse degustar mais um pedaço de picanha, mas rapidamente continuei - Na minha opinião, essa tal Vontade do Relâmpago, significa o quê eu senti naquele dia em que você me defendeu daqueles valentões, a partir daquele dia, eu senti vontade de te defender de todo mal e perigo desse mundo. Isso que eu considero a Vontade do Relâmpago, a vontade de proteger aquilo que é amado para você. - pisquei meu olho direito para Enmei e sem muita demora voltei meu foco ao prato de comida Sim, Enmei... Acredito que eu tenha virado aquele guardião que sempre lhe prometi quando éramos menores, mas você se tornou algo muito maior que isso, voce tornou-se alguém que mudará o mundo e espero estar sempre do seu lado para ver o resultado disso".

Jutsus Usados:
Observações:

-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler em Dupla] ─ Laços // Chap. 03 - 10/12/2019, 18:17



Assim que as últimas palavras de sua sentença chegaram aos meus ouvidos, abaixei minha cabeça, sorrindo disfarçadamente enquanto saboreava mais um pouco do pequeno pedaço de carne que degustava. Esta era apenas a minha segunda mordida nela e já estava na metade. Mais uma vez, aquele sorriso não foi para ele, nem para mim, mas para a Força. Ele estava muito mais próximo dela do que sabia, provavelmente, e por isso eu pude sentir o seu coração em cada um de suas palavras. Então, talvez, fosse por isto que o destino nos reuniu não uma, mas duas vezes, com um grande intervalo de dez anos entre um encontro e o outro. Não obstante, também tive uma pequena confirmação sobre um importante episódio de nossa infância quando ele citou uma ocasião em que eu o protegi. Então você ainda se lembra, Go. Pensei comigo mesmo, ainda mergulhado em meu sorriso introspectivo.

Olhei para meu amigo mais uma vez, satisfeito e feliz com a sua resposta. – Isso é muito bom, Go. – Incentivei-o, limpando minhas mãos e minha boca mais uma vez em um pequeno pedaço de guardanapo que repousava sobre o meu lado da mesa. Mas, é claro, isto ainda não respondia a sua pergunta; ele não queria apenas uma confirmação para as suas suspeitas ou meramente uma via filosófica interessante. De acordo com o que aprendemos, este grande interesse que um indivíduo pode demonstrar pela Vontade dos Céus pode ter sido originado por ela própria, atraindo aqueles de coração corretamente inclinado para que aprendam sobre o seu caminho. Somos instruídos, pelo Conselho, a ensinar algumas das verdades para aqueles que desejam aprender. – Mas, isto que você descreveu é a Vontade do Relâmpago, ou ainda, a Vontade dos Céus. – Gesticulei suavemente com uma de minhas mãos durante a explicação. – Alguns dizem que estas duas e a Força são a mesma coisa. E, em essência, elas são. Mas existem algumas diferenças. – Misteriosamente entoei, agora circunspecto, olhando para o meu companheiro.

– Vida. Morte... que alimenta novas vidas. Calor. Frio. Paz. Violência. E, entre tudo isso... – Completei, levemente inclinando-me em direção de Go. Mesmo sentados, ele parecia ser muito mais alto que eu. E, realmente, era. Mas, desta vez, assim como em qualquer ocasião em que eu fale a respeito da Força, eu me sentia um gigante. – Entre tudo isso, equilíbrio. – Estendi uma de minhas mãos, suspendendo-a sobre o ar como uma representação de minha última palavra. – E energia. – Estendi a outra mão, posicionando-a horizontalmente paralela à outra, como costumamos ilustrar uma balança. Juntei ambas as mãos agora, como que fundindo o equilíbrio e a energia. – A Força. – Vociferei, carregando em minhas palavras a seriedade e o respeito que ela merecia. – E, dentro de mim... – Aproximei a mão esquerda, fechada, como que dando um leve murro sobre o coração de meu amigo. – E, dentro de mim, esta mesma energia. Essa mesma Força. Empurrando, puxando, pulsando. – Concluí, fitando-o em busca de reações em seu semblante.

Estas haviam sido, precisamente, as mesmas palavras que meu mestre havia me impelido a dizer quando o interpelei sobre a Força. Estávamos distantes de todo o mundo civilizado conhecido. O nome da ilha remota em que estávamos por aquela semana se chamava Ahch-To, de acordo com meu tutor. Ele fez com que eu me sentasse sobre uma pedra, nas íngremes beiradas de uma colina, em posição meditativa. Não sei se ele me influenciou a pronunciar aquelas palavras ou se foi a própria Força que as murmurava em meu ouvido, mas estes foram os sentimentos que me perscrutaram naquela epifania. Eu vi a ilha em que estávamos.

“Vida”, eu disse, imediatamente recebendo em minha mente a imagem dos bonitos e imponentes falcões que habitavam aquela ínsula. “Morte”, eu disse, vendo um dos esqueletos de um falcão no chão. “Que alimenta novas vidas”, e, rapidamente, o pequeno cadáver daquele falcão sustentou o crescimento de várias plantas lindas sobre aquele lugar. “Calor”. O sol da manhã. “Frio”. As encostas geladas da ilha durante a noite. “Paz”. Um ninho repleto de falcões bebê. “Violência”. Uma forte onda que rapidamente destrói o ninho. E, para as últimas palavras, eu não vi nada. “Equilíbrio”. “Energia”. “Força”. Apenas senti. Fui sobrepujado por um sentimento quase sagrado que habitava o que estava à minha volta, mas, também, dentro de mim. Aquela havia sido a primeira vez que eu havia sentido-a.


HP [450/450] | CH [450/450] | ST [0/5]
-
Conteúdo patrocinado
Vilarejo Atual

Re: [Filler em Dupla] ─ Laços // Chap. 03 -

-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.