>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, mas simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 70DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Primavera

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Filler Troca de clã - Akagan - em 31/10/2019, 19:28


1512 palavras.

A brisa suave do inverno em Iwagakure no Sato chocava-se contra o corpo do recém graduado ninja da vila, King, um jovem de tonalidade parda e cabelos descoloridos no corte militar sidecut com risca de navalha. O jovem de cabelos descoloridos encontrava-se deitado sobre o telhado de seu pequeno apartamento, observando o céu nublado. Trajado com uma calça de moletom preta e um casaco de coloração rosa o genin perdia-se em pensamentos sobre seu passado e o quão difícil seria continuar lutando pelo nome de sua família buscando vinga-la dos homens mascarados e da vila que havia contratado ou ordenado os homens massacrarem toda sua família. Uma lagrima de saudade escorria sobre o rosto do jovem até ser eliminada ao esfregar uma das mãos na bochecha. Por você mãe, por você pai, por vocês familiares, eu vou honra-los, vou honrar todos vocês. Jurava igual fazia todos os dias, abaixando o rosto enquanto exclamava baixo, suficiente para só ele escutar. Descia do telhado e pendurando o peso do corpo por uma das mãos realizava um giro simples entrando pela janela do apartamento, mais precisamente a janela do quarto. O apartamento tratava-se de uma moradia simples, bem simples. Um quarto, um banheiro no corredor e mais dois cômodos, uma pequena sala contendo um sofá de três lugares e uma cozinha com os móveis necessários, nada mais que o necessário. Desde que refugiou-se em Iwa foi nesse apartamento que King cresceu e o apego do ninja com sua moradia era notável em como buscava deixar tudo bem organizado. Seu corpo esticado naquele sofá no meio da sala clamava por ação, qualquer uma. Os olhos vidrados nas estrelas mais longínquas possíveis tiravam conclusões precipitadas sobre tudo, enquanto analisava friamente o nada. Tinha o costume de sentar-se ali naquele local, acompanhado de tabaco e uma xícara de café do mais amargo possível e uma caderneta. O tabaco acalmava nas noites mais imponentes, o café, uma bebida não muito comum naquele país, trazia de volta para a realidade com o amargor de seus goles; Já a caderneta vinha como um auxílio, nela eram anotadas todas as redes lógicas que se estabeleciam no interior do seu maquinário cerebral, cada uma delas ao ser concluída era passada para o papel, e uma vez rabiscada naquela folha, a ideia jamais se perderia em seu mundo utópico. Porém, embalada pelo frio e pelo silêncio, a anotação não se fazia materializada. Até mesmo uma atribuição para os devaneios não se fazia possível. Ao termino do gole de café um sono súbito tomava conta do jovem e de maneira involuntária adormecia deixando a caneta e o caderno caírem no chão de forma abrupta causando um barulho diferente no loca, barulho esse insuficiente pra acordar King que encontrava-se apagado, na cadeira.

Tudo começou em um sonho, aonde o jovem se via cercado por trevas, perdido em meio ao nada. Vozes podiam ser escutadas como se estivessem sussurrando e chamando por seu nome. Aos poucos as vozes iam sumindo, junto da escuridão a sua volta. Um campo repleto de árvores e mato, um riacho no centro e algumas flores ao redor podia ser visto. Ao lado do riacho uma forte luz era vislumbrada e sem tardar King ia de encontro a ela. Conforme se aproxima mais da luz, ela ia perdendo seu brilho mostrando aos poucos uma silhueta de uma mulher. Cabelos loiros compridos, olhos azuis e pele clara. Era nítido o sorriso no rosto da mulher que conforme o jovem se aproximava, abria os braços como se pedisse um abraço dele. Os olhos dele ficavam vidrados no rosto da mulher que com um poucos mais de análise lembrava muito sua falecida mãe. Não hesitou e aceitou o abraço da mulher de imediato, retribuindo. Com o fim do abraço, os dois ficaram um bom tempo se encarando até que o gelo entre eles foi quebrado por algumas palavras vindo da moça. Você cresceu, King. Tornou-se um homem maravilhoso e felizmente puxou meus olhos. Sou Rinka, famosa sua mãe. Gargalhava ao fim, passando a mão no rosto do garoto como forma de carinho. Mãe? Você não estava morta? Dizia enquanto encarava mais um pouco o rosto da mulher. Minha mãe morreu quando eu era muito pequeno, então realmente não me lembro muito do rosto dela. Meu pai dizia que puxei os olhos dela. Terminava retirando um cigarro do maço de derby e acendendo-o em seguida. Dava um leve trago liberando a fumaça em seguida de forma com que não fosse pra cima da mulher. A mulher se distanciava um pouco ao perceber seu filho fumando. Então garoto, um pouco antes da minha morte realizei uma técnica selando o restante da minha energia em seu corpo. Graças a essa energia  estamos podendo conversar agora, no seu subconsciente. Então não, eu não estou viva, muito pelo contrário. Só estou aqui pra tirar algumas dúvidas que você tenha e contar um pouco sobre minha habilidade, ou melhor, sobre nossa habilidade. Ela pausava um pouco a fala, tossindo em sequencia. O rosto do jovem mudava de expressão, mostrando estar incrédulo com os fatos apresentados a ele. Eu sei, é complicado acreditar. Não te culpo, sei que é difícil digerir isso, do nada. Vou te explicar tudo o que você precisa saber, King. Vamos sentar ali, debaixo da copa das árvores. A mulher apontava pra árvore mais próxima de onde estavam, indo na direção dela. Sentava batendo a palma da mão duas vezes na grama ao seu lado como se estivesse convidando King a sentar-se do lado dela. Assim fez, indo de encontro a ela e sentando dando mais dois tragos no cigarro. Peguei esse vícios após a morte de meu pai. Sorria apontando pro cigarro percebendo que a mulher não havia gostado muito de ver seu suposto filho fumando.

A mulher observava seu filho sentar ao seu lado enquanto tragava mais um pouco de seu cigarro. Enfim, vou começar. Quando conheci seu pai logo me interessei por ele. Eu possuía uma linhagem diferente que mudava minha pupila, uma das mais procuradas no mundo Shinobi na época. Os ancestrais do Akagan não aceitavam um membro se aproximar de outros clãs, ainda mais os de seu pai que na época não possuíam poder militar, eram um dos mais fracos na época. Eu e seu pai tivemos essa paixão proibida que gerou você, meses após começarmos a nos envolvermos. Assim que a gravidez foi progredindo, avisei meus pais sobre o acontecido e após convencer eles, fui conversar com os anciãos do de minha família. Eles não aceitaram a ideia muito bem e fizeram eu escolher entre ter você e viver com seu pai ou continuar sendo um membro da minha família. Ela parava um pouco pra respirar enquanto que uma lágrima escorria por seu rosto. A escolha foi óbvia, certo? Com certeza eu escolheria seu pai e você mil vezes caso fosse preciso. Depois disso fui expula de minha família e seu pai me levou pra morar com ele junto dos membros do clã dele. Com o passar do tempo fui me acostumando com o fato de ter sido expulsa e se quer conseguir ver meus pais. Vive bem com o clã de seu pai até começar a guerra. Infelizmente ninjas mascarados foram enviados pra assassinar um por um dos membros e isso incluía eu, você e seu pai. Depois do primeiro ataque vivemos como nômades, indo de país em país em busca de paz. Com o passar do tempo você nasceu e foi crescendo. No ano em que você completou três anos infelizmente um novo ataque aconteceu e nesse tive minha vida tomada pelos homens mascarados. Ela pausava novamente, tentando digerir tudo aquilo. Enfim, a história é essa. Você é um ninja capaz de utilizar uma habilidade única e como tal, possui habilidades fora da curva. Os genjutsus provenientes dessa habilidade ocular são muito poderosos, considerados um dos mais forte Doujutsus a utilizar Ilusões, conseguindo até mesmo anular Doujutsus alheios. Você precisa ficar forte e buscar vingança, o que aqueles homens fizeram não pode ficar impune, filho. Escute o que eu te digo, eles não podem e não vão sair em punes, filho. Conto com você. Conforme ela terminava de falar um forte brilho tomava conta de seu corpo, idêntico ao quando ela havia aparecido pro garoto. A escuridão voltada cercando o jovem e aos poucos ele ia acordando de um longo e profundo sono. Aos poucos abria os olhos de forma lenta, vislumbrando o céu estrelado. Esticava o braço buscando recolher o lápis e o livro que pretendia usar pra escrita antes de cair no sono profundo. Parecia muito real. Vociferava observando a capa do livro, estático, ainda descrente do que havia acontecido. Akagan? Mestre em Genjutsu? Só mais uma adição pro meu arsenal em busca de vingança. Estou começando a entender um pouco melhor a situação. Suspirava fitando o céu novamente como se estivesse pedindo a força de sua mãe. Aos poucos levantava da cadeira, colocando a xícara de café em cima da pia, deixando pra lavar mais tarde. Rumou na direção do quarto, ainda baqueado do sono e do sonho que havia presenciado. Foi então na direção da cama com intenção de dormir.


Ch; 1250 l Hp; 775 l St; 0/4
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: Filler Troca de clã - Akagan - em 31/10/2019, 19:33

Ok.
-


Edição de Natal por Loola e Senko.