>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Angell
Superior a Kage | Sannin | Rainha Hattori
Angell
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] Meu Sonho, Azulado TwR2UbA

https://www.narutorpgakatsuki.net/t70412-ficha-angell-hyuuga-hattori https://www.narutorpgakatsuki.net/t69243-gestao-da-ficha-angell-hyuuga-hattori

[Filler] Meu Sonho, Azulado - Qua 30 Out - 3:00


Angell Hyuuga
[ HP: 1200/1200 | CH: 2400/2400 | ST: 00/05 ]
[ Byakugou no In: 500/500 ]


Angell se debruçou no parapeito da janela de seu quarto. Pela primeira vez em tempos, lembrava-se do sonho que tivera durante a noite. Sonhara com seu pai. Sim!, seu pai!, mesmo sem nunca tê-lo conhecido em vida, sabia que ele era seu pai! Não porque ele se tratava de um homem de cabelos tão azuis quanto os seus próprios – coisa rara mesmo no mundo ninja, convenhamos –, já que ele nem tinha os mesmos olhos perolados que ela – coisa que a excomungaria da família principal de seu clã, convenhamos! – e ainda portava uma espécie de tatuagem cortando seu olho direito; não porque ele lhe tratara com carinho e preocupação descomunais, já que amigos mais próximos, mestres e até mesmo senseis às vezes também sabiam se portar assim; pura e simplesmente porque sabia. Havia algo a mais naquele homem, algo além de apenas carisma e cumplicidade; havia uma ligação diferente entre ele e Angell própria.

Naquele sonho, a azulada estava em seu quarto, como também o estava agora em sua vida real. Porém, diferentemente de sempre, não estava sozinha; tinha a companhia de um homem... de quem não conseguia se lembrar o nome nem o sobrenome agora, mas cujo rosto não conseguiria se esquecer nunca mais, nem se tentasse um dia. Ela estava ainda toda melancólica, mas já lutando para se recuperar, mesmo que sem obter muito sucesso. E ele estava sereno. Ele estava sentado na beirada da cama dela, por cima dos cobertores meio grossos, mas ajeitados como se já esperassem por uma visita especial. E ela estava deitada, encolhida e com a cabeça apoiada sobre as pernas dele. Ela estava falando, falando muito, como nunca fazia, a menos que cantasse – mas não, não estava cantando. E ele estava só lhe ouvindo, sendo que parecia ser mais falante por natureza. ...e ele também estava lhe afagando os cabelos.

É que a azulada tinha contado a ele sobre quando caiu no laguinho e quase se afogou à espera de um socorro que jamais iria até ela. Tinha mostrado a ele os pedaços de papel, que não passavam da carta do coração azul, depois de ter sido rasgada inteira. E tinha admitido a ele que tudo esteve íntima e inconscientemente interligado.

Naquele sonho, tinha sido apenas sobre isso que Angell e seu pai conversaram. Mas era como se ela pudesse falar sobre tudo – absolutamente tudo! – com ele; ela sabia bem. Dizemos, claro, se o tempo lhes permitisse fazê-lo. ...mesmo que ela quase conseguisse sentir que, sim, haveria essa permissão do tempo.

Uma lágrima tímida escorreu pelo rosto da azulada. Até aquele momento, ela não tinha percebido sua força. E não que nós falemos aqui da força para suportar as dificuldades de um mundo ninja, falamos é da força para suportar o peso de uma vida; tinha a falta de relações, o distanciamento de seus “parentes”, a dificuldade em conhecer pessoas e fazer amigos, a fragilidade de se apaixonar por coisas e amar pessoas, a melancolia de lutar dia a dia contra a solidão. Não, nada disso teria a ver com o mundo ninja; tinha a ver com toda e qualquer vida, estando ela atrelada ou não ao mundo ninja. Mas, junto disso, a azulada também não tinha percebido suas fraquezas. Sempre fora tão molenga, tão insegura de si mesma... mas chorona, não – há tempos, não. E, agora, mais em sua vida real que até em seu próprio sonho, ela o estava sendo – sim, porque o peso de sua falta de força era o que saía de sua alma na forma daquela lágrima.

Ela nunca soube como poderia ser ter o companheirismo e a proteção de um pai... até aquela noite. Sentira-se tão acolhida que não queria mais acordar, e, agora que estava acordada e se lembrava de tudo, queria retornar. Queria poder abraçar aquele homem que sequer conhecia em sua vida real, que sequer sabia se era mesmo seu pai. Queria escorar seu rosto no ombro dele e chorar, mesmo imaginando que ele se preocuparia, que ele se entristeceria... só porque sabia que receberia dele todo acalento que tanto andava precisando. Só os afagos dele em seus cabelos, lá no sonho, já tinham sido tão reconfortantes... então como não deveriam ser as ações dele na vida real? Angell com certeza se sentiria amparada – completamente amparada. Mas ele estava tão fora de seu alcance agora...! E quanto mais ela revivenciava aquele sonho agora em vida, mais ânsia tinha por dar lá algum jeito de trazer tudo para a realidade.

Claro; quem não quer ter a presença de um pai?! Um pai de verdade, que cuida de seus filhos como se eles fossem os maiores tesouros não apenas dele próprio, mas de todo o mundo!, que não quer que nada de ruim os atinja!, sendo que, ao mesmo tempo, sabe deixá-los livres para darem seus próprios passos, sem desampará-los quando eles mais precisam! Porque, sim, é isso que os pais fazem!

Angell respirou fundo e entreabriu seus olhos perolados. Sequer tinha percebido que – que se dirá então perceber quando – os havia fechado, mas, agora, entreabriu-os. E isso apenas por um instante curto, um átimo de segundo; voltou tão logo a fechá-los, agora pressionando-os, enquanto soltou todo o ar de seus pulmões de uma única vez, em uma bufada forte, que mais se parecia com uma tossida. Sentiu seu corpo todo fraquejando de repente e, sem conseguir mais se segurar de pé, cedeu ao bambear de suas pernas; caiu no chão de seu quarto. Ali, debaixo de sua janela, dentro de seu quarto, dentro de sua casa, vulgo, escondida de todo o restante do clã Hyuuga, da vila da Folha, do mundo ninja, encolheu-se, abraçando seus joelhos erguidos e debruçando sua testa sobre seus antebraços, e se deixou chorar copiosamente. Àquela altura, nem ligava se chamaria a atenção de algum curioso; só queria extravasar a angústia de sua alma.

É que Angell queria, de verdade, poder sentir em sua vida real como era ter tudo aquilo que tinha tido naquele seu sonho daquela noite... e estranhamente tinha a sensação de que conseguiria, mas tinha também a consciência de que era inconcebível. Até porque seu pai estava morto há tempo suficiente para ela não se lembrar nem mesmo do rosto dele... por mais que ela tivesse a certeza de que ele era, sim, o do sonho.


“But it’s the only thing that I have.”


Informações:

Considerações:
Filler (em 1.050 palavras) para obtenção de 100 pontos de status.
Não é uma continuação, mas faz referência direta aos meus penúltimo e último fillers.
Habilidades usadas:
Bolsa (??/?? espaços):
Equipamentos e itens:

[Filler] Meu Sonho, Azulado I8a3yhX
Thunderjaw’s Bracelet
Rank:
A
Classe: Raro.
Descrição: Um item de natureza peculiar que outrora pertencera ao núcleo de processamento responsável por controlar as habilidades de uma besta metálica formidável. Na ótica mundana, um mero bracelete, encrustado por pedras preciosas de origem desconhecida, que se adéqua perfeitamente ao pulso de seu portador. Sua única habilidade é uma forma muito mais simplória que a habilidade do Thunderjaw: quaisquer ninjutsus direcionados ao seu portador, de Rank B ou inferior, uma única vez a cada 3 turnos, tem imediatamente sua trajetória alterada como se retornasse para o conjurador. Essa habilidade necessita de 30 pontos de chakra para ser utilizada. Esse item não pode ser evoluído.
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Meu Sonho, Azulado - Qua 30 Out - 3:21

@
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.