>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, mas simplesmente o melhor!
Arco 10:
RemanescentesAno: 69DG
Hanatarō olha para a vila do topo do prédio do Departamento de Pesquisa. Há dois anos era uma salinha no fim do laboratório geral da vila, agora tinha seu próprio prédio tão alto quanto o próprio escritório do Kazekage. Hanatarō sorri vendo as pessoas andando felizes na nova vila construída graças aos avanços científicos realizados com a inteligência de Takura, sua mentora. Antes, ele só via uma vila pobre, com construções de areia frágeis, com um horizonte desértico, dependendo de outras vilas, inclusive de Konoha, para conseguir sobreviver, mas agora... Sunagakure estava grandiosa novamente e tinha comprado sua independência. As construções ainda tinham porções de areia, mas eram forjadas em metais nobres, em ouro, em prata, criando grandes casas e prédios. As lojas estavam cheias de especiarias únicas, pois o trabalho de encontrar certos ingredientes se tornou muito mais prático desde que a vegetação voltou a florescer nos arredores da vila; onde antes era só deserto agora possuía vielas de relva, florestas, rios e uma fauna cheia de roedores, mamíferos e carnívoros.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Zeitgeist
Shodai Otokage
Zeitgeist
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] O Dançarino Silencioso.  GM22dSN

https://www.narutorpgakatsuki.net/t68386-fp-lawliet-hawk-scarlet#509119

[Filler] O Dançarino Silencioso. - em 21/10/2019, 06:18

Abaixo do teto das construções silenciosas da nova Nação do Som as devidas formalidades de uma nova sociedade eram desenvolvidas. Após as respectivas apresentações necessárias, o homem que estava disposto a erguer um novo império se sentava sobre o trono de pedra que fora tomado por suas mãos sujas de sangue. Apesar dos meios, os fins já haviam sido justificados. Os homens ali presentes estavam cientes disso e a pequena população do vilarejo deveria ser informada. Não haveria tirania. Os camponeses teriam fiel apoio econômico em seu trabalho, tal como proteção de suas terras, os impostos cobrados seriam diminuídos a quase zero e o estado criado se ergueria a partir do trabalho árduo dos próprios soldados ali presentes, pelo trabalho individual. O que L pedia era o apoio da população em caso de guerra, através da alimentação produzida, nesse caso, ele lhes daria abrigo e a oportunidade de se refugiarem em locais protegidos pelo estado. Em tempos de paz, a comida comercializada dentro do vilarejo deveria ser cinquenta percentual mais barata do que o valor vendido nas exportações para outros locais, favorecendo assim a alimentação dos soldados. No caso de alguma incoerência em suas palavras, quaisquer duvida ou sugestão deveria ser passada para seus homens e assim ele poderia resolver da melhor maneira os problemas. Fora tudo que tinha a dizer naquela reunião. Enviou três homens até o vilarejo com as notícias passadas, deixando-lhes a missão principal de dar à população a segurança de que todos teriam apoio total em suas opiniões, desde que estivessem a favor do erguimento dessa nova nação, assim teriam direito de opinar. Caso contrário, teriam suas terras tomadas e seriam expulsos dali.

[...]

Ao fim de suas palavras, L se ergueu do trono, andando em direção a saída do salão. Sob o som dos seus passos que ecoavam pelo salão extenso, chamou um dos homens, dotado de conhecimentos científicos.  — Anakin.  — Como sempre era calmo e suave em seu modo de pronunciar suas palavras, apesar dos homens já terem percebido que pudesse ser feroz. O homem se ergueu, olhando-o.  — Sim, senhor.  — Se aproximou devagar.  — Me acompanhe, por favor. O resto de vocês pode fazer a ronda pelos arredores.  — Os homens acenaram positivamente e Anakin o acompanhou.

Anakin e L caminharam até um laboratório nos corredores nas estruturas da construção. L adentrou o local e sentou-se sobre uma maca, retirando seu manto e sua roupa superior, enquanto falava.  — Você tem algum conhecimento sobre linhagens sanguíneas?  — Perguntou, enquanto desabotoava sua camisa e a retirava logo em seguida. Anakin o olhou de maneira firme, era um homem sério.  — Sim, senhor, creio que o suficiente para ajuda-lo no que precisar.  — L então terminou de retirar suas roupas superiores, mostrando seu corpo tonificado.  — Ótimo. No passado, fim um pacto com um deus chamado Jashin, prometendo-me a imortalidade, mas não sei se realmente acredito em tal tipo de coisa. Poderia examinar meu corpo? Creio que tenha percebido a facilidade com que ele se regenera.  — Anakin, sorriu levemente, acenando positivamente.  — Logicamente.  — Ele pegou o bisturi e se aproximou dos ombros de L.  — Posso?  — Perguntou. L olhava para o chão.  — Faça o que tiver que fazer.  — Anakin acenou positivamente mais uma vez, fazendo um pequeno corte no ombro de L, retirando uma pequena quantidade de sangue do mesmo e deixando gotejar em uma pequena ampola. Uma substancia desconhecida fora misturada ao sangue fazendo-o coagular rapidamente, sendo colocada em uma espécie de equipamento de aquecimento.  — Esse método pode me dizer se seu sangue possui alguma linhagem avançada, mas como nossos dados são escassos, terei de fazer mais exames pra saber melhor do que se trata.  — Disse, Anakin, sentando-se à mesa frente ao equipamento, enquanto anotava algumas linhas que saiam em uma folha.  — Aqui está, realmente, há uma diferença grande do seu dna para o dna comum. Precisarei de mais sangue.  — Quando se aproximou, o machucado já havia se fechado.  Mas era irrelevante, ele precisava do liquido vindo da sua medula óssea.  — Dessa vez precisarei da sua medula óssea. Pode virar de costas, por favor?  — Pediu e L o fez sem questionar. Anakin pegou uma seringa com uma grande agulha, tocando-lhe os ossos, de súbito já percebeu uma diferença grotesca na espessura da medula. Quando tentou perfurar a agulha se quebrou.  — Desculpe, seu ossos parecem ser mais espessos que os que eu já vi.  — Anakin então pegou um bisturi e se abaixou, sem falar nada, tocando suas costas para sentir as vertebras da coluna, cortou então horizontalmente próximo a vertebra necessária, o mais profundo possível.  — Desculpe, foi necessário.  — L sorriu levemente, murmurando baixo.  — Tudo bem.  — Ele estava tranquilo, apesar de algumas dores que sentia com os procedimentos. Anakin enfiou a agulha pela articulação da vertebra e dessa vez conseguiu puxar um pouco de liquido. Tudo bem, creio que seu corpo irá se regenerar rapidamente, caso contrário, daremos alguns pontos. Espirrou o liquido dentro de uma segunda ampola esterilizada e adicionou álcool junto a substancia, desidratando-a. Colocou então dentro de um equipamento de observação e percebeu que o liquido começava a se recompor ao estado normal. Durante a observação ele tentou explanar o que via. — O liquido está se recompondo em uma velocidade impressionante. Apesar do estado de desidratação, o álcool parece não ter tido o efeito que normalmente ocorre nas pessoas comuns. — Ele parou de observar e se virou pra L, com a cadeira. — É como eu pensei. Inicialmente achei que fossem seus glóbulos sanguíneos que tivessem a habilidade de se recompor com facilidade, porém, apesar de pensar isso, o sangue continua em estado coagulado, ou seja, ele não mudou de estado desde que foi misturado a substancia que adicionei na ampola. — Disse ele mostrando a ampola onde estava o sangue. Em seguida, continuou. L o olhava atentamente. — Pensei em fazer o teste através da sua medula pra ter uma segunda experiência, mas logo percebi que seus ossos apresentam uma espessura totalmente diferente da vista em quaisquer pessoa que eu já tenha examinado. O liquido da sua medula óssea se regenerou em poucos instantes após a adição da substancia e voltou ao estado normal, apesar de estar fora do seu corpo, o que mostra que não é apenas seu metabolismo. É bem provável que seus osteoblastos e osteoclastos se regenerem com facilidade e até mesmo sejam capazes de crescer além do esperado. — Anakin respirou fundo, tossindo antes de continuar. — Senhor, não posso dar-lhe certeza alguma, já que as informações que tenho aqui são escassas, como disse anteriormente. Mas já ouvi falar de uma linhagem capaz disso e provavelmente o senhor tenha a mesma capacidade. —  

L se levantou da maca e se virou para colocar sua camisa e manto. Anakin pode perceber que suas costas estavam curadas. L apenas colocou as mangas da camisa, mas não a fechou, colocando o manto sobre o ombro, caminhou até o lado de Anakin. — Agradeço pelas informações, Anakin. Seus conhecimentos me trouxeram clareza ao mundo mais uma vez. — Tocou-lhe o ombro, olhando-o nos olhos. Anakin sorriu levemente, esperando até que L deixasse o laboratório, mas acabou por interrompe-lo um pouco antes de chegar ao corredor. — Senhor? —  Perguntou, se virando. —  Sim? —  Respondeu, L, parando e se virando levemente, de lado. — Posso fazer-lhe uma pergunta um pouco pessoal? — Pediu, antes que continuasse. — Sim, Anakin. — Respondeu, o renegado e agora líder da Nação do Som. —  Que tipo de pesquisa o senhor está fazendo? —  Perguntou, enfim, colocando a mão fechada frente a boca, como se estivesse receoso de perguntar. L deu-lhe um leve sorriso antes de responder e respirou fundo, fechando os olhos. — Ótima pergunta. —  Seus olhos se abriram novamente, dessa vez olharam para Anakin. — Talvez seja isso que eu esteja procurando, Anakin. A verdade. — Respondeu de forma mansa. Os olhos de Anakin pareceram surpresos, ao mesmo tempo que brilharam. Talvez estivesse diante ao homem certo, pois era o que procurava, a verdade. L deixou a sala e Anakin sussurrou. — Obrigado, senhor. — De longe a voz de L ecoou os corredores. — Eu que agradeço, Anakin. — Dessa vez sua voz era firme, vinda de longe. Anakin então sorriu, como a muito tempo não fazia.

[...]

L fora para o lado de fora do templo, onde esperou a chegada dos homens enviados ao vilarejo. De certo modo, ao mesmo tempo que se sentia tolo, podia sentir uma liberdade tomar sua mente diante as informações que lhe foram passadas por Anakin. Em momento algum havia se questionado a cerca de seu passado e a partir do momento em que pensou no futuro, isso veio a tona. Tornou-se então capaz de enxergar o presente. Fora então que ouviu, o som de passos se aproximarem de vagar, eram os três homens voltando do vilarejo de Otogakure, a nova Nação do Som. — Então? — Perguntou, L. Um deles se aproximou. — Todos moradores aceitaram de prontidão os termos propostos pelo senhor, deixando claro que estão dispostos a ajudar no crescimento da nova Nação. — Falou o homem, com tom determinado e sem qualquer tremulação na voz. L sorriu levemente e caminhou rumo ao oeste. — Ótimo, a partir de hoje, nossa prioridade é a segurança e evolução da nação. — Após alguns metros de caminhada, chamou dois homens. — Roku, Hishiki, vamos até o abandonado dojo. Reabriremos as portas. — Os homens então lhe responderam em uníssono. — Sim. — Seguindo-o em direção ao local.

XXXX HP
1000 CH

ST: 02/05

Considerações:
- Troca de Filler. Sem Clã para Kaguya, eu perco minha habilidade secundária: Jashinkyo.
- Segui a ideia do clã Kaguya, que pode regenerar a pele e ossos rapidamente.
- https://www.narutorpgakatsuki.net/t66502p30-modificacao-de-ag-samael


OUTROS:

Kokutō
Rank: A
Descrição: O Kokutō (黒 刀, Literalmente significado: Black Blade) é uma espada única exercida por Raidō Namiashi. Esta katana tem uma superfície escurecida e não reflexiva e está fortemente revestida de veneno que Raidō geralmente usa para realizar suas missões de assassinato. Ele usou isso em conjunto com Aoba Yamashiro's Scattering Thousand Crows Technique para ocultar-se e a lâmina e defender com sucesso Akatsuki membro Kakuzu.

Bolsa de armas 05/70:

_______________________

-
Sly
Líder Bakuha Butai | Anbu
Sly
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] O Dançarino Silencioso.  Ab17ea3186ae349ce38a0768bd6c9e58

https://www.narutorpgakatsuki.net/t68837-sly#514356 https://www.narutorpgakatsuki.net/t68880-m-f-sly

Re: [Filler] O Dançarino Silencioso. - em 21/10/2019, 11:17

@

_______________________

O tempo fez dinheiro,
Também fez o amor morrer.

[Filler] O Dançarino Silencioso.  TeRuI6U
-


Layout por @Akeido Skins, @Loola Resources e Naru.