:: Mundo Ninja :: Mapa Mundi :: Konohagakure no Sato :: Hospital|Laboratório
Alvorecer
Arco 04
Ano 17 DG
Verão
A queda do pastor cobrou um preço altíssimo do mundo ninja: o golpe final trouxe ao mundo um tempo de dor e sofrimento; fome e pobreza retornaram às ruas, a violência triplicou, os antigos heróis caíram ou ficaram desacreditados. Mas, um pouco perto do amanhecer, a Hydra, que até então se mantivera em silêncio, mostrou-se das sombras, trazendo oportunidades de emprego e uma esperança para salvar o mundo dessa mais nova calamidade. Líderes ninja não tiveram escolha senão se arriscarem em tratados suspeitos para conseguir manter firmes seus lares e seus soldados. No entanto, os reais planos da Hydra ainda continuam sendo um grande mistério.
... clique aqui para saber mais informações
Shion
Fundador do RPG Akatsuki, Shion é responsável por manter o bom funcionamento de todas as áreas do fórum há mais de 10 anos. Completamente apaixonado por RPG e escrever, hoje é o principal responsável pelo desenvolvimento de toda a trama desse universo baseado na arte de Kishimoto.
Shion#7417
Angell
Angell é jogadora de RPG narrativo desde 2011. Conheceu e se juntou à comunidade do Akatsuki em fevereiro de 2019, e se tornou parte da administração em outubro do mesmo ano. Hoje, é responsável por desenvolver, balancear, adequar e revisar as regras do sistema, equilibrando-as entre a série e o fórum, além de auxiliar na manutenção das demais áreas deste. Fora do Akatsuki, apaixonada por leitura e escrita, apesar de amante da música, é bacharela e licenciada em Letras.
Angell#3815
Indra
Oblivion é jogador do NRPGA desde 2019, mas é jogador de RPG a mais de dez anos. Começou como narrador em 2019, passando um período fora e voltando em 2020, onde subiu para Moderador, cargo que permaneceu por mais de um ano, ficando responsável principalmente pela Modificação de Inventários, até se tornar Administrador. Fora do RPG, gosta de futebol, escrever histórias e atualmente busca terminar sua faculdade de Contabilidade.
Indra#6662
Biskath
BisKath é jogador do NRPGA desde julho de 2020, tendo encontrado o RPG por meio de pesquisas e começado a jogar nele, sem pausas desde então. É jogador de RPG desde 2013, mas o Akatsuki foi o primeiro de Naruto em que se aventurou. Apenas começou como moderador em abril de 2022, se dedicando as funções da moderação até se tornar administrador em julho do mesmo ano, auxiliando também na avaliação da área de criações. Fora do fórum cursa desenho, pois tem interesse em artes de forma geral..
BisKath#0666
XXXXX
XXXXX
Discord#1234

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Cena - O físico e o bêbado. - Publicado 27/9/2019, 18:04

Assim que Dante havia conquistado novas habilidades referentes a criações tecnológicas, passando diversas horas com seu pai Aragon e Nikola, seu padrinho, o garoto almejava por novos conhecimentos para adquirir ainda mais experiencia e habilidades nas criações dos projetos. Nikola pensando no desenvolvimento pessoal de seu afilhado resolve ajuda-lo, avisando que existe um amigo antigo, cientista, focado na física teórica. Einsten aceitava o pedido de Nikola em ensinar Dante e com isto, mandava uma mensagem escrita para o garoto.

Bilhete escreveu:''Dante, sou eu, seu padrinho. Tem um amigo antigo, meu e de seu pai, chamado Einsten que vai te ensinar mais algumas coisas necessárias para as criações de inventos. O homem é um físico respeitado por todo o país, portanto, trate de se comportar direito e não como um animal bêbado. Ele está te esperando no hospital central da vila. Assim que chegar lá, procure por Einsten.''

O bilhete era entregue por um pássaro bicando a janela do quarte de Dante incessantemente, até que ele atenda.

[01/05]

Pedidos escreveu:- Qualidade: Conhecimentos científicos.

Detalhes escreveu:- Aparência do Einsten
- Narração livre. Assim que chegar no hospital e perguntar por Einsten, termine o post.
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: Cena - O físico e o bêbado. - Publicado 27/9/2019, 18:51

Cena - O físico e o bêbado. A68a393bc0ed53537b5eec29c3c9caac

Vestimenta; Palavras: 412.

As nádegas daquela garota pareciam distorcer o tempo e o espaço ao seu redor. Sua cintura se afinava. Sua pele nua enquanto seu corpo se esticava de bruços sobre a cama era a plataforma perfeita que eu precisava para aquele gosto dissimulado. Uma fina tira branca e comprida se estendia desde a polpa de sua bunda até o começo da curvatura de suas costas. -Vai logo Dante, cheira isso de uma vez. Ela parecia uma estátua; imóvel. Terminei de aquecer com o isqueiro barato o canudo de vidro em minhas mãos e o posicionei na venta esquerda, preparado para o colapso neural no qual entraria. O ar subiu junto com aquele pó nulo de gosto, salvo uma leve sensação de amargor na laringe quando cheguei à metade do longo percurso. Minha pupila dilatou de imediato. Ofegante. Um som de vidro sendo cutucado. 'Que porra é essa agora?' Meus olhos voltaram-se para a janela e fitaram a ave nos observando; nus, eu usando o corpo dela para o mais perverso dos motivos, e ela esperando para me usar pelo mais justo deles. -Ta esperando visita? Aquela altura a cocaína já tinha minha nocauteado. -Não que eu saiba. Me aproximei e analisei o que o pássaro trazia. 'Fodeu!'

'Toda vez que eu uso essa porra acabo me arrependendo' Era a única coisa que pensava do caminho entre o Nights Club e o hospital. Tive que tocar a prostituta e me arrumar rapidamente, afinal, trabalho e conhecimento não se negam não importa o seu estado; e eu ainda estava em condição de operar. Ou nem tanto. Minha vista ardia com os raios de som e nunca agradeci tanto o fato de ter um único olho para captar aquilo. Não sei se a droga havia mudado meu senso de tempo ou se meu estado de ânimo, mas o fato é que o caminho havia sido realmente muito rápido de ser percorrido. Era um local grande, espaçoso, bem distribuído. Suas paredes brancas se estendiam em alas e a recepção se encontrava em forma de "L" em frente à uma série de cadeiras de espera. -Oi, me chamo Dante. To procurando por Einstein, ele já está me esperando. Minha fala era rápida, meu olho fixo na enfermeira ruiva de meia idade e nariz saliente do outro lado do vidro. A pupila entregava a jogada. -Aliás, me da um copo de água por favor. Naquele momento eu queria estar transando, então pelo menos um copo d'água me seria satisfatório.

CH: 975 & HP: 575 ST: 0/3
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: Cena - O físico e o bêbado. - Publicado 27/9/2019, 19:44

— Pegue você mesmo. — Dizia a ruiva nariguda com sua voz estridente, aguda e muito escrota enquanto que apontava com a destra na direção do bebedouro. — Sobre Einsten, basta pegar o corredor da direita e seguir reto. É a última sala da direita. — Dante fitava mais alguns segundos a mulher, fechando a cara deixando claro não ter gostado da  antipatia dela. Seguia rumo ao bebedouro, pegando o copo descartável e enchendo-o de água.

Assim que chegasse na sala, Dante deveria executar duas batidas na porta, se apresentando formalmente. Einsten abriria a porta, sorrindo ao ver certo parentesco com Aragon, seu melhor amigo. Dante deverá se apresentar e dizer os motivos de querer aprender sobre conhecimentos científicos.

[02/05]

Pedidos escreveu:- Qualidade: Conhecimentos científicos.

Detalhes escreveu:- Aparência do Einsten
- Post auto-explicativo. Basta seguir as ordens. VOcê consegue narrar as ações do NPC, portanto, fique a vontade.
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: Cena - O físico e o bêbado. - Publicado 27/9/2019, 20:03

Cena - O físico e o bêbado. C2af8f2791af846d07b49001a65230fe

Vestimenta; Palavras: 305.

Percorri todo o caminho pelo vasto corredor enquanto o copo de água amenizava a neurose em minha mente, pensando no quão antipáticas pessoas com profissão merda e monótonas conseguem ser; 'Tenho que armar alguma pra essa coroa, não vai ficar assim.' Meu punho se chocou contra a madeira maciça soando dois toques. A porta se abriu. Einstein era tudo menos o amigo que eu esperava que aqueles dois moribundos bêbados teriam. Era um sujeito de aparência respeitável, seu capelo preto penteado para trás e um terno de igual cor caindo sobre uma camisa branca. -Então aqui está o futuro que tanto vem me falado. A bengala em sua mão cutucou meu peito. Sorri desajeitado. -Vamos, entre, seu padrinho me falou sobre você.

O local era amplo demais para um simples funcionário. Os móveis me remetiam à uma riqueza nobre, todos detalhados em combinações perfeitas entre si, como se projetados pela mesma pessoa para o mesmo aposento. O sujeito sentou-se atrás de uma grande mesa de costas para uma janela que partia do chão até alcançar o teto; sentei-me à sua frente. -Me fale Dante. O que te deu na cabeça de querer seguir esse caminho da ciência? Einstein servia-se de café e sem me sugerir oferta, serviu-me. -Não sei ao certo. Nasci um pouco descabido como aqueles meu pai e Nikola. Dei um gole. O líquido quente rebateu a química. -Cresci vendo Aragon fazer meus brinquedos que brincavam sozinhos basicamente. Ri. -Hoje sou um shinobi, ele está envelhecendo, eu acabei fazendo um brinquedo para ele, e cedo ou tarde terei que fazer os meus próprios. Tudo nessa vida é questão de defesa e de como você se preservar, não concorda? Meu olho era fixo ao dele. Era algo que buscava em absoluto naquele tipo de diálogo para inspirar confiança junto de frases afirmativas e assertivas.

CH: 975 & HP: 575 ST: 0/3
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: Cena - O físico e o bêbado. - Publicado 27/9/2019, 20:49

— Então estrou diante do novo criador de tecnologias da vila? Interessante. — Einsten dizia observando o líquido negro da xícara tamborilar diante seus olhos. — Nikola disse que você precisa aprender sobre ciências, certo? E ele acredita que um físico como eu será um ótimo professor. Sabe, se você tiver as mesmas habilidades de seu pai e padrinho, terá um futuro brilhante. — O homem elogiava Dante, levantando da cadeira e indo na direção de uma estante repleta de livros. Retirava um livro de capa dura na cor negra com alguns Kanjis em dourado. O livro tratava de assuntos sobre física e o quão importante na tecnologia o assunto é.

— Este livro é excelente. Apesar de curto é bem completo e acredito ser suficiente para que possa conhecer um pouco mais sobre meu mundo e consiga mesclar suas habilidades com tecnologias junto da física. — Entregava o livro a Dante. — Se tiver alguma dúvida, pode me perguntar. — Dizia o homem aproximando-se de sua mesa, aonde trabalhava sobre alguns projetos.

[03/05]

Pedidos escreveu:- Qualidade: Conhecimentos científicos.

Detalhes escreveu:- Aparência do Einsten
- Tente criar um diálogo entre os dois, ainda mais sobre dúvidas e afins. Pode narrar as falas do NPC, é claro.
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: Cena - O físico e o bêbado. - Publicado 27/9/2019, 22:56

Cena - O físico e o bêbado. 447015dcb0edca5ca70380e8d11025d2

Vestimenta; Palavras: 348.

Eu mal conhecia o sujeito mas sua receptividade me convencia aos poucos. Nikola devia ter vendido minha imagem muito bem à ele para que estivesse me guiando daquela forma em nossa conversa. Encerrei a xícara de café. -É, para o azar deles, eu sou a única esperança da família. Ambos rimos em sincronia espontânea. Ele levantou-se e com passos lentos pude ver seu corpo distanciar-se com sua massa sob aquela vestimenta preta; parecia uma sombra se movendo pelo local. Apanhou um livro chamativo e carismático aos meus olhos e tornou a se aproximar. Apanhei-o de sua mão enquanto falava logo ao notar as insignias em sua lateral observei de quem era a autoria. -Você escreveu isso? Claro que havia escrito, seu nome estava logo ali abaixo do kanji. Abri e folheei suas páginas passando o olho de relance.

-E essa coisa sobre espaço-tempo? Ele me mostrava um artigo que havia terminado dias atrás cujo um dos subtítulos levava este nome. -É relativo. Ele riu; apenas ele. Uma piada interna daquelas que os gênios tem consigo mesmos. -A relatividade do tempo se da através da perspectiva de espaço e tendo como base a velocidade mais elevada que temos conhecimento. O interrompi. -A da luz?! Seus olhos se mesclaram em interesse com a minha afirmação camuflada. -Exato! Portante. Se a imagem que vemos é a luz refletida, um objeto que se encontre dois anos luz de distância por exemplo. Minha mente formulou aquele quebra cabeças de forma instantânea. Meu corpo se derreteu sobre a cadeira estupefato. -Quer dizer que veríamos a imagem deste objeto como ela seria dois anos antes do que o presente, já que ela levaria dois anos até nos alcançar como observador e ponto de referência. Ele sorriu. -Agora entendo o motivo de Aragon acreditar tanto em você. Me mantive perplexo com aquele conhecimento. Era algo que com certeza pouquíssimas pessoas eram detentoras e explicava a importância do sujeito e de uma sala daquele tamanho. -Você é um gênio! Digo, descobriu isso sozinho. Alcancei os papéis sobre a mesa novamente e os analisei. -Eu e minha mente.

CH: 975 & HP: 575 ST: 0/3
Conteúdo patrocinado
Vilarejo Atual

Re: Cena - O físico e o bêbado. - Publicado