>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Ange
Administradora
Ange
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] Pela Última Vez HKIv36V

[Filler] Pela Última Vez - 21/7/2019, 23:50


Angell Hyuuga
[ HP: 975/975 | CH: 975/975 | ST: 00/05 ]
[ Byakugou no In: 500/500 ]


Às vezes Angell parava para pensar no rumo que sua vida tinha tomado. Ela era como uma agente dupla, coisa que, além de perigosa, também sempre pareceu errada... mas que, na prática, era correta e até que segura. Dizemos, não era como se a Folha inteira fosse ruim, ruins eram apenas o kage e sua ANBU; e não era como se Anatole fosse um lunático pronto para dominar o mundo ninja, ele era somente um revolucionário – ou visionário? – mais ambicioso. Havia pessoas a serem protegidas e salvas em ambos os lados, e havia meios tanto para a proteção quanto para a salvação também em ambos os lados. Angell só não sabia ainda como poderia conciliar tudo... até porque um mês todo já tinha se passado desde os acontecimentos no País do Arroz, e a cabecinha dela continuava cheia de caraminholas.

Enfim, Anatole andava mais sumido da igreja que o comum, sempre por culpa de mais e mais viagens a Kirigakure. Ryoma costumava acompanhá-lo, mas vez ou outra seguia sua companheira azulada nas tarefas para Konohagakure. E ela própria estava cada vez mais preocupada com o hospital da vila. Estava um pouco menos proativa também, às vezes se deixando levar por algumas lembranças... sobretudo a da primeira morte que “deixou” acontecer em suas mãos. Naquele começo de tarde, porém, e justamente por causa de suas lembranças, Angell estava em casa. Não tinha lá tanta vontade de sair e mostrar seu ar abatido a seus pacientes, já que precisariam de apoio, não de nenhuma cara de enterro. Porém, uma carta inesperada fê-la mudar de ideia:


“Até as garras do lobo se ferem na caçada. Da entrada da Névoa até o desconhecido, o caminho será marcado nas árvores da vida. O perigo é claro, mas a presa se oculta no escuro. Um lobo não caça sozinho; sua matilha sempre deve estar ao seu lado, ou, pelo menos, saber para onde está indo. E, no momento, estarei no aguardo dos amigos há muito conquistados.
Ass.: Pulga”


Ela não sabia quem mais receberia a carta de Zod – sim, Pulga era o codinome de Zod dentro da Ryuketsu –, mas entendeu o recado e correu para encontrá-lo no hospital da Folha. Antes de mais nada, porque ele estava ferido desde sua missão mais recente em Kirigakure. Depois, porque ele precisaria de ajuda em missões futuras, então precisaria esclarecer tudo a seus amigos quanto antes.

E lá estavam ele e um outro ANBU, ambos ainda mascarados, esperando na recepção. A dor no ombro dele vinha de um deslocamento ósseo, coisa simples de ser percebida pelo Byakugan da azulada e corrigida por um Shousen qualquer. Em contraste, o outro ANBU estava salpicado de queimaduras pelo corpo todo – mas nada que o mesmíssimo Shousen não pudesse resolver também. Quanto a Umbra e Alba, deixados do lado de fora do hospital por hora... bem, Angell teria de examiná-los com mais atenção, já que nem mesmo Zod tinha muita certeza do que lhes havia acontecido durante a missão. A sorte era que, como ambos precisariam tratamento, poderiam ser trazidos para dentro do hospital sem infringirem nenhuma norma interna. O azar era que, mesmo depois de serem chamados pelo próprio dono, não responderam. E até Angell estranhou aquele tipo de comportamento; conhecia bem os dois cães para saber que sua lealdade para com Zod era inquestionável.

Ela ativou seu Byakugan mais uma vez. Mas, ao olhar lá para fora, para procurar uma explicação plausível para a abstenção de Umbra e Alba, viu não apenas eles dois, mas também uma quantidade já enorme de pessoas com o fluxo de chakra completamente desordenado. Só que as pessoas ainda se concentravam nos portões da vila, enquanto os cães estavam tão próximos dela própria e dos dois ANBUs dos quais ela tratava, que estavam normais. E, entre as pessoas lá nos portões, havia uma flautista que a própria azulada já conhecia... e que estava tão sã quanto um ninja barbado que ela nunca nem tinha visto, Gilthunder e Koichi. Mas desde quando Gilthunder e Yumi – o nome da dita flautista era Yumi – tinham desertado a Folha? Desde quando eles conheciam Koichi? E Desde quando Koichi tinha abandonado sua ideia de não destruir a vila? Dizemos... era tudo só palpite de Angell, porém, por qual motivo uma usuária de genjutsu já chegaria na ofensiva, poupando apenas shinobis desaparecidos ou até desconhecidos da Folha? ...sendo que um deles Angell sabia muito bem que tinha mesmo desertado. E, mais do que só aquilo, onde estava Shinji? Onde estavam Guepardo e os seus subordinados da ANBU e da equipe de inteligência?

Ah!, não importava!, Angell, Zod e o último ANBU cuidariam daquilo sozinhos.

[...]

O alerta de invasão demorou demais a soar. Os ninjas desavisados tinham todos caído no genjutsu de Yumi, enquanto os menos bobinhos se confundiam com uma armadilha secundária, que não passava de um Henge especial do shinobi barbado para igualar as aparências das vítimas do dito genjutsu com as do quarteto de invasores. Havia mortes e destruição desnecessárias em todo canto. Tudo era caos.

Angell, presa ao hospital, na esperança de socorrer quem conseguia chegar ao prédio, tentava conduzir à distância os movimentos de Zod e do outro ANBU, baseando-se em seu Byakugan para guiá-los até os invasores verdadeiros. Quando Yumi finalmente foi atingida, a quebra do genjutsu em suas vítimas começou. Quando o shinobi barbado foi executado, seu Henge especial se desfez. E quando a defesa de Gilthunder em cima de Koichi ruiu, os planos todos pareceram mudar. Bem como o Kaguya tinha se esquecido de quando disse à azulada que não queria destruir a Folha, parecia que também tinha se esquecido de que devia sua vida a ela mesma.

...ou ele só não se importava.

Fugiu com Yumi para os esgotos, onde não poderia ser identificado por quem já estava no campo de batalha improvisado, mas subestimando o poder do Byakugan, que, talvez ele nem soubesse, era no que a defesa da Folha se apoiava. Tomou o rumo do hospital, contraindo o que faltava da indignação de Angell. Mas, no fim... não fez novas vítimas ali, já que a própria Angell liderou uma evacuação de emergência – mais uma vez com a ajuda de Zod, que disponibilizou um quê de abrigos no Campo Inuzuka para a causa –, impedindo que a destruição do prédio, vinda do subsolo mesmo, atingisse os médicos ou os pacientes que ainda estavam por lá.

Porém... tudo parou por aí. A distância que Koichi e Yumi já tinham tomado dos ninjas que cuidavam de normalizar a situação da Folha e o foco da azulada na segurança e na recuperação dos sobreviventes do atentado contra o hospital possibilitaram uma fuga impecável aos invasores remanescentes. E, como Gilthunder e o ninja barbado tinham acabado mortos... sem inquéritos por hora.

[...]

Guepardo enfim chegou.

Havia somente mais dois ANBUs com ele, mas, assim como o superior, ambos pararam quando se depararam com os escombros do hospital afundados na cratera de tamanho descomunal no chão. Também assim como o superior, ambos pareciam consternados. Um deles, inclusive, pareceu virar o rosto na direção de Angell, e ela pareceu perceber um floquinho de neve na mão esquerda dele. ...Tsubaki?

Guepardo virou-se para os sobreviventes do atentado ao hospital.

– Sei que, como taichou do esquadrão de proteção da vila, não tenho moral alguma para dar ordens ou fazer pedidos... – e começou a falar. – Não acredito que desculpas vão adiantar. Muito menos palavras para expressar quanto eu sinto muito pelo que houve... – a voz dele estava embargada e carregava aquele tom amargurado... – Mas prometo que não permitirei que isso aconteça de novo. Nem com a vizinhança, com as ruas, com a biblioteca, com o ótimo ramen do Ichiraku, – e se voltou diretamente para Angell. – muito menos com o hospital.

Mas ela fez questão de virar seu rosto e continuar concentrada em seus pacientes, que ainda se organizavam junto dos últimos médicos para partirem para o Campo Inuzuka. E que sorte... de Guepardo. Dizemos, porque, se Angell pudesse dar sua atenção a ele, só lhe daria mais mágoas. Por que a ANBU só estava se mobilizando agora para reparar os danos sofridos, remediando o que não foi sequer prevenido antes? De que a culpa e as promessas do líder serviriam? Teoricamente... não tinha sido ele próprio quem criou os desertores que Koichi, Gilthunder, Yumi e o ninja barbado eram? Não estava sendo ele mesmo quem estava criando agora a desertora que a própria Angell era? Ainda que ela não fosse voltar para tirar a vida de ninguém, sobretudo aqueles tantos inocentes... mas o que motivou Koichi a abandonar a Folha, que ela se lembrava, era o que a estava motivando também. Promessas demais, culpa demais e ação de menos... só isso! Sim, era só isso que a elite fazia! Quanto aos aldeões indefesos e aos pequenos ninjas ainda sem experiência, havia sempre o conformismo com a situação... e só, também! Quando é que eles iam abrir seus malditos olhos?!

– Sala do hokage, praça e bairro Hyuuga. – a azulada comentou, mesmo mordendo seu próprio lábio inferior com força, como se estivesse se contendo. – Você se esqueceu de mencionar a destruição total desses três pontos também, taichou.

– Não, não me esqueci deles. – Guepardo rebateu. – Vou trabalhar na reconstrução da Folha, e a última parada será a praça, dentro de duas horas. Espero que você vá. faremos uma reunião que decidirá o futuro da vila. Creio que, na sua atual posição, queira estar presente.

E ele se foi.


“But it’s the only thing that I have.”


Informações:

Considerações:
Filler (em 1.575 palavras) para aquisição de 100 de status (dobrados pelo mês do up).
Habilidades usadas:
Bolsa:
Equipamentos e itens:

_______________________

[Filler] Pela Última Vez Scre1755
[Filler] Pela Última Vez D5NZRF4Olá, eu sou a Angell.
Vim te trazer alguns conselhos que facilitarão o seu jogo aqui no Naruto RPG Akatsuki:

Admineiros Leia o nosso Sistema de Conduta e mantenha a paz tanto no seu ON quanto no seu OFF.
Admineiros Conheça o Akatsuki Shop!
Admineiros Fique atento às Notícias do nosso fórum!
Admineiros Em caso de dúvidas, visite a área de Dúvidas ou o tópico de Dúvidas Rápidas.
Admineiros Acesse a área de Sugestões para expor as suas ideias e incrementar o jogo de todo mundo!
Admineiros Entre no nosso servidor do Discord e socialize!
-
Platão
Chūnin
Platão
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] Pela Última Vez 2661940-cristiano-ronaldo-do-portugal-foi-elei-100x100-3

https://www.narutorpgakatsuki.net/t68509-fp#510628

Re: [Filler] Pela Última Vez - 22/7/2019, 00:52

@app

_______________________

[Filler] Pela Última Vez Giphy
"Peace will never
be won with
violence."
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.