>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Tamashi
Genin
Tamashi
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] Tamashi V ECbhQux

https://www.narutorpgakatsuki.net/t72871-fp-okakura-kakuzo#558620 https://www.narutorpgakatsuki.net/t69760-gf-tamashi#523883

[Filler] Tamashi V - 29/6/2019, 10:57


Velório e novo início.


[Filler] Tamashi V 157d39a6550f02aed3b24c0b767ad208a3432e18cb2361f4db67095156c5345b

— Então, Tamashi? Como se sente?  

— Eu não sei se sinto, senhor — O garoto respondia enquanto segurava o choro, que mesmo fraco o chamava.

— Seus pais, mesmo que adotivos te amavam, certo?

— É, eu sei disso

— E mesmo assim não sabe se sente?

— Acho que apenas não quero sentir, afinal, voltando a estaca zero, de quando eu os conheci.

— Entendo, garoto, mas afinal, como uma calamidade dessa aconteceu com eles?

— Aconteceu assim justamente por ser uma calamidade — Risos, seguidos de lágrimas de Tamashi

— Quer me contar?

— Certo. — Limpava seus olhos das lagrimas, que quase o tomava por completo

Os pais de Tamashi acabavam de morrer, o motivo era alguma doença estranha, que os médicos ainda não tinham entendido, Tamashi agora conversava com seu tio, que aos lamentos, tentava consolar o garoto, aquilo doía no garoto, não só nele, em todos presentes.

Uma chuva forte deixava o clima mais pesado, desde o ocorrido, o peito do garoto não parava de doer, ele se sentia abandonado naquele momento, e agora estava pronto pra contar, sobre as últimas semanas, de sua vida "feliz"

— Então? — dizia o tio do garoto, um homem muito alto, com um terno preto, barba mal feita e um óculos que caia de seu rosto o tempo todo.

— A duas semanas atrás, estávamos todos bens, eu até lembro, tínhamos marcado um piquenique, Manma estava animada com o dia, afinal tinha sido ideia dela, você sabe que sempre é, então, acho que começou esse dia, meu pai, o doutor, começou a tossir, mas era algo tão leve que era imperceptível, como se fosse apenas tosse, mal sabíamos que… —

O garoto recapitulava o suposto dia que seus pais começaram a piorar, na realidade o doutor, ele se via a meio a tosses, que não era algo muito incomum para ele, já que sempre vivia enfiado em livros antigos, tão antigos que apenas a poeira feita quando se tocasse em um deles, te deixavam com os cabelos grisalhos, o dia em específico, era de folga, dos três, Manma a mãe de Tamashi, e do Doutor o pai de Tamashi, ambos tinham adotado o garoto depois de que sua mãe biológica foi morta pelo seu próprio pai.

O piquenique em si foi tranquilo, menos em relação as tosses do doutor

— Mas que tosse é essa que não acaba, você está bem, amor? — Dizia Manma para o doutor

— Eu… Estou bem… já já passa, isso é normal — em meio a tosses o doutor respondia, cobrindo sua boca, a tosse era seca, mas ele não parecia preocupado.

Com o passar da semana, a tosse ia crescendo, três dias depois as tosses ficaram muito mais frequentes, além disso, ele estava ficando cada vez mais pálido, como se sei sangue estivesse sendo drenado, ele começou a se autodiagnosticar, como o doutor sempre foi um homem que não tinha muito tempo, era comum que ele fizesse isso, se via dezenas de agulhas e objetos médicos em seu escritório, eu não entendia muito bem o porque.

No quinto dia, Ele se isolou, no porão, ele se tornou intocável essas dias como se não existissemos em relação a ele, e eu não duvido nada disso, o doutor sempre foi um homem muito bom, mas isso, isso é a verdade, ele nunca mostrou grandes coisas por nós, mesmo que deixasse isso transparecer

— ele passou o fim de semana todo estudando, uma semana antes do… Voce sabe. — Tamashi dizia para seu tio, com uma voz trêmula, como se fosse tomado por uma vontade imensa de chorar, o garoto que estava com gravata e uma roupa preta formal, ajeitava sua gola, enquanto tentava esconder as lágrimas que descia seu corpo, naquele momento, cada gota se misturava com a chuva, era como se o céu chorasse com os garotos.

— E então Tamashi, o que aconteceu na última semana? — perguntou seu tio, olhando para frente, sério, esperando que o garoto completasse a história da morte do seu irmão e pai de Tamashi.

— Então, na última semana, Manma começou a tossir, igual o caso do Doutor.

Um dia depois do final de semana, estava lá, Manma lavando os pratos, porém tomada por uma forte tosse ela parava a cada instante, tentávamos falar com o doutor, mas ele não respondia, ele não reagia, ele continuava prazo no porão, independe de qual estímulo tentássemos oferecer a ele, mesmo que as opções fossem nulas, já que o mesmo estava fechado dentro do ambiente

No segundo dia da semana, Manma ficou acamada, o doutor, saiu do porão, no mesmo dia, ele tremia, e não se aguentava em pé, sei rosto estava cada vez mais seco, e a tosse era tomada por uma voz rouca e sangue senso cuspindo a todo momento

— o que aconteceu com você, Pai? — eu perguntava ao doutor, a todo momento, enquanto com uma agulha ele tentava se aproximar da. Manma, não foi muito tempo até que cruzassemos a sala w fossemos de encontro a ela, lá, naquele ambiente, ele me perguntou
— Você está tossindo garoto?
E eu logo respondia
— Não, pai você está bem?

Inocência da minha parte acreditar que aquilo terminaria ali

— De agora em diante, essa história só fica pior, eu odeio, odeio tudo isso quem tem acontecido, porque eles tinham que ir? — questionava Tamashi para seu tio.

— Eu não sei jovem, eu realmente não sei — sussurrava o homem de dois metros e email, que apertava o ombro do garoto, enquanto segurava seu choro com um pequeno sorriso, tentando aliviar o menino.

— E então Tamashi, o que aconteceu? A agulha, o que tinha nela? — o homem gigante questionava o pequeno garoto, que naquele momento tentava se segurar enquanto já estava chorando, ele estava se derretendo por dentro, e àquela dor estava o moldando

— Então? Então ele foi cruel! o doutor foi egoísta, com o tempo que tinha estudado, o caso dele tinha chegado ao estado final, ele estava moribundo, o suficiente pra dizer que já não tinha mais nenhuma chance…

Minha mãe, ele não sabia se estava perto da morte como ele, a diferença entre os dois foi que, minha mãe teve a visita de outros médicos, já o doutor, só ele mesmo se consultou, mas no fim, o resultado deu o mesmo, não adianta o que eu tentasse eu tentei, eu levei os médicos a Manma, durante toda semana, e nenhum deles descobriu nada, meu pai o doutor, ele era genial, ele descobriu o que era, mas não conseguiu um remédio, era uma espécie de condição rara, rara o suficiente pra nem o doutor conseguir se salvar a tempo…

— E por que você diz que ele foi cruel Tamashi? — Perguntava seu tio, cortando a história do garoto ao meio.

— Por que? Porquê ele não deixou eu morrer! Esse tempo todo dentro do porão, ele fazia um antídoto que me livraria da doença, ele não pensou em tentar impedir o avanço da doença dele, nem da Manma, por estar enfiado no porão ele nem sabia que els estava assim, mas assim que ele saiu, ele viu ela, desceu lágrimas nos olhos dele, ele pegou meu braço, e injetou uma espécie de líquido azul,dizendo que pelo menos seu filho ele iria salvar! — respondeu o garoto com irá

— E o que ele fez por sua mãe? — o tio de Tamashi colocava a mão em seu ombro, tentando consolá-lo.

— ele a abraçou e me perguntou "os médicos não descobriram né?" eu respondi que não, então ele fechou o olho e ficou lá, nenhum doutor conseguiu decifrar que doença era aquela, acho que até eu esperava que o meu pai descobrisse e salvasse ele e a mamãe. — o garoto ajoelhava no chão.

Outra pessoa se aproximava dos dois, era uma garota, era Uta, a filha da costureira, a pequena paixão de Tamashi, ele aproximou só garoto que estava sentado no chão, o cobrindo com seu grande guarda-chuva, depois de agachar como ele, o deu um pequeno abraço dizendo.

— Eu não sei como as coisas vão ser a partir de agora, eu também não entendo o Tamanho da dor que estar sentido, mas independente disso, saiba que eu vou estar aqui contigo, te ajudando no que precisar… — ela deu uma longa pausa, enquanto o abraçava, fazendo com que os dois levantassem do chão, ainda abraçada ao garoto que chora tanto, olhou para o tio do Tamashi e disse — Chega de perguntar, por favor, vamos Tamashii — segurando a mão do garoto os dois foram embora.

Não se via mais a alegria que aquele garoto transbordava todos os dias, era estranho ver Tamashi daquela forma, o garoto que era tão feliz agora se transformar em apenas uma casca vazia.

Cosiderações :

+1400 para superar brincalhão(1)

-

Última edição por Tamashi em 29/6/2019, 22:33, editado 1 vez(es)
Rocky
Shugonin Jūnishi
Rocky
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] Tamashi V Tumblr_pse1kamKGv1w7ua6go1_100

https://www.narutorpgakatsuki.net/t65854-ivar#480928

Re: [Filler] Tamashi V - 29/6/2019, 18:13

Filler e perca do defeito aprovados

_______________________

[Filler] Tamashi V Original
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.