>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

[Filler] Walter - 26/5/2019, 14:31

Lá estava eu, em uma manhã tranquila, mas sem nada a fazer naquele tédio imenso de minha vida, sinceramente não teria muitas coisas para fazer naquela vida, a não ser continuar de meus treinamentos ou talvez procurar alguém para me alimentar, para que o meu corpo não entrasse em colapso e me descontrolando novamente... "Já sei..." era o que eu pensaria, enquanto procuraria pela biblioteca mais perto da rua aonde eu estaria, em Kumogakure no Sato, entraria nela sem pensar duas vezes, e por lá eu ficaria a pesquisar sobre os corpos humanos, eu teria que estudar um pouco sobre a minha fonte de comida, caso eu tivesse de algum problema futuramente e precisasse me alimentar.

Livro atrás de outro livro, tudo que eu iria lendo procuraria guardar em minha mente, por isto faria daquilo com a maior atenção possível, procuraria aprender qualquer coisa vindo do corpo humano, aumentando o meu conhecimento na anatomia, os livros eram consideravelmente grandes, por isto que por dia eu passaria a morar naquela biblioteca, passando um tempo os responsáveis já passariam a saber de meu nome, como também eu saberia o dos deles, eu não procuraria chamar muita atenção mostrando um grande interesse nos corpos humanos, por isto procuraria fazer de outras coisas em vez em quando, mas em poucos dias eu teria lido dezenas de livros, teria conhecimento até mesmo coisas inúteis do corpo humano, que poderiam ser utilizadas futuramente.

As paginas dançariam em minha frente, indo da direita para a esquerda, se fechando e retornando com novas frases e imagens, de uma maneira eu teria parado um pouco com os meus treinamentos para um ninja, mas com aqueles novos estudos, poderia se dizer que eu até poderia ganhar vantagens em batalha caso soubesse usar de uma maneira correta. Semanas estudando, poderia ter passado até um mês e de alguns dias, eu teria me perdido um pouco o tempo por conta dos estudos, por isto eu apenas continuaria, até que chegou um dia que consegui um bom conhecimento, me despedi dos responsáveis, já que não voltaria ali tão cedo, e por isto procuraria ganhar vantagens com isto, tendo mais conhecimentos de jutsus de meu Clã, e de minhas presas.

...

Um bom tempo se passava e eu não teria voltado a biblioteca, talvez a minha sede por conhecimento teria se acabado quando eu tinha descoberto um pouco sobre a anatomia humana. Talvez eu devesse fazer algo com que acabasse com todo aquele tédio que eu sentia pelo meu corpo, mas eu não sabia por onde começar, por isto ficaria a andar pelas ruas de Kumogakure no Sato, esperando que algo de diferente acontecesse por aquela vila, que a deixasse um pouco mais animada do que os dias comuns.

Os meus passos eram lentos e desanimadores, poderia chegar a ser contagioso de todo aquele tédio, eu manteria a minha postura e procuraria mudar um pouco, por isto procuraria algo que me diferenciasse da rotina diária. Quando de repente veria uma grande aglomeração, por sorte eu teria me alimentado não fazia de muitos dias, por isto conseguiria saciar de minha sede por sangue, com o meu olhar virado para baixo eu passaria diante daquela multidão, procurando não fazer contato com nenhuma pessoa, passos lentos, mas longos e calculados, caminhariam até o centro da multidão, olhava a minha direita e veria uma pequena entrada, parecia que estaria tendo algum tipo de show em Kumo, um pouco curioso entraria pelas portas dos fundos, já que não daria para ver de fora por conta de estarem vendados por um tipo de pano ou plástico, não sabia já que não teria tocado naquilo. Talvez um show humorista, eu não sabia diferenciar, já que aquilo não me faria nenhuma graça e veria da maioria das pessoas rirem, subo naquelas cadeiras e fico a assistir daquele "show", ainda não sabia em que eu teria me metido.

Sentado, parecia que eu ficaria ali por horas até que tudo aquilo terminasse, teria vários espetáculos, mas agora parecia que entraria de um homem misterioso, se nomeando como Mr. Hipnose – o show estaria um pouco chato, até quando de repente todos em minha volta olhavam no palco com surpresa, o homem estaria colocando um tipo de agulha gigante no corpo da vítima, mas ela não estaria a sentir nenhuma dor, enquanto ele dizia – como podem ver, hipnotizei ela, e agora ela não sente mais dor... O que posso fazer agora? – e assim ele parecia continuar de seu show, podia se dizer que eu não era muito bom em Genjutsus, mas pensaria se aquilo realmente poderia ser algum, a minha respiração aos poucos iria diminuindo de seu ritmo, procurando ter mais atenção naquele palco, poderia se dizer que naquele show teria despertado de meu interesse, e assim passaria com os meus olhos vidrados no desconhecido por um bom tempo, até que o show acabava.

Uma nova figura, e então logo em seguida ele passaria a convidar de certa pessoas, eu conhecia essas, eram estudantes da academia ninja, quando de repente a luz que selecionava viria em minha direção, um pouco surpreso levantava, nem ao menos teria um convite e eu era selecionado, para não ter muitas suspeitas eu iria até o local, junto com as outras crianças que eram alunos acadêmicos de Kumo, para se tornarem ninjas futuramente.

Dez pessoas, eram o total de ninjas que teriam ali – uma nova porta se abriria, no exato, dez delas aonde poderia ver um grande percurso, quando de repente um telão aparecia em cima de tudo aquilo, parecia que seria um tipo de gincana, aquilo me deixaria um pouco mais animado, enquanto o homem gritava – você estão prontos ninjas? – os estudantes pareciam estar animados, sem mostrar nenhuma expressão eu apenas ficaria a olhar para a minha frente, quando de repente ele levantaria da bandeira, e alguns confetes eram jogados no ar, todos daqueles ninjas passariam na frente, deixando eu para trás, vendo que começaria eu rapidamente passaria a correr em direção do percurso, inicialmente era um pequeno pedaço de madeira, a mesma teria sido corado em um formato redondo e isto não ajudaria muito para me equilibrar, mas a espessura não era tão pequena, e por isto eu continuaria a correr e procurando manter o equilíbrio, olhava para o chão e veria apenas de água, mas estas estariam a mais ou menos dez metro do chão, não procuraria cair e passar vergonha para todo mundo, olhava um pouco a minha direita, aonde teria um vidro que parentava ser resistente, e lá eu poderia ver de três ninjas caindo... Correndo por alguns minutos teria um tipo de dado, então eu rapidamente o jogava caindo o número cinco, e uma pergunta viria a se tornada em uma pequena tela, parecia ser um tipo de calculo que eu não usaria para o futuro, em batalhas, mas por sorte eu conseguiria fazê-lo, não tinha um grande conhecimento em matemática, mas aquilo era o básico que eu poderia aprender, então rapidamente escolho da segunda opção e assim a porta se abria, olho a minha direita e vejo os restantes caindo, exceto um, que já começaria a correr procurando o primeiro lugar. Eu continuaria a correr, mas o mesmo era bem rápido, quando de repente obstáculos viriam a surgir no campo de corrida, troncos de madeira rolando em nossa direção, me desviaria com um alto salto e o mesmo fazia, quando algumas Kunais eram lançadas pelas laterais da parede, se esquivar viria a ser um papel difícil, eu estaria a competir com um aluno habilidoso, e o final estaria próximo, respirava profundamente e usava de toda a minha velocidade, quando eu viria a mudança no chão mostrando que estaria ao final, mas não seria o primeiro a chegar, e sim o segundo, de uma maneira eu não ficaria muito feliz com aquilo, por isto apenas sairia dali sem ao menos receber o premio de segundo lugar.

Os meus passos continuariam lentos, mas agora não seria pelo tedio que eu teria matado naquele tipo de evento que estaria a acontecer em Kumogakure no Sato, e isto por conta do cansaço que eu teria tido após de correr por todos aqueles obstáculos, e de uma maneira isto era bastante bom. Continuaria a andar, a minha casa não estaria muito longe, por isto eu iria até ela aonde ninguém ficaria a me esperar, por isto não me preocuparia em chegar tarde ou cedo, após quinze minutos andando eu entraria pela janela, e em seguida tomaria de um banho e comeria de algumas coisas, e por ai terminava o meu dia, descansaria um pouco.
-
Zeitgeist
Zeitgeist
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] Walter GM22dSN

https://www.narutorpgakatsuki.net/t68386-fp-lawliet-hawk-scarlet#509119

Re: [Filler] Walter - 28/5/2019, 18:00

@

Lembre-se de citar oque está treinando. Conhecimento Anatômico adquirido e +100 no Status.

_______________________

-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Walter - 4/6/2019, 20:16


HP: ❲ 275 • 275 ❳CH: ❲ 375 • 375 ❳ST: ❲ 00 • 04 ❳VL: ❲ 10 m/s ❳


Um tênue cheiro de poeira invadia meu quarto, motivado por uma brisa que forçava a sua entrada através de uma janela ligeiramente aberta. Um aroma que qualquer habitante do país do fogo sentiria falta noutra nação. Despertei de um pensamento que o fez fitar a parede durante longos minutos, aproximei-me da janela, deixando o vento dançar entre os meus fios de cabelo. Abrindo o resto da janela, ainda de olhos fechados, inspirei fundo, mantendo o ar em meus pulmões o máximo de tempo possível. Abri minha visão e firmei as arvores no horizonte, expulsei tudo o que tinha num agradável suspiro. – Acho que esqueci o numero de missões que ja fiz. – Disse num tom confiante. Num rápido movimento, saltei para o parapeito da janela e, verificando que levava tudo comigo, saltei para o telhado da casa mais próxima. Esta era a forma que usava para sair de casa, todos os vizinhos tinham boas relações e, mesmo que algum ladrão entrasse em casa, nada teria para roubar.

De fato, ainda era muito cedo e o cérebro ainda não conseguia processar todos os acontecimentos corretamente. Passado pouco tempo, cheguei finalmente ao meu destino. O centro da vila não ficava assim tão longe de de casa. No início da ponte, um grupo de adultos encontrava-se sentado numas pedras redondas, em volta de uma cortada de forma cilíndrica, fazendo de mesa. Bebiam café de uma caneca gigante e comiam carne estufada de uma travessa metálica. Parecia um pequeno-almoço demasiado pesado mas, de fato, o trabalho não iria ser muito fácil.

Da ponte, apenas restavam as duas cordas principais, que serviam de corrimão e estrutura. Faltavam todas as tábuas de madeira que compunham o chão do viaduto e reforçar grande parte do mesmo. – Hey, hey, hey, rapaz. – Disse uma voz grossa e rouca, vinda de uma silhueta que aparecia agora por trás de uma rocha grande, na periferia daquele penhasco. – O meu nome é Mario e sou o engenheiro responsável por essa obra. – Agora mais perto, era possível decifrar os traços do homem. De óculos redondos, um chapéu de palha, uma roupa larga, castanha escura e umas botas pretas, fazia sinal com a mão para mim e outros três colegas de igual graduação que agora encontravam-se ao seu lado. – Já sei que um colega de vocês não pode vir convosco, mas não se preocupem. Vocês devem bastar… O trabalho não é muito complicado. Só preciso que arranjem blocos de madeira da floresta mais perto. Os meus homens e eu ficamos para reforçar a estrutura para depois aplicar o chão. Depois disso, logo se vê. Se ainda não forem horas de acabar o serviço, pode ser que ainda nos ajudem a colocar essas mesmas madeiras. – Abanou o braço violentamente em direção a zona da floresta e acabou ali a apresentação da missão.

Dava a entender que aquilo tudo era para ser feito o mais rápido possível e os jovens compreenderam rápido a mensagem. Fui o primeiro a correr em direção ao destino, seguido mecanicamente por outro colega. Seu mais novo parceiro aproveitava aquele momento para dizer piadas sobre o engenheiro, relaxando bastante o ambiente de toda a tarefa. Mas eu permanecia irredutível. Chegando em um trecho, a dupla iniciou os trabalhos agarrando nos machados que tinham sido encarregados e começaram a atacar todas as árvores que apareceram na frente. Cada tacada era mais violenta que a anterior, e mais cansativa. Custava-se atirar a ferramenta em direção à árvore, aguentar o choque era ainda mais desgastante.

Um ângulo perfeito era necessário para a lâmina não ficar presa na madeira, para ser mais fácil continuar e repetir o movimento anterior. meu corpo brilhava, suor escorria-lhe pela face inteira. As veias estavam mais salientes devido ao esforço e pulsavam como se estivessem prestes a explodir. Dezenas de árvores deitavam-se no chão. Enquanto um tratava de separá-las da raiz, o outro cortava os troncos em pequenos blocos de madeira, com todas as medidas especificadas por Mario. Quando o trabalho começava a ficar cansativo, trocavam de posições, refrescando um pouco a mente com uma atividade diferente. Sem nunca pararem, a luz solar passou de um tom vivo e amarelado, para um calmo e alaranjado. Estiveram horas naquilo, horas de puro trabalho árduo. – Já chega! Já chega! – Gritoei, desarmando seu parceiro de começar uma série de machadadas numa nova árvore. – Já temos tudo o que precisamos. Vamos juntar metade destes blocos todos com esta corda e vamos ao encontro dos outros.


Finalmente! Já podiam sorrir. A felicidade apoderou-se deles como se nunca tivessem sido felizes antes. Já a caminho, transportar toda aquela madeira não era uma tarefa, de todo, fácil. Mas a dificuldade reduzida conferia uma satisfação tão grande, que era quase como se algo leve levassem consigo. – Sejam bem-vindos. Ia agora mesmo mandar alguém para ajudar vocês. – Disse o responsável, olhando-os de cima a baixo com ar de admiração. – Tenho que confessar que se comportaram melhor do que eu esperava. Até um adulto teria dificuldade em fazer esse trabalho. Os meus sinceros parabéns. – Antes que pudesse festejar, o engenheiro continuou logo a sua fala o mais rápido que conseguiu, atrapalhando-se um pouco nas palavras. – Ma- ma- mas ainda não acabou aqui. Só preciso que ajudem a colocar os blocos no local certo. Assim acabamos tudo hoje.


Só o fato de estarem livres de cortar as árvores já davam-lhe uma nova força para todo o resto, já que todo o resto parecia fácil em comparação. Assim, com toda esta energia, a colocação do novo chão não demorou muito tempo para ser concluída. Acumulei chakra em meus pés, meu colega caminhava em lados opostos da ponte, por cima de uma corda, sem perder o equilíbrio. Agarrando cada um uma ponta da madeira, caminhavam aos passos largos, largando os blocos no local ordenado. O peso, o equilíbrio necessário e o trabalho de equipe requeriam bastante concentração por parte de ambos. Os adultos faziam o mesmo trabalho em metade do tempo, mas nada que eu e meu companheiro devessemos se envergonhar. Estavam superando a expectativa de todos os presentes. – Hehehe. – Ria-se o velho, orgulhoso. – Não imaginam a emoção que eu tenho quando acabo um trabalho como esse e ainda por cima tão importante para a nossa vila. Estamos todos de parabéns, de coração. A união pode respirar fundo e com calma, o palácio do Kage encontra-se novamente acessível para toda a gente. Só tenho a desejar uma boa noite e depois tratamos de pagamentos. Descansem bem por que precisam, que eu também não movo mais um palito hoje. – Fitando a lua, os colegas de missão nem precisaram dizer nada um ao outro.

Acenando em tom de despedida, saltaram para caminhos diferentes, seguindo cada um para sua casa. Aquele dia serviria para relembrar de que o percurso que eles estavam prestes a seguir iria ser ainda mais difícil. Mas um caminho que honraria o seu País e todos os seus antepassados que lutaram pelo mesmo.






Roupas:
[Filler] Walter Latest?cb=20121120000300

Considerações:


Equipamentos:

✧ BOLSA DE ARMAS (20/20)
※ 5un; Kunai [5]
※ 4un; Shuriken [4]
※ 3un; Hikaridama [3]
※ 3un; Kemuridama [3]
※ 20un; Kibaku Fuuda [5]



Jutsus Utilizados:
Jutsus usados ou ativos.



-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Walter - 4/6/2019, 20:20


HP: ❲ 275 • 275 ❳CH: ❲ 375 • 375 ❳ST: ❲ 00 • 04 ❳VL: ❲ 10 m/s ❳

O dia amanhecera nublado quando Amargo levantou, com seu otimismo de sempre pensava no que faria, sentava-se à mesa da cozinha com sua agenda de anotações em mão sem nenhuma novidade, não tinha missões agendadas, estava livre. – Hoje é o dia que vou colocar meu corpo para treinar. – O seu plano foi por água abaixo quando a companhia tocou, era um pássaro mensageiro, fui chamado nos Arredores do vilarejo para uma missão.

Após terminar de tomar seu café e tomar seus apetrechos ninjas, Mee encaminhie até os limites dos arredores. Um pouco mais para frente do portão principal da vila uma gigantesca árvore estava caída, minha primeira ação foi subir em cima dela para ter uma visão privilegiada. O cenário apresentado era muitos camponeses, comerciantes e outros transeuntes fazendo daquela cena um espetáculo. Outros ninjas estavam no local e Amargo não demorou muito para tomar uma atitude. – Vamos, deem espaço, por favor. – Falava para um lado. – Com licença, para trás fazendo favor. – Dizia voltado para o outro. – Depressa com isso, tenho muito trabalho para fazer ainda, cada minuto que passo aqui é dinheiro que eu perco. – Dizia em tom hostil um comerciante, o mais preocupado com a situação. Não era para menos, sua carroça de mercadorias estava impossibilitada de seguir destino ante o incêndio alastrado nos arredores. – Entendo a sua frustração, senhor, mas é para a sua segurança e dos outros. – dizia com toda sua inocência tentava acalmar o comerciante. – Cale a boca, você é uma criança, tem tudo nas mãos, se soubesse o que é trabalhar saberia quanto de valor merece receber o dinheiro. – Rebatia equivocadamente o comerciante.

Acabei por dar meus ombros e comecei a ajudar os outros shinobis a serviço da união do fogo. Começou retirando os galhos da árvore maior que atrapalhava na passagem com o intuito de torná-la mais leve. Uma kunai era usada para auxiliár em missão, para ficar apenas o tronco. Aquela não era qualquer árvore, mais sim uma árvore grande. No meio do serviço, usando minha audição ouvi alguns ruídos e o detalhamento da missão o chamou a atenção nesse momento. Pegou uma Kunai, alertando seus colegas prontamente. Todos tomaram um papel de suspense quando, de repente, uma kunai com um papel explosivo inserido nela foi lançada na direção aos seus companheiros shinobis. Eu provido do Shunshin no Jutsu consegui escapar para a direção contraria ao lançamento, outros esquivaram-se e foram pegos de raspões mas o maior atingido fora o comerciante que insistia em permanecer averiguando o serviço dos demais, como um inspetor. – Droga! – Indagou o Caramelo. – Teimoso... – O suspeito de incendiário então tomou uma segunda investida e acabou aparecendo atrás de Amargo segurando uma kunai Invertida obrigando-o a ficar imóvel.

A resposta veio com a utilização de uma Hikaridama, no entanto, provido de sua herança genética e a habilidade de prever movimentos, o consegui se desvencilhar antes que aquela granada de luz antes que atingisse o solo. Cegando temporariamente o suspeito. Aproveitando-se dessa brecha foi a vez de Rorshach investir com a sucessão de socos na região do abdômen e queixo do homem. Nesse meio tempo, os outros ninjas que estavam igualmente a serviço do vilarejo ajudaram o membro da família Caramelo para que pudessem colocar um fim as ações do suspeito.

Na primeira vez desde a troca de gentilezas, pude tomar conhecimento de que se tratava de uma jovem não tão mais velho do que ele. – Esse idiota desse homem era sócio do meu pai e o traiu de tal maneira que ele tirou a própria vida. Deixando uma esposa e três filhos para criar. – Alegava voltado para o comerciante problemático. – Jax? É você, garoto? – Pela primeira vez o homem que se fazia de cego prestava atenção. – Aaaah, garoto! Eu vou te dar a lição que o inútil do seu pai deveria ter te aplicado. – Esboçava uma ofensiva, sendo interrompido por Amargo. – Recomendo que pegue suas mercadorias e de o fora daqui. – Dizia com o semblante sério o aspirante a herói. – Nós vamos levá-lo para o quartel e colher as informações, e se isso realmente se confirmar, eu vou pessoalmente até o senhor. – Encerrou fitando o comerciante nos olhos e levando o jovem sob custódia recebendo o pagamento referente a missão em seguida.

Naquele dia pensei que não fosse melhor ir para casa, pois o clima estava cada vez pior ali dentro, resolvi então caminhar um pouco pela vila, buscando entender o que se passava por outros lugares, cheguei a floricultura e Mei estava trabalhando ainda, chamei a mesma e ela veio correndo dando-me um beijo no rosto, dei um sorriso e balancei a cabeça um pouco, pedi para conversarmos em um lugar, suspirei fundo e falei para ela sobre meu irmão e seu sumiço repentino, a mesma dizia que não entendia como aquilo podia acontecer e me abraçou forte, pois não sabia a dor que aquilo me causava, apenas sorri, fomos juntos ao campo de treinamento onde a mesma deitou sobre meu colo e ficamos a conversar sobre os novos ninjas, sobre o festival do fogo, ela parcebeu que eu estava um pouco desconfortável, me entregou uma rosa e eu a coloquei em seus cabelos loiros como um apetrecho bobo, olhei para ela, aproximei nossas bocas e dei-lhe um beijo ao canto dos lábios, a mesma retribuiu corando as bochechas.

Ja estava tarde, olhei para ela e me despedi, fui em direção ao quadro de missões, onde eu pegaria mais uma missão rank C, tinha que focar em ganhar dinheiro e descobrir o paradeiro de meu irmão, pois somente assim, conseguiria de fato saber o que aconteceu, a uns dias atras passando pela vila, tive a impressão de vê-lo de longe, mas aquilo passou apenas como impressão, enquanto me afastava, Mei surgiu correndo atras de mim e abraçou-me pediu para que eu nunca abandonasse ela, não poderia prometer o que não podia cumprir, mas infelizmente disse que iria com ela para todos os lugares do mundo, pois era isso que eu faria.






Roupas:
[Filler] Walter Latest?cb=20121120000300

Considerações:
Filler Extra utilizado do pacote iniciante, no inventario ao lado.


Equipamentos:

✧ BOLSA DE ARMAS (20/20)
※ 5un; Kunai [5]
※ 4un; Shuriken [4]
※ 3un; Hikaridama [3]
※ 3un; Kemuridama [3]
※ 20un; Kibaku Fuuda [5]



Jutsus Utilizados:
Jutsus usados ou ativos.



-
Urameshi
Chūnin
Urameshi
Vilarejo Atual
Ícone : lathe biosas

https://www.narutorpgakatsuki.net/t70850-berserker

Re: [Filler] Walter - 5/6/2019, 10:52

aprovado.

_______________________

[Filler] Walter Susanoo-no-Mikoto-slaying-Yamata-no-Orochi-in-Kojiki
-
Conteúdo patrocinado
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Walter -

-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.