>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Satoru
Genin
Satoru
Vilarejo Atual
Ícone : [Filler] Sem fraquezas 100x100

https://www.narutorpgakatsuki.net/t64566-ficha-ban#465913 https://www.narutorpgakatsuki.net/t64614p150-mod-ficha-ban

[Filler] Sem fraquezas - 24/2/2019, 18:13


Em busca do conhecimento
Planejando o futuro




HP: 550/550
CH: 750/750
ST: 00/04

~ +100 STATUS e - DEFEITO (Fobia - Quionofobia) ~

Ban ao se retirar do local onde estava ocorrendo o exame chunnin, exame este que ele desistiu por não querer mostrar suas habilidades àqueles ninjas, seguiu até o campo de treinamento, local onde ele fica a maior parte do seu tempo, senão fazendo missões. Seguiu até o local andando bem tranquilamente, enquanto pensava no que tinha ocorrido com ele no exame, particularmente, na segunda fase do exame: - O que foi aquilo? Eu não consegui agir quando vi aquela neve... quando ela me tocou, meu corpo até se arrepiou. Porque tenho tanto medo de neve? E porque eu tenho sentimentos por algo? Pensou, até porque, depois da morte de seus pais o garoto não tinha muito interesse em ter sentimentos. Tanto é que seu companheiro de equipe, Obi, era um ninja cujo qual Ban não interagia muito, mesmo sabendo que eram da mesma equipe.

- Neve, o problema parece se isso. Eu preciso tirar esse medo, para conseguir ser uma pessoa que busco ser. Sem medo, sem sentimento. Pensava Ban, agora mudando sua rota de destino, e começando a correr em sua velocidade máxima. Seu destino era o posto de atribuição de missões. Quando chegou Ban foi atrás de uma missão que envolva o país das neves. Seu objetivo era o mais claro possível, enfrentar seu medo de frente. Se era ele que estava deixando falhas em Ban, era ele que Ban iria tirar, nem que fosse na marra. Na busca por algo naquele país, Ban não conseguiu achar. Mas não ficou nem um pouco triste. Seguiu até o responsável pelas missões da vila, aquele era um homem que Ban estava conhecendo até que bem, já que quase sempre o homem estava dando missões diretamente a Ban. - Oi. Tudo bem? Você teria alguma missão que envolva o País da Neve? Preciso ir para lá urgentemente, e não posso sair da vila sem motivos. Disse Ban ao homem, quando o encontrou. - E o que você quer fazer ali? Perguntou o homem a Ban, ficando bem pensativo.

- Eu possuo um medo incomum... tenho medo de neve. Isso é uma falha, uma falha que me fez sair do exame chunnin que estava participando. Eu preciso. Não, necessito ir para o país da neve, e enfrentar esse medo de frente. Não posso, não quero sentir medo! Ban falou sua real intenção, não que isso importasse ao homem, mas Ban sabia que este seria o único jeito de conseguir a missão. - Entendo, você tem quionofobia. Está bem, tenho mesmo uma missão para Iwa. Na verdade não é missão. Um dos Jonnins da vila irá para Iwa entregar um documento oficial para um certo homem que se encontra ali. Bem, não vejo problemas de você ir com ele, com a missão de ser ajudante. Dito isso o homem chamou o Jonnin a quem ele estava falando, e após dizer os motivos pelo qual Ban foi chamado para ir junto dele na missão, o homem aceitou de bom grado, e juntos, os dois seguiram em direção ao destino da missão.

- A viajem será longa, Ban, cansativa talvez. Mas admiro sua determinação. Diria o Jonnin para Ban, enquanto a equipe ainda seguia, estando passando agora pelos portões da vila em direção aos arredores da vila. - Acho justo saber seu nome, já que você sabe o meu. Diria Ban, mostrando ignorar o que o homem tinha dito. E este último respondeu Ban de bom grado, notando que o garoto tinha uma outra falha além de sua quionofobia, que era sua falta de sociabilidade: - Sou Nuke. Com isso os dois seguiram rumo ao destino, num silêncio dos dois lados da equipe. Os dois passaram pelos labirintos de terra de Iwa, localizados em seu arredor, depois passaram por um deserto seco, e depois por um campo denso e com muitas gramas baixas. Depois vieram as florestas com muitas árvores, e logo apos alguns locais com muito lamaçal, a qual a equipe teve de dar voltar para sair dali. Passaram também por montanhas, ilhas, minas, e vários outros lugares que com certeza não tinha em Iwagakure. Anoiteceu, amanheceu, anoiteceu, e amanheceu, esse era o melhor meio que Ban tinha para saber quanto tempo estavam fora da vila. Quase três dias.

E ainda continuaram suas rotas, e com tanto tempo juntos os dois acaram por fazer uma amizade, pelo menos uma amizade que iria durar apenas naquele momento da missão, sendo desfeia assim que aquilo acabasse. - Falta menos de um dia Ban, para chegarmos. Tome cuidado pois a partir daquilo já podemos ser surpreendidos por ladrões e mercenários. Disse Nuke para Ban, que concordou, mas não ativou seu Kanchi por acreditar que o Jonnin seria bom o suficiente para notar inimigos. - Estou cometendo uma besteira imensa ao deixar este homem no comando da localização... mas se ele iria vir sozinho, deve ser forte o suficiente para agir sem que eu precise me envolver. Pensou, enquanto continuava caminhando ao lado direito do Jonnin. Duas horas se passaram desde aquela conversa, até que o Jonnin arregalou seus olhos enquanto os dois continuaram se movendo normalmente. Ban notou o olhar arregalado, mas não demonstrou, apenas ativou seu Kanchi para conferir se tudo estava bem, tanto com ele quanto com o local aonde os dois estavam, e surpresa! Uma equipe de quatro ninjas estavam ocultos a vinte metros da equipe. Estavam atrás de uma das várias árvores que tinham ali no local. E Nuke estava bem, seu Chakra não estava diferente, o que significa que ele não tinha sido pego por Genjutsus e nem nada do tipo. Se ele não agiu, é por que tinha algum plano.

Após os dois andarem cinco metros à frente, o Jonnin desapareceu como se fosse magica. Ban mal pôde acompanha-lo, e olha que Ban se considerava rápido. O garoto com sua habilidade sensitiva tentou ver o que estava acontecendo, e com isso conseguiu localizar o Jonnin atrás dos quatro ninjas que estavam escondidos. O Jonnin assim que surgiu atrás dos quatro, fez com que o Chakra deles quatro sumissem do radar de Ban. - O que é isso? Cadê aqueles quatro Chakras? Pensou Ban, enquanto continuava caminhando em sua velocidade normal, como se nada tivesse acontecido. Logo após os quatro Chakras sumirem o Jonnin surgiu novamente do lado de Ban, e continuou caminhando com ele como se nada tivesse acontecido. - Sua habilidade é interessante. Disse Ban. - Não, seu Jinton que é! Respondeu Nuke para Ban. O garoto ao ouvir aquilo arregalou seus olhos e virou seu rosto para o homem, parando de andar no mesmo instante. - Como sabe disso? Este era um segredo, assim como todas as outras habilidades que Ban tinha e não queria que outros soubesse.

"shuu shuu shuu shuu". Após perguntar para Nuke sobre como ele sabia de suas habilidades, Ban ouviu vários objetos cortarem o ar, no entanto, não sentiu nenhuma presença de Chakra. Se virou ficando de costas para o Jonnin de Iwa enquanto notava uma saraivada de Kunais seguindo em sua e na direção de Nuke. - Um ataque! Pensou, e logo em seguida analisou um meio para se livrar dos ataques. - Certo, eu cuido diss- Antes que Ban pudesse terminar de falar, ele desapareceu dali e surgiu a dois metros atrás de um ninja que estava olhando para onde Ban estava outrora. Provavelmente era ele o inimigo que lançou os ataques. Ban rapidamente sacou uma Kunai por meio da sua mão direita e então fincou a lâmina no peito lado esquerdo do inimigo, mas tendo o ataque vindo por trás, em suas costas. Depois disso Ban retirou a Kunai de forma rápida e então pulou para cinco metros atrás. O ninja, que foi pego de surpresa, se levantou ferido, e ao olhar para Ban, caiu no chão no mesmo instante, já morto.

- Muito bom. Um ataque rápido, como esperado de você. Disse o homem Jonnin que surgiu atrás de Ban, elogiando-o. - Porque eu surgi atrás do inimigo? O que você fez? Essa não era uma habilidade de Ban, então, bem provável que era do jonnin. - Não importa. Assim como você não gosta que os outros saibam das suas habilidades, eu não gosto que saibam da minha. Agora vamos. Tenho um presente para você. Dito isso o Jonnin e Ban desapareceram novamente, surgindo num local onde o céu era um azul pouco escuro, e seu solo, fofo. Ban ao surgir ali e olhar para baixo, viu o solo todo branco, e ao olhar para cima, viu pequenas formas fofas caírem do céu. Algumas delas tocavam Ban, e outras iam para o solo. - Tenho poder de teleporte. Mas só funciona quando estou perto de onde quero surgir. Bom, como estávamos perto do país da neve, consegui nos teleportar para cá. Você agora está pisando na neve. Essa é sua fobia, não? Bem, se vire tentando sair daqui. Depois me espere na entrada daqui. Vou realizar minha missão. Dito isso o Jonnin se retirou dali novamente.

Ban, após ouvir tudo, nem mesmo prestou muito atenção na parte das habilidades do Jonnin. O garoto ficou paralisado, suas pernas e braços tremiam. Sua respiração ficava ofegante, seus olhos arregalados, e sua mente estava uma loucura. Não conseguia pensar em nada. Ban estava paralisado! - Não, isso, isso não é Genjutsu! Isso é real! O que eu faço? Me sento? Não, mais do meu corpo terá contato com o solo. Me deito? Não. Pulo? Não consigo, não aguento. Corro? Não, meu corpo não se mexe. O que eu faço? Não, não, não! Era isso que Ban pensou, quando conseguiu redobrar a consciência. - Porque eu tenho esse medo? O que eu fiz pra isso? Porque eu tenho medo disso? O que está acontecendo comigo? Não posso sentir medo! Mãe! Pai! O que está acontecendo? O que? Pensava Ban, que começava a chorar logo em seguida, até porque, a última vez que Ban sentiu medo foi quando soube da morte de seus pais. Lagrimas então escorriam por seu rosto, e em seguida caiam em pingos no solo.

- Filho, qual é seu Hobbie? Disse o pai do garoto. - Eu gosto de descobrir coisas novas... Respondeu Ban, que nem sequer pensou o qual estranho era seu pai estar falando com ele, se ele já estava morto. - Então, como você pode ter medo de algo que não conhece? Ban, pegue a neve nas mãos, sinta como é fofa, gelada. Gelada e pálida, igual como as pessoas ficam quando morrem. Toque nela, e pense em mim e na sua mãe. Estamos mortos. Gelados igual a neve. Pálidos igual a neve! Ban ao ouvir aquilo que seu ai te dizia, ficava ainda mais aterrorizado. Aquela neve gelada e pálida, aquilo lembrava o garoto da morte de seus pais, e era por isso que ele tinha tanto medo da neve. Era pelo menos isso que ele acreditou naquele instante. - Pai! mãe! Falou Ban enquanto chorava de tristeza. - Você não precisa chorar meu filho, você está tocando na gente, agora venha, venha viver junto conosco. Venha ser frio e pálido conosco! Dizia o pai do garoto. - Não! Gritou Ban, se abaixando no mesmo instante, e em dando um soco com força máxima atrás dele, como se tivesse alguém ali, e bingo, tinha.

- Como descobriu? Disse um homem, que estava com uma Kunai empunhada em sua mão direita, pronta para acertar Ban, mas que foi pego pelo golpe do garoto antes de tentar algum ataque. - Eu senti sua presença! Confesso que seu Genjutsu me afetou, mas eu sempre soube da sua presença! Após isso o homem pulou para cinco metros atrás, ficando agora a seis metros de distância de Ban, e ali tentou recuperar o fôlego perdido pelo ataque do pequeno. Ban sem medir esforços realizou sinais de mão e em seguida lançou sua bola de fogo em direção ao homem. Um calor tão forte que conseguiu derreter a neve que estava próxima. O homem recebeu o ataque sem conseguir se defender, e em seguida se retirou o mais rápido possível. Após o homem ir embora, Ban respirou profundamente, falando sozinho, logo em seguida: - A neve, gelada e pálida como uma pessoa morta. Isso me lembra meus pais. Não preciso ter medo de me lembrar dos meus pais. isso não me deixa mais fraco. Me deixa mais forte! Dito isso, Ban pegou neve pelas mãos e em seguida passou pelo seu rosto, como se estivesse sentindo o carinho de seus pais, e após isso ele se retirou do local, indo até o portão de entrada do país, que aliás, não tinha neve.

Após chegar o Jonnin logo em seguida chegou também. - Vejo que superou seu medo. Senão não estaria aqui. Bem, vamos embora? Ban concordou e junto se retiraram, seguindo até a vila, feliz por saber que não precisava ter medo da neve, algo que trazia agora boas lembranças ao garoto.




OBSERVAÇÕES
- Nenhuma.

Template do Kaay
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Sem fraquezas - 25/2/2019, 12:17

[Filler] Sem fraquezas NZyNX5p
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.