>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

[FILLER] Samurais. - 6/1/2019, 00:57


Filler

– Aaah... Tiuuuu! O jovem Lee espirrou alto, tateando os ombros com as mãos e agasalhando-se em seu casaco de frio. A neve caía incessantemente e parecia cada vez mais implacável, demonstrando toda sua imponência a medida que continuava caindo, mortal e constante. O clima do país do ferro não era dos mais agradáveis, principalmente para o jovem Izuku que estava acostumado a temperaturas calorosas embora houvesse passado longos períodos de inverno. – Esse frio só aumenta! Aaaatiu! Espirrou outra vez, deixando escorrer um pouco de muco do nariz antes de limpar com a manga do casaco. Kumogakure havia o enviado para um pequeno reconhecimento do país do ferro, um país composto exclusivamente por samurais que abominava shinobis. Era de extrema importância que não portasse nada que indicasse que fosse um ninja, e, portanto, suas vestes eram bem neutras, um casaco cinza de frio com algumas penugens brancas perto do pescoço com um capuz que lhe cobria até a testa.

Atravessou a fronteira fazia algumas horas e não demorou para entrar em uma região civilizada. Todos lhe olhavam estranho por estar vestido de maneira diferente, ou talvez por seu estilo incomum naquele país extremamente oriental graças aos samurais. Por falar em samurais, haviam militares por todas as partes com pelo menos quatro katanas em suas bainhas e armaduras de ferro com máscaras respiradoras. – Os Samurais estão bem modernos hoje em dia, ein... Disse baixinho, não queria que ninguém o interpretasse errado e o punisse. Foi logo para uma loja de roupas, queria se misturar o máximo possível com os habitantes do país do ferro para não comprometer seu disfarce. – Bom dia-gozaru Acrescentou o “gozaru” ao final pois havia lido que era assim que se comunicavam os samurais. O vendedor da loja olhou para o garoto e, vendo que não havia outro cliente, simplesmente deu uma risada inocente, explicando-se em seguida. – Ninguém mais fala assim por aqui, garoto. O que vai querer? Izuku ficou realmente envergonhado e abaixou o olhar, mas engoliu a seco e respondeu em seguida. – Err... Desculpa, vou querer uma roupa bem comum por aqui, mas que me proteja do frio. O vendedor avaliou, pesou e mediu o garoto com seus olhos experientes de vendedor, trazendo para ele uma roupa oriental e protetora do frio, assim como o rapaz havia pedido. – Você não é daqui, não é rapaz? Bem, não deixem descobrirem, não gostam muito de estrangeiros, lutei muito para conseguir ser aceito por aqui. Disse o vendedor, alertando o rapaz dos perigos de não esconder sua identidade. – Obrigado! Izuku agradeceu sorridente, trocando-se e em seguida partindo da loja ao despedir-se do vendedor simpático.

Sua missão era simplesmente perambular por aquele país, aprendendo o máximo que conseguisse sobre a cultura e costumes dos cidadãos e principalmente, dos militares que ali trabalhavam. Passei várias semanas por lá, onde fiz vários laços.

Era uma manhã fria, já estávamos no outono. Acordei antes de todos, pois sabia que devia me esforçar mais que todos se quisesse competir com outros ninjas que usavam ninjutsu. Vesti uma roupa básica que permitia movimentos mais ousados porque naquele dia, treinaria minhas capacidades físicas ao limite; até superá-lo.

Fiz uma caminhada de aquecimento até o centro de treinamento mais próximo para aquecer o corpo previamente. Não demorou muito e já estava entrando pelos portões, era uma área bem diversificada com os mais variados ambientes para treinos de todos os tipos de situações. Preferi um bioma florestal, onde teria ar puro para respirar bem durante o treinamento. Alongando os músculos, pude sentir a tensão saindo do corpo e tornando-o extremamente leve. – Aaaaaa! Que alívio.

– Heee... você já chegou? – Uma voz familiar soou logo atrás de mim, um sorriso inevitável se abriu no meu semblante quando me virei para olhar quem era. – Mas é claro, pontualidade é meu forte! – Retruquei.  Tratava-se de um amigo de infância, um dos poucos que tinha. Nossa amizade começou por ele ser um dos únicos que não zombavam da minha falta de habilidade, e desde então sempre brincamos juntos quando crianças, a amizade permaneceu e agora éramos ambos Genin. – Já veio preparado, Kin? – Fiz a retórica enquanto assumia uma postura de combate.

Kin era um usuário de Kenjutsu, e sempre andava com sua espada. – Pode apostar, Izuku. Venha! – A partida começou sem mais delongas, disparei com tudo e em questão de instantes estávamos cara a cara. Ousei um soco em suas costelas que foi rapidamente bloqueado pelo cabo de sua espada, no balanço de volta, girei o corpo para atingir o calcanhar em seu queixo com força total. Não obtive sucesso completo, mas o fiz perder o equilíbrio quando tentou defender-se com as mãos, ao que parece minha velocidade estava o impedindo de contra-atacar. Aproveitei a oportunidade para erguer o pé oposto ao usado anteriormente e abaixá-lo violentamente contra o topo do crânio de Kin.

O golpe encaixou e o fez curvar-se momentaneamente, mas sua resistência física não era de subestimar-se, e logo retrucou ao bater o lado sem corte da lâmina em meu pé de apoio. Cai de bunda no chão, o que lhe deu a oportunidade de tentar um corte de cima para baixo. Estar no chão, no entanto, não me impediu de parar a lâmina com a sola dos sapatos pouco antes de atingir-me ao prensá-la entre os dois pés. – Quê?! – Kin se assustou com a proeza. Girei o quadril para o lado para rebater a espada e aproveitei a abertura para aplicar um golpe com a sola na testa do rapa, erguendo-me do chão com uma cambalhota logo em seguida. Ergui uma das mãos e flexionei-a para chamá-lo a luta. – Come’on!

Kin zarpou com uma sequência de ataques, fui esquivando-me como pude até tropeçar e ser atingido por um golpe na costela (sem lâmina), rangi os dentes com o impacto mas retruquei com um soco em sua bochecha. Os golpes em seguida foram todos com sucesso, acertei e fui acertado inúmeras vezes, nem nos preocupávamos com defesas. Ao final, estávamos ambos destruídos e sem forças, jogados no chão de cansaço. – Foi um bom treino! – Abri um sorriso meio cansado.


Izuku; 275/275 | 325/325 | 00/04


Considerações:
Aparência: Aparência, traje igual ao da imagem, símbolo de Kumogakure gravado na máscara e pochete acoplada na nádega direita.

Post: Filler semanal.

Armas Básicas.
♦️ Kunai = 18
♦️ Kibaku Fuuda = 8

Técnicas:
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [FILLER] Samurais. - 6/1/2019, 12:31

@bls
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.