>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno
Últimos assuntos

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

[Filler] Kuroku - 17/11/2018, 23:09


O vento invadia seu quarto abruptamente fazendo as janelas chacoalharem e baterem algumas vezes contra a parede. O barulho despertava o garoto de cabelos brancos que ainda estava dormindo em sua cama macia e quente. Demorou para levantar, seus olhos precisavam se acostumar com a luminosidade que invadia o recinto ofuscando sua visão. "Droga!" Dizia colocando as mãos afrente do rosto afim de diminuir o clarão que lhe incomodava.

Minutos depois, agora com os olhos já abertos e acostumados com a claridade, o jovem se erguia de sua cama em um pulo e avançava diretamente até o banheiro de sua pequena casa. Lá ele tomou um banho rápido, pois a água gélida o arrepiava a cada vez que tocava seu corpo. Estremeceu ao sentir a primeira gotícula tocar seu corpo, e tomou o banho de maneira rápida. Logo em seguida se arrumou com seu kimono negro sob um sobre tudo branco, o que não era muito normal dentre os demais da vila, mas era confortável ao seu ver. Seguiu então diretamente até sua cozinha e por lá tomou um café da manhã reforçado.

Ao final, seguiu até sua bag de armamentos a prendendo em sua cintura de modo a ter um fácil acesso e assim seguiu para fora da casa trancando a porta em seguida. Do lado de fora de sua casa saltou sobre o telhado mais próximo, e assim partiu em meio a correria na direção do posto de missão, evitando alcançar o seu máximo para não se cansar. Seus passos pausaram assim que chegou na casa mais próxima do posto, conseguindo o vê-lo sem muitos problemas. Haviam um bom movimento apesar da hora, mas nada que o atrapalhasse até então.

Deixou seu corpo despencar de cima do telhado, pousando com os pés sobre o solo de forma suave impedindo de se machucar na queda. Levou as mãos até o interior dos bolsos e em passos lentos seguiu até o local. Dentro do recinto pode ver um maior movimento, ninjas de todos os ranks de um lado para o outro já pedindo suas missões como de costume. Não era diferente para si, por isso adentrou na sala de entrega parando afrente da mesa do responsável pela distribuição de serviços. -Bom dia senhor, vim pegar uma missão para mim se possível. Curvando-se como forma de cumprimento esperava pela resposta do homem.

Por estar bastante ocupado, se limitou a vasculhar sua mesa repleta de pergaminhos e escolher uma com o simbolo de um D, deixando claro o nível do serviço. O jovem se aproximou, pegando o pergaminho das mãos do superior, e partindo logo em seguida após agradece-lo. -Obrigado. Em meio a caminhada pelo corredor começou a ler a descrição do trabalho que tinha que fazer naquele instante. "Humm, bem simples de fato." Se tratava e sua primeira missão até o momento, e tinha noção de que devia começar de baixo.

Sem muita demora chegou a floricultura avistando logo na entrada a responsável pelo local. Bom dia sou Kurou Hayato, vim ajuda-la na loja. Com um sorriso tímido e um pequeno tremor na voz devido ao nervosismo o garoto se apresentou. -Ahh que bom que chegou, meu nome é Mari, preciso sair um pouquinho para resolver algumas questões, por favor pode ficar a vontade. Lembre-se, tem que usar macara quando for mexer com a limpeza, tem muita poeira. Após sorrir a moça partiu para fora do local.

Sem mais delongas, adentrou no local seguindo diretamente até o balcão. Se manteve ali por alguns instantes a espera de algum fregues, mas parecia que ninguém estava afim de comprar flores naquele dia. Entediado, seguiu até o armário de equipamentos, tirando dele um regador. Após colocar um pouco de água seguiu na direção das flores, despejando uma pequena quantidade de água sobre elas. Ao finalizar voltou até o armário, pegando assim uma vassoura e a pá para limpar, não se esquecendo da máscara que a moça havia lhe dito. Colocada em seu rosto, iniciou sua varreção pelo piso do local. Pouco a pouco a poeira se misturava as pétalas coloridas caídas ao chão até se encontrarem em um canto mais afastado. Lá, todas elas eram colocadas sobre a pá e jogadas dentro de uma sacola de lixo para ser dispensada.

Voltou-se para o balcão, e assim que chegou escutou o barulho do sininho o chamando. Avistou naquele instante o seu primeiro cliente do dia. -Bom dia, em que posso ajuda-lo? Com um sorriso e um pouco nervoso, perguntou o que ele queria. -Bem meu amiguinho, preciso de um buque bem bonito para levar para minha esposa, escolha as mais belas por favor. O jovem se afastou, seguindo até as rosas brancas que haviam no fundo da loja. Com todo o cuidado o garoto pegou uma a uma, as juntando em um buque bem arrumado. Apesar de ser sua primeira vez, o fato de ser bem organizado o permitiu fazer um enfeite muito bonito.

Com as rosas em mãos e um cartão a ser escrito, colocou tudo sobre o balcão dando o valor total do que o homem havia de pagar. -Aqui está, são 50 Ryus por favor. Com o olhar brilhando, o cliente tirou o dinheiro de dentro de sua carteira alegremente e deixou nas mãos do garoto agradecendo pelo atendimento. -Muito obrigado meu jovem, você me atendeu muito bem. Agradecido, saiu da loja. Na entrada o mesmo esbarrou na responsável pelo local que chegara no mesmo instante.

Ao chegar próximo ao balcão observou o interior da loja e o restante das flores analisando o serviço do garoto. -Humm, muito bem meu querido. Com um sorriso em seu rosto a moça abriu a carteira que estava guardada e deu ao jovem a recompensa pelo seu trabalho. -Tome, esse é o pagamento pelo seu ótimo trabalho. O garoto pegou o dinheiro das mãos dela e com um pequeno sorriso a agradeceu com uma reverencia. -Muito obrigado, até uma próxima. Assim, partiu da loja.

O jovem caminhava pelo centro da vila quando passou pela frente da biblioteca. Pausou sua caminhada voltando seus olhos para seu interior avistando uma moça parada e toda atrapalhada, tentando segurar uma quantidade bem grande de livros em seus braços. Não tinha nada a fazer naquele momento, e por isso avançou até o interior do local se aproximando da moça. -Ola, posso ajuda-la? Com um sorriso em seu rosto segurou os livros em suas mãos e seguiu até uma mesa próxima, colocando tudo sobre ela. -Muito obrigada me chamo Alice, eu estava toda enrolada, olha só como está este lugar, tudo sujo. Com um olhar um pouco cansado a moça se apresentava.

O garoto parou para pensar, e aproveitou que já estava por ali para ajuda-la em troca de uma recompensa. -Bem, posso ajuda-la. Me chamo Kuroku, e pelo que posso perceber você está bastante cansada, então vou te ajudar como forma de missão. Com um sorriso a moça aceitou a ajuda, agradecendo sua disposição para tal. -Muito obrigada, eu estou precisando bastante mesmo. A moça então foi até o interior da biblioteca, voltando em pouco tempo trazendo com ela uma vassoura, pano, pá e espanador. O jovem então pegou tudo em mãos e voltou-se para dentro do local.

Iniciou com o espanador, passando-o por todas as estantes e os livros guardados nelas, levantando uma nuvem de poeira que o fazia espirrar a todo momento. -Ahhhtchimm. Esfregava o nariz tentando amenizar a vontade de espirrar, mas sem conseguir muito. Foi até a vassoura seguindo para o próximo passo da limpeza. Começou então a varrer todos os cantos do lugar, sem deixar passar nenhum pedacinho levando toda a poeira e sujeira para a frente da biblioteca. Lá, ele colocou tudo na pá de lixo e jogou dentro de uma sacola.

Faltava pouco, seguiu então até o pano de chão úmido, começando a passa-lo pelo piso um pouco mais limpo. Pouco a pouco tudo foi ficando limpo, e seu nariz já não se incomodava tanto com a sujeira. Ao final levou tudo de volta ao armário, guardando os equipamentos utilizados. Um pouco cansado seguiu até a entrada da biblioteca chamando a atenção da moça que estava sentada. -Pronto, terminei. Satisfeita com a ajuda, pegou um piuco de dinheiro que tinha e entregou nas mãos do garoto. -Mais uma vez, obrigada pela ajuda. Aqui está. Com um pequeno sorriso o garoto se despediu.  


HP: 275/275 CH: 275/275 ST: 0/4


Considerações:
Palavras: 1401
+ 100 Status = 200 Mes up
Superar defeito: Timidez (1)
Obs: Conforme a nova regra, agora pode superar defeitos de 1 ponto através de filler, desde que tenha um aumento de mais 400 palavras.
Jutsus Usados:
Armas Levadas:
Kunais - 10
Kibaku Fuuda - 20 (espaço 5)
Hikaridamas - 5 (Espaço 5)
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Kuroku - 18/11/2018, 02:16

-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Kuroku - 18/11/2018, 22:50


Aproveitava o ritmo de treinamento para me fortalecer cada vez mais, e me preparar para o que viria pela frente. Caminhava pelo centro da vila me aproximando a passos lentos do meu campo de treinamento. O percurso durou alguns minutos, quando cheguei fui direto para o centro do local me posicionando de frente para uma grande árvore. Meus olhos se fecharam, comecei então a me concentrar mantendo a minha respiração vagarosa para me concentrar.

Meus olhos estavam fechados, meu corpo totalmente relaxado, tanto o meu fluxo sanguíneo quanto o de chakra estavam plenamente serenos, e minha mente estava focada. Minhas plantas dos pés recebiam uma certa quantidade de chakra, controlado pela minha vontade certamente, pois estava me preparando para uma das demais tentativas de subir a árvore que encontrava-se a minha frente sem o uso das mãos. A kunai já estava em minha mão direita, e o chakra em meus pés. Foi naquele momento então que avancei contra aquele tronco, correndo para subir em um único embalo. Havia ciência de que não tinha muita habilidade em controlar todo o meu chakra, mas o que eu possuía já me auxiliava bastante.

Sim, consegui subir parte da árvore, mas não muito é claro. Cheguei apenas até a metade, quando me faltou chakra e não consegui mais me manter preso, causando a minha queda imediata rumo ao chão. Caí de pé é claro, com o mortal que dei para me posicionar melhor para cair seria esse o resultado, mas antes disso consegui marcar até onde fui com aquele único impulso. Observei por alguns segundos o que tinha acontecido, e percebi que faltou um pouco mais de chakra para me manter preso. Logo, voltei a canalizar chakra em meus pés, para tentar mais uma vez. Respirei profundamente antes de me impulsionar novamente, estava bastante concentrado e isso estava me ajudando, também estava sendo ajudado pela paz que reinava no local. E assim foi, a nova tentativa de subir aquela árvore.

Me impulsionei novamente, com a mesma força que anteriormente, força aquele que me levou a subir e a subir cada vez mais, e mais e mais, até enfim passar da marca que tinha feito anteriormente. Mas ainda sim não foi o bastante, consegui somente dar dois passos a mais do que antes até cair mais uma vez. Antes disso consegui marcar no tronco, até onde consegui chegar. E lá estava eu, novamente de pé encarando a árvore que não consegui subir por completo.

Avistava as marcas no tronco da árvore, mostravam até aonde eu cheguei, mas não me senti desanimado. De maneira alguma eu pararia por ali. Mesmo que ainda faltasse bastante eu continuaria subindo e subindo. E assim fiz. Respirei profundamente, canalizei uma quantidade de chakra maior do que na ultima vez, e assim me impulsionei rumo ao tronco da árvore, com a kunai preparada em minha mão. E assim fui subindo. No entanto, não consegui subir muito mais do que já havia subido na primeira vez, pois a quantidade de chakra foi maior do que o necessário e fui repelido para trás, deixando uma marca no tronco da árvore, um pequeno buraco que se formou devido a intensidade do chakra. Cai de pé novamente sem marcar até onde fui, já que não passei de onde já tinha ido.

Percebi que também não podia usar muito chakra, para não ser arremessado do tronco da árvore até o chão. Tudo se tratava de concentração e um bom controle sobre o chakra, além da quantidade exata para deixar os meus pés presos ao tronco. Sendo assim, fechei meus olhos mais uma vez, respirei profundamente deixando o ar tomar todo o interior dos meus pulmões, e assim canalizei uma pequena quantidade de chakra nas plantas dos meus pés, sendo que o chakra estava um pouco mais intenso do que o normal. Minha intenção era manter o chakra intenso, porém em uma quantidade pequena, o que seria o suficiente para me manter preso.

Impulsionei-me mais uma vez contra a árvore e assim fui. Subi, subi e subi cada vez mais, correndo com todo o meu folego. Naquele momento percebi que estava fazendo o correto. Consegui passar da primeira marca, segundos depois passei da segunda, e não parei de subir. Consegui passar da metade do tronco, e ainda sim continuei. No entanto chegou um momento que acabei perdendo o equilíbrio, isso me fez perder a concentração e cair mais uma vez do tronco, sem antes marcar até onde eu fui. Cai de pé mais uma vez, mas ainda sim já tinha subido uma boa parte da árvore.

Me sentia insatisfeito ainda com o meu resultado, minha meta era a de chegar até o topo daquela árvore. Estava bem perto de conseguir isso, tendo em vista que chegara a um ponto bem alto, acima do meio dela. Fechei os meus olhos novamente, respirei profundamente e foquei no meu fluxo de chakra mais uma vez. Este estava tranquilo, percorrendo todo o meu corpo como um pequeno riacho sereno. Naquele ponto direcionei o fluxo até as plantas dos pés, criando assim uma pequena pressão sobre eles. Minha concentração estava muito grande, o silencio do local me ajudava, até porque tinha me afastado de todos os que estavam dentro do campo de treinamento. Abri os meus olhos ao me sentir confiante o bastante para seguir em frente. Impulsionei-me contra o solo iniciando uma corrida até os pés da árvore. Saltei até o tronco assim que me aproximei voltando a subir pelo tronco.

Corri bastante conseguindo subir cada vez mais ao longo de todo o tronco, bastante marcado devido as diversas tentativas feitas até aquele momento. Cheguei no meio do tronco em pouquíssimo tempo, em meio a corrida dinâmica e sem cair até então. O meu fluxo de chakra estava constante, até aquele momento estava tudo andando bem, eu consegui subir mais e mais sem cair. Passei do meio do tronco daquela enorme árvore avistando a frente a parte mais alta da mesma, desejando estar ali. Isso me animou e me fez correr ainda mais, me aproximando cada vez mais do meu objetivo, o topo. Até o momento minha concentração era excepcional, o meu fluxo de chakra foi o bastante para me manter preso a árvore por bastante tempo, enquanto o meu corpo relaxado enquanto corria velozmente me ajudara na concentração. Consegui chegar praticamente a mais de 3/4 de altura daquela árvore, pensei até mesmo que chegaria ao topo em alguns segundos, mas não foi o que ocorreu, pois por algum motivo acabei perdendo a minha concentração voltando a cair no chão depois de ter marcado o ponto aonde cheguei. Cai de pé sobre o gramado esverdeado olhando para cima, vendo até onde tinha chegado.

Respirei fundo, pois faltava muito pouco e eu já tinha me adaptado bem a quantidade de chakra que estava gastando. Tanto que era imperceptível o seu uso, e até mesmo o seu desgaste. Diferente de antes, quando estava na academia, quando qualquer técnica me cansava. Bem, faltava pouco mesmo, foi então que voltei a me concentrar e a respirar fundo. Tendo o controle sobre o meu fluxo de chakra o manipulei de forma a fluir até a sola dos meus pés mais uma vez. Antes de mais nada fiz alguns pequenos ajustes finos, não queria cair novamente. Feito isso saltei contra o tronco da árvore, seguindo em frente ao subi-la correndo com toda a vontade. Daquela vez tudo estava indo conforme o planejado, nada me faria cair e o topo chegaria em questão de segundos, assim esperava. Bem, tinha se passado um minuto mas só tinha passado da metade do tronco, o que eu já tinha feito nas outras vezes. Aumentei a minha velocidade correndo e correndo, subindo mais e mais. Cheguei aos 3/4 de altura da árvore novamente tendo a visão da última marca feita pela minha kunai. Prossegui então já sabendo que agora, com toda a certeza eu conseguiria chegar até o fim. Quase um minuto depois lá estava eu, sobre a copa da árvore avistando a linda visão privilegiada do sol no horizonte. Enfim, foi perfeito.

Me coloquei a dez metros de distância da árvore já bastante marcada por minha arma em punho, e a mirei bem em seu centro visualizando-a como um alvo. Puxei uma grande quantidade de ar em meus pulmões me concentrando bastante, por fim a lancei contra o alvo com toda a minha força afim de crava-la bem em seu tronco. O mesmo exercício foi feito durante algumas horas, tendo grandes falhas, mas que ao s poucos com seus ajustes se aproximavam do hesito. O fim chegou quando atingi o centro exato do ponto em que mirava, me dando a oportunidade de finalizar o treino e partir para a saída do campo de treino.


HP: 275/275 CH: 275/275 ST: 0/4


Considerações:
+ 100 Status = 200 mes up
Superação de Inabilidade Armamentista (1)
Palavras: 1461
Jutsus Usados:
Armas Levadas:
Kunais - 10
Kibaku Fuuda - 20 (espaço 5)
Hikaridamas - 5 (Espaço 5)
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Kuroku - 19/11/2018, 01:16

-
Conteúdo patrocinado
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Kuroku -

-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.