>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

[ Filler] Os Contos de Mordred, a Princesa - 9/11/2018, 22:08


—— Sharingan II


Pincelou-se no rosto da pequena Pendragon uma expressão furiosa. Contaminada pela cólera irrefreada, seus olhos mancharam-se com a tintura escarlate que corria dentro de suas veias como um estigma transcendental. Não foi a primeira vez que demonstrou a capacidade de acessar aquele poder ocular, porém naquele momento em específico, sentada em uma cadeira dentro da biblioteca de Iwagakure, escondida dos guardas na calada da noite e dentro da sessão privada, a Pendragon foi incapaz de conter um suspiro pesado como uma bufada. Sobre seus pequeninos dedos descansava um pequeno registro que comprovava com precisão todas as crueldades que ocorreram com seu povo durante o período em que esteve encarcerada — período esse que só lembrara após a pequena tortura psicológica de Yurai Shizuku, sua maior cúmplice. Sim, cúmplice, pois cometeram um crime inominável e inconcebível para a sociedade shinobi; descobriram a verdade. Mordred sentiu um nó poderoso envolver sua garganta como se uma cobra lhe estrangulasse. Estava com raiva e os dedos apertavam com força a capa do registro. Sentia-se frustrada e prestes a destruir tudo. Eles lhe temeram por tanto tempo sem que tivesse feito nada de realmente perigoso ou desleal. Escolhera a vida de shinobi como uma jovem comum, mas jamais havia esperado por tamanha crueldade por causa do sangue que corria livre em suas veias. Ela levantou-se e conteve as lágrimas que aglomeravam-se no seu rosto. Não choraria, não agora. Iwagakure no Sato e seus líderes haviam sentenciado-lhe a mais cruel das torturas e era hora do retorno. Ela partiria dali até Yurai Shizuku e juntas orquestrariam o maior plano de assassinato da história.

—— Sharingan III



Essa história ocorreu dias depois, embora um pouco mais... intensa do que aquele período na biblioteca. Nenhuma lágrima escorria pelos seus olhos, porém gotículas de sangue escorriam-lhe a testa de maneira contida. Estava ferida e ofegava como se tivesse participado de uma maratona de nado com corrida. Queria simplesmente desabar diante daquela cela e desistir de tudo; simplesmente perdera as esperanças depois de seus olhos vislumbrarem a triste e decadente situação em que Yurai Shizuku se encontrava. Iwagakure no Sato novamente lhe havia tomado algo de importante, porém dessa vez era muito mais precioso que a sua própria vida ou as noites que perdera com pesadelos manchados de negro e acinzentados de maneira sinistra.

— Porque fizeram isso com você? — Perguntou-lhe embora soubesse que a jovem do Yureigan jamais responderia por causa do semblante traumático e em choque. A Princesa Dourada cerrou os punhos e permitiu-se preencher-se de fúria. Mesmo que tivesse assassinado dezenas de membros da unidade de caça do vilarejo, porque sentia como se tivesse falhado em golpear a pedra? No fim, era ela que havia sido ferida mais uma vez. Mordred estava cansada e infeliz. Queria chorar, mas seu corpo ardia em chamas da mais pura raiva. Ela atravessou as grades e ignorou o corpo destruído a sua esquerda. Ele teve o que merecera. Carinhosamente tomou sua amada nos braços e ergueu-se com cautela, atravessando um longo corredor recheado de cadáveres e desaparecendo em meio a escuridão. Seus olhos, porém, brilhavam intensamente enquanto imersa na penumbra. Três tomoes indicavam o estágio de maturidade suprema, bem como sua ascensão de menina para mulher

—— Forma Jinchūriki Inicial



—— Quem é você? —— a Pendragon dos cabelos dourados parecia um pouco confusa com a pergunta.

——.Eu sou a grande Raposa de Nove-Caudas que salvou sua vida! — A Nove-Caudas respondeu soando de maneira debochada. E realmente estava certa. Em uma investida audaciosa e extremamente arriscada, a Uchiha havia utilizado das suas capacidades físicas e espirituais no seu ápice para confrontar o poder total de Uchiha Mikoto. Fora capaz de suportar danos normalmente irreparáveis para ninjas comuns, porém manteve-se agarrada a sua vontade insaciável de viver e proteger as pessoas para que finalmente derrotasse o homem. A vitória, entretanto, teve um custo: sua morte. Esse custo, porém, fora substituído pela liberdade da raposa alaranjada. Em um movimento de altruísmo que simplesmente não combinava com seu perfil, a Besta com Cauda transferiu toda a sua essência do Uchiha para a Pendragon e garantiu que a mesma pudesse viver mais um pouco. Mordred fora salva pelos seus companheiros, mas somente dias depois finalmente entrou em contato com a besta. Era agora uma Jinchūriki.

— Hmmm... Certo. Você disse que eu poderia iniciar o treinamento pegando uma parcela do seu poder bruto, porém eu deveria concentrar-me apenas em uma parte pequena para não sobrecarregar-me... — Relembrou-se. A Uchiha cerrou seus olhos e permaneceu calada por um momento, acedendo a energia da Nove-Caudas e sentindo-a preencher suas próprias reservas. Marcas acentuaram-se em seu rosto e seus caninos cresceram. Seus olhos tornaram-se puramente vermelhos, porém nenhum Sharingan poderia ser reconhecido ali. Era bestialidade pura, porém controlável. Mordred se sentia forte e corajosa, era capaz de fazer qualquer coisa.

—— Versão I - Primeira Cauda



Nove-Caudas chamava-se Kurama. Mordred nunca parou para pensar realmente o motivo pelo qual uma raposa alaranjada de nove caudas com o tamanho de uma montanha tinha um nome tão careta como "Nove-Caudas", mas uma parte sua sentiu alívio pela criatura mitológica ter um nome um pouco menos vergonhoso. Elas tornaram-se amigas sem muitos problemas, sobretudo porque a fera havia escolhido o cárcere para que pudesse salvar a humana que tinha salvado as bestas com cauda da prisão. De toda maneira, tiveram que passar várias horas isoladas em desertos extremamente secos e colinas extremamente frias, adaptando seu corpo e sua mente para o poder que cada vez mais a Princesa Dourada demonstrava acesso e domínio. Kurama parecia um pouco desconfortável com a maneira simples como a Uchiha controlava os seus poderes, mas preferiu engolir o orgulho e continuar servindo como guia.

— Isso é estranho. Sinto como se uma parte da minha humanidade estivesse mesclada aos seus... instintos animais. Mordred estava com os quatro membros — superiores e inferiores — sobre o solo gramado. Um estranho manto de chakra borbulhante fervia através do seu corpo e agia como uma forma de proteção e também poder. Era como uma extensão do seu corpo e era visível que algumas poucas caudas bailavam nos ventos e serpenteavam na retaguarda da kunoichi. Era uma mescla estranha entre raposa e humana, mas o poder era realmente muito superior a forma mais básica a qual passara semanas dominando sem descanso.

— Você está indo bem, pirralha. Continue assim e logo será capaz de dominar todo o meu poder. — Kurama parecia orgulhosa com suas palavras.

—— Versão I - Segunda Cauda



Uma Princesa renegada, sim. Uma mulher que simplesmente não dava a mínima para a sua aparência física e aceitava veementemente transformar-se numa criatura grotesca composta por chakra rubro e que rosnava para quaisquer coisas em um raio de 10 metros, não. Mordred tinha seu orgulho e apego feminino. Haviam certas coisas que simplesmente seria incapaz de fazer, não importava o quanto se esforçasse e quanto do seu orgulho engolisse. Mesmo assim, de alguma forma convenceu-se a treinar arduamente aquela transformação até que enfim pudesse controla-la com perfeição. Era uma Jinchūriki bem nova e na sua idade, poucos tinham chegado com tanta facilidade até o nível em que se encontrava, porém não tornaria-se soberba e permitiria que a confiança lhe cegasse. Uma longa jornada ao lado da raposa de Nove-Caudas — agora conhecida como Kurama — esperava-lhe e ela precisava dominar aquilo. Suas primeiras tentativas foram um tanto quanto dolorosas e envolveram permitir que sua própria carne fosse parcialmente arrancada e mesclada ao chakra — uma situação bem desconfortável, diga-se de passagem —, mas com o tempo, tornou-se bem simples moldar-se no manto de duas caudas e não destroçar seu próprio corpo para atingir a transformação. Embora sua aparência fosse bestial, o domínio dos poderes da fera permitiram-na aceder a transformação sem que se sentisse menos inteligente e mais propensa a jogar-se sobre um novelo de lã. Ela nem mesmo abanava a cauda quando lhe faziam carinho. De qualquer forma, permaneceu em treinamento árduo com Kurama e percebeu que através daquele modo ela era muito mais poderosa que o comum, sendo inclusive capaz de resistir grandes danos sem esforço.

—— Versão I - Terceira Cauda


Mordred sentia-se estranha. Era como se estivesse envolta em chamas iridescentes e incrivelmente mornas. Seus passos cadenciados lhe levavam através de uma estreita ponte de madeira. Era como uma besta quadrúpede — seus quatro membros prostravam-se no solo com a leveza de um felino. Kurama era sua mentora naquela tarefa de domínio mental: aconselhava-lhe acerca da melhor forma de dominar seus poderes como receptáculo, sobretudo porque havia feito morada nos corpos de incontáveis figuras históricas e messiânicas através da história do mundo. Mordred era um só com a matéria energética expulsa do seu corpo. Sentia o movimento dos três apêndices traseiros bailando através do ar e como um instinto básico, era capaz de controla-las. Eram uma extensão do seu próprio corpo, afinal de contas. A princesa apoiou-se sobre as "patas" e como se fosse um gato, preparou-se para um salto. Um movimento veloz e extremamente bem estruturado fazendo valer cada gota de energia latente e potencial nos seus músculos inferiores. Arrastando poderosas correntes de ar a jovem voou em um lampejo e pousou sobre uma grande árvore do outro lado da ponte. Kurama permanecia em silêncio, permitindo que a Pendragon dos cabelos dourados pudesse se concentrar tão somente no domínio dos seus instintos predadores e selvagens. A jovem calmamente desceu da árvore e pousou graciosamente no terreno pedroso, sentindo a vida na terra abaixo das suas patas. Era como uma verdadeira raposa, perspicaz e sagaz galgando no próprio caminho. Por fim, sentia-se demasiadamente isolada naquelas regiões montanhosas e decidiu viajar até a cidade mais próxima.

—— Versão I - Quarta Cauda


Kurama alertara-lhe que a partir daquele ponto as coisas seriam um pouco mais complicadas que o habitual. No entanto, a Pendragon jamais cogitou que violência e selvageria surgiriam simplesmente quando acedesse de maneira desleixada à quarta cauda. Seus olhos tornaram-se muito mais vorazes e assassinos que o habitual e a inteligência pouco a pouco lhe era ceifada. Mordred esfregava os olhos com vontade conforme a insanidade manchava sua mente. Kurama lhe aconselhou que em momentos como aquele, era ideal ater-se a pensamentos simples e a pessoas que de alguma maneira lhe eram importantes, Naquela altura importavam-lhe os habitantes de Konohagakure no Sato e fez deles sua ancora conforme mergulhava em trevas. Como uma mãe salvando seus filhos, a Nove-Caudas tomou a energia da jovem e permitiu-lhe cair sobre os próprios joelhos. Estava exausta e fraquejava como uma criança.

— Pensou que estava preparada? — A fera parecia zangada. Um nó formou-se na garganta de Mordred e se apertou como se fosse estrangula-la. Aquele era um nível de poder mais bruto e selvagem do que jamais havia alcançado, porém era necessário um maior controle dos seus sentimentos e chakra para que pudesse utiliza-lo de maneira eficaz. A Uchiha dispendeu algumas boas semanas isolando-se do mundo material e emergindo na sua própria solidão. Era uma maneira que encontrara para tornar-se mais sábia por conhecer mais a respeito de si mesma do que conhecia outros. Dias depois, dessa vez com o apoio da Nove-Caudas, ela finalmente foi capaz de liberar a quarta cauda e dominar a própria bestialidade, de maneira a utilizar aquela forma em combate.

—— Versão I - Quinta Cauda


— Concentre-se. — Kurama lhe repreendeu.

— Eu estou concentrada. — Mordred resmungou com os olhos fechados e posturando como se estivesse meditando.

— Não está não. — Replicou-lhe com um tom mais severo.

— Como você sabe? — Questionou com incredulidade.

— Estamos conversando, pirralha. — Kurama vencera a contenda com essa ultima frase e com isso a Princesa assentiu com um suspiro e permitiu-se continuar com seu treinamento. O outono viera e com ele as folhas pouco a pouco murchavam as suas cores e empilhavam-se através das estradas e na beira dos córregos, multicolorindo o cenário. Mordred estava em um exercício simples que tivera que passar a replicar desde que dominara a quarta cauda: consistia basicamente em aceder psiquicamente ao chakra de Kurama e gradativamente mescla-lo ao seu próprio, como uma forma de dominar os poderes aparentemente infinitos da besta com cauda. A Pendragon não sentia-se bem naquele momento para que executasse treinos tão calmos,mas era necessário e preferiu não questionar o demônio alaranjado gigante que vivia dentro do seu corpo.

Pouco a pouco o manto avermelhado nasceu através de pequenas bolhas que saiam do seu corpo e mesclavam-se umas as outras como se estivessem tecendo uma segunda pele. Por fim, seus dentes caninos tornaram-se mais afiados e os olhos mancharam-se de um vermelho voraz. Com o passar dos instantes, pequenos apêndices energéticos que simbolizavam a parcela de chakra tomada de Kurama começaram a aparecer: uma, duas, três, quatro e por fim, cinco longas caudas dançavam no ambiente como se fossem extensões do corpo da Uchiha. Permaneceria treinando sua própria mente até que finalmente atingisse o ápice do controle da fera.

—— Versão I - Sexta Cauda


Uma enorme cratera e um pequeno ponto luminoso brilhando em vermelho no seu centro. Pequenas raízes vermelhas semelhantes as brasas de um vulcão pareciam estourar como veias através do solo — era como se uma parte dos campos do inferno fosse conjurada na terra. Semanas em treinamento haviam se passado desde que a Uchiha dominara a quinta cauda e era chegado o momento de dar um passo a frente rumo ao domínio completo. Seis caudas adornavam seu semblante e projetavam-se a partir do manto carmim. Seus olhos corriam cautelosamente através do ambiente e procuravam por uma presa.Tolo, entretanto, seria aquele que duvidasse da sua capacidade de manter-se sã diante da energia maligna naturalmente emanada pela Bijuu mais forte. Mordred estava muito mais intensa e poderosa naquela forma, mas continuava em pleno exercício das suas faculdades mentais e através do exímio controle emocional mantinha-se ilesa dos danos psicológicos causados pela transformação. Ela saltou com um impulso e pousou poucos centímetros a frente da cratera, admirando o ambiente; era uma floresta de árvores bem grandes e espaçosas,  onde facilmente poderia utilizar dos seus poderes sem que sobrecarregasse alguma estrutura natural. Kurama permanecia bem atenta as nuances na personalidade e no chakra do seu receptáculo, preocupada porque haviam se passado dezenas e mais dezenas de anos desde que alguém fora capaz de dominar seu poder. No entanto, algo dentro do seu peito ardia quando pensava na semelhança entre Mordred Pendragon e um antigo garoto de uma profecia milenar que se concretizara quando o mundo quase conheceu seu fim pela progenitora do chakra.

—— Versão I - Sétima e Oitava Cauda


— Você está quase lá, pirralha!

— Fica mais fácil quanto mais vezes eu tento. — A Pendragon dos cabelos dourados mencionou um pequeno detalhe naquele árduo treinamento que já perdurara por semanas intermináveis. Ela estava com o corpo pendendo sobre a superfície inferior de um galho de árvore, completamente parada e de cabeça para baixo, suportada apenas pela emanação do seu próprio fluxo de chakra. Aquele era um treinamento básico praticado pela maioria dos shinobis que iniciavam sua caminhada através do caminho ninja, porém era igualmente benéfico para alguém como Mordred, que estava treinando para controlar o chakra instável e selvagem de Kurama. O manto avermelhado borbulhou e pouco a pouco nasceu através das suas vestimentas, agrupando-se e mesclando sua massa para tornar-se um manto com orelhas de raposa e sete longas caudas bailando no vento. Era uma forma mais ofensiva e que necessitava de maior experiência entre shinobi e Bijuu, porém seu contínuo treinamento tornavam-na apta a tentar algo daquele nível.

— O segredo não gira em torno de apenas dominar o meu chakra. Se você quiser verdadeiramente atingir o seu potencial, é necessário que você aceite inconscientemente que esse chakra também faz parte das suas reservas de energia. Não é apenas um poder emprestado, mas algo que faz parte da sua identidade como shinobi e deve ser honrado como tal. — Kurama lhe explicava com um olhar crítico sobre sua postura de calmaria e concentração. Era desnecessário que continuasse treinando o uso ofensivo daqueles mantos; seu corpo adaptara-se pouco a pouco aos efeitos de selvageria e aos súbitos aumentos em sua velocidade, percepção, força física e até mesmo resistência física. A Princesa de Lucis ponderou se era aquilo o que significava aceitar inconscientemente o poder da besta com cauda. Ela estava animada com aquela específica sessão de treinamento e decidiu que estava mais do que na hora de definitivamente caminhar através de níveis mais altos e até então inexplorados. Concentrada, a Uchiha tomou uma parcela maior do Chakra de Kurama e sentiu que o manto borbulhou abruptamente, fazendo nascer dali uma oitava cauda. Era arriscado manter-se avançando cada vez mais, porém era corajosa e um pouco inconsequente para aquele tipo de coisa. Kurama nem mesmo reclamou. Estava cansada de dar broncas na monarca e de nada adiantarem para corrigir o seu comportamento. Mordred poderia ser incrivelmente cautelosa em certos momentos e indiscutivelmente perspicaz também, mas em outros era comparável a uma criança distante da presença dos pais. Sentiu um peso na consciência com o nascimento da oita cauda — estava praticamente com todo o poder de Kurama, afinal. Por um momento, seus pensamentos foram tomados por uma voraz e inconcebível sede de sangue. Eu preciso... suportar... Suas memórias estavam embaralhadas e extremamente confusas, quase inacessíveis. Pouco a pouco, no entanto, através dos vários discursos e conselhos de Kurama, a kunoichi atravessou as próprias limitações e perseverou diante do problema. Sua consciência gradativamente se reascendeu e ela recuperou o controle do seu corpo e da sua mente. Kurama não costumava dificultar nada, era simplesmente a natureza do seu poder ser tão custosa para se dominar.

—— Versão I - Nona Cauda


Mordred perseverou e finalmente dominou por completo o manto energético vermelho concedido pela Nove-Caudas. Tal como o número de apêndices na criatura selada no seu interior, nove longas caudas haviam brotado da sua retaguarda e balançavam freneticamente no ar como se fossem uma extensão do seu corpo. Tornara-se muito mais capaz de controla-las através do tempo, transformando-as definitivamente numa extensão do seu corpo de maneira que era indistinguível de seus próprios membros humanos. Tomando uma parcela muito mais significativa dos poderes da besta, sua percepção dos arredores, instintos, força e velocidade finalmente atingiram o ápice do poder concedido pela fera. No entanto, através da utilização daquele poder, Kurama revelou-lhe que aquela era na verdade apenas uma parcela do treinamento e que haveriam novas formas e poderes que através do seu próprio esforço seriam desbloqueadas.

Mordred estava extremamente cansada após dezenas de tentativas e dias dispendidos treinando o manto da besta com cauda.Esperava poder descansar mais do que havia feito no decorrer da semana, mas a tutela da Nove-Caudas era implacável. A besta negou prontamente quaisquer regalias que desejasse e de imediato lhe submeteu a treinamentos mais severos que incluíam trabalhar sua quase perfeita mescla do chakra selado da criatura com o seu próprio, bem como  igualmente manter-se transformada por longos períodos de tempo como uma maneira eficaz de combater oponentes mais poderosos. A Princesa lembrava-se com clareza do estranho manto dourado conjurado por Uchiha Mikoto durante o combate mortal na dimensão da ruptura, mas não recordava como era possível obtê-lo e tampouco se havia diferença entre o seu próprio poder e aquele. Eram questões jogadas ao vento que um dia retornariam e seriam respondidas devidamente.

—— Versão II


Erro.

Mesmo o progresso é acompanhado pela falha. Essa é uma verdade imutável que nem mesmo a portadora do espírito de Indra foi capaz de desmentir. A cena era como em um filme de terror: suas quatro patas prostravam-se no solo e um manto muito mais avermelhado e corrompido cobria-lhe o corpo, lhe dando a aparência de uma pequena e descontrolada raposa de Nove-Caudas. Sua pele fora completamente dilacerada pela expulsão do chakra maligno e olhos brancos completamente vazios estavam pincelados no seu rosto. Duas grandes orelhas de raposa surgiram também, mas a forma física daquele manto dava a impressão de tratar-se de algo muito mais carnal e físico do que meramente uma segunda pele composta unica e exclusivamente por chakra. A Pendragon em sua forma bestial arfava e parecia rosnar para o ambiente, mas no seu subconsciente, lutava com todas as forças para manter-se no controle. Aquela era uma transformação muito mais avançada do que qualquer outra que havia dominado até o presente momento. A Princesa de Lucis, como havia sido recomendado pela Nove-Caudas, ateve-se somente aos seus pensamentos mais fortes e sinceros que contrastavam a bestialidade e a selvageria do chakra da Kyuubi.

— Você é capaz, criança! Controle-se! — Kurama parecia realmente preocupada, mas simplesmente tomar de volta o seu chakra não amadureceria Mordred. Pelo contrário, lhe tornaria temerosa daquele poder e construiria uma barreira que bloquearia o seu sucesso. A Uchiha permaneceu atrelada aos seus pensamentos e como em um intenso cabo de guerra, constantemente perdia e ganhava contra o ódio. Felizmente, através do apoio da companheira peluda, finalmente foi capaz de dominar aquele estágio.


Info:
—— Atualização de Regra disse que quem tinha os modos e o Sharingan tinha que realizar um Filler com 250 palavras para cada Modo/Tomoe e foi o que eu fiz. Modo Biju foi treinado junto com Biju "Name" Mode em RP e Chakra Mode foi treinado na primeira dominação da Kurama, em outro RP. É isto.

—— https://www.narutorpgakatsuki.net/t46942p480-fixo-atualizacao-de-regras#446953
-
'Schrödinger
'Schrödinger
Vilarejo Atual
Ícone : [ Filler] Os Contos de Mordred, a Princesa 8e54bf24474c86b68496ba784ed7878a

https://www.narutorpgakatsuki.net/t63640-fp-schrodinger-1-5#456006 https://www.narutorpgakatsuki.net/t62242-g-ficha-schrodinger

Re: [ Filler] Os Contos de Mordred, a Princesa - 14/11/2018, 08:18

@Aprovado
- Qualquer erro de avaliação, poderá ser avaliada de novo.

_______________________

[ Filler] Os Contos de Mordred, a Princesa ?imw=512&imh=288&ima=fit&impolicy=Letterbox&imcolor=%23000000&letterbox=true
O sistema me usa e eu uso o sistema.
King Of The Dead - B.B
One Who Has Triumphed Over Adversity
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.