>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

ChiLongQua
Chūnin
ChiLongQua
Vilarejo Atual
Ícone : [FILLERS] CLQ  100x100

http://narutorpgakatsuki.net

[FILLERS] CLQ - 6/11/2018, 14:38


 
[FILLERS] CLQ  1xPueCu

Novo sistema de escrita?!

CLQ surpreende!

Quando chegara em casa após a sua ida a biblioteca de Konohagakure, todos estavam dormindo. Isto o decepcionou um pouco, pois queria contar a novidade para seus pais do que havia pensado e começado a elaborar. Cogitou acordá-los, mas era provável que trabalharam o dia inteiro e estavam exaustos. O garoto foi até a cozinha pegar alguma fruta que sempre estava posicionada no mesmo lugar em cima da mesa, por isso não tinha dificuldade em apanhar as frutas. Apalpou à mesa por alguns instantes até encontrar, enquanto segurava todos aqueles papéis na sua outra mão. Faminto, devorou a fruta e já foi caminhando até seu quarto, com bastante cuidado para não fazer muito barulho e não acordar seus pais. Colocando os papéis no chão de seu quarto e sobre eles o seu chapéu de palha, deitando-se na cama para dormir. - "Ufa.. hoje foi cansativo... mal posso esperar para continuar esse projeto.." - pensou e claro, não demorou para este pensamento se esvair pois dormiu minutos depois. Sua mente havia trabalhado muito na noite anterior.

- "CHI LONG QUA!" - exclamou o pai do garoto em meio das cinco horas da manhã, o grito foi tão alto que é possível que outras casas da região tenham ouvido também, ainda mais pelo horário. O menino tomou um tremendo susto, naquele momento estava com tanto sono que não fazia ideia do que estava acontecendo. Até que ainda na cama em meio a suas lembranças da noite anterior sua memória decidiu lhe refrescar. Ele havia esquecido da bagunça que havia feito, quebrando inclusive uma das louças da sua mãe. - "O prato... droga... me ferrei bonito" - pensou. Naquele momento, suas mãos estavam frias e sabia que ia ter que enfrentar as consequência da bagunça que havia deixado. Pelo menos havia sido por uma boa causa, aquela louça lhe deu a ideia de elaborar um novo sistema de escrita para cegos. - "CHI LONG QUA!!!! VENHA AQUI IMEDIATAMENTE!" - os gritos continuavam até o garoto apresentar-se ao pai. Levantou-se da cama relutante e ainda com preguiça, mas precisava ir até lá antes que ele acordasse toda vila.

À passos curtos, chegou até a sala de estar com sua cabeça baixa e já ciente do que ia acontecer. - "Descul.." - o garoto foi interrompido antes mesmo de se desculpar. - "VOCÊ SABE QUANTO CUSTA UMA LOUÇA DESSA?! E QUE BAGUNÇA FOI ESSA QUE VOCÊ DEIXOU ANTES DE SAIR? ALIÁS, PARA ONDE VOCÊ FOI ONTEM?! TE ESPERAMOS A NOITE INTEIRA!!! PEÇA DESCULPAS A SUA MÃE, VOCÊ TERÁ QUE COMPRAR UMA NOVA PARA ELA!" - eram muitas perguntas feitas pelo pai, que ainda estava tão irritado que suas veias do pescoço saltavam de raiva e segurava suas mãos o que havia sobrado daquele prato. - "Perdão, mamãe. Perdão, papai... eu, eu... eu fiz por maldade. Vocês sabem que não sou de fazer isso..." - explicou o jovem Chi Long Qua. - "Isso é verdade, ele não é de fazer isso... não precisa esculachar o garo.." - a mãe também fora interrompida pelos gritos do pai. - "VOCÊ PODERIA NÃO DEFENDÊ-LO ALGUM DIA, MEU AMOR?! ELE PRECISA APRENDER A LIDAR COM AS CONSEQUÊNCIAS DE SEUS ATOS! ANDE, RESPONDA-ME LOGO! O QUE ESTAVA APRONTANDO?!" - indagou o pai.

- "Perdão, pai... mil perdões. Eu comprarei uma nova com o meu salário das missões. Eu juro... bom... eu estava comendo antes de ir para a biblioteca, queria estudar um pouco... e entã.." - mais uma vez o garoto não conseguia terminar a sua versão dos fatos.

- "Estudar?! Filho, mas você não sabe..." - retrucou o pai, que parecia confuso com a história. - "Isso! Exatamente, eu fui à biblioteca para aprender a ler. E foi essa antiga louça que me ajudou a ter uma ideia! Eu entrei em choque na hora, eu ia colocá-la sob a pia e daí tive uma iluminação, quase que divina. Eu não sei explicar... é como aquele sentimento que os nossos ancestrais sentiam.. aqueles sábios... foi uma Eureka! Eu só senti que devia correr até a biblioteca e trabalhar. O senhor e a senhora querem ver o que eu fiz?!"  - disse o garoto com um semblante mais empolgado. - "er... claro, filho. Por favor." - disseram seus pais, quase que ao mesmo tempo enquanto trocavam olhares uns com os outros, sem saber muito bem do que estava acontecendo.

Chi Long Qua virou-se imediatamente e caminhou à passos rápidos até seu quarto. Agachado, foi apalpando o chão do quarto para encontrar os seus papéis da noite anterior. - "Droga.. cadê?!" - pensou. Após dois minutos procurando, acabou colocando sua mão em cima de seu chapéu de palha favorito e logo abaixo dele, encontrou o material que procurava. - "Ufa.. achei que tinha perdido vocês" - pensou, com o material já em mãos e o chapéu de palha na cabeça. Fora então caminhando de volta à sala de estar, para que pudesse mostrar o que havia feito para seus pais. - "Aqui!" - ergueu seu braço, mostrando os papéis para seus pais assim que chegou na sala. - 3]]"Sentem-se, por favor. Quero mostrar para vocês uma coisa."[/b] - solicitou cordialmente. Seus pais, ainda surpresos, não disseram mais uma palavra sentaram-se à mesa com seu querido filho. - "Fechem os olhos, por favor." - solicitou novamente. - "Fechar os olhos? Mas o que você está tramando?!" - disse o pai. - "Pai, por favor... isto não é uma pegadinha. Apenas feche os olhos e pegue este papel." - Chi Long Qua esticou sua mão com o papel que continha furos. Dando um também para a sua mãe. Com ambos de olhos fechados, o garoto começa a explicar o que havia feito.

- "Este é o alfabeto cego que criei. Para que vocês possam ler, é preciso que estavam na escuridão total... assim como eu. Coloquem seus dedos em cima da primeira letra, ela está no canto superior esquerdo do papel. Isto é lido sempre da esquerda para direita, eu pelo menos achei melhor assim. A primeira letra que vocês tocaram é a famosa letra 'A', gostaram? É a primeira letra do seu nome, mamãe. Na verdade, o alfabeto está incompleto... eu não tive tempo de fazer tudo em um dia só. Na verdade, eu ainda preciso fazer alguns ajustes. A sua louça me ajudou, o senhor viu que ela tem um alto-relevo na borda? Foi de lá que me veio a ideia. Graças a ela, eu posso aprender a ler. E não é só isso, eu vou poder progredir e ficar mais forte. Não existem pergaminhos escritos desta forma... pelo menos não no momento."  - o garoto seguiu conduzindo a explicação, explicando a lógica por trás de cada letra e a linguagem incompleta que havia criado. Seus pais iam usando o tato para sentir cada letra, tentaram por alguns instantes até formar algumas palavras com aquela nova escrita. Mas não obtiveram muito êxito, afinal, haviam apenas dez letras. - "Isto é incrível.. estou sem palavras... " - disse a mãe bastante emocionada. Aquilo havia quebrado totalmente a raiva do pai, que nem se importava mais na louça que havia sido quebrada. O pai largou o papel por alguns instantes, levantou-se e apanhou o que havia restado do prato. - "Eu ia jogar fora, mas agora vou guardar. Pelo visto este prato foi quem deu início a isso tudo, quem diria né?" - algumas lágrimas caíam do rosto do pai. 

- "Eu vou precisar da ajuda de vocês para terminar de desenvolver isto. Vocês poderiam me ajudar a traduzir algum livro né? Para esta nova escrita! Assim, eu posso estudar direitinho. Quem sabe um livro de Taijutsu, pai... ou quem sabe de Ninjutsu... quem sabe todos os livros?!" - Chi Long Qua parecia muito empolgado. - "Epa, calma lá filho! Temos que finalizar isso antes, ainda faltam algumas letras. Vamos trabalhar nisso!" - exclamou. Todos se abraçaram naquele momento, parecia o início de algo grande para aquela família. Naquele momento, todas as lembranças tristes por achar que seu filho não poderia seguir uma vida normal por ter nascido cego sumiram. Restou apenas a certeza de que ele seria um grande homem. O resto da louça quebrada foi colocada dentro de uma caixinha na sala de estar, onde a mãe daquela família escreveu com um pouco de tinta na tampa "Eureka!" para que nunca mais pudessem esquecer daquele momento. Ao fim daquela reunião familiar, Chi Long Qua ajudou a limpar a bagunça que havia deixado e guardou seus papeis no quarto novamente para que pudesse continuar o projeto em um outro momento, agora também com a ajuda de seu pai e sua mãe.




250 HP
250 CH
ST: 00/02

Considerações:

- O primeiro parágrafo do Filler é um pequeno flashback do garoto chegando em casa, ainda de noite.
- Considere este Filler como a continuação imediata deste treinamento de inteligência.
- O filler possui 1400 palavras.

Bolsa de armas:

Kunais: 10/10
Shuriken: 10/10
Kibaku Fuda: 5/5
Hikaridama: 10/10

Jutsus Utilizados:


-
Tama
Administrador
Tama
Vilarejo Atual
Ícone : [FILLERS] CLQ  Vh077Ys

https://www.narutorpgakatsuki.net/t67003-f-yuki-shiroi#493173

Re: [FILLERS] CLQ - 6/11/2018, 19:35

@
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.