>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Deku
Genin
Deku
Vilarejo Atual
Ícone : [Fillers] ─ Deku 100x100

http://narutorpgakatsuki.net

[Fillers] ─ Deku - Sab 25 Ago - 14:18

Código:
<center><div style="width: 600px; text-align: justify; font-family: Arial; color: #000000">[justify]─[/justify]
[center][size=24][b]─[/b][/size][/center]
[center]xxxx palavras, xxx pontos em Chakra adquiridos.[/center]</div></center>

_______________________

[Fillers] ─ Deku Lzwi1hP
-
Deku
Genin
Deku
Vilarejo Atual
Ícone : [Fillers] ─ Deku 100x100

http://narutorpgakatsuki.net

Re: [Fillers] ─ Deku - Sab 25 Ago - 14:26

Aah.... mais um dia em que meus objetivos de acordar cedo falharam. Por quê algo tão simples como levantar nas primeiras horas do dia havia se tornado algo tão difícil pra mim? Talvez por meu adoecimento recente que me pegou de surpresa, pensei. Eu nem sabia que ninjas poderiam ficar com gripe. Sobretudo um ninja que foca todo o seu tempo e energia em fortificar o seu corpo, não? Nesta altura eu já achava que era imune a determinados tipos de venenos e me deixei ser pego por um vírus tão comum. Apesar de que me lembro bem do All Might espirrando do meu lado. Talvez os vírus dele também fossem super? Era difícil de discernir. Mas, o que mais importava, era que o pior havia passado. Estava motivado, talvez não com o presente, mas com o futuro imediato: nos próximos dias, intencionava retornar minha rígida rotina de treinamentos e aprimoramento físico. Deveria aprender novas técnicas, refinar meu corpo e realizar mais missões. Falando nelas, a mais recente havia sido um sucesso; não esperava que seria tão carregada emocionalmente, mas acho que do meu ponto de vista todas as coisas são assim ultimamente. Mas, acima de tudo, considerando o quão de surpresa eu fui pego com a missão em questão, e num nível mais alto que eu já havia feito, sobretudo, eu havia produzido um resultado admirável. Não troquei tantas palavras com meu pai adotivo desde então, já que ele estava sempre ocupado, mas ele não deixou de me parabenizar pelo sucesso recente também. Independente do quão debilitado eu me sentisse, portanto, tinha motivos externos o suficiente para me manter motivado e focado em meus objetivos. Entretanto, “motivado e focado em meus objetivos” não refletia perfeitamente em meu estado atual, estirado numa cama bagunçada com parte das cobertas no chão e faltando dez minutos para o meio-dia. Seria sábio eu começar a fazer alguma coisa antes que perdesse o dia, não? Tentei reunir forças que nem poderiam, possivelmente, vir de mim para me levantar, e, mesmo que lentamente, comecei a o fazer. Beleza, metade de meu corpo já estava quase na vertical e fora dos cobertores que antes me envolviam. Mais alguns poucos minutos de esforço e quase desistência e consegui, com forças desconhecidas, ficar de pé, ao lado da cama. Seria louvável arrumá-la agora também, mas um ninja deve reconhecer seus limites, uma vez li, e pretendia viver de acordo com esta filosofia. Rendendo-me à fraqueza representada pela minha vontade de comer minhas bolachas recheadas matinais, dirigi-me para a cozinha, com passos lentos, mas a cada segundo que se passava sentindo-me mais desperto também.

Lentamente mas com perseverança e insistência, meus pés sonolentos me levaram para o cômodo de minha pequena casa que continha meus bens materiais mais preciosos – a comida. Além de eu valorizá-la bastante, era triste de admitir mas, eu realmente não tinha mais nada de valor material tão alto por aqui. Brevemente interagindo com uma particular sessão de meus armarinhos, retirei desta um pacote de bolachas. Novamente, como o fazia cerca de dez em dez minutos quando estava em casa, fui para a geladeira, retirando uma latinha de refrigerante. Meu ritual de café da manhã lento consistia em misturar alguns goles de energético dentro de meu refrigerante. Aprimorava ainda mais o gosto e me dava um combustível extra durante o restante do dia. Com o refrigerante energizado numa mão e um pacote de bolachas recheadas na outra, sentei-me no sofá, brevemente interrompendo meu lanche para ligar a televisão. Hipnotizado por um de meus programas preferidos, algo mais ou menos como um lutador de artes marciais que adquire talismãs que lhe conferem superpoderes, comecei a saborear minha bolacha com a bebida especial. Se eu tivesse algum compromisso ou similares, com certeza seria capaz de o fazer com exímia velocidade, mas como já estava atrasado e ninguém dependeria de mim naquele dia mesmo, preferia realizar minhas atividades em meu próprio ritmo, não me estressando demais sem nenhum motivo em mente. Dados alguns minutos e o término de meu programa de artes marciais, resolvi acelerar um pouco minha comilança para dar sequência com meu dia. Jogando a latinha vazia e o pacote de bolachas igualmente vazio no lixo e desligando a televisão, estava pronto para continuar.

Retornei novamente para meu quarto. Agora que meus olhos haviam se distraído o suficiente com um programa que gostava bastante e meu organismo havia iniciado a digerir alimentos recentemente ingeridos, sentia-me bem mais desperto e motivado. Aproveitando esta energia antes que se esvaísse, comecei a arrumar minha cama. A tarefa estava pronta e não demorei tanto assim. Deveria me arrumar agora, mas as vestes que me adornariam iriam depender do que eu iria fazer no dia. Portanto, enquanto ainda descalço e de pijamas, sentei-me na cama para pensar, não removendo meus olhos das possíveis vestimentas. Bem, já havia feito os treinamentos que poderia fazer durante a semana; caso eu me forçasse a fazer mais deles, acabaria prematuramente exaurido e incapaz de desempenhar-me na próxima semana tão bem quanto fui nesta. Também, já tinha esgotado a quantia de missões que poderia fazer durante a semana, já que não podiam nos colocar em situações de risco tão constantemente para que não tivéssemos agravantes físicos ou psicológicos. Também supus que pudesse visitar meu mestre, pai adotivo e herói, All Might, mas ele provavelmente estaria ocupado com suas coisas ou no meio de uma missão, então não teria tempo para mim e acabaria sendo uma viagem igualmente infrutífera. Caramba! Será que fiz coisas demais durante a semana? Cogitei tirar um dia para descanso também, mas sabe quando sente que deve fazer algo de produtivo durante o dia? Então, mesmo que eu tentasse descansar, não conseguiria o fazer plenamente, já que estava com essa energia de responsabilidade dentro de mim. Vários minutos se passaram agora desde quando eu havia sentado na cama apenas para decidir qual vestimenta iria usar; All Might sempre me disse que eu penso demais nas coisas, sobretudo utilizando uma linha de raciocínio pouco motivada. Então, talvez, eu devesse fazer algo no estilo dele desta vez. Não pensaria tanto assim, portanto. Eu tinha um uniforme “alternativo”, por assim dizer, que ele havia me dado certa vez que destruí meu uniforme verde durante um treinamento intensivo; este era azul e branco, e era como um macacão, ocupando minhas pernas também. De repente, tornou-se bem atrativo e bonito em meus olhos, então resolvi simplesmente vesti-lo e sair vila afora para me aventurar. Esperava estar fazendo a decisão certa. No pior dos casos, sempre existem pessoas precisando de ajuda do lado de fora, não é? Deveria ser otimista.

Como não tinha uma ideia exata sobre onde desejava ir, não coloquei meu foco em andar tão rápido; na verdade, andava de maneira compassada o suficiente para que meus olhos pudessem desvendar tudo que chamasse sua atenção: algumas lojinhas, pessoas conversando, crianças brincando por aí e até mesmo o quão bonito e ensolarado estava aquele dia, de maneira atípica para a estação do ano em que nos encontrávamos. Após estar longe o suficiente de casa e de ter caminhado por alguns minutos, concluí que nenhuma situação favorável estava se apresentando para mim. Ao invés de desanimar, eu é quem deveria estar caçando uma situação favorável, portanto. Ofereci-me para ajudar alguns idosos com suas compras, brinquei um pouco com algumas crianças e as ajudei a fazer bagunça, andei pela frente da Academia Ninja que recentemente frequentava para ter uma sensação nostálgica e ver os futuros formandos. Continuaria com a minha caminhada, independente das minhas ações até aqui. Algo que pegou meus olhos, entretanto, foi uma academia de artes marciais. Já havia passado por algumas, inclusive treinava vez por outra com os ninjas dali já que todos eles compartilhavam meu gosto por técnicas corpo-a-corpo e facilmente me aceitavam em seu meio já que veneram o All Might, apesar de que não me dessem muita confiança ou oportunidade de amizade além dos breves momentos em que estávamos trocando golpes. Notei, em específico, uma das crianças. Já me considerava habilidoso o suficiente em minha arte para reconhecer peculiaridades na mesma quando observava pessoas a praticando. Talvez nem mesmo a criança soubesse o quão diferente era o estilo de luta que estava usando para socar aquele boneco de madeira, mas eu o vi. Seus golpes eram extremamente bem divididos. Entre suas mãos, especificamente. Os movimentos que faziam com os pés tornavam bem óbvio, mesmo que apenas para mim, que ele era destro com seus membros inferiores. Seus golpes, entretanto, eram extremamente particionados entre a mão esquerda e a direita. Mais alguns segundos o observando treinar tornavam evidente que ele era ambidestro; já havia ouvido falar de ninjas assim, mas a imprevisibilidade em seus golpes era muito mais notável do que eu havia pensado. Finalmente um fogo se acendeu em mim. Retornando para minha casa, especificamente para o segundo quarto que eu transformei num dojo, comecei a praticar com minha mão direita, isto é, a não dominante. Sorri ao ver o quão imprevisível me tornava conforme pendia mais golpes para esta mão, imitando a garota ambidestra. Deveria parabenizá-la se a visse novamente.
1516 palavras, perícia "Ambidestria" adquirida, cem pontos em Chakra adquiridos.

_______________________

[Fillers] ─ Deku Lzwi1hP
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Fillers] ─ Deku - Sab 25 Ago - 15:13

[Fillers] ─ Deku Tumblr_oz0tgmGL0U1rtwid9o1_r1_540
aprovado shounen
-
Conteúdo patrocinado
Vilarejo Atual

Re: [Fillers] ─ Deku -

-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.