>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Riki
Riki
Vilarejo Atual
Ícone : O despertar da tempestade - Yuki Riki 100x100

http://narutorpgakatsuki.net

O despertar da tempestade - Yuki Riki - 20/11/2017, 15:33

Era uma fria manhã de inverno em kirigakure, 55 D.GF, como costumava fazer foi ao bosque perto da vila para passar o tempo. O jovem Riki ficou fascinado quando primeiro ouviu falar de ninjas, e agora decidiu começar seu caminho para se tornar um.
“Meu caminho começa aqui! Mas o que preciso fazer?”, pensou ele. Afinal, apesar de pela primeira vez ter um objetivo, não sabia o que fazer. Após para um tempo para pensar decidiu ir até a vila “deve ter alguém com quem possa conversar, para me ensinar algo”.
No meio do caminho começou a nevar levemente, o que é incomum devido à época, mas o caminho se alongou, não era como de costume, “eu já devia ter chegado” pensa ansioso.
“Quanto tempo já faz, 10 minutos, 15? Eu já devia ter chegado”. Foi então que o garoto se deu conta que havia se perdido, sem saber para onde ir, resolveu perto de uma grande rocha “isso vai servir como referência quando parar a neve”.
A princípio o pequeno Riki não havia se dado conta, mas após alguns minutos percebeu que não estava com frio apesar de não estar vestindo roupas quentes, mas derrepente ele se deu conta que não estava sozinho. Viu um lobo e logo pensou “ onde tem um tem muitos mais” e logo percebeu que não havia o que fazer, pulou sobre a rocha para ganhar vantagem de terreno, quando um lobo o atacou pela direita. Instintivamente percebeu que não teria outro lobo na mesma direção pois tentariam cerca-lo e pulou por cima de seu atacante, se desequilibrando na queda continuou a correr gritando por ajuda.
“É inútil, ninguém vai me ouvir” mas ainda assim não parava, continuou correndo, cortando-se entre  galhos e eventuais mordidas, mas não foi longe, seu corpo apesar de ágil não era pário para os lobos que logo o cercaram. “Estranho não atacarem”, sua dúvida não durou muito tempo, logo viu um lobo maior de pelo acinzentado, incomum para os lobos da região que tinham pelos brancos. Mas não teve tempo para pensar, logo que viu o alpha, este já o atacou, o garoto em pânico fecha os olhos e sente um grande medo, pela primeira vez gritou, e logo após... nada.
Com lagrimas nos olhos Riki percebe que nada mudou, e logo pensa “alguém veio me salvar, ou talvez... morri? Então abre os olhos para ver o que aconteceu a cena era inacreditável:
O alpha congelado no lugar, outros lobos empalados e alguns fugindo perante a cena: uma grande estrela de gelo envolvia o menino, este logo o tocou e percebeu algo estranho, uma sensação de familiaridade e logo o gelo quebrou em milhares de pequenos fragmentos.
Passado a grave situação o garoto ainda surpreso começa a andar novamente, a neve parou, mas ele não tinha percebido: o que acontecerá era incrível de mais para acreditar. Não passou muito tempo quando o pequeno ouvi alguém chamando de longe. RiKIIIIIII- um grupo de busca liderado por seu pai vem ao encontro do menino, de longe o vê e se assusta com o rubro em suas pernas e braços.
- Filho! – diz o pai com lágrimas nos olhos- estávamos preocupados com você, o que aconteceu, você está bem?
S-Sim...- responde o garoto com uma voz vacilante- só um pouco machucado.
A timidez tomou conta do garoto, não era um grupo grande mas o menino havia ficado em evidência, o que para sua personalidade levou-lhe a pensar “Onde estão os lobos quando preciso deles?”.
Seu pai, Kenshi, o levou logo para casa. O menino descreveu o que acontecerá à seu pai enquanto este o tratava.
-Eu sabia que chegaria este dia, só não achei que seria tão cedo.
-Pai? ...- responde o menino sem saber do que se trata.
O Kenshi era um habilidoso espadachim, usando seu kekkei genkai como suporte, mas devido a sua experiência decidiu que não queria isso para seu filho.
- Riki, nós fazemos parte do clã Yuki daki de Kirigakure. Mantive em segredo, por não querer isto para você. Mas devido as circunstâncias acho que você gostaria de aprender sobre sua herança.
O resto do dia passou pacificamente com seu pai explicando sua história, e tudo relacionado ao porquê não viverem como Yukis até então.
No dia seguinte o menino durante o café exclama, pela primeira vez em sua vida com uma grande firmeza:
-Pai, me treine!
Kenshi não queria, mas vendo aquele fogo nos olhos do menino percebeu que não mudaria facilmente.
- Só depois que se curar. Agora coma e me ajude no trabalho.
Os olhos do jovem Yuki brilhavam enquanto respondeu – Hai!.
Não demorou para os ferimentos se curarem, dois dias depois Kenshin levanta o garoto antes do sol raiar
- Filho, lenvante-se.
-só mais um pouco...- responde sonolento
-Decidiu parar de treinar?- diz o pai em tom de zombaria, e o garoto levanta num pulo, se embolando na coberta.
Os dois foram ao bosque mais uma vez, dessa vez na região do lago. Levarão 1 hora para chegar o lugar. Riki ia com um feixe de galhos nas costas, e o pai com uma bolsa e um machado.
- Escute bem filho, pelo que você disse, aquela técnica que você usou chama-se Hissatsu Hyōsō. É uma técnica avançada da forma básica de Hyouton, nossa kekkei genkai.- o pai via que o jovem permanecia com a expressão parada, enquanto tinha grande atenção-Para começar pegue este pergaminho- disse enquanto tirava da bolsa- leia-o com atenção e comece a fazer o que está escrito.- disse o pai enquanto pegava o machado e continuava andando.
- Pai, aonde você vai?- pergunta o menino, afinal dois dias atrás havia sido atacado por lobos.
- Um homem tem que trabalhar pela família, Riki. Não se preocupe, seu velho está de olho na região. Confie em mim!- diz o homem com um aceno de costas.
O garoto achou estranho, mas seu pai nunca deu-lhe motivos para desconfiar dele. Olhando de perto o pergaminho viu que tinha a caligrafia de seu pai. Estava descrevendo jutsus selos, e suas propriedades “provavelmente deve ser de estudantes de academia” , logo em seguida começou a praticar. Lentamente fazia as posições de mão seguindo as instruções.
Além da descrição dos selos de mão havia algumas descrições indicando o propósito do treino: “Concentre-se em sentir as variações de chakra em cada selo”, e assim o fez o dia todo.
No outro dia repetiram o mesmo. No quarto dia o pai fez uma pequena avaliação do treino
- Parece que você pegou bem o jeito, em termos de conhecimento, tem o mesmo que um gennin recém formado – diz o homem com tom de satisfação- Agora vamos para o verdadeiro treino.
- Agora? – responde o garoto com uma mistura de surpresa e excitação, afinal ficou 3 dias repetindo as mesmas coisas.
-Sim, agora você já é capaz de reconhecer as formas de molde de chakra, então começarei a te treinar com hyouton.
- Achei que o senhor me ensinaria kenjutsu como o seu pai.- diz o menino deixando agora evidente toda sua surpresa.
- Escute bem Riki, um ninja não pode aprender todos os estilos, deve focar-se em um e ter outros como suporte. Nosso clã foi agraciado com o Hyouton, é um elemento único e muito poderoso, após você dominá-lo bem, pode desenvolver kenjutsu ou outro estilo de luta, ou até elementos básicos como suiton e fuuton, que aliás você vai aprender para usar hyouton. Mas vamos por partes.
E entregando outro pergaminho o pai do menino deixou o filho treinando novamente.
O garoto passou horas seguindo as intruções. Dessa vez era de um jutsu: Sensatsu Suishō.
Durante a manhã era basicamente o mesmo treino, mas durante a tarde foi diferente: ele passou a praticar o jutsu, e isso era muito cansativo. E assim se passou o dia.
No novo dia o menino começou novamente o treino anterior. Com dificuldade manuseava o chakra, produzindo pequenas quantidades de agulhas. Seu pai o viu treinando e foi até ele:
- Riki, qual o problema? – disse em tom sério
-Não consigo aumentar a quantidade de agulhas usadas- disse o garoto sem se distrair.
-Isso é normal, devido à sua quantidade de chakra, com prática você aumentará seu controle usando menos chakra de forma eficiente. Dito isso, se você acha isso difícil de mais, melhor não iniciar a vida de um ninja. Pois esse é o começo da ladeira.
-Não! –responde o garoto ainda concentrado, e  logo depois olha para seu pai com um sorriso- é assim que é divertido.
 

(essa é minha primeira história, passou um pouco, + li alguma coisa de 400 palavras então ta na média. Quanto ao ponto, eu escolho ou como funciona?)

_______________________

Não te iludas: precisas de amparo. E esse amparo é a humilde Virgem Maria, posta por Deus para ser esteio de nossa fragilidade, como outrora para sustento, defesa e guarda da infância do Verbo Encarnado. (Serva de Deus, Madre Maria José de Jesus)


Perfil
:
http://narutorpgakatsuki.com.br/t56052-novo-personagem-riki
-
Tama
Administrador
Tama
Vilarejo Atual
Ícone : O despertar da tempestade - Yuki Riki Vh077Ys

https://www.narutorpgakatsuki.net/t67003-f-yuki-shiroi#493173

Re: O despertar da tempestade - Yuki Riki - 20/11/2017, 16:17

Aprovado.
O ponto é referente ao que você treinou, nesse caso, ninjutsu.
-
Riki
Riki
Vilarejo Atual
Ícone : O despertar da tempestade - Yuki Riki 100x100

http://narutorpgakatsuki.net

Parte 2 - 26/11/2017, 13:01

Filler:
 
Riki passara todos os dias treinando com seu pai após o ocorrido com os lobos, com apenas nove anos o garoto começava seu treinamento para tornar-se um grande defensor de kiri. Todos os dias de semana (pois descansavam no Domingo) ia com seu pai a mata onde ele cortava a lenha, enquanto o menino treinava. O pai olhava de longe o lento progresso do garoto enquanto este praticava selos de mão, treinos de acrobacias, corridas socos, etc.
Um desses dias, durante o almoço, que tomava em meio a floresta mesmo, Kenshi aproximando-se de Riki, chama o garoto, para dar-lhe uma nova tarefa:
- Riki, você tem treinado muito, ultimamente: meus parabéns, mas tem havido algo que gostaria de te ensinar.
O garoto costumava ser tímido e para baixo, mas perto de seu pai parecia outra pessoa, sempre aberto, apesar de pacato.
- Sim, pai, diga e farei! – diz o menino enquanto bate continência brincando.
O pai ri da brincadeira e continua:
- É bom você ter essa atitude, vai precisar ser muito obediente e diligente com um shinobi, mas deixando a brincadeira de lado, diga-me: que tipo de ninja você gostaria de ser?
- O que o senhor quer dizer? Quero ser um ninja forte- diz o menino a seu pai.
- Eu sei, mas entenda: tem vários tipos de shinobi, uns mais voltados para luta corporal, espadachins, usuários de ilusão, de ninjutsu... Nossa kekkei genkai nos torna mais aptos ao ninjutsu dando-nos uma vantagem, mas isso não deve te impedir de tentar outros modos de luta. Pense sobre isso, e enquanto isso treine a manipulação de seu chakra.
Após dizer isso afagou a cabeça do filho e durante a refeição explicou mais detalhadamente sobre os tipos de ninja que vira durante seus anos como shinobi. Após comer, voltou ao trabalho. O ocorrido ficou na cabeça do gennin: não sabia que caminho seguir, conhecia pouco sobre eles mais seu pai havia lhe explicado o bastante para ter uma ideia de como eram os vários tipos de shinobi. Enquanto praticava selos de mão e moldava seu chakra pensava no ocorrido, lembrando dos prós e contras de todos os tipos.
- Ai, dizia o menino... – diz o menino, havia alcançado seu limite de uso de chakra. Já era por volta de 4 da tarde, e o garoto parou seu treino para olha como estava o tempo, claro, não nevava a alguns dias
Riki estava frustrado, já não sabia que tipo de ninja queria ser, seu pai o tinha pego de surpresa com sua pergunta. Era noite do mesmo dia, estavam em sua casa, um pequeno casebre nas redondezas de Kirigakure, a mãe de Riki falecera durante o parto, então seu pai o criou sozinho. O pai vendo o filho se aproximar pensativo disse-lhe:
- O que te preocupa filho?
- Não sei que tipo de ninja devo ser, não tenho um estilo próprio... – o menino dizia ao pai enquanto praticava seus selos de mão.
- Não se preocupe filho, você vai ter muito tempo para isso. – respondia seu pai enquanto afagava a cabeça do menino.
No outro dia, um sábado, o dia começou nevando levemente, o pai do menino decidiu não trabalhar, e dedicar-se ao treino com o filho. Chamando-o logo cedo levou-lhe para a área que costumavam ir todo dia, mas desta vez foram correndo. O pai de Riki carregava uma mochila nas costas, e ia caminhando em silêncio.
- O senhor não levará o machado hoje? – indaga o menino notando que o pai não levara sua ferramenta de trabalho.
- Não, hoje vamos focar no seu treino, você deve focar-se completamente, pois será uma treino diferente do que você está acostumado. – responde o pai sem olhar para o garoto.
Chegando ao local Kenshi tira da bolsa uma pergaminho, e abrindo-o usa um jutsu de selamento liberando do pergaminho uma espada. A espada não tinha nada demais, era simplesmente uma espada selada para ocupar menos espaço. Kenshi entregou-a a seu filho e logo depois pegou outra para si.
- Hoje vamos treinar kenjutsu, você precisa de uma forma de defesa e ataque, kenjutsu lhe permitirá defender-se mais facilmente e proporcionará uma boa vantagem contra usuários de taijutsu. Você não precisará de tanta força, uma vez que amplificará seu dano devido a sua arma. – o pai do menino dizia isto enquanto posicionava o corpo do garoto em posição de luta.
- Não devíamos praticar com espadas de madeira? – dizia o menino no tom baixo de sempre.
- Você deve se acostumar com o peso da espada Riki, por isso começaremos usando-a. Vamos começar, imite meus movimentos na medida do possível – dizia Kenshi enquanto levantava seus braços sobre a cabeça.
No passado o pai do garoto havia sido um habilidoso espadachim, e queria treinar bem o menino. Pensando nas palavras de seu filho no dia anterior, decidiu ensinar-lhe kenjutsu, pois mesmo se o menino não o seguisse, seus fundamentos serviriam de base para seu treinamento ninja. E assim passaram sua manhã, balançando a espada no vento. O pai de Riki movimentava fluidamente a espada como se esta fosse uma extensão de seu braço, e após ensinar algumas formas básicas disse a seu filho para imitá-lo. Riki começou com grande dificuldade, seu corpo era frágil, e a espada era pesada para seu pequeno tamanho, mas após algumas horas conseguia move-la livremente, e eventualmente até imitar alguns movimentos mais difíceis de seu pai. Durante o almoço, o garoto aproveitou para descansar, enquanto praticava selos de mão. Após o almoço Kenshi chama seu filho para uma luta, e o filho se assusta.
- Hahaha... não se preocupe, tenho alguma pratica com a espada e não há perigo de nenhum de nós se machucar. – ao dizer isto, seu filho se acalmara e dava-lhe o assentimento com um movimento da cabeça.
Riki começou atacando, focava em atacar com tudo que tinha, golpeando em cima e golpes cruzados, avançando sem cuidado e seu pai sempre repelia seus golpes e recuperava a distância em instantes.
- Mantenha a calma, e foque seus movimentos nos pés, use-os de forma a controlar a distância entre você e o inimigo, dessa forma ainda que você cometa um erro terá espaço para controlar a luta. – dizia o pai enquanto defendia os golpes de seu filho.
Riki entendeu a dica, pois apesar de ainda atacar sem parar, mantinha a distância controlada, se afastando quando seu pai atacava, e aproximando-se durante seu próprio ataque.
- Essa foi quase – disse Kenshi após um golpe que passa bem perto se seu braço. Riki focava-se em procurar os golpes vitais que seu pai lhe mostrara em livros de anatomia alguns dias antes, sempre focando no lado oposto do braço dominante de seu pai, como este o havia ensinado.
Não era um treino fácil, Kenshi era muito mais forte e experiente que seu filho, e usava isso para sua vantagem.
- Foque seus ataques em pontos vitais Riki, assim colocará fim na luta muito mais rápido, e de forma mais segura. Estou deixando uma abertura pra você: use-a. – Kenshi dizia isto, mas não deixava fácil. A cada erro de seu filho ele aplicava um golpe, forçando-o a pensar bem que tipo de movimento faria.
Kenshi procurava desta forma incentivar a capacidade mental de seu filho, era está a base fundamental que ele achara: o menino não tendo escolhido um estio próprio, restava-lhe melhorar o máximo possível sua capacidade mental, para assim, adaptar-se a qualquer estilo que desejasse no futuro.
Riki estava cansando, já a algum tempo já estava trocando golpes com seu pai, e por mais que se esforçasse não conseguia conectá-los. Durante a pausa pensou no que estava fazendo de errado. Seus golpes haviam sido aplicados de forma eficaz, em direção aos pontos vitais, porém não conseguia conectá-los devido a capacidade superior de seu pai. Foi quando o menino pensou num plano: fintas. Era óbvio, porque não havia pensado nisso antes? É claro que seu oponente não o deixaria receber golpes nos pontos vitais, e mesmo que isso não funcionasse com seu pai, com pratica poderia ser aplicado a seu estilo de luta.
Quando voltaram ao treino, Riki começou a atacar medindo a distância entre ele e seu pai e vendo que movimentos de seu pai ele podia usar para criar aberturas. Notou que seu pai sempre deixava uma abertura quando aplicava um golpe diagonal esquerda para a direita, o que queria dizer que estava ciente disto: era a abertura da qual seu pai lhe falara. Então Riki fez o oposto, atacou seu pai até que o mesmo fizesse este ataque em diagonal, depois deu passo para trás e atacou com um corte da direita para a esquerda, focando o lado esquerdo de seu pai que estava exposto.
Kenshi percebendo o esforço do filho rapidamente colocou seu pé esquerdo atrás criando espaço para defender o golpe: era isto que o menino queria, Riki aproveitou esta oportunidade para usar a força do golpe de seu pai para ganhar momentum, deu um passo à frente, colando seu corpo ao de seu pai, e diminuindo a distância usou um golpe de perfuração, com a espada em direção a seu pai. Isto surpreendeu Kenshi, ele esperava ver seu filho melhorar, mas não tão depressa.
Por fim o pai do menino desviou-se dando um passo para o lado, mas parabenizou o garoto:
-Parabéns filho, quase me pegou. Lembre-se sempre de focar os golpes vitais, e como você percebeu, seus oponentes estarão sempre atentos para defende-los, por isso, use fintas de maneira inteligente para passar por essas defesas e atingí-los. Agora pegue suas coisas e vamos embora.
E selando novamente as espadas o menino seguiu seu pai para casa.
 
 
 
Observação::
o Intento do filler é ganhar + 1 INT e qualidade treinável Conhecimento anatômico.
1400 Palavras

_______________________

Não te iludas: precisas de amparo. E esse amparo é a humilde Virgem Maria, posta por Deus para ser esteio de nossa fragilidade, como outrora para sustento, defesa e guarda da infância do Verbo Encarnado. (Serva de Deus, Madre Maria José de Jesus)


Perfil
:
http://narutorpgakatsuki.com.br/t56052-novo-personagem-riki
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: O despertar da tempestade - Yuki Riki - 26/11/2017, 13:15

@Aprovado.
-
Conteúdo patrocinado
Vilarejo Atual

Re: O despertar da tempestade - Yuki Riki -

-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.