>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno
Últimos assuntos

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

[Filler] Sode no Shirayuki - Seg 23 Out - 0:13


Sode no Shirayuki
A vasta brisa do amanhecer, o sol que invadia meu quarto pela pequena brecha na janela localizada em uma parede em frente a minha cama me despertava todas as manhãs com aquele ventinho frio enquanto esticava meus braços em seu limite tentando assim despertar meu corpo, mas como sempre apenas ficava sentada em minha cama enquanto meus pés se encontravam com o chão frio encarando aquela brecha em minha janela enquanto minha mente já acordava a milhões de pensamentos explodindo em minha cabeça, até que finalmente minha mãe chegava com uma leve batida na porta – Rukia, já está acordada amor? O Café está pronto e está quase na hora do seu treino, e a respeito poderia levar Yuki para passear mais tarde? – a suave voz de minha mãe fazia todos aqueles pensamentos sumirem fazendo meus pés buscarem pelas minhas chinelas e eu finalmente me levantar, me dirigia até o espelho como todas as manhãs e me encaravam um pouco entre meu corpo que estava a vestir apenas um sutiã e uma calcinha, meu quarta roupa que ficava ao lado tinha praticamente as mesmas peças de roupas em diferentes formas, puxando a porta e pegando qualquer tipo de roupa me vestia deixando o tecido envolver meu corpo me esquentando daquele frio, dando um pequeno giro seguia até a porta dos meus aposentos puxando a maçaneta terminando de abrir a porta que minha mãe já tinha deixado entre aberta entrando assim nos corredores de minha casa seguindo até o quarto ao lado, de Yuki, que ainda estava a dormir, seguia até o mesmo com um suave beijo em sua pequena testa enquanto dizia – Maninha te ama, e mais tarde iremos naquele campo que tanto ama – assim que terminava de falar saia do seu quarto seguindo até as escadas que dava direto na cozinha, onde um chá quente e uns bolinhos de arroz me esperava, bebia o chá rapidamente e comia os bolinhos de uma vez, recebendo um pequeno sermão de minha mãe pela pressa, mas assim que terminava corria pegando uma faixa preta a envolvendo em minha cintura e pegando minha espada de madeira correndo até a porta a puxando de forma indelicada e saltando entre a pequena varando até o chão, enquanto minha mãe me observava pela varando corria pelas ruas rumo ao meu treinamento, que já estava a me atrasar, e atraso era algo que meu sensei não perdoava nunca.
 
Correndo entre os quarteirões e virando em algumas esquinas, rapidamente chegava do dojo onde eu me especializava na área do kenjutsu, meu nome já era renomeado no mesmo, sendo a melhor aluna e treinadora da classe de nível média, além da número um na classe de nível avançado, as aulas já tinham encerrado e só iriam retornar em alguns meses, mas a verdade é que eu me preparava cada dia mais para um grande torneio que iria acontecer, nesse torneio minha história seria desenhada entre as ruas de Kumogakure, mas admitia que me desempenhar como uma jounin de Kumogakure, além de uma mestre na arte de kenjutsu, por fim ainda tendo que passar meus próprios limites e ser uma ótima filha e irmã, era cansativo, mas também era agradável.

Finalmente estava no dojo, tinha permissão para entrar a qualquer hora então apenas adentrava seguindo para a sala de treino, uma imensa sala de madeira com mais ou menos trinta bonecos de madeira e ferro que era posicionado em locais chaves para ajudar aos alunos a aprimorar o máximo de suas habilidades, e graça a isso, fechava meus olhos e então com as localizações gravadas acertava os bonecos entre pulos e giros aprimorava tanto minhas habilidades com a espada, como meus sentidos, e minha agilidade, treinava normalmente assim por mais ou menos uma hora e então treinava utilizando de meus tons naturais, crescendo minha velocidade em movimentos absurdos acertava os bonecos um a um sem permitir deslizes, e assim durava toda minha manhã, até que finalmente, molhada do suor, dava minha hora e em uma caminhada retornava para minha casa, adentrando meu lar de costume, tomava um rápido banho quente, brincava um pouco com Yuki, comia de um bom e reforjado almoço e então retornava ao dojo onde ensinava a classe média ou junior, dependia do dia da aula, quando finalmente estava no finalzinho da tarde que realmente retornava para minha casa onde buscava Yuki e o levava para uma montanha nos arredores de Kumogakure, que possuía um campo espaçoso e grande, e pouco perigo para o mesmo.
 
Ao meu ver era uma rotina boa e tranquila, e que sempre seguia sem muitos problemas, naquela noite deitada com Yuki encostando sua cabeça sobre minha barriga observávamos as estrelas enquanto o mesmo me enchia de dúvidas diversas, e contava seus sonhos, recarregando todas minhas esperanças sobre aquele mundo, Yuki, Kumo, minha Mãe, eles eram tudo para mim, tudo que jurei proteger, tudo que iria proteger, era meu juramento perante as estrelas, Yuki tinha algo, ele gostava de me chamar de “luz”, depois que ouviu a história do meu nascimento o mesmo levou isso como um mantra em sua vida, naquela noite, em meio aos seus sonhos, Yuki me lembrou daquela alcunha que meu pai tinha me dado, a luz do mundo, me lembrou dos motivos que eu ainda respirava e treinava, me lembrou do meu propósito, da minha razão para ainda possuir a honra em viver.
 
Os dias se passaram, as noites voaram, e o grande dia do torneio havia chegado, estava ali perante a milhares de oponente enquanto soava frio, as espadas eram todas as mesmas, uma token padrão para não causar desvantagem a ninguém, meu sensei tentava me acalmar me dando palavras de conforto – Você treinou duro até aqui, mesmo que perca, perca de cabeça levantava – dizia a mim mesma, eu precisava transparecer confiança diante das milhares aberrações que ali estavam presente, as normas eram claras, o uso de jutsus defensivos ou que agraciassem a espada eram liberados, mas jutsus de maneiras meramente ofensivas ou de defesa total, eram desclassificação na hora.
 
Os desafios ocorreram rapidamente, até que finalmente minha hora teria chegado, os gritos na multidão eram ignorados, mas podia escutar ao longe Yuki gritando meu nome, clamando meu nome, com o suar do juiz meus pés avançaram automaticamente em uma investida surpresa um salto por cima do oponente era dado, eu estava a treinar uma nova habilidade e ali teria que colocar em prática a mesma, a capacidade de utilizar jutsus com apenas uma mão, era o que eu tentava executar, era o que eu conseguia executar, com minha espada cercada aos raios um golpe certeiro que atingia a coluna do inimigo era dado de bom grado, atirando o oponente ao longe o fazendo largar a espada, que era uma das formas de vitória, eu tinha conseguido, tinha avançado para a segunda fase.

A segunda fase também não foi algo de me surpreender, mas de forma cautelosa apenas ficava na defensiva procurando por um padrão no golpe do inimigo, até que era surpreendido por chamas aladas que cercava sua espada e tentava invadir a minha seguindo até minhas delicadas mãos, em um movimento rápido a eletricidade retornava a minha espada de forma descontrolada fazendo assim o fogo dispensar, e na distração do inimigo atingia seu pé lhe fazendo cair e envolvendo minha lamina sobre seu pescoço, imobilizando o mesmo, que era uma das formas de se declarar campeão, era oficial, Rukia estava nas semi-finais, só restava um combate para as finais.
 
Minha terceira oponente era realmente interessante, a mesma possuía uma habilidade ocular desconhecida por mim, duas bolas giravam em seus olhos e seus movimentos eram precisos e rápidos, estava com dificuldade na luta, mas graça a habilidade em selos, um rápido movimento giratório que dispensavam raios foi o suficiente para escapar da rajada de ar que sua lamina produzia, a batalhava continuava de forma intensa, para a plateia eu já era a derrotada, possuía cortes em quase todo o corpo graça ao vento afiado, mas entre o silêncio, um grito ecoava, Yuki gritava meu nome, Yuki gritava por mim, novamente envolvendo a lamina em raios, um avanço era dado, mirando sua espada inicialmente a buscava a enganar, numa aproximação acertava seu pulso, a descarga a fazia soltar a espada, a multidão ia aos gritos, eu estava na final, a luz do mundo, estava nas finais.

O nervosismo tomava conta do meu corpo, suava frio e meu corpo tremia, a final aconteceria em poucas horas e eu estava me tremendo com medo de minha última oponente, um combate de mulheres, um combate de agilidade, as regras se alteravam na final, e tudo era permitido, a ganhadora era aquela que não desistisse ou não se cansasse, entre os suores e o medo, braços me envolviam por trás, Yuki estava ali, tinha vindo para me desejar sorte, junto a minha mãe e me sensei, quando finalmente estava calma, me preparava para pegar minha espada normal quando meu sensei dizia – Sabe Rukia, na final tudo é permitido, até espadas próprias, pensei que sabia disso e tinha trazido algo do seu agrado – a verdade é que eu não sabia, e aquilo voltava a me preocupar, foi quando minha mãe dava um sorriso leve e me entregava uma bainha – Pertencia ao seu pai, é uma espada antiga da família, a chame de Sode no Shirayuki, sei que fará maravilhas com ela – pegava a espada, enquanto as lagrimas caiam de meu rosto e molhavam a bainha um sorriso se abria em meu rosto, sabia que estava pronta, e era com essa determinação que adentrava o campo de batalha.
 
O campo era maior que o anterior, e minha oponente se encontrava do outro lado da mesma, sua espada era longa e provavelmente pesada, já seu corpo se assemelhava ao meu, tamanho médio e demonstrava uma falsa fraqueza, nossas espadas demoraram a se encontrar, ainda não sabia muito de Sode e optava por um confronto defensivo, e assim durou até os momentos mais quentes da batalha, entre águas, ventos, e fogos, os raios perfurava tudo e Sode brilhava despertando um novo poder, um intenso poder, em um ataque rápido, em um deslize do oponente, sua mão recebia um profundo corte que a impossibilitava de continuar lutando utilizando a espada, desclassificada, todos gritavam, Yuki invadia o campo, meus joelhos iam de encontro ao chão e lagrimas caiam entre os mesmo, escorrendo até o chão, Yuki me envolvia em seu braços, e eu era declarada a campeã, essa era o início da história da minha vida, a história de como amei Yuki, de como descobrir Sode, de como me descobri.

Filler explicando como ganhei Sode, desenvolvendo meu relacionamento com Yuki, ressaltando meu desejo por paz, conhecendo mais meu passado, e adquirindo a qualidade Hábil em Selos (1).
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Sode no Shirayuki - Seg 23 Out - 12:26

@provado
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.