>
Naruto RPGAkatsukiNão é o único, simplesmente o melhor!
Arco 11:
Reino de Lilith: PesadeloAno: 71DG
Após uma dura jornada, Shaka finalmente caiu e teve a maldição retirada de seu coração. No entanto, os problemas trazidos pela família Hattori não se extinguiram. Shion revelou ter ajudado a libertar Lilith, uma monarca da dimensão infernal, que agora está possuindo o corpo de Hyuga Katsura e libertando uma horda de seres infernais contra este mundo. O mundo corre risco de ser consumido pela maldade dessa criatura, mas não se o plano de Shion der certo: forçar Lilith a causar um evento chamado de O Grande Eclipse, onde as portas de todos os mundos e dimensões ficarão abertas, e assim permitir a ele ir ao submundo resgatar sua amada Katsura Grey para finalmente selar Lilith.
Sumário
Mapa
Staff
Discord
Facebook
Contos
Estação: Inverno

Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

[Filler] Akito - 27/5/2017, 23:00

Treino :: — Filler — Treino de Status
Akito Ootori Shihou Kimizuki

Aquela missão tinha tudo para ser totalmente bem sucedida, mesmo considerando nossa falta de entrosamento. 

Shihou, com sua cabeleira ruiva e atitude aberta, não era exatamente um poço de educação, sempre fazendo perguntas quando era desnecessário e, no geral, tornando irritante até a mais silenciosa tarefa. Hibari, com sua arrogância tão grande quanto suas longas melenas negras, que quase chegavam ao meio de suas costas, estava sempre distribuindo farpas afiadas contra a atitude exagerada do nosso ruivo irritante.  E eu, com toda a minha introvertividade, tentava ignorar tudo isso sem tornar a convivência com os dois mais incomoda do que era.

Suzume Hatake, nossa sensei, tentava manter o time 4 na linha, mas era difícil fazer isso, quando os adolescentes que ela supervisionava não respondiam a seus estímulos sociais. Não éramos ruins como shinobis, todos tinham uma média de nota bem alta nos exames e a formação do time fora o único fora do padrão estabelecido pela vila, que era equilibrar as capacidades.

No nosso ano fomos o único time formado para exceder as capacidades e a Suzume-sensei fora escolhida porque já era uma shinobi muito eficiente, mesmo tão nova, escolhida para treinar os melhores da vila.

- É uma pena que ser os melhores não significasse ser imbatível. -Falei para mim mesmo, voltando a realidade, escapando um pouco da minha memória cruel,  que não me deixava esquecer nenhum fragmento se quer.

Não demorou para que ela voltasse a me jogar em outra lembrança daquele dia.

Ainda conseguia ouvir o atrito das rodas de madeira da carroça contra a estrada de terra batida, quicando pelo caminho como se fossem os cascos dos dois garanhões bem lustrados que puxavam apressadamente o veículo, relaxando alto e desafiadoramente. Os gritos ecoavam pelas árvores de forma desconexa e sem qualquer sentido, mas, mesmo assim, podíamos entender o sentido geral da coisa: Era uma emboscada.

Era óbvio que esperávamos um ou outro ladrão de estrada disposto a faturar um dinheiro fácil emboscando uma carruagem de um comerciante - que na época julgávamos honesto. -, mas não imaginávamos aquela proporção. Eram muito mais do que estávamos preparados para enfrentar e um deles...Um deles eu jamais teria a capacidade de esquecer seus traços. 

Alto, de ombros largos e voz grave, com um porte orgulhoso e imponente. Nem tivemos tempo de perceber de onde ele estava vindo, quando o teto da carruagem fora arrancado com apenas uma de suas mãos. Não fosse a Suzume-sensei tê-lo chutado para longe, provavelmente teríamos nossas cabeças cortadas no instante seguinte. A cabeleira rubra bagunçou-se quando a shinobi, geralmente calma, avançou com ele com uma ferocidade que não sabíamos existir nela, dando-nos ordens de prosseguir e se afastar o máximo que pudéssemos.  

Lembro-me de não tremer, mesmo diante daquela confusão toda, enquanto Hibari tomava as rédeas da carruagem e Shihou me olhava com assombro. Lembro que acertei dois dos cavaleiros que perseguiram a carruagem, despreparados para uma reação. Parando para pensar agora, imagino que realmente não estavam acostumados a terem alguma resistência, ou talvez fosse o fato de sempre estarem com aquele monstro que devia impedir , mas o fato de que as kunais explosivas fizeram os cavaleiros voarem contra as árvores, caindo imóveis no chão. E meu cérebro não computou o fato de que os tinha matado. Não houve alegria nem tristeza, apenas uma atenção redobrada pelos que viriam depois, especialmente porque os gritos continuavam a ecoar pela floresta.  
Não acordei em um sobressalto.   

Para fazer isso eu precisaria dormir primeiro e, não importa o que eu fizesse, não importa o quanto eu tentasse, eu não conseguia pregar os olhos. Sempre que tentava, minha memória de elefante reproduzia a cena como se o média player estivesse travado em um loop infinito. Eu não queria admitir, mas a única coisa que eu continuava buscando em minhas memórias eram respostas para as perguntas que eu não parava de me fazer: Eu poderia ter feito algo para impedir a morte de todos? Porque eu não conseguia me sentir culpado por ter tirado aquelas vidas? E porque eu tomei a vida de Shihou?  

Eu sei que sempre quis viver uma vida longe de tantas responsabilidades como as que meu pai jogava sobre os meus ombros, mas só isso não justificava ter voltado com o rosto de outra pessoa. Talvez fosse a incapacidade de admitir que, em meio aquela tragédia, eu era um sobrevivente covarde, que deveria ter morrido junto com meus amigos ou, pelo menos, perseguido os bandidos e recuperado os corpos roubados. Ou...Não...Era melhor ficar com as duas possibilidades que eu cogitara...A terceira era algo egoísta demais para que eu aceitasse como possível motivo.  

Já fazia três semanas desde o ocorrido e eu já tinha melhorado a melhor parte do apartamento. Quando cheguei havia louça suja na pia, comida estraga na geladeira e roupa suja na máquina.  Provavelmente por causa da minha inquietação eu sentira a necessidade absurda de organizar tudo aquilo, mesmo que não estivesse totalmente de acordo com a personalidade de Shihou, talvez fosse apenas uma forma de me sentir mais limpo depois do que fizera.  

Encontrara com meu pai algumas vezes. Outra coisa que me magoava era o fato dele parecer não sofrer minha perda, nem que fosse para lamentar um espécime Ootori. Era um pouco doloroso encarar a realidade de que o que realmente importava para ele era a segurança da vila. Imagino que já esteja planejando uma forma de me substituir com alguém mais capaz.  

- Acho que não dá pra passar o resto do dia me lamentando. – Ouvir a voz de Shihou era ainda um pouco apavorante. Era como ouvir um morto falando ou, nesse caso, ser um morto.  

Ergui-me da cama com visível dificuldade.  Meu corpo parecia reclamar de cansaço, ultrajado pela minha insistência em não pegar no sono, mesmo considerando o fato de ter passado a noite toda deitado. 

O quarto estava milimetricamente ajeitado, muito diferente de como o encontrei. Acho que falhei em absorver a personalidade desordeira de Shihou, mas sinceramente não consegui ficar sem fazer absolutamente nada durante aquela semanas. 

- Preciso mesmo treinar. - Falei pra ninguém em particular, cercando-o meus punhos e batendo-o com  força na mesa de mogno negra.
Status:  200 /200

Itens & Armas


  Kunai: 05;
  Shuriken: 00;
  Fuma Shuriken: 00;
  Senbon: 10;
  Kibaku Fuuda: 08;
  Kemuridama: 02;
  Makibishi: 10;
  Hikaridama: 02;
  Fios: 10m;
  Ampola (Veneno, Medicamentos, etc): 00;
  Óculos: 01.

Jutsus




Observações

Primeiro Treinamento de Filler.
-
Convidado
Convidado
Anonymous
Vilarejo Atual

Re: [Filler] Akito - 28/5/2017, 09:55

@
-


Edição de Aniversario por Shion e Senko.